Eleições estaduais de Mato Grosso do Sul em 2018

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
← 2014 • Bandeira de Mato Grosso do Sul.svg • 2022
Eleições estaduais de Mato Grosso do Sul em 2018
Governador para o período 2019-2022
7 de outubro de 2018
(primeiro turno)
28 de outubro de 2018
(segundo turno)
Tipo de eleição:  Estadual
Demografia eleitoral
Votantes 1.ª volta/1.º turno: 1478692
  
78.78% Red Arrow Down.svg 0.9%
Votantes em 2.ª volta/2.º turno: 1449374
  
77.17% Red Arrow Down.svg 2%
Reinaldo Azambuja em março de 2018 (recorte).jpg
Reinaldo AzambujaPSDB
coligação: Avançar com Responsabilidade
Votos 1º volta: 576993  
Em 2.ª volta/2.º turno 677310 Green Arrow Up.svg 17.4%
  
44.61%
  
52.35%
Odilon de Oliveira.jpg
Odilon de OliveiraPDT
coligação: Esperança e Mudança
Votos 1.ª volta/1.º turno: 408969  
Em 2.ª volta/2.º turno 616422 Green Arrow Up.svg 50.7%
  
31.62%
  
47.65%
Vencedor por municípios no segundo turno
Eleições estaduais de Mato Grosso do Sul em 2018

Brasão de Mato Grosso do Sul.svg
Governador de Mato Grosso do Sul
Eleito
Reinaldo Azambuja
PSDB

As eleições estaduais de Mato Grosso do Sul, em 2018, foram realizadas nos dias 7 e 28 de outubro como parte das eleições gerais no Brasil[1]. Os eleitores aptos a votar — o que representa 1,8 milhão de cidadãos sul-mato-grossenses[2] — elegeram dois senadores da república (Nelson Trad Filho, do PTB; e Soraya Thronicke, do PSL), oito deputados federais e 24 deputados estaduais[1].

Como nenhum dos candidatos ao governo do estado obteve mais da metade dos votos válidos, um segundo turno foi realizado em 28 de outubro[1] entre o atual chefe do Executivo Reinaldo Azambuja (PSDB) e Odilon de Oliveira (PDT). No primeiro turno, seis candidatos registraram suas candidaturas ao governo, enquanto a disputa pelas duas vagas no Senado Federal contou com a participação de treze candidatos.

Reinaldo Azambuja foi reeleito governador com 52,35% dos votos válidos.

Índice

Contexto[editar | editar código-fonte]

Eleições anteriores[editar | editar código-fonte]

Em 3 de outubro de 2010, Delcídio do Amaral (PT) e Waldemir Moka (PMDB) foram eleitos senadores por Mato Grosso do Sul[3]. Quatro anos depois, em 26 de outubro de 2014, o deputado federal Reinaldo Azambuja foi eleito governador do estado com 55,34% dos votos válidos. Vindo de um primeiro turno, o pecuarista filiado ao PSDB conquistou o resultado superando o senador Delcídio, que teve 44,36% da preferência do eleitorado[4].

Operação Lama Asfáltica[editar | editar código-fonte]

Após passar a faixa ao sucessor[5], o ex-governador André Puccinelli (MDB) sofreu com uma série de adversidades. Em julho de 2015, uma operação da PF revelou um esquema de corrupção durante sua administração do estado[6]. Intitulada Lama Asfáltica, as investigações mostraram fraudes em contratos públicos e implicaram Puccinelli, que rebateu alegando que todas as suas ações tiveram amparo legal e não obteve qualquer vantagem[7].

Em novembro de 2017, o ex-governador e o filho foram presos na operação Papiros de Lama, 5ª fase da Lama Asfáltica[8]. André foi apontado como chefe do esquema de propina[9]. Ambos foram encaminhados para uma penitenciária de Campo Grande[10]. Após um recurso negado[11], pai e filho foram soltos após obterem habeas corpus[12]. A defesa do ex-governador declarou desconhecer os motivos da nova operação[13]. Segundo a PF, o acordo de colaboração premiada do empresário e pecuarista Ivanildo Miranda[14][15]. Ele declarou ao MPF ter sido operador de propina de Puccinelli entre 2006 e 2013 e repassou ao político cerca de R$ 20 milhões[16].

Já em julho de 2018, Puccinelli voltou a ser preso pela PF, no âmbito da operação Lama Asfáltica[17][18][19]. A nova detenção foi embasada em provas colhidas pelo MPF em pedido feito em maio[20][21][22].

Governo Azambuja[editar | editar código-fonte]

No primeiro ano de administração, o governador do estado, Reinaldo Azambuja, cumpriu seis das 23 promessas de campanha, além de ter começado a cumprir outras duas ao longo de 2015[23]. No ano de 2016, o número mudou para cinco promessas cumpridas e três foram executadas parcialmente[24]. No terceiro ano de mandato, Azambuja já tinha cumprido nove promessas, continuava executando outras três, enquanto 11 ainda não haviam sido colocadas em prática[25][26].

Em setembro de 2016, o governo Azambuja recebeu 50% de aprovação, de acordo com pesquisa da IBOPE Inteligência[27]. Uma outra pesquisa do instituto, contratada pela TV Morena, apontou que o chefe do Executivo tinha 37% de avaliação regular, 36% boa, 12% ótima, 7% péssima e 4% ruim[28]. Já em abril de 2017, Azambuja recebeu 70,97% de aprovação popular, somando as avaliações "Ótima", "Boa" e "Regular". Os dados foram apurados pelo Instituto de Pesquisas de Mato Grosso do Sul (Ipems) e divulgados pelo jornal Correio do Estado[29].

Em julho de 2018, o governador já tinha cumprido 12 das 23 promessas de campanha, executou uma parte de quatro compromissos e ainda não havia colocado em prática sete projetos[30][31]. No mês de agosto, o governo Azambuja recebeu avaliação regular de 38%, 37% consideraram ótimo ou bom, 23% opinaram que seria ruim ou péssimo e 3% não souberam responder. Contratada pela TV Morena, a pesquisa foi realizada pela IBOPE Inteligência[32]. Outra sondagem, do instituto Real Time Big Data, apontou que administração do tucano tinha 53% de aprovação, contra 32% de rejeição. 15% dos entrevistados não souberam ou não opinaram[33]. Em setembro, a gestão do governador recebeu 46% de avaliação ótima ou boa, 32% dos entrevistados consideraram regular, 17% acharam ruim ou péssimo e 5% não souberam opinar[34].

Pré-campanha[editar | editar código-fonte]

Nos bastidores, a pré-candidatura à reeleição do atual governador Reinaldo Azambuja caminhou a passos lentos. Ele chegou a cogitar a se candidatar a uma das cadeiras em disputa no Senado Federal[35][36], e até declarou ser contrário à reeleição[37][38]. Durante 2017, ele frisou que só anunciaria a busca pela reeleição após o Carnaval de 2018[39][40][41]. Somente em março de 2018, o chefe do Executivo assumiu publicamente que concorreria mais uma vez ao cargo[42][43].

As especulações da candidatura petista começaram em 2015, com o nome do ex-governador e deputado federal Zeca do PT como provável candidato[44]. Porém, ele descartou a possibilidade em outubro de 2017[45]. Somente em novembro, o diretório estadual passou a apostar no ex-prefeito de Mundo Novo, Humberto Amaducci[46]. O nome dele foi oficializado no mês seguinte[47]. Em junho de 2018, a legenda escolheu a advogada e professora Luciene Maria da Silva como vice na chapa[48][49][50][51].

Já as articulações para uma pré-candidatura emedebista começaram em novembro de 2016, com o nome do ex-governador André Puccinelli e da senadora Simone Tebet apontados como possibilidades[52]. Somente em dezembro de 2017, o ex-governador assumiu publicamente que tentaria um terceiro mandato[53][54].

Mesmo com a segunda prisão de Puccinelli, em julho de 2018, o partido manteve por algumas semanas a pré-candidatura do ex-governador[55][56][57]. Porém, André desistiu no fim do mês[58][59] e indicou a senadora Simone Tebet para disputar o comando da Governadoria[60][61].

O juiz federal Odilon de Oliveira foi apontado como pré-candidato já no primeiro semestre de 2017[62]. Após se aposentar[63], filiar-se oficialmente ao PDT[64][65] e passar por um período de indecisão[66][67][68], assumiu em novembro que entraria na corrida pela Governadoria[69].

Em outubro de 2017, durante um Congresso do PSOL, o ex-vice-prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Danieze, foi indicado pré-candidato ao governo do estado[70]. Por fim, a legenda confirmou em março de 2018 a pré-candidatura de Danieze[71].

Já em junho de 2018, o ex-vereador de Campo Grande Marcelo Bluma foi apontado como pré-candidato ao governo do estado[72][73].

Definição de candidaturas[editar | editar código-fonte]

Eleição majoritária[editar | editar código-fonte]

Candidaturas oficializadas[editar | editar código-fonte]

Movimento Democrático Brasileiro (MDB)[editar | editar código-fonte]

Após a desistência da senadora Simone Tebet[74][75][76] e do procurador licenciado Sérgio Harfouche[77][78], o presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi, foi lançado como candidato ao governo do estado em 14 de agosto[79][80][81] e Tânia Garib como candidata a vice no dia 15[82][83]. Com o rompimento do PSC[84], a coligação se manteve com PR[85], PTC[86][87], PHS[88], PRTB[89], PRP[90] e Democracia Cristã[91].

Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB)[editar | editar código-fonte]

O atual governador Reinaldo Azambuja foi lançado candidato à reeleição em convenção realizada no dia 4 de agosto[92][93][94]. Como vice, foi indicado o ex-prefeito de Dourados e ex-vice-governador Murilo Zauith (DEM)[95][96]. Além do partido Democratas[97], compuseram a coligação tucana PTB[98], PSD[99], PSB[100][101][102], PPS[103], PP[104], PSL[105], PMB[106], PMN[107], Avante[108], Solidariedade[109] e Patriota[110].

Partido dos Trabalhadores (PT)[editar | editar código-fonte]

Em convenção realizada no dia 28 de julho, o PT confirmou a candidatura do ex-prefeito de Mundo Novo, Humberto Amaducci. Sua candidata a vice é Luciene Maria da Silva. Assim, o partido vai à disputa em chapa pura[111].

Partido Democrático Trabalhista (PDT)[editar | editar código-fonte]

O nome do ex-juiz federal Odilon de Oliveira foi oficializado como candidato na convenção realizada em 21 de julho. Para a vaga de vice, foi indicado o empresário e ex-secretário executivo da Fundação de Apoio à Pequisa ao Ensino e à Cultura (Fapec), Herbert Assunção[112][113][114]. A candidatura chegou a receber apoio do PROS[115].

Em 1º de agosto, a legenda anunciou a troca do candidato a vice, indicando a radialista Keliana Fernandes (PROS)[116][117][118]. Porém, a direção voltou atrás no mesmo dia[119][120][121] após críticas[122][123]. O movimento fez com o que o Pros abandonasse a coligação dois dias depois[124][125].

Em seguida, Odilon recebeu o apoio do PRB, no dia 3[126][127], que indicou Marcos Vitor, bispo da comunidade evangélica Sara Nossa Terra e presidente do Conselho de Pastores de Dourados (Conped) como candidato a vice-governador, em 5 de agosto[128][129][130]. Assim, o PDT oficializou a coligação “Esperança e Mudança”, com PDT encabeçando a chapa, o PRB na vice e o Podemos[131].

Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)[editar | editar código-fonte]

Na convenção realizada em 5 de agosto, o ex-vice-prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Danieze, teve o nome oficializado como candidato. A agricultora Osvaldina Freitas, a Diná, foi indicada como candidata a vice, formando assim uma chapa pura[132][133][134].

Partido Verde (PV)[editar | editar código-fonte]

O ex-vereador de Campo Grande Marcelo Bluma foi indicado oficialmente como candidato na convenção realizada em 4 de agosto[135][136]. A Rede Sustentabilidade apontou a professora Ana Maria Bernadelli como vice[137]. Assim, a chapa foi composta por PV, Rede[138] e PCdoB[139].

Desistências[editar | editar código-fonte]

Movimento Democrático Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Na convenção realizada no dia 4 de agosto, a senadora Simone Tebet foi oficializada como candidata ao governo do estado[140][141][142], tendo como vice o procurador licenciado do MPMS, Sérgio Harfouche (PSC)[143][144]. Porém, no dia 12, Simone anunciou que desistiria da candidatura por razões pessoais[74][75][76]. O candidato a vice, Sérgio Harfouche (PSC), também abriu mão da disputa dois dias depois[77][78], anunciando em seguida que concorreria a uma das vagas ao Senado[145][84][146].

Eleições parlamentares[editar | editar código-fonte]

Candidaturas oficializadas[editar | editar código-fonte]

Movimento Democrático Brasileiro (MDB)[editar | editar código-fonte]

Waldemir Moka, senador desde 2011, foi indicado oficialmente para disputar novo mandato na convenção realizada em 4 de agosto[147]. O partido indicou o ex-prefeito de Sonora Zelir Maggioni, o Mano, como primeiro suplente e a ex-vereadora de Campo Grande Maria Emília Sulzer como segunda suplente[148].

Partido da Mulher Brasileira (PMB)[editar | editar código-fonte]

Durante convenção realizada em 4 de agosto, o nome do ex-superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Mato Grosso do Sul, Dorival Betini, foi lançado oficialmente para a disputa[106]. A legenda indicou a empresária Meire Xavier como primeira suplente e a primeira-dama de Mundo Novo, Gislaine Rocha, como segunda suplente[149].

Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB)[editar | editar código-fonte]

O ex-secretário de estado de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, foi oficializado como candidato ao Senado na convenção do partido, realizada em 4 de agosto[150]. O PSB indicou o presidente da Assembleia de Deus, pastor Antônio Dionizio, como primeiro suplente[151]. Já o PSD indicou como segunda suplente a presidente da Câmara Municipal de Dourados, vereadora Daniela Hall[149].

Partido dos Trabalhadores (PT)[editar | editar código-fonte]

Como único candidato, o deputado federal José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, foi confirmado como candidato ao Senado na convenção do partido realizada em 28 de julho. Como primeiro suplente, foi indicado o ex-prefeito de Dourados, Laerte Tetila, também do PT[152]. A advogada Giselle Marques foi oficializada em agosto como segunda suplente[153].

Partido Comunista do Brasil (PCdoB)[editar | editar código-fonte]

Em convenção realizada em 4 de agosto, o PCdoB confirmou a candidatura do advogado Mário Fonseca[139]. O PV indicou o administrador de empresas Elias Camilo como primeiro suplente e a Rede indicou o ex-cacique da Aldeia Indígena Urbana Marçal de Souza, Vânio Lara, como segundo suplente[149].

Partido Republicano Brasileiro (PRB)[editar | editar código-fonte]

Após a desistência do senador Pedro Chaves[154][155], o PRB indicou o vereador de Campo Grande Gilmar da Cruz como candidato em 16 de agosto[156][157][158].

