Justiniano de Serpa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Justiniano (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Justiniano de Serpa
Nascimento 6 de janeiro de 1852
Aquiraz
Morte 1 de agosto de 1923 (71 anos)
Fortaleza
Cidadania Brasil
Ocupação escritor, político, jornalista, poeta
Constituição brasileira de 1891, página da assinatura de Justiniano de Serpa (décima segunda assinatura). Acervo Arquivo Nacional

Justiniano José de Serpa (Aquiraz, 6 de janeiro de 1852Fortaleza, 1 de agosto de 1923) foi um escritor e político brasileiro.

De origem humilde, trabalhou desde cedo juntamente com seu pai, Manuel da Costa Marçal. Transferindo-se para Fortaleza, começou a atuar como jornalista. Bacharelou-se em Direito na Faculdade de Direito do Recife, em 1888, quando já era conhecido na vida política e intelectual local.

Participou do Centro Literário e foi um dos fundadores da Academia Cearense de Letras, do qual é patrono da 22ª (vigésima segunda) cadeira e, em 1922, foi o responsável pela sua reorganização.

Autor de diversas obras do campo do Direito, de ensaios e poesia. Destacam-se Oscilações (1883), O Nosso Meio Literário (1896) e Questões de Direito e Legislação (1920). Sua obra poética, ligada ao movimento abolicionista, do qual foi um dos mais ativos participantes, era essencialmente condoreira. Foi maçom pertencente à Loja Fraternidade Cearense.[1]

Iniciou a vida política ainda durante o Império, sendo deputado geral entre 1882 e 1889 pelo Partido Conservador. Foi deputado federal pelo Pará, entre 1906 e 1919, tendo exercido papel importantíssimo como presidente da Comissão dos 21, responsável pela comissão para elaboração do Código Civil, baseada no projeto de Clóvis Beviláqua.

Em 1920, foi eleito presidente do Ceará, cargo que exerceu até a sua morte, em 1923, tendo como vice o abastado comerciante e Coronel da Guarda Nacional, José Cândido de Souza Carvalho[2].

Referências

  1. MAGALHÃES, Zelito Nunes (2008). História da Maçonaria no Ceará. Fortaleza: Grande Loja Maçônica do Estado do Ceará. 250 páginas 
  2. «Ceará – Membro da ilustre família Sousa Carvalho prestigia festa dos 60 anos do Patronato em Ipu | Netcina». www.netcina.com.br. Consultado em 7 de dezembro de 2016. 
Precedido por
João Tomé de Saboia e Silva
Presidente do Ceará
12 de julho de 19201 de agosto de 1923
Sucedido por
Ildefonso Albano