Gavião-real

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Harpia harpyja)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaGavião-real
Espécime macho avistado se alimentando no Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, no Brasil
Espécime macho avistado se alimentando no Parque das Aves, em Foz do Iguaçu, no Brasil
Espécime sendo alimentando no Zoológico de Miami, na Flórida, nos Estados Unidos
Espécime sendo alimentando no Zoológico de Miami, na Flórida, nos Estados Unidos
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Accipitriformes[2]
Família: Accipitridae
Género: Harpia
Espécie: H. harpyja
Nome binomial
Harpia harpyja
Lineu, 1758
Distribuição geográfica
Distribuição do gavião-real na América Central e América do Sul. Embora amplamente distribuído, é raro em boa parte dos países nos quais os avistamentos ocorrem
Distribuição do gavião-real na América Central e América do Sul. Embora amplamente distribuído, é raro em boa parte dos países nos quais os avistamentos ocorrem

O gavião-real[3][4] (nome científico: Harpia harpyja), também chamado cutucurim, gavião-de-penacho, harpia, uiraçu, uiracuir, uiruuetê, uraçu,[5] águia-brasileira ou uiraçu-verdadeiro,[6] é uma ave acipitriforme da família dos acipitrídeos (Accipitridae). É a maior e mais poderosa ave de rapina encontrada em toda a sua extensão[7] e está entre as maiores espécies de águias existentes no mundo. Geralmente habita florestas tropicais de baixa altitude na camada superior (emergente) do dossel. A destruição de seu habitat natural fez com que desaparecesse de muitas partes de seu antigo território e está quase extirpado de grande parte da América Central.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome específico harpyja e a palavra "harpia" no nome comum vêm do grego antigo harpyia. Referem-se às harpias da mitologia grega antiga, espíritos do vento que levavam os mortos para o Hades ou Tártaro, e diziam ter um corpo como um abutre e o rosto de uma mulher.[8] Por causa do tamanho e ferocidade do animal, os primeiros exploradores europeus da América Central nomearam-nas como harpias. "Gavião-de-penacho" e "gavião-real" são referências ao penacho na cabeça característico da espécie, com um formato semelhante ao de uma coroa. "Uiruuetê" é um termo tupi que contém o termo e'tê, "verdadeiro", gwï'ra, "ave", e talvez 'una no sentido de "preto" ou -u'su no sentido de "grande"[9][10] "Uiraçu" e "uraçu" (registrado a primeira vez em 1822 como uiraaçu) vieram do termo tupi gwïrawa'su, construído a partir de gwï'ra, "ave", e wa'su, "grande".[11][12] Uiracuir ou uirakuir vieram da junção dos termos tupi para "pássaro" (gwirá, uirá) e para "cortante/afiado" (kuir, cuir) utilizados por nativos guaranis da região mais a sudeste da América do Sul.[13] Por fim, Cutucurim é de origem incerta, mas possivelmente deriva de cutiú (do tupi kuti'u), que significa "gavião preto do Amazonas", e o elemento final -una, "preto", que pode reduzir-se a -um e -u.[14]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

O gavião-real foi descrito pela primeira vez por Carlos Lineu em seu livro de 1758 10.ª edição do Systema Naturae como Vultur harpyja,[15] em homenagem à mitológica harpia. Sendo único membro do gênero Harpia, o gavião-real está mais intimamente relacionado com o uiraçu-falso (Morphnus guianensis) e a águia-papua (Harpyopsis novaeguineae), os três que compõem a subfamília dos harpiíneos (Harpiinae) dentro da grande família dos acipitrídeos (Accipitridae). Apesar de antigamente ser classificado como próximo a águia-filipina (Pithecophaga jefferyi), uma análise de DNA mostrou que essa espécie é mais próxima ao grupo dos circetíneos (Circaetinae).[16]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Morfologia[editar | editar código-fonte]

Um crânio exibido no Museu de História Natural de Berlim, na Alemanha

A parte superior do gavião-real é coberta com penas pretas, e a parte inferior é principalmente branca, com exceção dos tarsos emplumados, que são listrados de preto. Uma larga faixa preta na parte superior do peito separa a cabeça cinzenta da barriga branca. A cabeça é cinza pálido e é coroada com uma crista dupla.[17] A parte superior da cauda é preta com três faixas cinzas, enquanto a parte inferior é preta com três faixas brancas. As íris são cinzentas, castanhas ou vermelhas, a cera e o bico são pretos ou enegrecidos e os tarsos e dedos são amarelos. A plumagem de machos e fêmeas é idêntica. O tarso atinge até 13 centímetros de comprimento.[18][19]