Partido Social Cristão (PSC)[editar | editar código-fonte]

Após o período de convenções, o procurador licenciado Sérgio Harfouche anunciou sua candidatura em 14 de agosto[145][84][146], após a desistência de Simone Tebet[74][75][76] em concorrer ao governo e romper com o MDB[77][78]. Os empresários Edson Almeida e Mackson Vianna foram indicados pelo PSC como primeiro suplente e segundo suplentes, respectivamente[159].

Partido Social Liberal (PSL)[editar | editar código-fonte]

Durante convenção realizada em 4 de agosto, a advogada Soraya Thronicke foi indicada formalmente como candidata[160]. O partido indicou o produtor rural Rodolfo Nogueira como primeiro suplente e o advogado Danny Fabrício Cabral Gomes como segundo suplente[149].

Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)[editar | editar código-fonte]

A candidatura do porteiro Anísio da Fonseca, indígena da etnia Guató, foi oficializada durante convenção realizada em 5 de agosto[132][133][134]. A legenda indicou o servidor público Márcio Benites como primeiro suplente e o agente penitenciário José Roberto Jacques como segundo suplente[149].

Partido Trabalhista Brasileiro (PTB)[editar | editar código-fonte]

O ex-prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho, o Nelsinho Trad, foi lançado oficialmente como candidato na convenção realizada em 4 de agosto[161]. O DEM indicou como primeiro suplente o empresário José Chagas e a professora Terezinha Bazé como segunda suplente[162][163].

Podemos (PODE)[editar | editar código-fonte]

Após a convenção, o partido lançou a candidatura do advogado Humberto Figueiró[164]. O partido indicou ainda empresário Omar Kadri como primeiro suplente e o também empresário Venício de Oliveira como segundo suplente[149].

Porém, o candidato a suplente de senador, Omar Kadri, desistiu da disputa em agosto[165]. No mesmo mês, o candidato a primeiro suplente Venício de Oliveira também renunciou à candidatura[166].

Candidaturas indeferidas[editar | editar código-fonte]

Partido Pátria Livre (PPL)[editar | editar código-fonte]

Em convenção realizada no dia 28 de julho, o partido oficializou o ex-subsecretário de Políticas Públicas para a Juventude do estado, Thiago Freitas, como candidato ao Senado[167]. O PPL vai às urnas sem alianças ou candidatos na eleição majoritária[168]. O partido indicou Luiz Marques Valejo e Fernando Almeida como primeiro e segundo suplentes, respectivamente[149].

Porém, o Tribunal Regional Eleitoral indeferiu a candidatura de Freitas no mês de setembro[169].

Partido Trabalhista Cristão (PTC)[editar | editar código-fonte]

Após a desistência de César Nicolatti[170], o ex-senador Delcídio do Amaral foi indicado como candidato no dia 17 de setembro[171][172]. No dia 4 de outubro, a Justiça Federal de Campo Grande suspendeu os efeitos da cassação do mandato de Delcídio, anulando assim sua inelegibilidade[173]. Porém, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) cassou a liminar e manteve o político inelegível[174].

Depois da eleição, o TRE indeferiu o registro da candidatura de Delcídio, por ainda estar inelegível[175].

Desistências[editar | editar código-fonte]

Partido Democrático Trabalhista (PDT)[editar | editar código-fonte]

A professora universitária Leocádia Aglaé Petry Leme, ex-reitora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Uniderp), foi indicada como candidata ao Senado na convenção realizada em 21 de julho[176].

Porém, para acomodar o candidato do Podemos, o PDT desistiu de lançar a professora Leocádia Petry Leme ao Senado após a convenção[177].

Partido Republicano Brasileiro (PRB)[editar | editar código-fonte]

O nome do senador Pedro Chaves foi lançado à reeleição em convenção realizada no dia 2 de agosto[178][179]. O PRB indicou os dois suplentes, sendo o primeiro o vereador de Campo Grande Gilmar da Cruz[180] e o segundo o parlamentar de São Gabriel do Oeste Angelo Mendes[149]. Porém, Chaves anunciou sua desistência em 15 de agosto[154][155].

Partido Trabalhista Cristão (PTC)[editar | editar código-fonte]

Médico de Campo Grande, César Nicolatti foi oficialmente indicado como candidato durante convenção realizada em 5 de agosto[86][87]. A legenda indicou ainda como primeiro suplente o advogado e presidente estadual do PTC, César Gazolla, e a vereadora de Coronel Sapucaia Niágara Kraievski[149].

Mas em 17 de setembro, Nicolatti desistiu de disputar uma das cadeiras do Salão Azul do Congresso Nacional[170].

Candidatos[editar | editar código-fonte]

Governador[editar | editar código-fonte]

Candidato a governador Último cargo que ocupou Partido e número Candidato (a) a vice Coligação
Humberto Amaducci Prefeito de Mundo Novo
(2013–2016)
PT — 13 Luciene Silva
(PT)
Candidato não coligado
João Alfredo Danieze Vice-prefeito de
Ribas do Rio Pardo
(2009–2010)
PSOL — 50 Diná Freitas
(PSOL)
Candidato não coligado
Junior Mochi Junior Mochi Presidente da ALMS
(2015–2019)
MDB — 15 Tânia Garib
(MDB)
Amor, Trabalho e Fé
(MDB, PTC, PR, PHS, PRTB, PRP e DC)
Marcelo Bluma Vereador de Campo Grande
(2001–2012)
PV — 43 Ana Maria Bernardelli (REDE) O Nosso Movimento é por Mudança
(PV, REDE e PCdoB)
Odilon de Oliveira Odilon de Oliveira Juiz federal
(1987–2017)
PDT — 12 Marcos Vitor
(PRB)
Esperança e Mudança
(PDT, PRB e PODE)
Reinaldo Azambuja Odilon de Oliveira Governador
(desde 2015)
PSDB — 45 Murilo Zauith
(DEM)
Avançar com Responsabilidade
(PSDB, DEM, PTB, PSL, PMB, PSB, PSD, PP, PPS, PROS, PMN, Avante, SD e PATRI)

Senador[editar | editar código-fonte]

Candidato(a) a senador(a) Último cargo que ocupou Partido e número Candidatos(as) a suplente Coligação
Anísio Guató PSOL — 500 Márcio Benites (PSOL)
José Roberto Jacques (PSOL)
Candidato não coligado
Beto Figueiró PODE — 190 Herbert Assunção (PDT)
Marco Aurélio Guimarães (PDT)
Esperança e Mudança
(PDT, PRB e PODE)
Delcídio do Amaral Delcídio do Amaral Senador
(2003–2016)
PTC — 368 Gazolla (PTC)
Niágara Kraievski (PTC)
Candidato não coligado
Dorival Betini Superintendente
estadual do IBAMA
(2017–2018)
PMB — 356 Meire Xavier (PMB)
Gislaine Rocha (PMB)
Candidato não coligado
Gilmar da Cruz Gilmar da Cruz Vereador de Campo Grande
(desde 2013)
PRB — 100 Josias de Carvalho (PRB)
Angelo Mendes (PRB)
Esperança e Mudança
(PDT, PRB e PODE)
Marcelo Miglioli Secretário de estado de Infraestrutura
(2015–2018)
PSDB — 456 Antônio Dionizio (PSB)
Daniela Hall (PSD)
Avançar com Responsabilidade
(PSDB, DEM, PTB, PSB, PSD, PP, PPS, PROS, PMN, SD e PATRI)
Mário Fonseca PCdoB — 654 Elias Camilo (PV)
Lucianne Pina (PV)
O Nosso Movimento é por Mudança
(PV, REDE e PCdoB)
Nelsinho Trad Nelsinho Trad Secretário de estado extraordinário
de Articulação, de
Desenvolvimento Regional
e dos Municípios
(2013–2014)
PTB — 144 José Chagas (DEM)
Terezinha Bazé (DEM)
Avançar com Responsabilidade
(PSDB, DEM, PTB, PSB, PSD, PP, PPS, PROS, PMN, SD e PATRI)
Sérgio Harfouche Sérgio Harfouche Procurador do MPMS
(desde 1992)
PSC — 200 Edson Almeida (PSC)
Mackson Vianna (PSC)
Candidato não coligado
Soraya Thronicke Soraya Thronicke PSL — 177 Rodolfo Nogueira (PSL)
Danny Fabrício (PSL)
Candidata não coligada
Waldemir Moka Delcídio do Amaral Senador
(2011–2019)
MDB — 151 Mano (MDB)
Maria Emília Sulzer (MDB)
Amor, Trabalho e Fé
(MDB, PTC, PR, PHS, PRTB, PRP e DC)
Zeca do PT Zeca do PT Deputado federal
(2015–2019)
PT — 133 Laerte Tetila (PT)
Giselle Marques (PT)
Candidato não coligado

Pesquisas de opinião[editar | editar código-fonte]

Pré-campanha[editar | editar código-fonte]

Governo do Estado[editar | editar código-fonte]

Período da pesquisa Instituto Total de entrevistados Margem de erro (pontos percentuais) MDB PDT PSDB PSOL PT PV Sem filiação Outros Abst./
Não decid.
19 a 21 de dezembro de 2016 Ipems[181] 400 4,9 33,07%
(Puccinelli)
34,77%
(Azambuja)
32,16%
1º a 10 de março de 2017 Ranking[182] 3000 25,6%
(Puccinelli)
16,5%
(Azambuja)
2,96%
(Odilon)
22,62% 32,52%
24 de julho a 3 de agosto de 2017 Ipems[183] 1528 2,51 25,64%
(Puccinelli)
21,83%
(Azambuja)
22,47%
(Odilon)
10,05% 17,61%
9 a 16 de outubro de 2017 Ranking[184] 3000 2,5 17,6%
(Puccinelli)
12,83%
(Azambuja)
1,46%
(Bluma)
14,03%
(Odilon)
17,78% 24,1%
21,66%
(Puccinelli)
15,63%
(Azambuja)
20,16%
(Odilon)
13,33% 29,22%
18 a 25 de outubro de 2017 Ipems[185] 1329 2,69 26,91%
(Puccinelli)
16,92%
(Azambuja)
25,29%
(Odilon)
9,47% 21,41%
4 a 12 de dezembro de 2017 Ranking[186] 3000 2,5 17,06%
(Puccinelli)
28,36%
(Odilon)
16,13%
(Azambuja)
0,23%
(Amaducci)
11,58% 27,77%
9 a 17 de dezembro de 2017 Ipems[187] 2285 2,05 24,58%
(Puccinelli)
32,5%
(Odilon)
23,17%
(Azambuja)
0,42%
(Amaducci)
3,82% 15,52%
4,83%
(Waldeli)
36,56%
(Odilon)
32,37%
(Azambuja)
0,44%
(Amaducci)
4,07% 22,24%
5,25%
(Mochi)
44,9%
(Odilon)
0,52%
(Amaducci)
5,35%
1º a 5 de fevereiro de 2018 Ranking[188] 1200 2,83 15,5%
(Puccinelli)
30,16%
(Odilon)
18,16%
(Azambuja)
1,16%
(Danieze)
1,83%
(Amaducci)
13,53% 19,66%
11 a 15 de março de 2018 Ranking[189] 1200 2,83 20,16%
(Puccinelli)
22,75%
(Odilon)
18,75%
(Azambuja)
0,58%
(Danieze)
1,58%
(Amaducci)
13,81% 22,37%
17 a 21 de março de 2018 Vox Populi[190] 500 23%
(Puccinelli)
30%
(Odilon)
9%
(Azambuja)
1%
(Amaducci)
11% 13%
20 a 23 de março de 2018 Top Mídia[191] 600 4 21%
(Puccinelli)
18%
(Odilon)
14%
(Azambuja)
32,2%
5 a 8 de abril de 2018 DATAmax[192] 804 3,5 21,4%
(Puccinelli)
25,4%
(Odilon)
22,6%
(Azambuja)
0,9%
(Danieze)
1%
(Amaducci)
3,3% 37,5%
14 a 20 de abril de 2018 Ipems[193] 1200 2,83 25,43%
(Puccinelli)
34,94%
(Odilon)
25,5%
(Azambuja)
2,58%
(Amaducci)
12,55%
17 a 20 de abril de 2018 Top Mídia[191] 600 4 28%
(Puccinelli)
25%
(Odilon)
21%
(Azambuja)
12,5%
7 a 11 de maio de 2018 IPR[194][195] 744 3,6 27,28%
(Puccinelli)
28,49%
(Odilon)
13,6%
(Azambuja)
0,54%
(Danieze)
0,54%
(Amaducci)
0,54% 18,57%
17 a 22 de maio de 2018 Top Mídia[191] 600 4 31%
(Puccinelli)
26%
(Odilon)
19%
(Azambuja)
18,8%
30 de maio a 5 de junho de 2018 Ranking[196] 1200 2,83 23,41%
(Puccinelli)
28,08%
(Odilon)
22,33%
(Azambuja)
0,5%
(Danieze)
1,58%
(Amaducci)
7,98% 16,12%
18 a 21 de junho de 2018 Top Mídia[191] 600 4 23%
(Puccinelli)
25%
(Odilon)
22%
(Azambuja)
27,6%
9 a 11 de julho de 2018 Ipems[197] 400 4,9 29,39%
(Puccinelli)
30,74%
(Odilon)
25,77%
(Azambuja)
1,24%
(Danieze)
1,47%
(Amaducci)
11,37%
14 a 19 de julho de 2018 Ranking[198] 1200 2,8 27,17%
(Puccinelli)
24,58%
(Odilon)
26,08%
(Azambuja)
0,75%
(Danieze)
0,83%
(Amaducci)
2,5% 11,37%
17 a 21 de julho de 2018 Top Mídia[199] 600 4 19%
(Puccinelli)
21%
(Odilon)
18%
(Azambuja)
0,7%
(Amaducci)
1,1% 40,2%
7 a 10 de agosto de 2018 IPR[200] 700 3,5 12,29%
(Simone)
27,29%
(Odilon)
19,86%
(Azambuja)
0,43%
(Danieze)
1,86%
(Amaducci)
1,71%
(Bluma)
36,57%
6 a 12 de agosto de 2018 Ranking[201] 1200 2,83 13,75%
(Simone)
25,5%
(Odilon)
36,66%
(Azambuja)
0,91%
(Danieze)
3,5%
(Amaducci)
3,83%
(Bluma)
15,85%

Senado[editar | editar código-fonte]

Nota: como em 2018 os eleitores escolhem dois senadores por estado, a soma dos percentuais atinge 200%, uma vez que os entrevistados podem optar por dois nomes.

