Mochila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde outubro de 2010). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.


Mochila

Uma mochila é, em sua forma mais simples, um saco de lona ou tecido sintético resistente que é carregado nas costas de uma pessoa, e apoiada através de duas alças que passam por cima dos ombros. Utilizada por soldados, excursionistas, escolares, etc. para transportar artigos de uso pessoal, provisões, material e itens variados. Foi criada originalmente na África antiga, feita de peles de animais.[carece de fontes?]

Na indústria é denominada mochila uma caixa de chapa soldada a uma tubagem ou conduta, cheia com betão ou outro material, com o objectivo de prolongar a vida da conduta na sua resistência ao desgaste e/ou ao calor; neste caso muito usada na indústria cimenteira com betão refratário.

Uso escolar[editar | editar código-fonte]

Segundo especialistas, o ideal é que os estudantes (crianças e adolescentes) carreguem até 10% do próprio peso. “A mochila deve ter duas alças, estar acima da linha da cintura e ser levada sempre nas costas”, alerta Luiz Eduardo Carelli, especialista do Centro de Tratamento das Doenças da Coluna do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Nesta semana, antes de voltar às aulas, teste se você vai carregar muito peso. No Brasil, nos Estados de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul e nas capitais São Paulo e Rio de Janeiro há leis que determinam que os estudantes não carreguem muito peso. A lei paulista limita o estudante a carregar até 10% de seu peso corporal. A carioca[1] estipula um peso máximo de acordo com a idade do aluno. Em Minas, a legislação determina a proporção máxima de 5% de carga em relação ao peso total do estudante com até 10 anos. A proporção sobe para 10% quando a criança tem mais de 10 anos. No Rio Grande do Sul, o limite é de 5% do peso do aluno da educação infantil e de 10% do peso do aluno do ensino fundamental.

Mas se há recomendações e regras, por que crianças continuam a carregar mochilas pesadas? A fisioterapeuta Susi Fernandes levanta algumas hipóteses. A primeira delas está relacionada ao material carregado a mais, que não faz parte da vida escolar, mas é levado pelo estudante, como equipamentos eletrônicos, brinquedos e roupas. O peso da própria mochila, que sozinha pode chegar a cinco quilos, também deve ser considerado. E o armário na escola, apontado como uma boa solução para evitar a sobrecarga, pode ser um vilão se alunos e professores não se organizarem. “De que adianta ter armário se o aluno precisa levar material para casa para estudar?”, questiona.

Para compreender o que professores sabem e pensam, a fisioterapeuta pesquisou o assunto. Dentre as conclusões consta que os mestres têm conhecimentos satisfatórios sobre a questão postural, mas baseados em empirismo, na experiência própria de vida. Sem preparo, não levam em conta a questão peso na hora de escolher o material didático, por exemplo. E a escola também não organiza o horário de forma mais sensata, que proporcione aos estudantes a possibilidade de carregar menos peso.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências

  1. Nativo do Rio de Janeiro

As mochilas foram inventadas por João Monsanto