Os gaviões-reais fêmeas geralmente pesam de seis a nove quilos.[20][21][18][22] Uma fonte afirma que as fêmeas adultas podem pesar até 10 quilos.[23] Uma fêmea cativa excepcionalmente grande, chamada "Jezebel", pesava 12,3 quilos.[24] Estando em cativeiro, esta grande fêmea pode não ser representativa do peso possível em gaviões selvagens devido às diferenças na disponibilidade de alimentos.[25][26] O macho, em comparação, é muito menor, variando de quatro a seis quilos.[20] [18][22][21] O peso médio dos machos foi relatado como 4,4 a 4,8 quilos contra uma média de 7,3 a 8,3 quilos para fêmeas adultas, uma diferença de 35% ou mais na massa corporal média.[21][27][28] Os gaviões-reais podem medir de 86,5 a 107 centímetros de comprimento total[22] e com uma envergadura de 176 a 224 centímetros.[19] Entre as medidas padrão, a corda da asa mede 54 a 63 centímetros, a cauda mede 37 a 42 centímetros, o tarso tem 11,4 a 13 centímetros comprimento, e a cimeira exposta da cera tem de 4,2 a 6,5 centímetros.[18][29][30] O tamanho médio da garra é de 8,6 centímetros nos machos e 12,3 centímetros nas fêmeas.[31]

Essa ave é citada como a maior águia ao lado da águia-filipina, que é um pouco mais longa em média (com média de um metro de comprimento), mas pesa um pouco menos, e o pipargo-gigante (Haliaeetus pelagicus), que talvez seja um pouco mais pesado em média (a média de três aves assexuadas foi de 7,75 quilos).[8][28][32] O gavião-real pode ser a maior espécie de ave da América Central, e grandes aves aquáticas, como pelicanos-brancos-americanos (Pelecanus erythrorhynchos) e jaburus (Jabiru mycteria) tenham massas corporais médias apenas um pouco mais baixas.[28] A envergadura do gavião-real é relativamente pequena, embora as asas sejam bastante largas, uma adaptação que aumenta a manobrabilidade em habitats florestais, sendo uma característica compartilhada por outras aves de rapina em habitats semelhantes. A envergadura do gavião-real é superada por várias grandes águias que vivem em habitats mais abertos, como as dos gêneros Haliaeetus e Aquila.[18] A Águia-de-haast (Harpagornis moorei) extinta era significativamente maior do que todas as águias existentes, incluindo o gavião-real.[33]

Cantos e gritos[editar | editar código-fonte]

Esta espécie é em grande parte silenciosa quando está longe do ninho. Quando estão no ninho, os adultos emitem um grito penetrante, fraco e melancólico, com o chamado dos machos incubantes descrito como "gritos ou lamentos sussurrantes".[34] As chamadas das fêmeas durante a incubação são semelhantes, mas são mais baixas. Ao se aproximar do ninho com comida, o macho costuma emitir "chiados rápidos, chamadas de ganso e gritos agudos ocasionais". A vocalização em ambos os pais diminui à medida que os filhotes envelhecem, enquanto os filhotes se tornam mais vocais. Os filhotes chamam chi-chi-chi-chi-chi-chi-chi, aparentemente em resposta à chuva ou luz solar direta. Quando os humanos se aproximam do ninho, os filhotes fazem sons descritos como "coaxando", "grasnando" e "assobiando".[35]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Raro em toda a sua extensão, o gavião-real é encontrado desde o México, passando pela América Central e América do Sul até o sul da Argentina. Nas florestas tropicais, vive na camada emergente. É mais comum no Brasil, onde é encontrada em todo o território nacional.[36] Com exceção de algumas áreas do Panamá, a espécie está quase extinta na América Central, após o corte de grande parte da floresta tropical lá (tendo sido completamente extirpada de El Salvador, por exemplo[37]). O gavião-real habita florestas tropicais de várzea e pode ocorrer dentro dessas áreas desde o dossel até a vegetação emergente. Geralmente ocorre abaixo de uma altitude de 900 metros, mas indivíduos já foram registrados em altitudes de até 2 000 metros.[1] Dentro da floresta tropical, caça no dossel ou às vezes no chão, e pousa em árvores emergentes em busca de presas. Geralmente não ocorrem em áreas ocupadas pelo homem, mas visita regularmente o mosaico floresta/pastagem semiaberto, principalmente em incursões de caça.[38] Os gaviões-reais podem ser encontradas sobrevoando as fronteiras da floresta em uma variedade de habitats, como cerrados, caatingas, palmeiras de buriti, campos cultivados e cidades.[39]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Espécime de mafumeira, a árvore preferida à nidificação dos gaviões-reais, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Os gaviões-reais, como as águias em geral, são monogâmicos e formam pares unidos por toda a vida, mas, exceto durante a época de reprodução, os parceiros têm cada um seu próprio território de caça e só se reúnem para acasalar.[17] Em algumas partes do Panamá e da Guiana, ninhos ativos foram localizados a três quilômetros de distância um do outro, enquanto estão a cinco quilômetros um do outro na Venezuela. No Peru, a distância média entre ninhos foi de 7,4 quilômetros e a área média ocupada por cada casal reprodutor foi estimada em 4 300 hectares. Em áreas menos ideais, com floresta fragmentada, os territórios de reprodução foram estimados em 25 quilômetros.[22] O gavião-real fêmea põe dois ovos brancos em um grande ninho de gravetos forrado com folhas e musgo,[17] que geralmente mede 1,2 metro de profundidade e 1,5 metro de diâmetro e pode ser usado por vários anos. Os ninhos se localizam no alto de árvores, geralmente na bifurcação principal, entre 16 a 43 metros, dependendo da estatura das árvores locais. O gavião-real costuma construir seu ninho na copa das mafumeiras (Ceiba pentandra), uma das árvores mais altas da América do Sul. Em muitas culturas sul-americanas, cortar a mafumeira é considerado má sorte, o que pode ajudar a proteger o habitat desta águia.[8] A ave também usa outras árvores grandes para construir seu ninho, como a castanheira-do-pará (Bertholletia excelsa).[40] Um local de nidificação encontrado no Pantanal brasileiro foi construído em uma árvore de cambará (Vochysia divergens).[41]