Período da pesquisa Instituto Amostra Margem de erro MDB PCdoB PMB PODE PPL PRB PSC PSL PSDB PSOL PT PTB PTC Outros Abst./
Não decid.
19 a 21 de dezembro de 2016 Ipems[202] 400 4,9 17,76%
(Moka)
12,09%
(Chaves)
21,55%
(Zeca)
40,68%
(Nelsinho)
14,78%
15 a 17 de março de 2017 Ipems[203] 400 4,9 9,44%
(Moka)
7,59%
(Chaves)
12,39%
(Zeca)
34,95%
(Nelsinho)
35,73% 41,63%
24 de julho a 3 de agosto de 2017 Ipems[204] 1528 2,51 22,61%
(Moka)
2,3%
(Chaves)
30,53%
(Zeca)
42,99%
(Nelsinho)
6,28% 27,42%
9 a 16 de outubro de 2017 Ranking[205] 3000 2,5 6,13%
(Moka)
4,76%
(Chaves)
8,46%
(Zeca)
15,2%
(Nelsinho)
28,92% 36,53%
18 a 25 de outubro de 2017 Ipems[206] 2139 2,69 19,25%
(Moka)
3,31%
(Chaves)
21,7%
(Zeca)
30,7%
(Nelsinho)
35,59% 8,69%
9 a 17 de dezembro de 2017 Ipems[207] 2285 25,53%
(Moka)
3,1%
(Chaves)
0,92%
(Miglioli)
31,2%
(Zeca)
39,75%
(Nelsinho)
9,67% 39,41%
1º a 5 de fevereiro de 2018 Ranking[208] 1200 2,83 10,25%
(Moka)
3,16%
(Maia)
14,75%
(Chaves)
18,25%
(Zeca)
31,16%
(Nelsinho)
14,74% 7,69%
11 a 15 de março de 2018 Ranking[209] 1200 2,83 4,41%
(Moka)
3,91%
(Maia)
8,66%
(Chaves)
2,66%
(Miglioli)
14,33%
(Zeca)
27,17%
(Nelsinho)
10,07% 28,79%
5,33%
(Moka)
4%
(Maia)
5,83%
(Chaves)
2,41%
(Miglioli)
6,25%
(Zeca)
4,16%
(Nelsinho)
16,83% 55,19%
17 a 21 de março de 2018 Vox Populi[210] 500 4,4 4%
(Moka)
2%
(Maia)
5%
(Chaves)
15%
(Zeca)
27%
(Nelsinho)
2% 43%
5%
(Moka)
3%
(Maia)
5%
(Chaves)
7%
(Zeca)
10%
(Nelsinho)
3% 67%
5%
(Moka)
3%
(Maia)
5%
(Chaves)
1%
(Miglioli)
15%
(Zeca)
25%
(Nelsinho)
45%
4%
(Moka)
3%
(Maia)
6%
(Chaves)
1%
(Miglioli)
7%
(Zeca)
10%
(Nelsinho)
68%
14 a 20 de abril de 2018 Ipems[211] 1200 2,83 23,58%
(Moka)
4,62%
(Maia)
6,24%
(Chaves)
7%
(Harfouche)
2,74%
(Miglioli)
31,76%
(Zeca)
41,59%
(Nelsinho)
7 a 11 de maio de 2018 IPR[194][195] 744 3,6 6,59%
(Moka)
0,54%
(Betini)
2,02%
(Maia)
4,44%
(Chaves)
4,03%
(Harfouche)
1,61%
(Soraya)
0,67%
(Miglioli)
10,22%
(Zeca)
30,91%
(Nelsinho)
0,81% 23,92%
8,87%
(Moka)
0,67%
(Betini)
3,49%
(Maia)
4,57%
(Chaves)
1,34%
(Harfouche)
0,94%
(Soraya)
1,21%
(Miglioli)
5,78%
(Zeca)
7,93%
(Nelsinho)
0,67% 44,22%
30 de maio a 5 de junho de 2018 Ranking[212] 1200 2,83 6%
(Moka)
0,58%
(Betini)
1,66%
(Maia)
3%
(Chaves)
3,41%
(Harfouche)
1,66%
(Miglioli)
17,16%
(Zeca)
21,58%
(Nelsinho)
44,95%
5,58%
(Moka)
1,91%
(Betini)
2,66%
(Maia)
3,83%
(Chaves)
1,33%
(Harfouche)
2,16%
(Miglioli)
5,83%
(Zeca)
14,83%
(Nelsinho)
61,87%
18 a 21 de junho de 2018 Top Mídia[213] 600 4 10%
(Moka)
3%
(Maia)
5%
(Chaves)
1,5%
(Harfouche)
1,5%
(Miglioli)
17%
(Zeca)
26%
(Nelsinho)
36,5%
8%
(Moka)
2%
(Maia)
3%
(Chaves)
1%
(Harfouche)
1%
(Miglioli)
9%
(Zeca)
18%
(Nelsinho)
58%
9 a 11 de julho de 2018 Ipems[214] 400 4,9 13,15%
(Moka)
3,31%
(Betini)
5,92%
(Maia)
6,57%
(Chaves)
8,9%
(Harfouche)
9,68%
(Soraya)
3,02%
(Miglioli)
24,4%
(Zeca)
41,78%
(Nelsinho)
14 a 19 de julho de 2018 Ranking[215] 1200 2,8 6,17%
(Moka)
3,33%
(Betini)
3,08%
(Maia)
3,91%
(Chaves)
3,25%
(Harfouche)
1,75%
(Miglioli)
14,5%
(Zeca)
27,75%
(Nelsinho)
36,26%
5,83%
(Moka)
2,83%
(Betini)
2,67%
(Maia)
3,41%
(Chaves)
3,33%
(Harfouche)
2,17%
(Miglioli)
7,83%
(Zeca)
8,25%
(Nelsinho)
63,68%
17 a 21 de julho de 2018 Top Mídia[216] 600 4 14%
(Moka)
2%
(Maia)
4%
(Chaves)
2%
(Harfouche)
1%
(Miglioli)
15%
(Zeca)
28%
(Nelsinho)
34%
9%
(Moka)
1%
(Maia)
2%
(Chaves)
3%
(Harfouche)
1%
(Miglioli)
7%
(Zeca)
16%
(Nelsinho)
61%
6 a 12 de agosto de 2018 Ranking[217] 1200 2,83 6,25%
(Moka)
0,75%
(Fonseca)
3,08%
(Betini)
1,75%
(Figueiró)
0,75%
(Freitas)
7,83%
(Chaves)
2%
(Soraya)
3,41%
(Miglioli)
1,5%
(Anísio)
14,25%
(Zeca)
28,58%
(Nelsinho)
1,08%
(Nicolatti)
28,77%
6,83%
(Moka)
1,16%
(Fonseca)
3%
(Betini)
2,25%
(Figueiró)
1,91%
(Freitas)
5,66%
(Chaves)
1%
(Soraya)
3,16%
(Miglioli)
1,66%
(Anísio)
8,5%
(Zeca)
10,75%
(Nelsinho)
1,16%
(Nicolatti)
52,96%

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Governo do Estado[editar | editar código-fonte]

Divulgação Instituto Margem
de erro
Candidato Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
Azambuja (PSDB) Odilon (PDT) Mochi (MDB) Amaducci (PT) Bluma (PV) João Alfredo (PSOL)
24 de agosto de 2018 Ibope[218] ±3% 39% 24% 3% 2% 2% 2% 17% 11%
25 de agosto de 2018 IPR[219] ±2,9% 25,33% 26,75% 7,33% 2,58% 1% 1,33% 15,5% 20,17%
27 de agosto de 2018 Real Time Big Data[220] ±3% 35% 28% 6% 2% 1% 1% 10% 17%
4 de setembro de 2018 Ranking[221] ±2,83% 35,33% 27,58% 5,25% 3,5% 2,33% 3,08%
17 de setembro de 2018 Ranking[222] ±2,83% 30,08% 28,33% 16,41% 4,58% 2,75% 2%
21 de setembro de 2018 Ranking[223] ±2,83% 32,5% 24,25% 19,5% 3,5% 3,25% 1,41%
21 de setembro de 2018 Ipems[224] ±2,53% 42,94% 29,35% 7,77% 4,76% 2,62% 0,72%
24 de setembro de 2018 Ibope[225] ±3% 40% 29% 5% 4% 2% 2% 10% 9%
26 de setembro de 2018 Ranking[226] ±2,83% 36,25% 25,16% 20,41% 3,41% 2,08% 0,83%
27 de setembro de 2018 Ibrape[227] ±3% 42% 26% 7% 6% 2% 2% 10% 5%
30 de setembro de 2018 DATAmax[228] ±3% 37,5% 26,9% 6,2% 5,4% 2% 1,3% 11,2% 12,6%
1º de outubro de 2018 Ranking[229] ±2,83% 38,16% 24,33% 20,91% 4,08% 3,16% 1,75%
2 de outubro de 2018 Ipems[230] ±2,53% 45,82% 30,24% 7,17% 4,2% 1,44% 0,82%
3 de outubro de 2018 Ibrape[231] ±3% 44% 27% 7% 5% 2% 2% 9% 4%
4 de outubro de 2018 Ranking[232] ±2,83% 37,16% 23,91% 21% 4,16% 3,5% 2%
4 de outubro de 2018 Real Time Big Data[233] ±3% 44% 21% 10% 4% 2% 1% 8% 10%
5 de outubro de 2018 Ibope[234] ±3% 44% 31% 6% 4% 2% 1% 5% 7%
6 de outubro de 2018 Ranking[235] ±2,83% 37,16% 23,25% 22,08% 5% 3,08% 1,16%
6 de outubro de 2018 DATAmax[236] ±3% 38,9% 24,7% 6,7% 4,1% 1,8% 1,1% 7,5% 15,1%

Senado[editar | editar código-fonte]

Nota: como em 2018 os eleitores escolhem dois senadores por estado, a soma dos porcentuais atinge 200%, uma vez que os entrevistados podem optar por dois nomes.

Divulgação Instituto Margem
de erro
Candidato (a) Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
Nelsinho (PTB) Zeca do PT Moka (MDB) Delcídio (PTC) Soraya (PSL) Miglioli (PSDB) Outros
24 de agosto de 2018 Ibope[237] ±3% 34% 29% 20% 6% 3% 29%[A] 46% 34%
25 de agosto de 2018 IPR[219] ±2,9% 21,33% 20,34% 11,5% 2,92% 3,84% 21,42%[B]
27 de agosto de 2018 Real Time Big Data[238] ±3% 34% 24% 21% 7% 8% 19%[C] 28% 59%
4 de setembro de 2018 Ranking[239] ±2,83% 38,41% 17,33% 13,58% 4,91% 6,58% 46,63%[D]
17 de setembro de 2018 Ranking[240] ±2,83% 40,41% 18,08% 17,16% 8,08% 5,66% 36,9%[E]
21 de setembro de 2018 Ranking[241] ±2,83% 38,16% 19% 19,41% 3,58% 10,16% 36,31%[F]
24 de setembro de 2018 Ibope[242] ±3% 33% 30% 19% 14% 4% 8% 22%[G] 35% 35%
26 de setembro de 2018 Ranking[243] ±2,83% 38,25% 19,41% 21,58% 14,25% 5,58% 11,58% 37,05%[H]
1º de outubro de 2018 Ranking[244] ±2,83% 37,25% 20,83% 22,16% 17,41% 16,16% 7,41% 26,81%[I]
1º de outubro de 2018 DATAmax[245] ±3% 26,3% 24,4% 18% 16,1% 12% 8,5% 16,8%[J] 31% 47,1%
3 de outubro de 2018 Ipems[246] ±2,53% 30,85% 24,9% 18,83% 17,08% 10,69% 10,65% 17,65%[K]
4 de outubro de 2018 Ranking[247] ±2,83% 36,5% 20,75% 22,5% 18,75% 17,5% 7,66% 25,3%[L]
4 de outubro de 2018 Ibrape[248] ±3% 28% 26% 25% 18% 16% 14% 19%[M] 17% 37%
4 de outubro de 2018 Real Time Big Data[249] ±3% 33% 29% 25% 13% 13% 16% 23%[N] 26% 22%
5 de outubro de 2018 Ibope[250] ±3% 39% 29% 24% 16% 12% 11% 24%[O] 21% 23%
6 de outubro de 2018 Ranking[251] ±2,83% 35,75% 20,75% 23,41% 19,08% 17,91% 15,08% 26,56%[P]
6 de outubro de 2018 DATAmax[252] ±3% 25,5% 23,3% 18,1% 14,5% 11,7% 10,2% 16,1%[Q] 25% 55,6%

[A] - Outros oito candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 8%, Pedro Chaves (PRB) 7%, Mário Fonseca (PCdoB) 4%, Beto Figueiró (PODE) 3%, Thiago Freitas (PPL) 3%, Dorival Betini (PMB) 2%, Anísio Guató (PSOL) 1% e César Nicolatti (PTC) 1%.
[B] - Outros cinco candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 9.42%, Pedro Chaves (PRB) 5.08%, Beto Figueiró (PODE) 2.17%, Anísio Guató (PSOL) 1.25% e Mário Fonseca (PCdoB) 1%. Dorival Betini (PMB) teve 0.92% das intenções de voto, Thiago Freitas (PPL) registrou 0.83% e César Nicolatti (PTC) alcançou 0.75%.
[C] - Outros cinco candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 9%, Beto Figueiró (PODE) 3%, Gilmar da Cruz (PRB), Dorival Betini (PMB) 2% e Mário Fonseca (PCdoB) 2%. Já Thiago Freitas (PPL), Anísio Guató (PSOL) e César Nicolatti (PTC) somaram juntos 1% das intenções de voto.
[D] - Outros oito candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 14.33%, Dorival Betini (PMB) 11.33%, Gilmar da Cruz (PRB) 5.33%, Beto Figueiró (PODE) 4.91%, Thiago Freitas (PPL) 3.16%, César Nicolatti (PTC) 2.71%, Mário Fonseca (PCdoB) 2.41% e Anísio Guató (PSOL) 2.41%.
[E] - Outros oito candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Dorival Betini (PMB) 11.58%, Sérgio Harfouche (PSC) 8.5%, Gilmar da Cruz (PRB) 4.16%, Beto Figueiró (PODE) 3.75%, Thiago Freitas (PPL) 3.16%, Mário Fonseca (PCdoB) 2.91%, Anísio Guató (PSOL) 2.5% e César Nicolatti (PTC) 1.75%.
[F] - Outros oito candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 11.83%, Dorival Betini (PMB) 10.33%, Gilmar da Cruz (PRB) 4.58%, Beto Figueiró (PODE) 2.83%, Thiago Freitas (PPL) 2.66%, Anísio Guató (PSOL) 2.16%, César Nicolatti (PTC) 2.08% e Mário Fonseca (PCdoB) 2%.
[G] - Outros sete candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 7%, Beto Figueiró (PODE) 4%, Thiago Freitas (PPL) 4%, Gilmar da Cruz (PRB) 3%, Mário Fonseca (PCdoB) 2%, Dorival Betini (PMB) 1% e Anísio Guató (PSOL) 1%.
[H] - Outros sete candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Dorival Betini (PMB) 12.16%, Sérgio Harfouche (PSC) 10.41%, Gilmar da Cruz (PRB) 5.5%, Beto Figueiró (PODE) 3.33%, Mário Fonseca (PCdoB) 2.08%, Thiago Freitas (PPL) 1.91% e Anísio Guató (PSOL) 1.66%.
[I] - Outros sete candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Dorival Betini (PMB) 7.25%, Sérgio Harfouche (PSC) 7.08%, Gilmar da Cruz (PRB) 4.08%, Beto Figueiró (PODE) 2.75%, Mário Fonseca (PCdoB) 2.16%, Anísio Guató (PSOL) 1.91% e Thiago Freitas (PPL) 1.58%.
[J] - Outros cinco candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 7.3%, Beto Figueiró (PODE) 3.2%, Gilmar da Cruz (PRB) 2%, Mário Fonseca (PCdoB) 1.6% e Anísio Guató (PSOL) 1%. Dorival Betini (PMB) registrou 0.9% das intenções de voto e Thiago Freitas (PPL) teve 0.8%.
[K] - Outros seis candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 9.17%, Gilmar da Cruz (PRB) 2.22%, Anísio Guató (PSOL) 1.44%, Dorival Betini (PMB) 1.37%, Thiago Freitas (PPL) 1.36% e Mário Fonseca (PCdoB) 1.22%. Beto Figueiró (PODE) registrou 0.87% das intenções de voto.
[L] - Outros sete candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 6.66%, Dorival Betini (PMB) 5.91%, Gilmar da Cruz (PRB) 4.08%, Beto Figueiró (PODE) 2.58%, Mário Fonseca (PCdoB) 2.33%, Anísio Guató (PSOL) 2.08% e Thiago Freitas (PPL) 1.66%.
[M] - Outros sete candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 10%, Anísio Guató (PSOL) 2%, Gilmar da Cruz (PRB) 2%, Beto Figueiró (PODE) 2%, Dorival Betini (PMB) 1%, Mário Fonseca (PCdoB) 1% e Thiago Freitas (PPL) 1%.
[N] - Outros sete candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 15%, Anísio Guató (PSOL) 2%, Gilmar da Cruz (PRB) 2%, Thiago Freitas (PPL) 2%, Dorival Betini (PMB) 2%, Beto Figueiró (PODE) 2% e Mário Fonseca (PCdoB) 2%.
[O] - Outros sete candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 11%, Thiago Freitas (PPL) 3%, Gilmar da Cruz (PRB) 3%, Beto Figueiró (PODE) 2%, Mário Fonseca (PCdoB) 2%, Anísio Guató (PSOL) 2% e Dorival Betini (PMB) 1%.
[P] - Outros sete candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 7.16%, Dorival Betini (PMB) 6%, Gilmar da Cruz (PRB) 4.16%, Beto Figueiró (PODE) 2.75%, Mário Fonseca (PCdoB) 2.58%, Anísio Guató (PSOL) 2.16% e Thiago Freitas (PPL) 1.75%.
[Q] - Outros cinco candidatos foram citados por pelo menos 1% dos entrevistados: Sérgio Harfouche (PSC) 8.7%, Gilmar da Cruz (PRB) 1.9%, Beto Figueiró (PODE) 1.9%, Anísio Guató (PSOL) 1.1% e Thiago Freitas (PPL) 1%. Mário Fonseca (PCdoB) teve 0.8% das intenções de voto e Dorival Betini (PMB) alcançou 0.7%.

