João Carlos Saad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Johnny Saad)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Carlos Saad
Nascimento 12 de setembro de 1951 (68 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Maria Helena de Barros Saad
Pai: João Jorge Saad
Ocupação Empresário e Jornalista

João Carlos Saad (São Paulo, 12 de setembro de 1951), conhecido também como Johnny Saad, é um empresário e jornalista brasileiro. Filho de João Jorge Saad, fundador da Rede Bandeirantes, é o presidente do Grupo Bandeirantes de Comunicação desde a morte de seu pai, em 1999.[1][2]

Biografia e carreira[editar | editar código-fonte]

Formado pela em Administração da pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Johnny iniciou sua carreira no rádio (Cadeia Verde Amarela) seguindo o exemplo de seu pai João Jorge e depois passou a integrar as demais empresas do Grupo Bandeirantes.[carece de fontes?]

Johnny é o presidente do grupo que está ativo há mais do que 70 anos com investimentos em TV por assinatura, rádios, TV aberta e jornais.[3]

É o fundador da Associação Brasileira de Radiodifusores (ABRA), uma associação de TVs e rádios brasileiras que defende o interesse destes meios.[4]

Em 12 de fevereiro de 2019, por 3 votos a 2, o conselho de administração do conglomerado decide o afastar da presidência, um pedido feito pelas irmãs Márcia e Maria Leonor Saad, que foi rejeitado após decisão judicial. O grupo enfrenta dívidas estimadas em R$1,2 bilhão.[5]

Atuação política[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2013, o prefeito paulistano Fernando Haddad revelou em entrevista a um grupo de blogueiros que havia recebido de um empresário dono de um "grande veículo de comunicação" a confirmação de que o referido veículo realizava campanha implacável contra a sua gestão, em represália pelo aumento do IPTU promovido pela prefeitura.[6][7] Em junho de 2017, num artigo publicado na revista Piauí, o ex-prefeito confirmou as informações da entrevista de dezembro de 2013 e ainda revelou que o entrevero com o Grupo Bandeirantes, e com Johnny Saad, começou após o cancelamento do GP de Fórmula Indy em São Paulo. [8]

O jornalista Paulo Henrique Amorim revelaria em seu blog Conversa Afiada que o empresário em questão seria Johnny Saad.[9]

Referências

  1. Avello Cancino, Cristian (11 de Outubro de 1999). «Morre João Saad, criador da Bandeirantes». Folha de S. Paulo. Consultado em 22 de Setembro de 2016 
  2. «Corpo de Joao Saad é cremado em SP». Diário do Grande ABC. 10 de outubro de 1999. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  3. Jéssica Almeida (20 de agosto de 2009). «João Carlos Saad, Presidente do Grupo Bandeirantes, profere palestra nas FRB». www.riobrancofac.edu.br. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  4. Marcos Júnior. «Johnny Saad - Que fim levou? - Terceiro Tempo». terceirotempo.bol.uol.com.br. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  5. https://natelinha.uol.com.br/televisao/2019/02/12/reuniao-do-conselho-da-band-decidiu-pela-saida-do-presidente-johnny-saad-124771.php
  6. Redação RBA (17 de dezembro de 2013). «Com IPTU, Haddad descobre lado obscuro dos 'donos da cidade'». www.redebrasilatual.com.br. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  7. Paulo Nogueira (19 de dezembro de 2013). «O telefonema de Johnny Saad para Fernando Haddad». www.diariodocentrodomundo.com.br. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  8. Fernando Haddad. «VIVI NA PELE O QUE APRENDI NOS LIVROS». Consultado em 20 de junho de 2017 
  9. Paulo Henrique Amorim. «Saad da Band ameaçou Haddad». Consultado em 18 de dezembro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um empresário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.