A época de reprodução estende-se de junho a novembro.[17] Não se conhece nenhum tipo de exibição entre os pares de gaviões-reais, e acredita-se que acasalem por toda a vida. Um par de gaviões-reais geralmente cria apenas um filhote a cada 2-3 anos. Após a eclosão do primeiro pintinho, o segundo ovo é ignorado e normalmente não eclode, a menos que o primeiro filhote morra. O ovo é incubado por volta de 56 dias. Quando o filhote tem 36 dias de idade, pode ficar de pé e andar desajeitadamente. O pintinho empluma aos 6 meses, e os pais continuam a alimentá-lo por mais 6 a 10 meses. O macho captura grande parte da comida à fêmea que incuba o ovo, e depois apara o seu filhote, mas também faz turnos de incubação enquanto a fêmea forrageia, enquanto ela traz presas de volta ao ninho. A maturidade reprodutiva não é alcançada até que as aves tenham 4 a 6 anos de idade.[18][42][38] Os adultos podem ser agressivos com humanos que perturbam o local de nidificação ou que pareçam ser uma ameaça para seus filhotes.[43]

Técnicas de caça[editar | editar código-fonte]

Gavião-real em voo

O gavião-real adulto é um carnívoro no topo da cadeia alimentar,[44] cuja velocidade máxima de voo pode atingir 80 km/h.[45] Todavia, foi notado que dois gaviões-reais jovens que estavam sendo soltas na natureza como parte de um programa de reintrodução foram caçados por uma onça-pintada (Panthera onca) e uma jaguatirica (Leopardus pardalis).[46] Os gaviões-reais possuem as maiores garras de todas as águias viva e foram registrados como levantando presas que pesam o mesmo que seu próprio peso corporal. Isso permite que elas capturem preguiças vivas, assim como outras presas proporcionalmente grandes. Mais comumente, os gaviões-reais usam a tática de caça de poleiro, na qual escaneiam a atividade das presas enquanto empoleiram-se brevemente entre voos curtos de árvore em árvore. Ao avistar a presa, o gavião-real mergulha rapidamente e a agarra. Às vezes, os gaviões-reais executam predação do tipo "sentar e esperar" (comuns em aves de rapina que vivem na floresta), pousando por longos períodos em um ponto alto perto de uma abertura, um rio ou uma salina, onde muitos mamíferos vão para obter nutrientes. Ocasionalmente, eles também podem caçar voando dentro ou acima do dossel. Eles também foram observados em perseguições aéreas: perseguindo outras aves em voo, esquivando-se rapidamente entre árvores e galhos, um estilo de predação comum aos falcões do gênero Accipiter que caçam pássaros.[18]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Espécime empalhado de gavião-real adulto predando uma arara em exibição no Museu de História Natural de Berlim, na Alemanha
Junto com a preguiça, os macacos, como o macaco-prego-das-guianas (Sapajus appella), são uma das principais presas do gavião-real.[47][48]