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Governo do Estado
Data de divulgação Instituto Margem
de erro
Candidato Brancos ou Nulos Nenhum ou Não sabe
Azambuja (PSDB) Odilon (PDT)
27 de agosto de 2018 Real Time Big Data[253] ±3% 45% 38% 9% 8%
24 de setembro de 2018 Ibope[225] ±3% 44% 39% 10% 7%
4 de outubro de 2018 Real Time Big Data[254] ±3% 50% 35% 7% 8%
Confirmado segundo turno entre Azambuja e Odilon
13 de outubro de 2018 Ranking[255] ±2,83% 48,5% 40,08%
16 de outubro de 2018 Real Time Big Data[256] ±3% 51% 38% 6% 5%
17 de outubro de 2018 DATAmax[257] ±3% 45,1% 40,3% 5,2% 9,4%
18 de outubro de 2018 Ibrape[258] ±3% 46% 39% 11% 4%
19 de outubro de 2018 Ibope[259] ±3% 48% 42% 5% 5%
22 de outubro de 2018 Ranking[260] ±2,83% 48,75% 41,16%
22 de outubro de 2018 Ipexx[261] ±3% 41,73% 46,15%
23 de outubro de 2018 Real Time Big Data[262] ±3% 49% 40% 6% 5%
24 de outubro de 2018 Ranking[263] ±2,83% 47,33% 41,08%
25 de outubro de 2018 Ipexx[264] ±3% 41,73% 46,15%
26 de outubro de 2018 Real Time Big Data[265] ±3% 47% 42% 6% 5%
26 de outubro de 2018 Ibope[266] ±3% 48% 45% 5% 2%
27 de outubro de 2018 Ranking[267] ±2,83% 47,08% 44,41%
27 de outubro de 2018 DATAmax[268] ±3% 41,1% 38,2% 5,8% 14,9%
27 de outubro de 2018 Ipems[269] ±3% 53,95% 38,44% 4,19% 3,42%

Debates[editar | editar código-fonte]

Os debates desta eleição foram realizados entre os dias 3 de setembro e 25 de outubro, no primeiro turno; e nos dias 22 e 25 de outubro, pelo segundo turno. De acordo com a legislação eleitoral brasileira, para a participação nos debates o partido dos candidatos deve somar, ao menos, cinco representantes no Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado).

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Governo do Estado[editar | editar código-fonte]

Data Organizador (es) Mediador (a) Azambuja (PSDB) Odilon (PDT) Mochi (MDB) Amaducci (PT) Bluma (PV) João Alfredo (PSOL)
3 de setembro Midiamax[270] Eduardo Grillo Presente Presente Presente Presente Presente Presente
12 de setembro Federação dos Trabalhadores
em Educação de
Mato Grosso do Sul (Fetems)[271]
Ausente Presente Presente Presente Presente Presente
17 de setembro Rádio Grande[272] Amarildo Ricci Ausente Presente Presente Presente Presente Presente
19 de setembro Sindicato dos Policiais Civis de
Mato Grosso do Sul (Sinpol-MS)[273]
Ginez Cesar Ausente Presente Presente Ausente Ausente Ausente
24 de setembro Midiamax[274] Eduardo Grillo Presente Presente Presente Presente Presente Presente
26 de setembro RIT Dourados
Rádio 94
Associação Comercial e
Empresarial de Dourados (Aced)
Federação das Associações
Empresariais de
Mato Grosso do Sul (Faems)[275]
Cancelado pelos organizadores[276]
2 de outubro TV Morena
G1 MS[277]
Bruna Mendes Presente Presente Presente Presente Presente Presente

Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Data Organizador (es) Mediador (a) Participantes Ausentes
19 de setembro Federação dos Trabalhadores
em Educação de
Mato Grosso do Sul (Fetems)[278]
Anísio Guató
Beto Figueiró
Dorival Betini
Marcelo Miglioli
Mário Fonseca
Nelsinho Trad
Sérgio Harfouche
Soraya Thronicke
Thiago Freitas
Zeca do PT
Delcídio do Amaral
Waldemir Moka

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Governo do Estado
Data Organizador (es) Mediador (a) Azambuja (PSDB) Odilon (PDT)
22 de outubro Midiamax[279] Eduardo Grillo Presente Presente
25 de outubro TV Morena
G1 MS[280]
Bruna Mendes Presente Presente

Resultados[editar | editar código-fonte]

Governador[editar | editar código-fonte]

A contagem dos votos foi iniciada às 17 horas, no horário local do estado. Os primeiros resultados foram divulgados cerca de 40 minutos depois[281], e os números finais foram oficializados às 19h48[282].

Realizado em 7 de outubro, o primeiro turno não deu a maioria absoluta para nenhum candidato. Reinaldo Azambuja, candidato do PSDB à reeleição, teve 44,61% dos votos válidos. Odilon de Oliveira (PDT) atingiu 31,62%; Junior Mochi (MDB) obteve 11,61%; Humberto Amaducci (PT) alcançou 10,26%, Marcelo Bluma (PV) registrou 1,28% e João Alfredo Danieze (PSOL) conquistou 0,63%. Os votos em branco e nulos somaram 12,53% dos votos[283]. A taxa de abstenção foi de 21,22%[284], número 0,69% maior que no primeiro turno de 2014[285].

Classificados para o segundo turno, Azambuja e Odilon disputaram o apoio dos outros adversários[286][287]. O pedetista recebeu o endosso do MDB[288]. Já João Alfredo Danieze, do PSOL[289], e Humberto Amaducci, do PT[290], optaram pela neutralidade.

Assim, em 28 de outubro, o candidato à reeleição conquistou novo mandato, obtendo 677.310 votos válidos, o que representa 52,35% dos votos válidos. O pedetista obteve 616.422, 47,65% do percentual de votos válidos. Os votos brancos e nulos neste turno somaram 10,67%, número 1,83% menor comparando-se com o primeiro turno. Por outro lado, a abstenção teve uma leve alta no segundo turno, atingindo a marca de 22,78%, ou seja, mais de 427 mil eleitores aptos a votar não compareceram.

O ícone Marca de reeleito.svg indica a reeleição.

Candidato(a) Vice 1º turno
7 de outubro de 2018
2º turno
28 de outubro de 2018
Votação
Total[291] Percentagem[291] Total Percentagem[292]
Reinaldo Azambuja
(PSDBInc.)
Marca de reeleito.svg
Murilo Zauith (DEM) 576 993 44,61% 677 310 52,35%
Odilon de Oliveira (PDT) Marcos Vitor (PRB) 408 969 31,62% 616 422 47,65%
Junior Mochi (MDB) Tânia Garib (MDB) 150 115 11,16% Não participou
Humberto Amaducci (PT) Luciene Silva (PT) 132 638 10,26%
Marcelo Bluma (PV) Ana Maria Bernardelli (REDE) 16 544 1,28%
João Alfredo Danieze (PSOL) Diná Freitas (PSOL) 8 095 0,63%
Total de votos válidos 1 293 354 87,47% 1 293 732 89,26%
Votos em branco 68 779 4,65% 38 745 2,67%
Votos nulos 116 509 7,08% 116 897 8,07%
Total 1 478 642 78,78% 1 449 374 77,17%
Abstenções 398 287 21,22% 427 646 22,78%
Eleitores aptos a votar 1 877 982 100,00% 1 877 982 100,00%
  Eleito

Gráficos[editar | editar código-fonte]

Senadores[editar | editar código-fonte]

Candidato(a) Suplentes Turno único
7 de outubro de 2018
Total[293] Percentagem[293]
Nelsinho Trad (PTB) José Chagas (DEM)
Terezinha Bazé (DEM)
424.085 18,37%
Soraya Thronicke (PSL) Rodolfo Nogueira (PSL)
Danny Fabrício (PSL)
373.712 16,19%
Waldemir Moka (MDBInc.) Mano (MDB)
Maria Emília Sulzer (MDB)
357.427 15,48%
Marcelo Miglioli (PSDB) Antônio Dionizio (PSB)
Daniela Hall (PSD)
347.861 15,07%
Zeca do PT (PT) Laerte Tetila (PT)
Giselle Marques (PT)
294.059 12,74%
Sérgio Harfouche (PSC) Edson Almeida (PSC)
Mackson Vianna (PSC)
292.301 12,66%
Gilmar da Cruz (PRB) Josias de Carvalho (PRB)
Angelo Mendes (PRB)
35.227 1,53%
Mário Fonseca (PCdoB) Elias Camilo (PV)
Lucianne Pina (PV)
30.619 1,33%
Anísio Guató (PSOL) Márcio Benites (PSOL)
José Roberto Jacques (PSOL)
28.888 1,25%
Dorival Betini (PMB) Meire Xavier (PMB)
Gislaine Rocha (PMB)
14.415 0,62%
Delcídio Amaral (PTC)[R] Gazolla (PTC)
Niágara Kraiesvki (PTC)
109.927 0,00%
Beto Figueiró (PODE)[S] Herbert Assunção (PDT)
Marco Aurélio Guimarães (PDT)
19.402 0,00%
Thiago Freitas (PPL)[T] Luiz Marques Valejo (PPL)
Fernando Almeida (PPL)
9.520 0,00%
Total de votos válidos 2 198 594 74,34%
Votos em branco 242 899 8,21%
Votos nulos 515 791 17,44%
Total 2 957 284 78,31%
Abstenções 398 287 21,22%
Eleitores aptos a votar 1 877 982 100,00%
  Eleito(a)


[R] - O candidato teve sua candidatura indeferida pelo TRE-MS, portanto os votos recebidos não foram considerados[175].
[S] - O candidato não teve seus votos validados, pela situação jurídica dele e/ou do partido junto ao TRE-MS.
[T] - O candidato teve sua candidatura indeferida pelo TRE-MS, portanto os votos recebidos não foram considerados[169].

Gráficos[editar | editar código-fonte]

Deputados federais[editar | editar código-fonte]

Os eleitos foram remanejados pelo coeficiente eleitoral destinado a cada coligação. Abaixo a lista com o número de vagas e os candidatos eleitos[294]. O ícone Marca de reeleito.svg indica os que foram reeleitos.

Candidato(a) Partido Coligação Votação
Rose Modesto PSDB Avançar com Responsabilidade 120.901
Fábio Trad PSD Avançar com Responsabilidade 89.385
Beto Pereira PSDB Avançar com Responsabilidade 80.500
Tereza Cristina Marca de reeleito.svg DEM Avançar com Responsabilidade 75.068
Tio Trutis PSL Avançar com Responsabilidade 56.339
Vander Loubet Marca de reeleito.svg PT
55.970
Dr. Luiz Ovando PSL Avançar com Responsabilidade 50.376
Dagoberto Marca de reeleito.svg PDT Esperança e Mudança 40.233

Deputados estaduais[editar | editar código-fonte]

Os eleitos foram remanejados pelo coeficiente eleitoral destinado a cada coligação. Abaixo a lista com o número de vagas e os candidatos eleitos[295]. O ícone Marca de reeleito.svg indica os que foram reeleitos.

