Museu da Borracha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fachada do Museu da Borracha.

O Museu da Borracha é um museu brasileiro, localizado na cidade de Rio Branco, capital do estado do Acre. Órgão público vinculado à Fundação de Cultura e Comunicação Elias Mansour, o museu tem a atribuição de coletar, conservar e expor os testemunhos da história sócio-econômica e da cultura material do Acre. Mantem atividades educativas permanentes, atendendo a estudantes, professores e visitantes em geral. Conta com auditório, biblioteca e arquivo.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O Museu da Borracha foi instituído por decreto estadual de 3 de abril de 1978, e inaugurado em 5 de novembro desse mesmo ano, durante a gestão de Geraldo Gurgel de Mesquita, por ocasião das comemorações do primeiro centenário da migração nordestina para o Acre.[2] Subordinado à Secretaria da Educação e Cultura, sua primeira sede foi um edifício na avenida Getúlio Vargas.[3]

Em 1986, o museu foi transferido para a sede da Fundação Elias Mansour, o órgão público estadual responsável pela administração dos espaços museológicos e demais equipamentos culturais do Acre, que passou a coordenar suas atividades.[3] O museu ocupa desde então a função de central museológica do estado, destinando-se à guarda de parte significativa de seus registros documentais, históricos e culturais.[2]

Com a extinção da Superintendência da Borracha (SUDHEVA) em 1990, e após autorização do Ministério da Agricultura, o museu passou a ocupar a antiga sede do órgão extinto[2] - um edifício de 510 , situado na avenida Ceará, no centro de Rio Branco, onde se encontra até hoje.[1] Além dos espaços expositivos, o museu conta com reserva técnica, áreas para atuação didático-cultural, biblioteca, arquivo e um auditório com capacidade para 60 pessoas.[1][3]

Acervo[editar | editar código-fonte]

O Museu da Borracha mantém sob sua guarda um acervo diversificado, formado, em sua maior parte, por doações de particulares e compras efetuadas durante os primeiros anos após a sua fundação. O acervo reúne mais de 5300 peças, distribuídas por diversos núcleos, como paleontologia, arqueologia, etnografia e história sócio-econômica do Acre, além de obras de arte, manuscritos, fotografias, periódicos e outros pequenos conjuntos.[4] Destacam-se:

O museu conserva ainda uma das maiores hemerotecas da Amazônia, com jornais datados de meados do século XIX até os dias de hoje. Conserva também toda pauta de música da extinta banda da Guarda Territorial, onde se encontram peças importantes de maestros acreanos, como Sandoval dos Anjos e Zeca Torres. Recentemente, o museu recebeu em doação da Rádio Difusora Acreana uma coleção de aproximadamente 7000 discos de vinil.[2]

Biblioteca e arquivo[editar | editar código-fonte]

A biblioteca do museu é especializada na história do Amazonas e do Acre. Conserva cerca de 4700 volumes, entre livros, periódicos e outras publicações. O arquivo reúne partituras, fotografias, livros de registro dos antigos seringais acreanos, documentos impressos e manuscritos.

Referências

  1. a b c Comissão do Patrimônio Cultural da USP, 2000, pp. 33-34.
  2. a b c d «Museu da Borracha será reinaugurado nesta quarta-feira». Portal do Governo do Estado do Acre. Consultado em 30 de março de 2009 
  3. a b c «Museu da Borracha». Portal Guia Rio Branco. Consultado em 30 de março de 2009 
  4. «Museu da Borracha». Revista Museu. Consultado em 30 de março de 2009 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Comissão de Patrimônio Cultural da Universidade de São Paulo (2000). Guia de Museus Brasileiros. São Paulo: Edusp. pp. 33–34 

Ver também[editar | editar código-fonte]