Os machos geralmente pegam presas relativamente menores, com um intervalo típico de 0,5 a 2,5 quilos ou cerca de metade do seu próprio peso. As fêmeas maiores pegam presas maiores, com um peso mínimo de presas registrado de cerca de 2,7 quilos. Os gaviões-reais adultos pegam regularmente grandes bugios (Alouatta) machos, macacos-aranha (Ateles) ou bichos-preguiça (Folivora) pesando de seis a nove quilos em voo.[49][50] As presas levadas para o ninho pelos pais são normalmente de tamanho médio, tendo sido registradas presas de um a quatro quilos.[18] As presas trazidas para o ninho por machos pesavam em média 1,5 quilo, enquanto a presa trazida para o ninho pelas fêmeas tiveram uma média de 3,2 quilos.[35] Em outro estudo, aves não nidificantes pegaram presas em média de 4,24 quilos, mais do que a média das nidificantes, de 3,64 quilos, com espécies de presas estimadas em peso médio de 1,08 quilos (para gambá-comum (Didelphis marsupialis)) a 10,1 quilos (para o mão-pelada (Procyon cancrivorus) adulto).[21] No geral, as presas do gavião-real pesam entre 0,3 a 6,5 quilos, com o tamanho médio de presa igual a 2,6 ± 0,8 quilos[51] Uma recente revisão de literatura e pesquisa usando armadilhas fotográficas lista um total de 116 espécies diferentes de presas.[52][47] Uma pesquisa realizada por Aguiar-Silva entre 2003-05 em um local de nidificação em Parintins, Amazonas, coletou restos de presas oferecidas ao filhote. Os pesquisadores descobriram que 79% das presas eram compostas por preguiças de duas espécies: 39% preguiça-comum (Bradypus variegatus) e 40% de preguiça-real (Choloepus didactylus).[51] Pesquisa semelhante no Panamá, onde dois subadultos criados em cativeiro foram liberados, descobriu que 52% das capturas do macho e 54% das fêmeas eram de duas espécies de preguiça (preguiça-comum e Choloepus hoffmanni).[53]

Em vários ninhos na Guiana, os macacos constituíam cerca de 37% dos restos de presa encontrados nos ninhos.[54] Da mesma forma, os macacos-prego (Sapajus) compuseram 35% dos restos encontrados em 10 ninhos na Amazônia equatoriana.[55] Macacos capturados regularmente incluem macacos-prego, parauacus (Pithecia), bugios, guigós (Callicebus), saimiris e macacos-aranha. Macacos menores, como micos (Saguinus) e saguis (dos gêneros Callithrix, Callibella, Cebuella, Mico) são aparentemente ignorados como presas por esta espécie.[18] Gaviões-reais machos geralmente caçam macacos pequenos ou jovens, mas as gaviões-reais fêmeas adultos são conhecidos por matar macacos maiores como macaco-barrigudo-cinzento (Lagothrix cana), Alouatta palliata e Ateles chamek, que pode pesar até 9 quilos. Até mesmo os maiores macacos da América do Sul, como o macaco-aranha-preto adulto (Ateles paniscus), que pode pesar entre 7,5 e 13,5 quilos pode ser vítima do gavião-real.[52][47][56] Em outro estudo, gaviões-reais reprodutores caçaram Alouatta pigra que podem pesar de 6,4 a 11,3 quilos, embora sejam desconhecidas as idades dos macacos capturados por esses gaviões-reais.[57][58]

Antigo ninho de gavião-real em Pijibasal, Panamá

Outros mamíferos parcialmente arborícolas e até terrestres também são predados dada a oportunidade, incluindo porcos-espinho (eretizontídeos), esquilos, gambás (didelfiídeos), tamanduás (vermilíngues), tatus (dasipodídeos e clamiforídeos) e animais carnívoros, como juparás (Potos flavus), quatis (Nasua), iraras (Eira barbara) e, ocasionalmente, gatos-maracajás (Leopardus wiedii) e graxains-do-mato (Cerdocyon thous).[18][52] Há um relato de gaviões-reais atacando jaguatiricas adulta e mãos-peladas.[56][21] No Pantanal, um par de águias nidificantes predava em grande parte porcos-espinho (Coendou prehensilis) e cutias (Dasyprocta azarae).[41] O gavião-real também pode atacar espécies de aves, como as araras: no campo de pesquisa de Parintins, a arara-vermelha (Ara chloropterus) compunha 0,4% das presas, com outras aves no valor de 4,6%.[51] Outros papagaios também são predados, assim como cracídeos como mutuns e outras aves como seriemas (cariamídeos).[18] Em uma ocasião, um juvenil dependente aprendeu rapidamente a caçar urubus-de-cabeça-preta (Coragyps atratus).[47] Itens de presas adicionais relatados incluem répteis como iguanas, teiús (Tupinambis) e cobras.[22] O gavião-real já foi registrado atacando animais de criação, incluindo galinhas, cordeiros, cabras e porcos jovens, mas isso é extremamente raro em circunstâncias normais.[18] Eles controlam a população de mesopredadores, como os macacos-prego, que atacam amplamente os ovos das aves e que (se não controlados naturalmente) podem causar extinções locais de espécies sensíveis.[59]

Estado e conservação[editar | editar código-fonte]