Candidato(a) Partido Coligação Votação
Capitão Contar PSL Avançar com Responsabilidade 78.930
Coronel David PSL Avançar com Responsabilidade 45.903
Jamilson Name PDT Esperança e Mudança 33.870
Renato Câmara Marca de reeleito.svg MDB Amor, Trabalho e Fé 32.291
Onevan de Matos Marca de reeleito.svg PSDB Avançar com Responsabilidade 30.813
Zé Teixeira Marca de reeleito.svg DEM Avançar com Responsabilidade 30.788
Lídio Lopes Marca de reeleito.svg PATRI Avançar com Responsabilidade 27.877
Paulo Corrêa Marca de reeleito.svg PSDB Avançar com Responsabilidade 27.664
Felipe Orro Marca de reeleito.svg PSDB Avançar com Responsabilidade 27.661
Barbosinha Marca de reeleito.svg DEM Avançar com Responsabilidade 27.492
Marçal Filho PSDB Avançar com Responsabilidade 25.437
Professsor Rinaldo Marca de reeleito.svg PSDB Avançar com Responsabilidade 24.593
Marcio Fernandes Marca de reeleito.svg MDB Amor, Trabalho e Fé 23.296
Eduardo Rocha Marca de reeleito.svg MDB Amor, Trabalho e Fé 22.347
Cabo Almi Marca de reeleito.svg PT
21.121
Pedro Kemp Marca de reeleito.svg PT
20.969
Londres Machado PSD Avançar com Responsabilidade 20.782
Neno Razuk PTB Avançar com Responsabilidade 19.472
Herculano Borges SD Avançar com Responsabilidade 17.731
Gerson Claro PP Avançar com Responsabilidade 16.374
Antonio Vaz PRB Esperança e Mudança 16.224
Evander Vendramini PP Avançar com Responsabilidade 12.627
Lucas de Lima SD Avançar com Responsabilidade 12.391
João Henrique PR Amor, Trabalho e Fé 11.010

