Luciano Hang

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luciano Hang
Nome completo Luciano Hang
Conhecido(a) por Véio da Havan[1][2]
Nascimento 11 de outubro de 1962 (57 anos)
Brusque, Santa Catarina
Nacionalidade brasileiro
Fortuna Aumento US$ 2,2 bilhões (março de 2019)[3]
Alma mater FURB
Ocupação empresário

Luciano Hang (Brusque, 11 de outubro de 1962) é um empresário brasileiro, co-fundador e proprietário da Havan, reconhecida como uma das maiores redes de lojas de departamentos do Brasil.[4] Foi eleito pela revista Forbes o 11° mais rico do Brasil.

Ele é filho de operários da indústria têxtil. Seus pais trabalharam na extinta Fábrica de Tecidos Carlos Renaux,[5] onde atuou por sete anos.[6]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Nascido em Brusque, Santa Catarina, estudou na Escola Básica João XXIII, no Colégio Cônsul Carlos Renaux e na Universidade Regional de Blumenau (tecnólogo em Processamento de Dados). Durante o ensino superior, foi presidente do Clube dos Estudantes Universitários de Brusque (CEUB) por três anos.[7]

Carreira empresarial[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Havan

Aos 17 anos foi admitido para trabalhar na Fábrica de Tecidos Carlos Renaux, onde seus pais trabalhavam . No início dos anos 1980, aos 21 anos, comprou uma empresa, a Tecelagem Santa Cruz, à qual passou a se dedicar e expandir, paralelamente à carreira na fabrica de tecidos.[8]

Em 1986, percebendo que Brusque ganhava um novo impulso econômico baseado no turismo de compras devido a industria têxtil na região de Brusque, junto a o sócio Vanderlei de Limas, abriu uma pequena loja de tecidos. Da junção dos nomes Hang e Vanderlei, surgiria a marca Havan.[9]

Em meados de 2016, surgiram na internet e nas cidades em que a empresa prosperou, boatos sobre quem seria o dono da Havan: a filha da ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, o bispo Edir Macedo e até o apresentador Silvio Santos. Vendo um risco de ter sua marca equivocadamente associada a políticos, Hang então decidiu atuar nos comerciais da marca e participar de programas de entrevistas.[10][11][12][13]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

“Está aqui o processo, nada consta, fomos inocentados. Temos muitos processos, sim, e vamos continuar sendo processados. O que importa é não ser condenado.”

Luciano Hang, em janeiro de 2018[13]

As polêmicas envolvendo a empresa Havan se iniciaram em 1999, quando houve uma operação de busca e apreensão determinada pela Procuradoria da Republica em Blumenau, resultando na autuação da empresa em 117 milhões de reais pela Receita Federal e 10 milhões pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, foi a maior autuação da Receita Federal até a época. Neste episódio a empresa recorreu a um parcelamento da divida por meio do REFIS e levará cerca de 115 anos para que o débito seja quitado. Em 2004 o Ministério Público Federal propôs ação penal contra 14 pessoas, dentre os quais Luciano Hang, sob acusação de facilitação de descaminho, descaminho, falsificação, crime contra o sistema financeiro e ordem tributária, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.[11]

Em julho de 2013, a ÉPOCA Negócios publicou um artigo dizendo que Luciano havia sido "condenado pela Justiça Federal a 13 anos, nove meses e 12 dias de reclusão e ao pagamento de uma multa de 1,2 milhão de reais".[12] Em dezembro de 2013 no entanto, o MPF atualiza a sua publicação de 2004 com a seguinte nota de rodapé: “Em 2008, a 1ª Vara da Justiça Federal em Itajaí julgou a denúncia inepta e considerou a ação penal nula.”[11]

Em uma inauguração de uma de suas lojas em Santa Maria, Luciano Hang disse que as universidades federais "formam zumbis e comunistas".[14] O reitor Paulo Burmann, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) divulgou uma nota rebatendo Luciano Hang. Esta foi a segunda vez que Luciano Hang acusou falsamente a universidade de ter algum ensino ideológico.[15]

Acusação de coação de funcionários[editar | editar código-fonte]

Luciano Hang e Jair Bolsonaro durante uma transmissão ao vivo em redes sociais.

Em 2018 durante eleição presidencial no Brasil em 2018, Luciano divulgou vídeo no qual coage seus funcionários revelem em quem votariam nas eleições para presidente, ameaçando aqueles que não votassem em Jair Bolsonaro, do Partido Social Liberal.[16][17][18] "Talvez, a Havan não vai abrir mais lojas. E aí se eu não abrir mais lojas ou se nós voltarmos para trás. Você está preparado para sair da Havan? Você está preparado para ganhar a conta da Havan? Você que sonha em ser líder, gerente e crescer com a Havan, você já imaginou que tudo isso pode acabar no dia 7 de outubro?", questionou Hang. No vídeo, ele também diz que se um partido de esquerda ganhar e o Brasil "virar uma Venezuela", ele "jogaria a toalha".[16][17][18] Posteriormente, Hang negou que as declarações tivessem sido feitas para coagir seu funcionários, mas sim como parte de uma política de transparência da empresa.[18] No dia 2 de outubro 2018, o Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina moveu ação judicial contra a empresa por coagir funcionários politicamente.[17]

Conflitos com jornalistas[editar | editar código-fonte]