Embora o gavião-real ainda ocorra em uma área considerável, sua distribuição e populações diminuíram consideravelmente. Está ameaçado principalmente pela perda de habitat devido à expansão da extração de madeira, pela pecuária e pela agricultura. Secundariamente, é ameaçado por ser caçado como uma ameaça real ao gado e, supostamente, à vida humana, devido ao seu grande tamanho.[60][23] Embora não seja conhecido por caçar humanos e raramente atacar animais domésticos, o tamanho grande da espécie e o comportamento destemido em torno dos humanos fazem dela um “alvo irresistível” para os caçadores.[22] Tais ameaças se aplicam em toda a sua extensão, em grande parte das quais o pássaro se tornou apenas uma visão transitória; no Brasil, foi praticamente exterminada da Mata Atlântica e só é encontrada em números apreciáveis nas partes mais remotas da bacia amazônica; um relato jornalístico brasileiro de meados da década de 1990 já reclamava que na época só era encontrado em números expressivos em território brasileiro no lado norte da linha do Equador.[61] Registros científicos da década de 1990, no entanto, sugerem que a população de gaviões-reais da Mata Atlântica pode ser migratória.[62] Pesquisas posteriores no Brasil estabeleceram que, em 2009, o gavião-real, fora da Amazônia brasileira, estava criticamente ameaçado no Espírito Santo,[63] São Paulo e Paraná, ameaçada no Rio de Janeiro, e provavelmente extirpada no Rio Grande do Sul (onde uma observação em março de 2015 foi feita no Parque Estadual do Turvo) e Minas Gerais[64] – o tamanho real de sua população total no Brasil é desconhecido.[65]

Ao longo das pesquisas no Brasil, foi classificado em várias listas de conservação: em 2005, constava como criticamente em perigo na Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo;[66] em 2010, como criticamente em perigo na Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna do Estado de Minas Gerais[67] e no Livro Vermelho da Fauna Ameaçada no Estado do Paraná;[68] em 2011, como criticamente em perigo na Lista das Espécies da Fauna Ameaçada de Extinção em Santa Catarina;[69] em 2014, como criticamente em perigo na Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Rio Grande do Sul[70][71] e em perigo no Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo;[72] em 2014, como vulnerável na Portaria MMA N.º 444 de 17 de dezembro de 2014;[73] em 2017, como criticamente em perigo na Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia;[74][4] e em 2018, como vulnerável no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)[75] e como em perigo na Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Estado do Rio de Janeiro.[76]

Globalmente, o gavião-real é considerado quase ameaçada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN / IUCN) em sua Lista Vermelha[1] e ameaçado de extinção pelno Apêndice I da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES). O Fundo Peregrino até recentemente a considerava uma "espécie dependente da conservação", o que significa que depende de um esforço dedicado à reprodução em cativeiro e liberação na natureza, bem como à proteção do habitat, para evitar que atinja a situação de ameaçada, mas agora aceitou a situação de quase ameaçado. O gavião-real é considerado criticamente ameaçado no México e na América Central, onde foi extirpado na maior parte de sua antiga área de distribuição; no México, costumava ser encontrado tão ao norte quanto Veracruz, mas hoje provavelmente ocorre apenas em Chiapas na Selva Zoque. É considerado quase ameaçado ou vulnerável na maior parte da porção sul-americana de sua área de distribuição. Na Argentina, é encontrado apenas nas florestas do vale do rio Paraná, na província de Misiones.[77][78] Desapareceu de El Salvador, e quase desapareceu da Costa Rica.[37]

Iniciativas nacionais[editar | editar código-fonte]

Representação de gaviões-reais em códices maias de acordo com o livro de 1910, Figuras animais nos códices maias de Alfred Tozzer e Glover Morrill Allen[79]

Várias iniciativas à recuperação da espécie estão em andamento em vários países. Desde 2002, o Fundo Peregrino iniciou um programa de conservação e pesquisa ao gavião-real na província de Darién, no Panamá.[80] Um projeto de pesquisa semelhante – e maior, dadas as dimensões dos países envolvidos – está ocorrendo no Brasil, no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), por meio do qual dezenas de locais de nidificação conhecidos estão sendo monitorados por pesquisadores e voluntários das comunidades locais. Um filhote de gavião-real foi equipado com um transmissor de rádio que permite rastreá-lo por mais de três anos, com o sinal de satélite enviado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).[81] Além disso, foi feito um registro fotográfico de um ninho na Floresta Nacional de Carajás à edição brasileira da revista National Geographic.[82]

O Fundo Peregrino realizou um projeto de criação e soltura em cativeiro que liberou um total de 49 aves no Panamá e em Belize.[83] O Fundo Peregrino também realizou um projeto de pesquisa e conservação sobre esta espécie desde o ano 2000, tornando-se o estudo mais antigo sobre gaviões-reais.[84][85] Em Belize, o Projeto de Restauração da Harpia de Belize começou em 2003 com a colaboração de Sharon Matola, fundadora e diretora do Zoológico de Belize e do Fundo Peregrine. O objetivo deste projeto era o restabelecimento do gavião-real em Belize. A população da águia diminuiu devido à fragmentação da floresta e destruição de ninhos, resultando na quase extirpação da espécie. Os gaviões-reais criados em cativeiro foram soltos na Área de Conservação e Manejo Rio Bravo, em Belize, escolhida por seu habitat florestal de qualidade e as ligações com a Guatemala e o México. A ligação do habitat com a Guatemala e o México foi importante à conservação do habitat de qualidade e do gavião-real em nível regional. Até novembro de 2009, 14 gaviões-reais foram soltos na região e são monitorados pelo Fundo Peregrino, por meio de telemetria via satélite.[86]

