Jeans

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Jeans (desambiguação).
Um par de jeans
Imagem microscópica de tecido desbotado

Jeans (português brasileiro) ou calças de ganga (português europeu) são um tipo de calças feitas de brim ou macacão. Frequentemente, o termo "jeans" se refere a um estilo particular de calças, chamado "jeans azul", com bolsos rebitados em cobre que foram inventados por Jacob W. Davis em 1871[1] e patenteados por Jacob W. Davis e Levi Strauss em maio 20, 1873. Antes da patente, o termo "jeans azul" era muito usado para várias roupas (incluindo calças, macacões e casacos), feitas de jeans de cor azul.[2]

"Jean" também faz referência a um tipo (histórico) de tecido resistente comumente feito com urdidura de algodão e trama de (também conhecido como "tecido da Virgínia"). O tecido jeans também pode ser inteiramente de algodão, semelhante ao brim. Originalmente projetado para mineiros, o jeans moderno foi popularizado como roupa casual por Marlon Brando e James Dean em seus filmes dos anos 1950, particularmente The Wild One e Rebel Without a Cause,[3] levando o tecido a se tornar um símbolo de rebelião entre os adolescentes, especialmente os membros da subcultura greaser. A partir da década de 1960, o jeans tornou-se comum entre várias subculturas juvenis e, posteriormente, entre os jovens da população em geral. Hoje em dia, eles são um dos tipos mais populares de calças especiais na cultura ocidental. Marcas históricas incluem Levi's, Lee e Wrangler.

História[editar | editar código-fonte]

Tecido[editar | editar código-fonte]

Um vestido genovês feminino tradicional em "jeans azul" (década de 1890). Palazzo Spinola di Pellicceria, Gênova, Itália

Pesquisas sobre o comércio do tecido jeans mostram que ele surgiu nas cidades de Gênova, na Itália, e Nîmes, na França. Gênes, palavra francesa para Gênova, pode ser a origem da palavra “jeans”. Em Nîmes, os tecelões tentaram reproduzir o tecido jeans, mas em vez disso desenvolveram um tecido de sarja semelhante que ficou conhecido como brim ou denim, "de Nîmes". O tecido jeans de Gênova era um tecido fustão de "qualidade média e custo razoável", muito semelhante ao veludo de algodão pelo qual Gênova era famosa, e era "usado para roupas de trabalho em geral". A marinha genovesa equipou seus marinheiros com jeans, pois eles precisavam de um tecido que pudesse ser usado molhado ou seco.[4][5] O brim de Nîmes era mais grosseiro, considerado de qualidade superior, e era usado "para peças de vestuário como batas ou macacões".[6](p23) Em 1576, uma quantidade de "jean fustians" chegou ao porto de Barnstaple em um navio de Bristol.[7] Quase todo índigo, necessário para tingimento, veio de plantações de arbustos de índigo na Índia até o final do século XIX. Foi substituído por métodos de síntese de índigo desenvolvidos na Alemanha.[8]

Os rebites de cobre para reforço dos bolsos são uma característica do jeans azul

No século XVII, o jeans era um tecido crucial para a classe trabalhadora no norte da Itália. Isso é visto em uma série de pinturas de gênero por volta do século XVII atribuídas a um artista agora apelidado de The Master of Blue Jeans.[6](p10) As dez pinturas retratam cenas empobrecidas com figuras de classe baixa vestindo um tecido que parece jeans. O tecido seria jeans genovês, que era mais barato. A pintura de gênero ganhou destaque no final do século XVI, e o tema não nobre em todas as dez pinturas as coloca entre outras que retratam cenas semelhantes.[9]

Produção industrial[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Loverin, Jan (2006). «A Nevada Stylist: Your Denim Jeans Are a Nevada Invention» (PDF). Nevada State Museum Newsletter. 36 (3): 4. Consultado em January 29, 2015. Cópia arquivada (PDF) em April 29, 2013  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  2. See, e.g., The Richmond Enquirer (Richmond, VA) March 25, 1823, wherein a paid notice described the ready-made apparel stolen by a thief : FIFTY DOLLARS REWARD, FOR JEREMIAH, or as he is commonly called Jerry Hatcher, lately a convict of the Penitentiary, who on the night of February 17 last did break through my store and carry off a variety of goods, together with about $20 in change and some ready made clothing, and has made his escape. He is about 4 1/2 or 5 feet high, stout and very well made, with light hair, and I expect has on blue Jeans coatee and brown pantaloons, as he took such from me and has been seen with them on. I expect he is either in Richmond, Petersburg or Lynchburg. Any person who will apprehend said Hatcher and deliver him to me, will meet with my thanks, and the above reward. BRIGHTBERRY BROWN [,] Red Mills, Buckingham [County, Virginia], March 14.
  3. «The fascinating, tumultuous history of a fashion classic». Vice. December 12, 2019  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. Howard, Michael C. (2011). Transnationalism and Society: An Introduction (em inglês). [S.l.]: McFarland. ISBN 978-0-78648625-0 
  5. «Jeans». facweb.cs.depaul.edu. Consultado em August 14, 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Gruber_2010
  7. National Archives (18 February 1576). «Import and Export books for the Port of Barnstaple». E 190/930/5  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. «The synthesis of indigo». Ingenious.org.uk. Consultado em October 28, 2015. Cópia arquivada em March 4, 2016  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda); Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  9. Welch, Evelyn (2005). Shopping in the Renaissance: Consumer Cultures in Italy 1400–1600. New Haven: Yale University Press. p. 44 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Jeans