Em 19 de outubro de 2018, Luciano Hang publicou no Twitter o número de celular do repórter Ricardo Galhardo, do jornal O Estado de S. Paulo. O contato do repórter divulgado por Hang está com a seguinte mensagem: "querer vincular o envio de mensagens de texto da Havan a clientes com política: olha o nível da baixaria!!" Ricardo Galhardo tinha ligado para Hang para investigar o suposto vínculo dele com o envio de mensagens em massa a favor de Jair Bolsonaro, o então candidato a presidente. "Quando perguntei sobre o assunto, ele me xingou, disse que iria ‘me f***er’ e que iria colocar meu telefone nas redes sociais", disse Galhardo.[19] A moderação do Twitter foi acionada e Hang teve a mensagem apagada por ser considerada "abusiva". A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgou uma nota em que "repudia a exposição indevida do telefone do repórter Ricardo Galhardo pelo empresário Luciano Hang". A Abraji também afirmou que "ações como esta comprometem a liberdade necessária aos jornalistas para fazer perguntas -- especialmente as incômodas" e que "sem essa liberdade, a democracia definha."[19]

Em junho de 2019, Luciano Hang sugeriu que Silvio Santos deveria demitir a jornalista Rachel Sheherazade do SBT, ao acusar falsamente que ela teria "ideologia comunista".[20] Sheherazade reagiu, ao dizer que iria processar judicialmente o empresário. O fato teve repercussão na imprensa.[21][22][23] Escrevendo à Folha de S.Paulo, Tony Goes desmentiu Luciano Hang, dizendo que Rachel Sheherazade segue ideologias da direita política e o empresário viu nas demissões promovidas pelo SBT uma espécie de "caça às bruxas", como a jornalista não concorda em tudo que é feito no atual governo.[24]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Ao lado de Bolsonaro, Luciano Hang se apresenta como Véio da Havan». correiobraziliense.com.br 
  2. Hang, Luciano (24 de maio de 2019). «Postagem pessoal de Luciano Hang aprova apelido». @luciano_hang. Twitter. Consultado em 24 de maio de 2019 
  3. «Luciano Hang». Forbes 
  4. «As 50 maiores varejistas do Brasil em faturamento em 2015 - EXAME». exame.abril.com.br 
  5. «O fim de uma história centenária na indústria têxtil - Economia - Estadão» 
  6. Informação, Setor de Tecnologia da. «Portal do Cliente Havan - História». www.lojashavan.com.br 
  7. «Dono da Havan deve anunciar possibilidade de candidatura ao governo de SC». OCP News. Consultado em 21 de outubro de 2018 
  8. «Luciano Hang e Havan são destaques no Prêmio Conceito Varejista» 
  9. «"Quem é o dono da Havan e por que ele quer entrar na política"». Gazeta do Povo. Consultado em 20 de outubro de 2018 
  10. «Boato sobre quem é dono da Havan, loja da estátua da Liberdade, vira comercial» 
  11. a b c «Ação penal do Ministério Público Federal denuncia megafraude nas empresas HAVAN». Sala de Imprensa do MPF de SC. 27 de maio de 2004. Consultado em 20 de agosto de 2018 
  12. a b «A turma do interior». ÉPOCA Negócios. 8 de julho de 2013. Consultado em 20 de agosto de 2018 
  13. a b Fernando Martins (14 de janeiro de 2018). «Quem é o dono da Havan e por que ele quer entrar na política». Gazeta do Povo. Consultado em 20 de agosto de 2018 
  14. Marcelo Martins (10 de novembro de 2019). «VÍDEO: dono da Havan diz que universidades federais 'formam zumbis e comunistas'». Diário de Santa Maria. Consultado em 12 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2019 
  15. «Reitor Paulo Burmann rebate fala de Luciano Hang sobre estudantes da UFSM». Diário de Santa Maria. 12 de novembro de 2019. Consultado em 13 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2019 
  16. a b «Em vídeo, dono da Havan coage funcionários a votarem em Bolsonaro | Revista Fórum». Revista Fórum. 1 de outubro de 2018 
  17. a b c «MP do Trabalho processa Havan, acusada de coagir funcionários a votar em Bolsonaro». O Globo. 2 de outubro de 2018 
  18. a b c Miozzo, Júlia. «Dono da Havan, Luciano Hang nega pressionar funcionários a votar em Bolsonaro e se explica». www.infomoney.com.br. Consultado em 21 de outubro de 2018 
  19. a b «Empresário divulga celular de repórter em rede social». Abraji. 19 de outubro de 2019. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  20. «Rachel Sheherazade, mande emoldurar o tuíte de Luciano Hang». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de junho de 2019. Cópia arquivada em 27 de junho de 2019 
  21. «Rachel Sheherazade vai processarLuciano Hang dono da Havan, entenda». Metrópoles (jornal). www.metropoles.com. 25 de junho de 2019. Consultado em 4 de julho de 2019. Cópia arquivada em 5 de julho de 2019 
  22. Rodrigo Hirose (25 de junho de 2019). «Bolsonaro tem relação com demissões de Villa e Paulo Henrique Amorim e do pedido de demissão de Sheherazade?». Jornal Opção. Consultado em 4 de julho de 2019. Cópia arquivada em 5 de julho de 2019 
  23. «Rachel Sheherazade anuncia processo contra dono da Havan por pedir que ela seja demitida». O Povo (jornal de Fortaleza). 23 de junho de 2019. Consultado em 4 de julho de 2019. Cópia arquivada em 5 de julho de 2019 
  24. «Rachel Sheherazade, mande emoldurar o tuíte de Luciano Hang». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de outubro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luciano Hang