Em janeiro de 2009, um filhote da população quase extirpada do estado brasileiro do Paraná foi incubada em cativeiro na reserva mantida nas proximidades da represa de Itaipu pela empresa estatal brasileira/paraguaia Itaipu Binacional.[87] Em setembro, uma fêmea adulta, após 12 anos de cativeiro em uma reserva particular, recebeu um rádio transmissor antes de ser devolvida à natureza nas proximidades do Parque Nacional do Pau Brasil (antigo Parque Nacional do Monte Pascoal), na estado da Bahia.[88] Em dezembro, um 15.º gavião-real foi solto na Área de Conservação e Manejo Rio Bravo, em Belize. A soltura foi programada para coincidir com a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas 2009, em Copenhague. O 15.º gavião-real, apelidada de "Esperança" pelos funcionários da Peregrine no Panamá, foi o "garoto-propaganda" da conservação da floresta em Belize, um país em desenvolvimento, e da importância dessas atividades em relação às mudanças climáticas. O evento recebeu cobertura das principais entidades de mídia de Belize, e contou com o apoio e a participação do embaixador dos Estados Unidos em Belize, Vinai Thummalapally, e do alto comissário britânico em Belize, Pat Ashworth.[89]

Na Colômbia, em 2007, um macho adulto e uma fêmea subadulta confiscados do tráfico de animais selvagens foram devolvidos à natureza e monitorados no Parque Nacional Paramillo, em Córdova, com outro casal mantido em cativeiro em um centro de pesquisa para reprodução e eventual libertação.[90] Um esforço de monitoramento com a ajuda de voluntários de comunidades nativas americanas também está sendo feito no Equador, com o patrocínio conjunto de várias universidades espanholas[91] — esse esforço é semelhante a outro que vem acontecendo desde 1996 no Peru, centrado em torno de um nativo comunidade da Província de Tambopata, Região de Madre de Dios.[92]

Na cultura humana[editar | editar código-fonte]

O gavião-real é a ave nacional do Panamá e está representada no brasão de armas do Panamá.[93] O 15.º gavião-real solto em Belize, batizada de "Esperança", foi apelidada de "Embaixadora das Mudanças Climáticas", à luz da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2009.[94][89] A ave apareceu no verso da nota venezuelana de dois mil bolívares fuertes.[95] Um gavião-real foi a inspiração por trás do design de Fawkes, a Fênix, na série de filmes Harry Potter.[96] Um gavião-real viva foi usada para representar a agora extinta águia-de-haast em Monsters We Met da British Broadcasting Corporation (BBC).[97] Está desenhado no brasão do Panamá,[93] e também no brasão de armas dos estados brasileiros do Paraná,[98][99] do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, e do 4.º Batalhão de Aviação do Exército Brasileiro.[100]

