Manuel Fernandes Távora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Manuel do Nascimento Fernandes Távora (Jaguaribe, 11 de março de 1877 - Fortaleza, 23 de setembro de 1977) foi um médico, farmacêutico, jornalista, professor e político brasileiro.

Dados pessoais[editar | editar código-fonte]

Nasceu na fazenda Embargo, na então vila de Jaguaribe-Mirim, filho de Joaquim Antônio do Nascimento e de Clara Fernandes da Silva Távora. Pelo lado materno era sobrinho do monsenhor Antônio Távora, do bispo Dom Carloto Távora, do desembargador Elisiário Távora e do advogado Belisário Távora. Entre seus irmãos estão Ademar Távora, Joaquim Távora e Juarez Távora.

Fez os estudos primários em escolas da região e no Seminário Menor de São José, do Crato, e os preparatórios no Instituto de Humanidades Monsenhor Salazar e Liceu do Ceará, em Fortaleza, e Instituto Benjamin Constant e curso anexo à Faculdade de Direito, em Recife.

Foi casado com dona Carlota Augusta, pertencente à família Caracas de Baturité, antiga Vila Real de Monte-mor o Novo d'América, neta do capitão José Pacífico da Costa Caracas (Capitão Caracas), o fundador da família.

Trajetória na medicina[editar | editar código-fonte]

Cursou o primeiro ano da Faculdade de Medicina da Bahia, no curso de farmácia, e os demais no Rio de Janeiro, doutorando-se em medicina no ano de 1902. Ainda quando estudante, em 1900, foi convidado pelo professor Eduardo Chapot Prévost para auxiliar nos trabalhos microscópicos que o mesmo professor em companhia dos doutores Figueiredo Rodrigues e Hernani Pinto executava sobre o carbúnculo, que então infectava o gado e os campos de Santa Cruz.

Logo depois de formado voltou ao Ceará e clinicou durante o ano de 1903 no Crato. Entre 1904 e 1916 radicou-se na Amazônia, empregando seus serviços no rio Juruá e afluentes. Durante esse período foi duas vezes à Europa e especializou-se em otorrinolaringologia. Estabeleceu-se, depois, em Fortaleza, e foi professor do Colégio Militar.

Trajetória no jornalismo[editar | editar código-fonte]

Como jornalista, escreveu em jornais no Amazonas, no Acre e no Pará. No Ceará, em 1921, fundou A Tribuna, que fazia oposição ferrenha ao governo de Artur Bernardes. O periódico foi publicado até agosto de 1924.

Trajetória na política[editar | editar código-fonte]

Na política foi afiliado nos partidos: Partido Democrático Cearense (PDC), Partido Republicano Cearense (PRC) e União Democrática Nacional (UDN). Na UDN foi um dos fundadores e seu primeiro presidente.

Foi deputado estadual entre 1913 a 1914 e 1917 a 1919. Foi chefe civil da revolução de 1930, tornando-se, assim, interventor do Ceará em 1930. Também foi deputado constituinte e deputado federal, além de senador em dois mandatos, entre 1943 e 1963.[1]

Outras atividades[editar | editar código-fonte]

Foi membro do Instituto do Ceará e da Academia Cearense de Letras.[2]

Referências

  1. Catálogo biográfico dos Senadores brasileiros, de 1826 a 1986 / concepção, coordenação, organização editoração: Leonardo Leite Neto - Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1986
  2. Godinho, Wnor R; Andrade, Osvaldo S.Constituintes Brasileiros de 1934 - Rio de Janeiro: 1934. Pag. 43


Precedido por
José Carlos de Matos Peixoto
Interventor federal no Ceará
1930 — 1931
Sucedido por
João da Silva Leal


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.