Referências

  1. a b c Ramalho, Renan (18 de dezembro de 2017). «TSE aprova calendário eleitoral de 2018; normas sobre voto impresso e 'fake news' ficam para março». G1. Consultado em 3 de março de 2018 
  2. Viegas, Anderson (2 de agosto de 2018). «Em quatro anos, MS ganha quase 60 mil novos eleitores, aponta Justiça Eleitoral». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 2 de agosto de 2018 
  3. «Delcídio (PT) e Moka (PMDB) são eleitos senadores em Mato Grosso do Sul». Folha de S.Paulo. 3 de outubro de 2010. Consultado em 3 de março de 2018 
  4. Boros Voitch, Talita (26 de outubro de 2014). «Reinaldo Azambuja (PSDB) é eleito governador do Mato Grosso do Sul». Gazeta do Povo. Consultado em 3 de março de 2018 
  5. Queiroz, Tatiane (1º de janeiro de 2015). «Reinaldo Azambuja recebe faixa governamental de Puccinelli em MS». G1 − Mato Grosso do Sul. Consultado em 3 de março de 2018 
  6. «Operação contra fraudes em obras de MS cumpre 19 mandados de busca». G1 − Mato Grosso do Sul. 9 de julho de 2015. Consultado em 3 de março de 2018 
  7. «Gravações mostram ex-secretário e Puccinelli falando sobre esquema». G1 − Mato Grosso do Sul. 23 de julho de 2015. Consultado em 3 de março de 2018 
  8. «Ex-governador de MS e filho são presos na 5ª fase da operação Lama Asfáltica». G1 – Mato Grosso do Sul. 14 de novembro de 2017. Consultado em 9 de março de 2018 
  9. Rezende, Graziela (14 de novembro de 2017). «Ex-governador de MS é chefe de esquema de propina, aponta força-tarefa da Lama Asfáltica». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 9 de março de 2018 
  10. Rodrigues, Luana (14 de novembro de 2017). «André Puccinelli vai ficar preso no Centro de Triagem, no Noroeste». Correio do Estado. Consultado em 9 de março de 2018 
  11. «Juiz federal mantém prisão de ex-governador de MS e outros 3 alvos da 5ª fase da Lama Asfáltica». G1 – Mato Grosso do Sul. 14 de novembro de 2017. Consultado em 9 de março de 2018 
  12. Dantas, Tiago (15 de novembro de 2017). «Desembargador manda soltar ex-governador do MS preso pela PF». O Globo. Consultado em 9 de março de 2018 
  13. Bueno, Mayara; Oliveira, Viviane (14 de novembro de 2017). «Defesa diz desconhecer motivo de operação contra André Puccinelli». Campo Grande News. Consultado em 9 de março de 2018 
  14. «VÍDEO: delação de Ivanildo Miranda, ex-operador de Puccinelli, sobre esquema de propina». G1 – Mato Grosso do Sul. 14 de novembro de 2017. Consultado em 24 de abril de 2018 
  15. Bueno, Mayara; Ferreira, Marta (14 de novembro de 2017). «Delação de Ivanildo Miranda desencadeou 5ª fase da Lama Asfáltica». Campo Grande News. Consultado em 9 de março de 2018 
  16. Bueno, Mayara (15 de novembro de 2017). «Delação de Ivanildo foi acertada em julho, 2 meses após acordo da JBS». Campo Grande News. Consultado em 9 de março de 2018 
  17. Carvalho, Cleide (20 de julho de 2018). «PF prende ex-governador do Mato Grosso do Sul e mais duas pessoas». O Globo. Consultado em 20 de julho de 2018 
  18. «Ex-governador do MS André Puccinelli e o filho são presos em operação da PF». Poder360. 20 de julho de 2018. Consultado em 20 de julho de 2018 
  19. Bueno, Mayara; Dos Santos, Aline; Valentim (20 de julho de 2018). «Pela 2ª vez, Puccinelli, filho e advogado são presos pela Polícia Federal». Campo Grande News. Consultado em 20 de julho de 2018 
  20. Affonso, Julia (20 de julho de 2018). «PF prende ex-governador de Mato Grosso do Sul». O Estado de S. Paulo – Blog de Fausto Macedo. Consultado em 20 de julho de 2018. Na decisão que manda prender o ex-governador de Mato Grosso do Sul novamente, a Justiça aponta ‘novas provas’: relatórios da Polícia Federal, da Controladoria Geral da União e da Receita Federal, movimentações bancárias da empresa Instituto Ícone do Direito relativas ao dinheiro proveniente da JBS e análises de materiais apreendidos no Instituto Ícone’ na 5ª fase da Lama Asfáltica. Além nas ‘novas provas, os investigadores citaram duas decisões do Supremo. Ao julgar o habeas corpus de um dos alvos da Lama Asfáltica, a Primeira Turma da Corte cassou liminar do ministro Marco Aurélio que colocava em liberdade oito investigados. Segundo a Procuradoria da República, após a decisão da Primeira Turma, André Puccinelli e outros alvos que estavam em liberdade deveriam ser presos novamente ‘por integrarem a mesma ação criminosa organizada e terem deliberadamente executado ou participado da execução de crimes dotados de extrema gravidade concreta’. 
  21. Affonso, Julia (20 de julho de 2018). «Puccinelli tinha 'poupança de propinas', diz Lama Asfáltica». O Estado de S. Paulo – Blog de Fausto Macedo. Consultado em 20 de julho de 2018 
  22. Zurutuza, Anahi (20 de julho de 2018). «Novas provas motivaram a prisão de Puccinelli, afirma Polícia Federal». Campo Grande News. Consultado em 20 de julho de 2018 
  23. «As promessas de Azambuja». G1 – Mato Grosso do Sul. 29 de dezembro de 2015. Consultado em 9 de março de 2018 
  24. «As promessas de Azambuja». G1 – Mato Grosso do Sul. 30 de dezembro de 2016. Consultado em 9 de março de 2018 
  25. «As promessas de Azambuja». G1 – Mato Grosso do Sul. 2 de janeiro de 2018. Consultado em 9 de março de 2018 
  26. «Em terceiro ano de mandato, Reinaldo Azambuja cumpre 39,13% dos compromissos de campanha». G1 – Mato Grosso do Sul. 2 de janeiro de 2018. Consultado em 10 de março de 2018 
  27. Bueno, Mayara; Rocha, Leonardo (5 de setembro de 2016). «Reinaldo é o 2º governador mais popular do País, mostra pesquisa». Campo Grande News. Consultado em 9 de março de 2018 
  28. «Governo Azambuja é considerado bom por 36% e ruim por 4%, diz Ibope». G1 – Mato Grosso do Sul. 17 de setembro de 2016. Consultado em 9 de março de 2018 
  29. Trindade, Adilson (17 de abril de 2017). «Administração de Reinaldo Azambuja é aprovada por 70,97%, aponta pesquisa». Correio do Estado. Consultado em 9 de março de 2018 
  30. «As promessas de Azambuja». G1 – Mato Grosso do Sul. 9 de julho de 2018. Consultado em 9 de julho de 2018 
  31. Ribeiro, Liniker (10 de julho de 2018). «Reinaldo cumpriu mais da metade das promessas, mostra pesquisa». Campo Grande News. Consultado em 10 de julho de 2018 
  32. «Pesquisa Ibope: governo Reinaldo Azambuja é aprovado por 37% e reprovado por 23%». G1 – Mato Grosso do Sul. 25 de agosto de 2018. Consultado em 25 de agosto de 2018 
  33. Bonifácio, Valdelice (27 de agosto de 2018). «Governo de Reinaldo é aprovado por 53%». Diário Digital. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  34. «Pesquisa Ibope: governo Azambuja é aprovado por 46% e reprovado por 17%». G1 – Mato Grosso do Sul. 24 de setembro de 2018. Consultado em 24 de setembro de 2018 
  35. «Reinaldo Azambuja (PSDB) para governador ou senador?». JP News. 21 de outubro de 2017. Consultado em 10 de março de 2018. O empresário Cláudio Sertão deve concorrer o governo do Mato Grosso do Sul nas eleições do ano que vem pelo partido Podemos, ex-PTN. Ele que é o presidente regional da legenda, foi escolhido pré-candidato a governador nas eleições de 2018. [...] Há quem diga que o atual governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB) não deverá disputar a reeleição, pois poderá concorrer uma das duas vagas no Senado. 
  36. Christie, Diana; Bejarano, Celso; Willyams, Rodson; Squinelo, Vinícius (7 de março de 2018). «Odilon vira atração principal do PDT e ofusca pré-campanha de Dagoberto». Top Mídia News. Consultado em 10 de março de 2018. [...] Reinaldo, logo no início da escolha da pré-candidatura, mostrou resistência à ideia da reeleição e, dizem, pensou em até se candidatar para o Senado. 
  37. «Contrário à reeleição, Reinaldo deixa decisão sobre 2018 para depois». MS Todo Dia. 13 de dezembro de 2017. Consultado em 25 de abril de 2018 
  38. Mecchi, Yarima; Arruda, Daniella (13 de dezembro de 2017). «Azambuja diz que reeleição não deu certo no Brasil e definirá candidatura em 2018». Correio do Estado. Consultado em 10 de março de 2018 
  39. Nonato de Souza, Paulo; Dos Santos, Aline (13 de dezembro de 2017). «Reinaldo diz que somente após o Carnaval irá decidir sobre reeleição». Campo Grande News. Consultado em 10 de março de 2018 
  40. Rezende, Graziela (13 de dezembro de 2017). «Governador de MS diz que se manifestará sobre reeleição somente após carnaval de 2018». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 10 de março de 2018 
  41. Eusébio, Marco (6 de fevereiro de 2018). «'Só depois do carnaval'». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 10 de março de 2018 
  42. De Souza, Thiago; Raes, Airton (10 de março de 2018). «Fim do mistério: PSDB lança Reinaldo pré-candidato à reeleição em MS». Top Mídia News. Consultado em 10 de março de 2018 
  43. De Freitas, Helio (10 de março de 2018). «Militância tucana convoca para reeleição e Reinaldo diz que não foge à luta». Campo Grande News. Consultado em 10 de março de 2018 
  44. Torraca, João Carlos (24 de julho de 2015). «'Lama Asfáltica' muda cenário para eleições de 2016 e 2018». Dourados News. Consultado em 10 de março de 2018. Eleito deputado federal mais votado da história de MS e inocentado das acusações que pesavam contra si, Zeca do PT passa a ser o possível grande adversário de Reinaldo Azambuja (PSDB) em 2018, quando o tucano deverá tentar a reeleição. 
  45. Raes, Airton (1º de outubro de 2017). «Zeca até pensa em Governo, mas diz que candidatura ao Senado é pedido de Lula». Top Mídia News. Consultado em 10 de março de 2018 
  46. Christie, Diana; Raes, Airton; Squinelo, Vinícius (21 de novembro de 2017). «Depois de Rafinha Bastos, PC Siqueira também se rende ao charme TOP». Top Mídia News. Consultado em 10 de março de 2018. O diretório estadual do PT em Mato Grosso do Sul decidiu que o partido terá candidatura própria ao Governo do Estado nas eleições do ano que vem. O principal cotado é o ex-prefeito de Mundo Novo, Humberto Amaducci (PT). 
  47. «PT lança ex-prefeito para concorrer à sucessão de Reinaldo Azambuja». Rádio Caçula. 5 de dezembro de 2017. Consultado em 25 de abril de 2018 
  48. Eusébio, Marco (20 de junho de 2018). «PT anuncia 'chapa pura' em MS». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 24 de junho de 2018 
  49. Moura, Ludyney (21 de junho de 2018). «PT apresenta advogada da região do Bolsão como pré-candidata a vice-governadora». Midiamax. Consultado em 24 de junho de 2018 
  50. Bueno, Mayara; Rocha, Leonardo (21 de junho de 2018). «PT define militante de Três Lagoas como pré-candidata a vice». Campo Grande News. Consultado em 24 de junho de 2018 
  51. Jornada, Izabela (21 de junho de 2018). «Vice de Amaducci é advogada da região do Bolsão». Correio do Estado. Consultado em 24 de junho de 2018 
  52. Eusébio, Marco (17 de novembro de 2016). «A aposta do PMDB em MS». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 10 de março de 2018. [...] Simone Tebet "é a aposta do partido em Mato Grosso do Sul", diz a revista Veja. Isso significa que, embora o ex-governador André Puccinelli seja o principal cotado, pode não voltar à disputa eleitoral como ocorreu neste ano em Campo Grande. 
  53. Abreu, Leandro; Jornada, Izabela (22 de dezembro de 2017). «Puccinelli confirma pré-candidatura ao Governo de Mato Grosso do Sul». Correio do Estado. Consultado em 10 de março de 2018 
  54. Machado, Daniel (22 de dezembro de 2017). «Puccinelli confirma seu nome como candidato em 2018». OE10. Consultado em 10 de março de 2018 
  55. Dias, Aliny Mary; Cunha, Maisse (20 de julho de 2018). «MDB espera soltura de Puccinelli até terça e descarta 'plano B'». Midiamax. Consultado em 29 de julho de 2018 
  56. Maruyama, Alysson (20 de julho de 2018). «Mesmo com prisão de Puccinelli, MDB mantém pré-candidatura dele ao governo do estado e convenção para o dia 4 de agosto». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 29 de julho de 2018 
  57. Rocha, Leonardo (28 de julho de 2018). «À espera do STF, MDB afirma que "nada mudou" e Puccinelli segue candidato». Campo Grande News. Consultado em 29 de julho de 2018 
  58. Mecchi, Yarima (29 de julho de 2018). «Puccinelli desiste de candidatura e pede Simone nas urnas». Correio do Estado. Consultado em 29 de julho de 2018 
  59. Gurgel, Anahi (29 de julho de 2018). «Pedido a Simone para ser candidata foi feito por Puccinelli durante visita». Campo Grande News. Consultado em 29 de julho de 2018 
  60. Ferreira, Marta (29 de julho de 2018). «MDB troca de candidato e decide lançar Simone Tebet ao governo de MS». Campo Grande News. Consultado em 29 de julho de 2018 
  61. «Senadora Simone Tebet é pré-candidata ao governo de Mato Grosso do Sul». Midiamax. 29 de julho de 2018. Consultado em 29 de julho de 2018 
  62. Viegas, Nonato (1º de junho de 2017). «PDT conta com juiz Odilon de Oliveira para o governo de Mato Grosso do Sul». Época – Expresso. Consultado em 10 de março de 2018 
  63. Dos Santos, Aline; De Carlo, Richelieu (5 de outubro de 2017). «Com direito à escolta da PF, juiz Odilon se aposenta para disputar eleição». Campo Grande News. Consultado em 10 de março de 2018 
  64. Bueno, Mayara (27 de outubro de 2017). «PDT afirma que Odilon já se filiou e é pré-candidato ao Governo de MS». Campo Grande News. Consultado em 10 de março de 2018 
  65. Eusébio, Marco (28 de outubro de 2017). «Já filiado ao PDT, juiz Odilon, em vídeo, convida eleitor a 'uma nova caminhada'». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 10 de março de 2018 
  66. Christie, Diana; Squinelo, Vinícius (5 de agosto de 2017). «Filho entrega: Odilon deve sair candidato ao Senado em 2018». Top Mídia News. Consultado em 10 de março de 2018 
  67. Brito, Flávio (21 de setembro de 2017). «"Convites me levam para o governo ou para o Senado", diz Odilon de Oliveira». Capital News. Consultado em 10 de março de 2018 
  68. Júnior, Osvaldo (7 de novembro de 2017). «Tratado como candidato, Odilon diz que ainda não sabe se disputará Governo». Campo Grande News. Consultado em 10 de março de 2018 
  69. Bueno, Mayara; Machado, Mirian (11 de novembro de 2017). «Em evento do PDT, Odilon confirma candidatura ao governo de MS em 2018». Campo Grande News. Consultado em 10 de março de 2018 
  70. Eusébio, Marco (31 de outubro de 2017). «PSOL tem pré-candidato ao governo de MS». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 11 de março de 2018 
  71. Padilha, Joaquim (19 de março de 2018). «PSOL tem pré-candidato a governo de MS e busca 'frente de esquerda'». Midiamax. Consultado em 12 de maio de 2018 
  72. De Souza, Thiago (26 de junho de 2018). «PV lança Marcelo Bluma pré-candidato ao governo de MS». Top Mídia News. Consultado em 28 de junho de 2018 
  73. Eusébio, Marco (27 de junho de 2018). «Em aliança com comunistas, PV lança Bluma para governador em MS». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 28 de junho de 2018 
  74. a b c Pitombo, João Pedro (14 de agosto de 2018). «Plano B de candidato preso, senadora desiste de disputar governo de MS». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  75. a b c Miranda, Eduardo (12 de agosto de 2018). «Simone Tebet desiste de candidatura ao governo do Estado». Correio do Estado. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  76. a b c Viegas, Anderson (13 de agosto de 2018). «Simone Tebet, do MDB, desiste da candidatura ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  77. a b c Araújo, Kerolyn; Willyams, Rodson (14 de agosto de 2018). «Reviravolta: sem Simone, Harfouche desiste do governo e anuncia campanha ao Senado». Top Mídia News. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  78. a b c Eusébio, Marco (14 de agosto de 2018). «Harfouche rompe com MDB e volta a anunciar que disputará o Senado». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  79. Ferreira, Marta; Sanchez, Izabela (14 de agosto de 2018). «Mochi abre mão de tentar reeleição e vai disputar governo pelo MDB». Campo Grande News. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  80. Mecchi, Yarima; Volpe Haddad, Renata (14 de agosto de 2018). «Após baixas, MDB anuncia Junior Mochi como candidato ao Governo». Top Mídia News. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  81. «Junior Mochi é o novo candidato do MDB ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 14 de agosto de 2018. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  82. Dias, Aliny Mary (15 de agosto de 2018). «Tânia Garib é confirmada pelo MDB como vice de Mochi». Midiamax. Consultado em 15 de agosto de 2018 
  83. Ferreira, Marta; Ribeiro, Liniker (15 de agosto de 2018). «MDB confirma Tânia Garib como candidata a vice de Junior Mochi». Campo Grande News. Consultado em 15 de agosto de 2018 
  84. a b c Ferreira, Marta; Gurgel, Anahi (14 de agosto de 2018). «PSC abandona aliança com MDB e lança Harfouche para o Senado». Campo Grande News. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  85. «PR vai apoiar Simone Tebet, MDB, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 4 de agosto de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  86. a b Jornada, Izabela (4 de agosto de 2018). «PTC fecha aliança com MDB e se prepara para anunciar nome da coligação». Correio do Estado. Consultado em 4 de agosto de 2018. O presidente do PTC, partido do ex-senador Delcídio do Amaral, César Renato Gazolla declarou, neste sábado (4), que a sigla fechou aliança com o MDB e que nome de nova coligação será anunciado ainda hoje. [...] O presidente do PTC também anunciou que o partido vai participar na majoritária do MDB e que a sigla vai lançar o médico César Nicolatti ao Senado para compor, junto com Waldemir Moka, também candidato ao Senado pelo MDB. 
  87. a b Gaigher, Cláudia (4 de agosto de 2018). «PTC anuncia apoio a Simone Tebet, do MDB, ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018. O PTC anunciou convenção na manhã deste sábado (04), apoio a Simone Tebet, do MDB, ao governo de Mato Grosso do Sul. [...] Para o Senado, lançaram o nome de César Nicolatti, mas é possível que o ex-senador Delcídio do Amaral ainda decida concorrer. 