Referências

  1. a b c d BirdLife International (2021). «Harpia harpyja». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2021: e.T22695998A197957213. doi:10.2305/IUCN.UK.2021-3.RLTS.T22695998A197957213.enAcessível livremente. Consultado em 21 de abril de 2022 
  2. «Raptors». IOC World Bird List (em inglês). Consultado em 13 de Outubro de 2010 
  3. Paixão, Paulo (Verão de 2021). «Os Nomes Portugueses das Aves de Todo o Mundo» (PDF) 2.ª ed. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. p. 154. ISSN 1830-7809. Consultado em 13 de janeiro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 23 de abril de 2022 
  4. a b «Harpia harpyja (Linnaeus, 1885)». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Consultado em 22 de abril de 2022. Cópia arquivada em 9 de julho de 2022 
  5. Ferreira, A. B. H. (1986). Novo Dicionário da Língua Portuguesa 2.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 882-883 
  6. «Gavião-real». Michaelis. Consultado em 21 de abril de 2022 
  7. The illustrated atlas of wildlife. Barkeley, Califórnia: Imprensa da Universidade da Califórnia. 2009. p. 115. ISBN 978-0-520-25785-6 
  8. a b c Piper, Ross (2007). Extraordinary Animals: An Encyclopedia of Curious and Unusual Animals. Westport, Conneticute: Greenwood Publishing Group. ISBN 978-0-313-33922-6 
  9. Grande Dicionário Houaiss, verbete "uiruuetê"
  10. Ferreira, A. B. H. (1986). Novo Dicionário da Língua Portuguesa 2.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 1733 
  11. Ferreira, A. B. H. (1986). Novo Dicionário da Língua Portuguesa 2.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 1733, 1740 
  12. Grande Dicionário Houaiss, verbete uiraçu e uraçu
  13. Gómez, Félix Giménez (1996). Dicionário Guarani/Ibérico. Assunção: Guarani Libro Editora. p. 119 
  14. Grande Dicionário Houaiss, verbete cutucurim
  15. Lineu, Carlos (1758). Systema naturae per regna tria naturae, secundum classes, ordines, genera, species, cum characteribus, differentiis, synonymis, locis. Tomus I. Editio decima, reformata. (em latim). Estocolmo: Laurentii Salvii. V. occipite subcristato. 
  16. Lerner, Heather R. L.; Mindell, David P. (novembro de 2005). «Phylogeny of eagles, Old World vultures, and other Accipitridae based on nuclear and mitochondrial DNA» (PDF). Molecular Phylogenetics and Evolution. 37 (2): 327–346. PMID 15925523. doi:10.1016/j.ympev.2005.04.010. Consultado em 31 de maio de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 6 de julho de 2011 
  17. a b c d Grzimek, Bernhard; Fontaine, Maurice (1972). «chap. XV (« Vautours américains, Secrétaires et Accipitridés »)». Le Monde animal en 13 volumes: Encyclopédie de la vie des bêtes, t. VII : Oiseaux 1 1.ª ed. Zurique: Éditions Stauffacher S.A. p. 370-371 
  18. a b c d e f g h i j k l Ferguson-Lees, J.; Christie, David A. (2001). Raptors of the world. Boston, Massachussetes: Houghton Mifflin Harcourt. pp. 717–19. ISBN 978-0-618-12762-7. Consultado em 22 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2016 
  19. a b Howell, Steve N. G. (30 de março de 1995). A Guide to the Birds of Mexico and Northern Central America. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia. ISBN 978-0-19-854012-0 
  20. a b «Size of Harpy Eagle | Rainforest Top Predator | Whitehawk Birding Blog» (em inglês). 25 de junho de 2020. Consultado em 26 de junho de 2020. Arquivado do original em 28 de junho de 2020 
  21. a b c d e Miranda, Everton B. P.; Campbell-Thompson, Edwin; Muela, Angel; Vargas, Félix Hernán (2018). «Sex and breeding status affect prey composition of Harpy Eagles Harpia harpyja». Journal of Ornithology. 159 (1): 141–150. doi:10.1007/s10336-017-1482-3 
  22. a b c d e f Thiollay, J. M. (1994). «Harpy Eagle (Harpia harpyja)». In: del Hoy, J.; Elliot, A; J. Sargatal. Handbook of the Birds of the World. Vol. 2. New World Vultures to Guineafowl. Barcelona: Lynx Edicions. p. 191. ISBN 84-87334-15-6 
  23. a b Trinca, C.T.; Ferrari, S.F.; Lees, A.C. «Curiosity killed the bird: arbitrary hunting of Harpy Eagles Harpia harpyja on an agricultural frontier in southern Brazilian Amazonia» (PDF). Cotinga. Consultado em 28 de março de 2013. Arquivado do original (PDF) em 23 de outubro de 2012 
  24. Wood, Gerald (1983). The Guinness Book of Animal Facts and Feats. Londres: Guinness Superlative Limited. ISBN 978-0-85112-235-9 
  25. O'Connor, Raymond J. (1984). The Growth and Development of Birds. Hoboquém, Nova Jérsei: Wiley. ISBN 0-471-90345-0 
  26. Arent, L. A. (2007). Raptors in Captivity. Washington: Hancock House 
  27. Whitacre, D. F.; Jenny, J. P. (2013). Neotropical birds of prey: biology and ecology of a forest raptor community. Ítaca, Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Cornell 
  28. a b c Dunning, ed. (2008). CRC Handbook of Avian Body Masses 2nd ed. Boca Ratón, Flórida: CRC Press. ISBN 978-1-4200-6444-5 
  29. «The Philippine Eagle: Largest in the World». Sagip Eagle. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2013 
  30. Smithsonian miscellaneous collections (1862).
