Lúcio Alcântara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lúcio Alcântara
Lúcio Alcântara
58.º Governador do  Ceará
Período 1 de janeiro de 2003
até 1 de janeiro de 2007
Antecessor(a) Beni Veras
Sucessor(a) Cid Gomes
Senador pelo  Ceará
Período 1 de fevereiro de 1995
até 1 de fevereiro de 2002
52° Vice-Governador do  Ceará
Período 15 de março de 1991 até 6 de setembro de 1994
Governador Ciro Gomes
Antecessor(a) Francisco de Castro
Sucessor(a) Moroni Torgan
38.º Prefeito de Bandeira de Fortaleza.svg Fortaleza
Período 1 de janeiro de 1979
até 31 de dezembro de 1982
Antecessor(a) Luís Nogueira Marques
Sucessor(a) José Aragão
Dados pessoais
Nascimento 16 de maio de 1943 (74 anos)
Fortaleza, CE
Partido PR
Profissão Médico

Lúcio Gonçalo de Alcântara (Fortaleza, 16 de maio de 1943) é um médico, político e escritor brasileiro, filiado ao Partido da República.

Em 1966, formou-se em Medicina pela Universidade Federal do Ceará. Casado com a escritora Beatriz Alcântara, tem dois filhos: a arquiteta Maria Daniela e o ex-deputado federal Leonardo Alcântara.

Lúcio já exerceu mandatos como senador e governador do Ceará. Atualmente, Lúcio é o presidente estadual do Partido da República (PR) no estado.

Vida pública[editar | editar código-fonte]

ex-governador Waldemar Alcântara e de Maria Dolores Alcântara, exerceu seu primeiro cargo político aos 27 anos, como Secretário de Saúde do Estado do Ceará (1971-1973), função que voltaria a exercer por mais duas vezes, em 1975 e 1991.

Assumiu a Secretaria para Assuntos Municipais em 1978 e, aos 36 anos, foi prefeito de Fortaleza (1979-1982), exercendo um mandato marcado pela defesa do meio ambiente, criando o Parque Adahil Barreto e garantindo proteção às lagoas urbanas de Fortaleza. Deputado federal por dois mandatos (1983-1987 e 1987-1991), participou da Assembleia Nacional Constituinte em 1988. Foi vice-governador do Ceará de 1991 a 1994. Em 1995, elegeu-se senador, com mais de um milhão de votos. No Senado Federal, ocupou a presidência da Comissão de Assuntos Econômicos e do do Conselho Editorial. Foi também membro da Comissão de Educação e da Comissão de Assuntos Sociais.

Em 2002, foi eleito governador do Ceará. Tentou a reeleição em 2006, mas foi derrotado por Cid Gomes. Em 2010, concorreu como candidato a governador pelo Partido da República e ficou em terceiro lugar, perdendo para o governador reeleito em primeiro turno, Cid Gomes, e para o ex-deputado estadual Marcos Cals do PSDB. Já integrou partidos como ARENA, PDS, PFL, PDT e PSDB antes de se filiar ao PR.

Em 2014, apoiou o senador Eunício Oliveira para governador, Tasso Jereissati para senador e Aécio Neves para presidente da República em uma aliança entre PMDB, PSDB, DEM, PR, PPS, PSC e outros partidos menores.

Literatura[editar | editar código-fonte]

Além de suas ações como político, o ex-governador do Ceará tem uma vasta produção intelectual, já tendo publicado 42 obras, o que valeu a vaga de titular da cadeira 26 da Academia Cearense de Letras. No seu currículo, que registra mais de 20 condecorações por parte de entidades nacionais e internacionais, destacam-se ainda a presidência da Cruz Vermelha no Ceará (1976) e do Instituto Teotônio Vilela (1996-2002).

Precedido por
Luís Gonzaga Nogueira Marques
Prefeito de Fortaleza
19791982
Sucedido por
José Aragão e Albuquerque Júnior
Precedido por
Beni Veras
Governador do Ceará
20032007
Sucedido por
Cid Gomes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.