  88. «PHS confirma apoio a Simone Tebet, do MDB, ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 4 de agosto de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  89. «PRTB anuncia apoio a Simone Tebet, do MDB, ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 4 de agosto de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  90. «PRP vai apoiar Simone Tebet, MDB, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 5 de agosto de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  91. «DC anuncia apoio a Simone Tebet, do MDB, para o governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 4 de agosto de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  92. Amaral, Amanda; Willyams, Rodson (4 de agosto de 2018). «Reinaldo oficializa candidatura de 2018 comemorando apoio de 14 partidos». Top Mídia News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  93. Dos Santos, Aline; Rocha, Leonardo (4 de agosto de 2018). «Candidato à reeleição, Reinaldo aposta na vida limpa e legado do governo». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  94. Gaigher, Cláudia (4 de agosto de 2018). «PSDB confirma Reinaldo Azambuja como candidato a governador em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  95. Marques, Humberto; Machado, Mirian (4 de agosto de 2018). «DEM confirma aliança e indica Murilo candidato a vice de Reinaldo Azambuja». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  96. Amaral, Amanda; Willyams, Rodson (4 de agosto de 2018). «DEM oficializa aliança com PSDB e indica Murilo como vice de Reinaldo Azambuja». Top Mídia News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  97. Katayama, Juliene (4 de agosto de 2018). «DEM vai apoiar Reinaldo Azambuja, do PSDB, ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  98. Katayama, Juliene (4 de agosto de 2018). «PTB anuncia apoio a Reinaldo Azambuja, do PSDB, para o governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  99. Rezende, Graziela (4 de agosto de 2018). «PSD confirma apoio a Reinaldo Azambuja, do PSDB, ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  100. Dias, Aliny Mary; Cunha, Maisse (25 de julho de 2018). «PSB confirma aliança e fará coligação com PSDB no Estado». Midiamax. Consultado em 29 de julho de 2018 
  101. «PSB anuncia apoio a Reinaldo Azambuja em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 25 de julho de 2018. Consultado em 29 de julho de 2018 
  102. Oliveira, Aline; Volpe Haddad, 29 de julho de 2018 (25 de julho de 2018). «Por unanimidade, PSB apoiará PSDB na disputa ao governo do Estado». Correio do Estado. Consultado em 29 de julho de 2018 
  103. Rezende, Graziela (4 de agosto de 2018). «PPS anuncia apoio a Reinaldo Azambuja, do PSDB, ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  104. Júnior, Chico (4 de agosto de 2018). «PP decide apoiar Reinaldo Azambuja, PSDB, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  105. «PSL vai apoiar Reinaldo Azambuja, PSDB, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 4 de agosto de 2018. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  106. a b Katayama, Juliene (4 de agosto de 2018). «PMB anuncia apoio a Reinaldo Azambuja, do PSDB, para governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018. Em convenção neste sábado (04) o PMB anunciou apoio ao candidato Reinaldo Azambuja, do PSDB, para o governo de MS. O partido lançou Dorival Betini para disputar o senado. 
  107. «PMN vai apoiar Reinaldo Azambuja, PSDB, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 4 de agosto de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  108. Jovê, Camila (4 de agosto de 2018). «Avante anuncia apoio a Reinaldo Azambuja, PSDB, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 1º de abril de 2019 
  109. «Solidariedade vai apoiar Reinaldo Azambuja, PSDB, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 4 de agosto de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  110. «Patriota decide apoiar Reinaldo Azambuja, PSDB, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 4 de agosto de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  111. «PT confirma Humberto Amaducci como candidato a governador de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 28 de julho de 2018. Consultado em 29 de julho de 2018 
  112. Marques, Humberto (21 de julho de 2018). «Com "carta branca" para buscar aliados, PDT confirma candidatura de Odilon». Campo Grande News. Consultado em 21 de julho de 2018 
  113. Moura, Ludyney (21 de julho de 2018). «PDT oficializa chapa pura e Odilon é o 1º candidato ao cargo de governador de MS». Midiamax. Consultado em 21 de julho de 2018 
  114. Secundo, Laureano (21 de julho de 2018). «PDT lança Odilon de Oliveira ao Governo». Diário Digital. Consultado em 21 de julho de 2018 
  115. Jara, Tainá; Volpe Haddad, Renata (21 de julho de 2018). «Podemos e PROS se aliam ao PDT de Odilon». Correio do Estado. Consultado em 21 de julho de 2018 
  116. Moretto, Adriano (1º de agosto de 2018). «Reunião na Capital sela Keliana Fernandes como vice de Odilon». Dourados News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  117. Cunha, Maisse (1º de agosto de 2018). «10 dias após anúncio, Odilon troca empresário por radialista de Dourados como vice». Midiamax. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  118. Amaral, Amanda (1º de agosto de 2018). «Onze dias após convenção, Odilon troca empresário por vice radialista de Dourados». Top Mídia News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  119. Marques, Humberto (1º de agosto de 2018). «Em meio a crise com candidatos, PDT troca nome da vice de Odilon». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  120. Fernandes, Adriano (1º de agosto de 2018). «PDT recua de novo e adia decisão sobre mudança de vice de Odilon». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  121. Neves, Clayton (1º de agosto de 2018). «Após anúncio de vice de Odilon, PDT volta atrás e diz que nome será decidido no sábado». Midiamax. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  122. Moretto, Adriano (2 de agosto de 2018). «Indicação de Keliana a vice de Odilon gera crise entre PDT e aliados». Dourados News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  123. Moretto, Adriano (3 de agosto de 2018). «Final de semana de convenções pode ter surpresas». Dourados News. Consultado em 4 de agosto de 2018. Recuo – Ainda repercutia muito o recuo do PDT em lançar a radialista Keliana Fernandes como vice do juiz aposentado Odilon de Oliveira, na quinta-feira. Áudios do passado envolvendo o nome dela ‘pipocavam’ pelo aplicativo WhatsApp. Fogo amigo – Há quem garanta que toda essa situação surgiu de ‘fogo amigo’ com receio de ficar isolado na disputa que se aproxima. 
  124. Alves, Diego (3 de agosto de 2018). «Após indicação de vice de Odilon, PROS retira apoio ao PDT». Midiamax. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  125. Marques, Humberto (3 de agosto de 2018). «Pros alega inconsistências, retira apoio a Odilon e se alia ao PSDB». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  126. Marques, Humberto (3 de agosto de 2018). «Pedro Chaves antecipa anúncio do PRB e confirma aliança com o PDT». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  127. Dias, Aliny Mary (3 de agosto de 2018). «PSDB sofre baixa na aliança e PRB de Pedro Chaves fecha com Odilon». Midiamax. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  128. «Vice do juiz Odilon será o bispo Marcos Vitor, de Dourados». Dourados News. 5 de agosto de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  129. Moura, Ludyney (5 de agosto de 2018). «Bispo da Sara Nossa Terra é o indicado do PRB para vice de Odilon na chapa do PDT». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  130. «Vice de Odilon será o bispo Marcos Vitor, de Dourados». Top Mídia News. 5 de agosto de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  131. «PDT fecha alianças com Podemos e PRB para eleger Odilon governador». Diário X. 4 de agosto de 2018. Consultado em 15 de abril de 2019 }}
  132. a b «PSOL confirma João Alfredo como candidato ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 5 de agosto de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2018. O PSOL confirmou na convenção estadual deste domingo (05), o lançamento da candidatura de João Alfredo ao governo de Mato Grosso do Sul. Ele terá como vice a agricultora familiar, Dina Freitas. [...] Para o Senado, Anísio Guató é o nome que representará o PSOL. 
  133. a b Sanchez, Izabela; Machado, Mirian (5 de agosto de 2018). «PSOL crava advogado como candidato a governador e indígena ao Senado». Campo Grande News. Consultado em 5 de agosto de 2018. O PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) aposta no advogado de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Danieze, 55, para candidato ao governo do Estado de Mato Grosso do Sul. [...] Como vice, a legenda escolheu Diná Freitas, educadora popular que vive em um assentamento em Terenos, a 25 km de Campo Grande. [...] Para o Senado, a escolha foi de um indígena. Natural de Corumbá, Anísio Guató será o candidato. 
  134. a b Mário, Jones (5 de agosto de 2018). «PSOL confirma candidato ao governo e define nome para disputa ao Senado». Correio do Estado. Consultado em 5 de agosto de 2018. O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) confirmou a candidatura do advogado João Alfredo ao governo de Mato Grosso do Sul na manhã deste domingo (5), em convenção estadual eleitoral realizada em um hotel da Vila Progresso, em Campo Grande. A candidata à vice-governadora será a trabalhadora rural Osvaldina Freitas, a “Diná”. [...] O nome para concorrer a uma vaga ao Senado Federal pelo PSOL também saiu somente durante a convenção. Os filiados optaram por lançar um único candidato e precisaram escolher entre Anísio Guató e Rosana Santos. O primeiro foi o preferido, enquanto a segunda disputará uma vaga na Assembleia Legislativa. 
  135. Marques, Humberto (4 de agosto de 2018). «PV confirma candidatura de Bluma e aliança com Rede e PC do B». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  136. Jovê, Camilla (4 de agosto de 2018). «PV confirma Marcelo Bluma como candidato ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  137. Eusébio, Marco (31 de julho de 2018). «Rede indica vice de Bluma em MS». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  138. «Rede anuncia apoio a Marcelo Bluma, do PV, em MS». G1 – Mato Grosso do Sul. 30 de julho de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  139. a b Rezende, Graziela (4 de agosto de 2018). «PC do B anuncia apoio a Marcelo Bluma, do PV, ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  140. Maruyama, Alysson (4 de agosto de 2018). «MDB confirma Simone Tebet como candidata ao governo de MS». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  141. Secundo, Laureano (4 de agosto de 2018). «Simone Tebet confirma candidatura». Diário Digital. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  142. Eusébio, Marco (4 de agosto de 2018). «Com Sérgio Harfouche de vice, Simone Tebet é oficializada candidata do MDB». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  143. «Harfouche vai à convenção do MDB e é oficializado vice de Simone». Dourados News. 4 de agosto de 2018. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  144. Palheta, Fernanda (5 de agosto de 2018). «Simone Tebet terá o promotor Sérgio Harfouche como vice». OE10. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  145. a b Dias, Aliny Mary; Rabelo, Cleber (14 de agosto de 2018). «Sem aliança com MDB, PSC terá Harfouche como candidato ao Senado». Midiamax. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  146. a b Ferreira, Marta; Gurgel, Anahi (14 de agosto de 2018). «PSC abandona aliança com MDB e lança Harfouche para o Senado». Campo Grande News. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  147. Berto, Gisele (4 de agosto de 2018). «Waldemir Moka é candidato à reeleição pelo Senado». Perfil News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  148. Eusébio, Marco (5 de agosto de 2018). «Os suplentes do Moka para o Senado». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  149. a b c d e f g h i Marques, Humberto; Zurutuza, Anahi (8 de agosto de 2018). «Corrida ao Senado envolve, além de titulares, 24 suplentes em MS». Campo Grande News. Consultado em 9 de agosto de 2018 
  150. Marques, Humberto (4 de agosto de 2018). «MS termina sábado com 6 candidatos ao governo e previsão de 9 a senador». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018. [...] O engenheiro civil Marcelo Miglioli viu os esforços dos últimos meses se confirmarem na confirmação de sua candidatura a senador. 
  151. Eusébio, Marco (5 de agosto de 2018). «Presidente da Assembleia de Deus é definido suplente de Marcelo Miglioli». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  152. Rocha, Leonardo; Kaspary, Bruna (28 de julho de 2018). «Sem aliados, PT confirma Amaducci ao governo de MS e Zeca para Senado». Campo Grande News. Consultado em 30 de julho de 2018 
  153. Eusébio, Marco (3 de agosto de 2018). «A segunda suplente...». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 4 de agosto de 2018. [...] Zeca do PT definiu sua segunda suplente: a advogada e petista Giselle Marques, de Campo Grande. 
  154. a b Ferreira, Marta (15 de agosto de 2018). «Pedro Chaves desiste de candidatura e acusa PDT de aliança "espúria"». Campo Grande News. Consultado em 15 de agosto de 2018 
  155. a b Pereira, Richelieu (15 de agosto de 2018). «Após registrar candidatura, Pedro Chaves desiste de concorrer à reeleição para o Senado». Midiamax. Consultado em 15 de agosto de 2018 
  156. Ferreira, Marta; Clajus, Kleber (16 de agosto de 2018). «Vereador será candidato ao Senado pelo PRB no lugar de Pedro Chaves». Campo Grande News. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  157. Pereira, Richelieu (16 de agosto de 2018). «De suplente, Gilmar da Cruz assume candidatura no lugar de Pedro Chaves». Midiamax. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  158. Volpe Haddad, Renata (16 de agosto de 2018). «Vereador substitui Pedro Chaves e é o novo candidato ao Senado Federal». Correio do Estado. Consultado em 16 de agosto de 2018 
  159. Marques, Humberto; Gurgel, Anahi (15 de agosto de 2018). «Após "indiferença" do MDB, Harfouche registra chapa pura ao Senado». Campo Grande News. Consultado em 15 de agosto de 2018. [...] Harfouche estava acompanhado dos suplentes Edson da Silva Almeida e Mackson da Silva Vianna [...]. 
  160. Carneiro, Raiane (5 de agosto de 2018). «Partidos menores escolhem todos os seus representante para 2018». OE10. Consultado em 11 de agosto de 2018. [...] Pelo PSL, quem irá concorrer ao senado é a candidata Soraya Thronicke [...]. 
  161. Cáceres, Evelin; Pereira, Richelieu (4 de agosto de 2018). «PTB terá candidato ao Senado, dois a deputados federais e 11 estaduais». Midiamax. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  162. Willyams, Rodson (6 de agosto de 2018). «Com indicações do DEM, PTB define suplentes de Nelsinho ao Senado». Top Mídia News. Consultado em 6 de agosto de 2018 
  163. Eusébio, Marco (5 de agosto de 2018). «Os suplentes de Nelsinho para o Senado». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  164. Squinelo, Vinícius (5 de agosto de 2018). «Chico Maia confirma desistência e Podemos lança Humberto Figueiró ao Senado». Top Mídia News. Consultado em 9 de agosto de 2018 
  165. Dias, Aliny Mary (21 de agosto de 2018). «Cinco políticos desistem e 513 candidaturas esperam julgamento do TRE-MS». Midiamax. Consultado em 21 de agosto de 2018 
  166. Rocha, Leonardo (29 de agosto de 2018). «Justiça já aprovou candidatura de cinco candidatos ao governo de MS». Campo Grande News. Consultado em 22 de setembro de 2018. [...] Ao todo são 13 nomes, sendo que um já renunciou: Venício de Oliveira (Pode). 
  167. Rocha, Leonardo (28 de julho de 2018). «PPL lança ex-subsecretário da Juventude para disputa ao Senado». Campo Grande News. Consultado em 30 de julho de 2018 
  168. Katayama, Juliene (28 de julho de 2018). «PPL define que não vai lançar candidato ao governo de MS e nem apoiar outro partido». G1 – Mato Grosso do Sul. Consultado em 30 de julho de 2018 
  169. a b Dos Santos, Aline; Rocha, Leonardo (7 de setembro de 2018). «Justiça Eleitoral barra candidatura de deputado e mais nove políticos». Campo Grande News. Consultado em 8 de setembro de 2018. [...] Na quarta-feira (5) foram indeferidas cinco candidaturas, entre elas do ex-vereador Roberto Durães (PSL), Valdinei Pereira de Souza (PV), assim como João Grandão (PT), Julio César Komiyama (PTC) e o candidato ao Senado, Thiago Freitas (PPL). 
  170. a b Dias, Aliny Mary (17 de setembro de 2018). «Candidato ao Senado pelo PTC desiste e Delcídio pode assumir vaga». Midiamax. Consultado em 17 de setembro de 2018 
  171. Jardim, Lauro (17 de setembro de 2018). «Delcídio pede registro de candidatura». O Globo – Blog de Lauro Jardim. Consultado em 17 de setembro de 2018 
  172. Marques, Humberto (18 de setembro de 2018). «Sem detalhar base legal contra cassação, Delcídio confirma candidatura». Campo Grande News. Consultado em 18 de setembro de 2018 
  173. Barbosa, Leonardo (5 de outubro de 2018). «Justiça suspende cassação de Delcídio e político pode voltar ao Senado». Capital News. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  174. Dias, Aliny Mary (5 de outubro de 2018). «TRF3 cassa decisão e mantém Delcídio do Amaral inelegível por cassação no Senado». Midiamax. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  175. a b Fernandes, Adriano; Dos Santos, Aline (16 de outubro de 2018). «TRE rejeita registro de candidatura de Delcídio Amaral ao Senado». Campo Grande News. Consultado em 17 de outubro de 2018 
  176. Moura, Ludyney (21 de julho de 2018). «PDT apresenta ex-reitora de universidade e produtor rural como candidatos ao Senado». Midiamax. Consultado em 21 de julho de 2018 
  177. Lopes, Élvio (6 de agosto de 2018). «MS tem 11 candidatos anunciados ao Senado Federal». Dourados Agora. Consultado em 9 de agosto de 2018. [...] na coligação do PDT houve nova mudança, com a substituição da professora Leocádia Aglaé Petry Leme (PDT), pelo candidato indicado pelo Podemos, Humberto Figueiró e mantendo o senador Pedro Chaves dos Santos Filho (PRB) à reeleição. 
  178. Neves, Clayton; Cunha, Maisse (2 de agosto de 2018). «Em convenção lotada, PRB adia apoio à chapa majoritária e lança Pedro Chaves ao Senado». Midiamax. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  179. Fernandes, Adriano (2 de agosto de 2018). «Sem apoio definido ao Governo, PRB confirma Pedro Chaves à reeleição». Campo Grande News. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  180. Eusébio, Marco (5 de agosto de 2018). «O suplente do senador Pedro Chaves». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 9 de agosto de 2018. O senador Pedro Chaves (PRB) definiu neste domingo o primeiro suplente de sua candidatura à reeleição, o vereador Gilmar Neri de Souza, o Gilmar da Cruz, de Campo Grande, filiado ao seu partido. 
  181. Trindade, Adilson (26 de dezembro de 2016). «André e Azambuja disputariam voto a voto o governo do Estado». Correio do Estado. Consultado em 18 de julho de 2018 
  182. «Disputa acirrada entre Puccinelli e Azambuja mas população quer o "novo"». Diário da Mídia. 12 de março de 2017. Consultado em 18 de julho de 2018 
  183. Trindade, Adilson (10 de agosto de 2017). «Pesquisa mostra disputa apertada para governador entre três nomes». Correio do Estado. Consultado em 21 de julho de 2018 
  184. «Veja os números da nova pesquisa Ranking para governo de MS». Diário da Mídia. 17 de outubro de 2017. Consultado em 21 de julho de 2018 
  185. Trindade, Adilson (31 de outubro de 2017). «Ipems aponta André à frente de Odilon na sucessão estadual». Correio do Estado. Consultado em 21 de julho de 2018 
  186. «Pesquisa mostra Odilon liderando corrida ao governo do estado de MS». Diário da Mídia. 14 de dezembro de 2017. Consultado em 21 de julho de 2018 
  187. Brito, Flávio (19 de dezembro de 2017). «Juiz Odilon leva vantagem em diversos cenários na eleição para o governo». Capital News. Consultado em 21 de julho de 2018. Arquivado do original em 16 de agosto de 2018 
  188. Moraes, Edson (8 de fevereiro de 2018). «Primeira pesquisa Ranking 2018: Odilon à frente, Azambuja é 2º e Puccinelli em 3º». Diário da Mídia. Consultado em 21 de julho de 2018 
  189. «Odilon, Puccinelli e Azambuja estão tecnicamente empatados, aponta pesquisa». Diário da Mídia. 22 de março de 2018. Consultado em 21 de julho de 2018 
  190. Brito, Flávio (27 de março de 2018). «Pesquisa Fiems/Vox Populi mostra preferências do eleitorado da Capital para o governo». Capital News. Consultado em 21 de julho de 2018 
  191. a b c d Bejarano, Celso (13 de julho de 2018). «TOP PESQUISAS: Reinaldo cresce e disputa para Governo de MS tem empate técnico». Top Mídia News. Consultado em 21 de julho de 2018 
  192. Moura, Ludyney (11 de abril de 2018). «DATAmax aponta empate entre Odilon, Reinaldo e André em Campo Grande». Midiamax. Consultado em 21 de julho de 2018 
  193. Melo, Thiago (23 de abril de 2018). «Juiz aposentado lidera disputa pelo governo do MS, aponta pesquisa». Poder360. Consultado em 21 de julho de 2018 
  194. a b «Pesquisa IPR mostra empate técnico entre pré-candidatos ao governo do Estado de MS». Faems - Federação das Associações Empresariais de Mato Grosso do Sul. 16 de maio de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  195. a b «Pesquisa IPR mostra empate técnico entre pré-candidatos ao governo do Estado de MS» (PDF). O Estado de Mato Grosso do Sul. 20 páginas. 16 de maio de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2018 
  196. Moraes, Edson (10 de junho de 2018). «Sucessão em MS tem cenários de equilíbrio entre Odilon, André e Azambuja». Diário da Mídia. Consultado em 21 de julho de 2018 
  197. Trindade, Adilson (12 de julho de 2018). «Queda de Odilon e crescimento de André e Azambuja embolam disputa». Correio do Estado. Consultado em 21 de julho de 2018 
  198. Moraes, Edson (21 de julho de 2018). «Puccinelli disputa a ponta com Azambuja e Odilon desce para 3º em nova pesquisa». Diário da Mídia. Consultado em 21 de julho de 2018 
  199. Squinelo, Vinícius (25 de julho de 2018). «Durante nova prisão, rejeição de Puccinelli aumenta e disputa embola de vez». Top Mídia News. Consultado em 29 de julho de 2018 
  200. Bitencourt, Edivaldo (12 de agosto de 2018). «Sem André, Odilon abre vantagem de 7,4 pontos sobre Reinaldo na Capital». O Jacaré. Consultado em 12 de agosto de 2018 
  201. Moraes, Edson (13 de agosto de 2018). «Pesquisa eleitoral: Azambuja toma a dianteira e polariza com Odilon». Diário da Mídia. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  202. Trindade, Adilson (23 de dezembro de 2016). «Nelsinho Trad lidera preferência do eleitor campo-grandense para senador». Correio do Estado. Consultado em 21 de julho de 2018 
  203. Trindade, Adilson (22 de março de 2017). «Juiz Odilon e Nelsinho Trad são os preferidos na Capital para o Senado». Correio do Estado. Consultado em 21 de julho de 2018 
  204. Galvão, Danilo (9 de agosto de 2017). «'Visitantes do interior' levam vantagem em pesquisa para o Senado». Capital News. Consultado em 21 de julho de 2017. Arquivado do original em 16 de agosto de 2018 
  205. Ueno, Antonio (19 de outubro de 2017). «Odilon de Oliveira e Nelsinho Trad disparam na disputa pelas duas vagas ao Senado». Diário da Mídia. Consultado em 21 de julho de 2018 
  206. Eusébio, Marco (4 de novembro de 2017). «Pesquisa aponta Nelsinho e Zeca na frente para o Senado, mas não cita indecisos». Marco Eusébio in Blog. Consultado em 21 de julho de 2018 
  207. Trindade, Adilson (19 de dezembro de 2017). «Nelsinho Trad seria o único com eleição garantida para senador». Correio do Estado. Consultado em 21 de julho de 2018 
  208. Moraes, Edson (9 de fevereiro de 2018). «Senado: Nelsinho e Zeca lideram, mas Pedro Chaves foi o que mais cresceu nas pesquisas». Diário da Mídia. Consultado em 21 de julho de 2018 
  209. Moraes, Edson (20 de março de 2018). «Nelsinho lidera corrida ao Senado no 1º voto; segunda vaga está indefinida». Diário da Mídia. Consultado em 21 de julho de 2018 
  210. «Pesquisa Fiems/Vox Populi aponta tendência de votos ao Senado na Capital». Dourados Agora. 28 de março de 2018. Consultado em 21 de julho de 2018 
  211. Trindade, Adilson (24 de abril de 2018). «Nelsinho e Zeca seriam hoje os dois senadores eleitos no Estado». Correio do Estado. Consultado em 21 de julho de 2018 
  212. Moraes, Edson (10 de junho de 2018). «Nelsinho e Zeca lideram preferência para duas vagas no Senado». Diário da Mídia. Consultado em 21 de julho de 2018 
  213. Bejarano, Celso (13 de julho de 2018). «TOP PESQUISAS: Nelsinho e Zeca do PT saem na frente em disputa para Senado». Top Mídia News. Consultado em 21 de julho de 2018 
  214. «Nelsinho é o preferido em Campo Grande para o Senado». Correio do Estado. 14 de julho de 2018. Consultado em 21 de julho de 2018 
  215. Moraes, Edson (21 de julho de 2018). «Senado: Nelsinho e Zeca mantêm dianteira, Moka cresce e Delcídio aparece». Diário da Mídia. Consultado em 21 de julho de 2018 
  216. Squinelo, Vinícius (26 de julho de 2018). «Nelsinho cresce e Zeca enfrenta forte disputa com Moka no Senado, diz Itope». Top Mídia News. Consultado em 29 de julho de 2018 
  217. Moraes, Edson (14 de agosto de 2018). «Nelsinho Trad lidera disputa ao Senado em pesquisa feita em 20 municípios». Diário da Mídia. Consultado em 14 de agosto de 2018 
  218. «Pesquisa Ibope no Mato Grosso do Sul: Azambuja, 39%; Odilon 24%». G1 – Mato Grosso do Sul. 24 de agosto de 2018. Consultado em 24 de agosto de 2018 
  219. a b Bitencourt, Edivaldo (25 de agosto de 2018). «Outra pesquisa aponta Odilon na frente e disputa acirrada com Reinaldo». O Jacaré. Consultado em 25 de agosto de 2018 
  220. Bonifácio, Valdelice (27 de agosto de 2018). «Reinaldo tem 35%; Odilon 28% e Mochi 6%». Diário Digital. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  221. «Pesquisa Ranking mostra Reinaldo à frente de Odilon». JD1 Notícias. 4 de setembro de 2018. Consultado em 4 de setembro de 2018 
  222. «Pesquisa Ranking mostra salto de Mochi e empate técnico de Reinaldo e Odilon». JD1 Notícias. 17 de setembro de 2018. Consultado em 17 de setembro de 2018 
  223. Moraes, Edson (21 de setembro de 2018). «Pesquisa Ranking para o governo do Mato Grosso do Sul». Diário da Mídia. Consultado em 21 de setembro de 2018 
  224. Trindade, Adilson (21 de setembro de 2018). «Líder, Azambuja tem 42,9%; juiz Odilon é segundo, com 29,35%». Correio do Estado. Consultado em 21 de setembro de 2018 
  225. a b «Pesquisa Ibope no Mato Grosso do Sul: Azambuja, 40%; Odilon 29%». G1 – Mato Grosso do Sul. 24 de setembro de 2018. Consultado em 24 de setembro de 2018 
  226. «Eleição 2018: pesquisa Ranking para governador do Mato Grosso do Sul». Diário da Mídia. 26 de setembro de 2018. Consultado em 26 de setembro de 2018 
  227. Rocha, Leonardo (27 de setembro de 2018). «Apenas 1% separa Reinaldo de vencer no primeiro turno, diz Ibrape». Campo Grande News. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  228. Moura, Ludyney (30 de setembro de 2018). «Reinaldo Azambuja lidera disputa ao governo e pode vencer no 1° turno, aponta pesquisa DATAmax». Midiamax. Consultado em 1º de outubro de 2018 
  229. «Pesquisa Ranking: Reinaldo lidera com folga; Junior e Odilon estão em empate técnico». JD1 Notícias. 1º de outubro de 2018. Consultado em 1º de outubro de 2018 
  230. Trindade, Adilson (2 de outubro de 2018). «Eleição para governador pode ser decidida no 1º turno». Correio do Estado. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  231. Zurutuza, Anahi (3 de outubro de 2018). «Com 51% dos votos válidos, Reinaldo vence no primeiro turno, mostra Ibrape». Campo Grande News. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  232. Moraes, Edson (4 de outubro de 2018). «Ranking divulga novos números na corrida para o governo do MS». Diário da Mídia. Consultado em 4 de outubro de 2018 
  233. Secundo, Laureano (4 de outubro de 2018). «Reinaldo dispara e vence no primeiro turno». Diário Digital. Consultado em 4 de outubro de 2018 
  234. «Ibope - Mato Grosso do Sul, votos válidos: Azambuja, 50%; Odilon 35%». G1 – Mato Grosso do Sul. 5 de outubro de 2018. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  235. Moraes, Edson (6 de outubro de 2018). «Última pesquisa Ranking para governador no 1º turno; veja os números». Diário da Mídia. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  236. Moura, Ludyney (6 de outubro de 2018). «DATAmax: Reinaldo tem 50,3% dos votos válidos e está no limite para ser reeleito no 1° turno». Midiamax. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  237. «Pesquisa Ibope para o Senado em Mato Grosso do Sul: Nelsinho Trad, 34%; Zeca do PT, 29%; Moka, 20%». G1 – Mato Grosso do Sul. 24 de agosto de 2018. Consultado em 24 de agosto de 2018 
  238. Bonifácio, Valdelice (27 de agosto de 2018). «Senado: Nelsinho 34%; Zeca 24% e Moka 21%». Diário Digital. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  239. «Nelsinho segue na liderança para o Senado». JD1 Notícias. 4 de setembro de 2018. Consultado em 4 de setembro de 2018 
  240. «Pesquisa Ranking no MS para o Senado». Diário da Mídia. 17 de setembro de 2018. Consultado em 17 de setembro de 2018 
  241. «Pesquisa Ranking: Moka ultrapassa Zeca e eleição tem virada na briga pelo Senado». JD1 Notícias. 21 de setembro de 2018. Consultado em 21 de setembro de 2018 
  242. «Pesquisa Ibope para o Senado no Mato Grosso do Sul: Nelsinho Trad, 33%; Zeca do PT, 30%». G1 – Mato Grosso do Sul. 24 de setembro de 2018. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  243. «Pesquisa Ranking para o Senado no Mato Grosso do Sul». Diário da Mídia. 26 de setembro de 2018. Consultado em 26 de setembro de 2018 
  244. «Pesquisa Ranking: Moka, Zeca, Delcídio e Miglioli disputam segunda vaga; Nelsinho segue na frente». JD1 Notícias. 1º de outubro de 2018. Consultado em 1º de outubro de 2018 
  245. Dias, Aliny Mary (1º de outubro de 2018). «Nelsinho e Zeca lideram corrida pelo Senado em MS, indica DATAmax». Midiamax. Consultado em 1º de outubro de 2018 
  246. Trindade, Adilson (3 de outubro de 2018). «Segunda vaga para o Senado está indefinida». Correio do Estado. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  247. Moraes, Edson (4 de outubro de 2018). «Senado da República, 2 vagas: veja os números da Ranking na reta final». Diário da Mídia. Consultado em 4 de outubro de 2018 
  248. Rocha, Leonardo (4 de outubro de 2018). «Nelsinho, Zeca e Moka estão tecnicamente empatados, diz Ibrape». Campo Grande News. Consultado em 4 de outubro de 2018 
  249. Secundo, Laureano (4 de outubro de 2018). «Senado: Nelsinho 33%; Zeca 29% e Moka 25%». Diário Digital. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  250. «Ibope Senado - Mato Grosso do Sul, votos válidos: Nelsinho Trad, 25%; Zeca do PT, 19%; Moka, 15%; Delcídio, 10%». G1 – Mato Grosso do Sul. 5 de outubro de 2018. Consultado em 5 de outubro de 2018 
  251. Moraes, Edson (6 de outubro de 2018). «Última pesquisa Ranking para duas vagas do Senado; veja números». Diário da Mídia. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  252. Pereira, Richelieu (6 de outubro de 2018). «DATAmax: em empate técnico, Nelsinho e Zeca lideram, mas disputa ao Senado está indefinida». Midiamax. Consultado em 6 de outubro de 2018 
  253. Bonifácio, Valdelice (27 de agosto de 2018). «Reinaldo venceria Odilon em segundo turno». Diário Digital. Consultado em 21 de setembro de 2018 
  254. Secundo, Laureano (4 de outubro de 2018). «Reinaldo venceria Odilon em segundo turno». Diário Digital. Consultado em 4 de outubro de 2018 
  255. «Pesquisa Ranking: Reinaldo 54,75% X Odilon 45,25%». JD1 Notícias. 13 de outubro de 2018. Consultado em 13 de outubro de 2018 
  256. Zurutuza, Anahi (16 de outubro de 2018). «Reinaldo Azambuja lidera pesquisa com 57% dos votos válidos». Campo Grande News. Consultado em 16 de outubro de 2018 
  257. Cáceres, Evelin (17 de outubro de 2018). «DATAmax: Reinaldo tem 52,8% e Odilon 47,2% das intenções de votos válidos para o Governo de MS». Midiamax. Consultado em 18 de outubro de 2018 
  258. Bueno, Mayara (18 de outubro de 2018). «Reinaldo tem 54,07% e Odilon 45,92% dos votos válidos, aponta pesquisa». Campo Grande News. Consultado em 18 de outubro de 2018 
  259. «Ibope em Mato Grosso do Sul, votos válidos: Azambuja, 53%; Odilon, 47%». G1 – Mato Grosso do Sul. 19 de outubro de 2018. Consultado em 19 de outubro de 2018 
  260. Moraes, Edson (22 de outubro de 2018). «2º turno: Instituto Ranking divulga mais uma pesquisa para governador». Diário da Mídia. Consultado em 22 de outubro de 2018 
  261. «Pesquisa IPEXX Brasil aponta Odilon com 52.52% e Azambuja 47.48% nos votos válidos». Iviagora. 22 de outubro de 2018. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  262. Secundo, Laureano. «Azambuja lidera na pesquisa estimulada». Diário Digital. Consultado em 23 de outubro de 2018 
  263. «Pesquisa Ranking: Reinaldo 53,53% e Odilon 46,47%». JD1 Notícias. 24 de outubro de 2018. Consultado em 24 de outubro de 2018 
  264. «Pesquisa IPEXX aponta Juiz Odilon com 53.36% Reinaldo Azambuja com 46.64% nos votos válidos». Iviagora. 25 de outubro de 2018. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  265. Secundo, Laureano (26 de outubro de 2018). «Às vésperas véspera da eleição, Azambuja segue na frente». Diário Digital. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  266. «Ibope – Mato Grosso do Sul, votos válidos: Azambuja, 51%; Odilon, 49%». G1 – Mato Grosso do Sul. 26 de outubro de 2018. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  267. Moraes, Edson (27 de outubro de 2018). «Última pesquisa Ranking para governador do MS; veja os números». Diário da Mídia. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  268. «Reinaldo tem 51,8% das intenções de votos válidos e Odilon 48,2%, aponta DATAmax». Midiamax. 27 de outubro de 2018. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  269. Marques, Humberto (27 de outubro de 2018). «Reinaldo soma 58,4% das intenções de voto contra 41,6% de Odilon, diz Ipems». Campo Grande News. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  270. Dos Santos, Aline; Fernandes, Adriano (3 de setembro de 2018). «Primeiro debate é marcado por tom ácido entre candidatos ao governo de MS». Campo Grande News. Consultado em 4 de setembro de 2018 
  271. Oliveira, Aline; Volpe Haddad, Renata (12 de setembro de 2018). «Investigação contra Azambuja pauta debate entre candidatos ao governo». Correio do Estado. Consultado em 12 de setembro de 2018 
  272. «Com ausência de Reinaldo Azambuja, começa o debate da Grande FM». Grande FM. 17 de setembro de 2018. Consultado em 18 de setembro de 2018 
  273. De Souza, Thiago (19 de setembro de 2018). «Em clima ameno, candidatos ao governo falam de fronteira e valorização do policial em debate». Top Mídia News. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  274. Moura, Ludyney (24 de setembro de 2018). «Debate Midiamax: clima esquentou no confronto entre candidatos com troca de farpas e acusações». Midiamax. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  275. Bento, André (20 de setembro de 2018). «Debate reúne candidatos ao Governo de MS em Dourados no dia 29 de setembro». Rádio 94FM. Consultado em 28 de setembro de 2018 
  276. «Aced e Faems cancelam debate com candidatos ao Governo do Estado». O Progresso. 27 de setembro de 2018. Consultado em 28 de setembro de 2018 
  277. «Candidatos ao governo de MS participam de debate na TV Morena». G1 – Mato Grosso do Sul. 2 de outubro de 2018. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  278. Bejarano, Celso; Willyams, Rodson (19 de setembro de 2018). «Com duas ausências, candidatos ao Senado debatem propostas para educação na Fetems». Top Mídia News. Consultado em 21 de setembro de 2018 
  279. Moura, Ludyney (22 de outubro de 2018). «Debate Midiamax: Reinaldo e Odilon trocam acusações de corrupção e mantém tom de ataques». Midiamax. Consultado em 23 de outubro de 2018 
  280. «Candidatos ao governo de MS participam de debate no segundo turno da TV Morena». G1 – Mato Grosso do Sul. 25 de outubro de 2018. Consultado em 26 de outubro de 2018 
  281. Marques, Humberto; Garnes, Geisy (7 de outubro de 2018). «Na primeira parcial, Reinaldo aparece com 49,82% dos votos em MS». Campo Grande News. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  282. «Resultado das eleições 2018 em Mato Grosso do Sul». G1 – Mato Grosso do Sul. 7 de outubro de 2018. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  283. «Azambuja (PSDB) e Odilon (PDT) vão para o 2º turno em MS; Mochi fica em 3°». G1 – Mato Grosso do Sul. 7 de outubro de 2018. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  284. Moretto, Adriano (7 de outubro de 2018). «MS tem mais de 20% de abstenção e Reinaldo e Odilon disputam 2º turno». Dourados News. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  285. «Número de abstenções em Mato Grosso do Sul supera média nacional». G1 – Mato Grosso do Sul. 6 de outubro de 2014. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  286. «Azambuja fala sobre alianças no segundo turno em MS: 'Vamos buscar esses que acreditam no jeito nosso de fazer política'». G1 – Mato Grosso do Sul. 7 de outubro de 2018. Consultado em 10 de outubro de 2018 
  287. «Odilon pretende fechar alianças e percorrer estado para segundo turno em MS: 'Corpo a corpo será fundamental'». G1 – Mato Grosso do Sul. 7 de outubro de 2018. Consultado em 10 de outubro de 2018 
  288. Dias, Aliny Mary; Costa, Vinícius (10 de outubro de 2018). «MDB oficializa apoio a Odilon de Oliveira no segundo turno em Mato Grosso do Sul». Midiamax. Consultado em 10 de outubro de 2018 
  289. Amaral, Amanda (8 de outubro de 2018). «Candidato do PSOL ao governo de MS não apoia ninguém em 2º turno». Top Mídia News. Consultado em 10 de outubro de 2018 
  290. «Em nota, PT diz que não apoia nem Reinaldo e nem Odilon no segundo turno». Conjuntura Online. 19 de outubro de 2018. Consultado em 22 de outubro de 2018 
  291. a b «Apuração de votos e resultado das eleições 2018 em MS». UOL. 7 de outubro de 2018. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  292. «Resultado da apuração do 2º turno em Mato Grosso do Sul». G1. 28 de outubro de 2018. Consultado em 28 de outubro de 2018 
  293. a b «Candidatos a Senador - Mato Grosso do Sul». Gazeta do Povo. 7 de outubro de 2018. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  294. «Mato Grosso do Sul – Apuração Estadual: Apuração para Deputado Federal». O Estado de S. Paulo. 7 de outubro de 2018. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  295. «Mato Grosso do Sul – Apuração Estadual: Apuração para Deputado Estadual». O Estado de S. Paulo. 7 de outubro de 2018. Consultado em 8 de outubro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]