  31. Viloria, Ángel L.; Lizarralde, Manuel; Blanco, P. Alexander; Sharpe, Christopher J. (2021). «Ethno-ornithological notes and neglected references on the Harpy Eagle Harpia harpyja in western Venezuela». Bulletin of the British Ornithologists' Club. 141 (2): 156–166. doi:10.25226/bboc.v141i2.2021.a6Acessível livremente 
  32. Gamauf, A.; Preleuthner, M.; Winkler, H. (1998). «Philippine Birds of Prey: Interrelations among habitat, morphology and behavior» (PDF). The Auk. 115 (3): 713–726. JSTOR 4089419. doi:10.2307/4089419. Consultado em 27 de junho de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 23 de agosto de 2014 
  33. Museum of New Zealand (1998).
  34. «Identification – Harpy Eagle (Harpia harpyja) – Neotropical Birds». Neotropical.birds.cornell.edu. Consultado em 13 de maio de 2013. Arquivado do original em 7 de junho de 2013 
  35. a b Rettig, N. (1978). «Breeding behavior of the Harpy Eagle (Harpia harpyja. Auk. 95 (4): 629–643. JSTOR 4085350. Consultado em 9 de março de 2013. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2014 
  36. «Gavião-real, uma das maiores aves de rapina do mundo – Terra Brasil». noticias.terra.com.br. Consultado em 25 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 25 de setembro de 2015 
  37. a b Weidensaul, Scott (2004). The Raptor Almanac: A Comprehensive Guide to Eagles, Hawks, Falcons, and Vultures. Nova Iorque: Lyons Press. pp. 280–81. ISBN 978-1-58574-170-0 
  38. a b Rettig, N.; Hayes, K. (1995). «Remote world of the harpy eagle». National Geographic. 187 (2): 40–49 
  39. Sigrist, Tomas (2013). Guia de Campo Avis Brasilis – Avifauna brasileira. São Paulo: Avis Brasilis. ISBN 978-85-60120-25-3 
  40. Hughes, Holly (29 de janeiro de 2009). Frommer's 500 Places to See Before They Disappear. Hoboquém, Nova Jérsei: John Wiley & Sons. ISBN 978-0-470-43162-7. Consultado em 22 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 22 de abril de 2019 
  41. a b Menq, Willian (2018). «Harpia (gavião-real)». Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 20 de julho de 2010 
  42. Rettig, N. (1978). «Breeding behavior of the Harpy Eagle (Harpia harpyja. Auk. 95 (4): 629–643. JSTOR 4085350. Consultado em 9 de março de 2013. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2014 
  43. Vaughan, Adam (6 de julho de 2010). «Monkey-eating eagle divebombs BBC filmmaker as he fits nest-cam». guardian.co.uk. Consultado em 11 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 7 de março de 2016 
  44. Muñiz-López, R. (2017). «Harpy Eagle (Harpia harpyja) mortality in Ecuador» (PDF). Studies on Neotropical Fauna and Environment. 52 (1): 81–85. doi:10.1080/01650521.2016.1276716. Consultado em 5 de junho de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 20 de maio de 2018 
  45. Vogt, Richard C. (2014). Traduzido por Garnaud-d'Ersu, Valérie. «La forêt vierge à la loupe [« Rain Forest »]». Paris: Larousse: 48-49. ISBN 978-2-03-589818-0 
  46. «Harpy Eagle Restoration Reaches New Heights» (PDF). The Peregrine Fund Newsletter 2003. Consultado em 4 de junho de 2018. Arquivado do original (PDF) em 6 de agosto de 2018 
  47. a b c d Miranda, Everton B. P.; Peres, Carlos A.; Carvalho-Rocha, Vítor Carvalho-Rocha; et al. (30 de junho de 2021). «Tropical deforestation induces thresholds of reproductive viability and habitat suitability in Earth's largest eagles». Scientific Reports (em inglês). 11. ISSN 2045-2322. doi:10.1038/S41598-021-92372-Z 
  48. Bonilla, Juan Miguel Hernández (30 de junho de 2021). «As maiores águias do mundo estão morrendo de fome por causa do desmatamento na Amazônia». EL PAÍS. Cópia arquivada em 1 de julho de 2021 
  49. «San Diego Zoo's Animal Bytes: Harpy Eagle». Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2007 
  50. «Gavião-real». Brasil 500 Pássaros. Eletronorte. Consultado em 6 de julho de 2010. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2010 
  51. a b c Aguiar-Silva, F. Helena; Sanaiotti, Tânia M.; Luz, Benjamim B. (2014). «Food Habits of the Harpy Eagle, a Top Predator from the Amazonian Rainforest Canopy». Journal of Raptor Research. 48: 24–35. doi:10.3356/JRR-13-00017.1 
  52. a b c Miranda, Everton B. P. (2018). «Prey Composition of Harpy Eagles (Harpia harpyja) in Raleighvallen, Suriname». Tropical Conservation Science. 13. 194008291880078 páginas. doi:10.1177/1940082918800789Acessível livremente 
  53. Touchton, Janeene M.; Yu-Cheng Hsu; Palleroni, Alberto (2002). «Foraging ecology of reintroduced captive-bred subadult harpy eagles (Harpia harpiya) on Barro Colorado Island, Panama» (PDF). Ornitologia Neotropical. 13. Cópia arquivada (PDF) em 9 de maio de 2008 
  54. Izor, R. J. (1985). «Sloths and other mammalian prey of the Harpy Eagle». In: Montgomery, G. G. The evolution and ecology of armadillos, sloths, and vermilinguas. Washington: Instituto Smithsonian. p. 343–346 
  55. Muñiz-López, R.; Criollo, O.; Mendúa, A. (2007). «Results of five years of the "Harpy Eagle (Harpia harpyja) Research Program" in the Ecuadorian tropical forest». In: Bildstein, K. L.; Barber, D. R.; Zimmerman, A. Neotropical raptors. Orwigsburg, Pensilvânia: Santuário Hawk Mountain. p. 23–32 
  56. a b Alvarez-Cordero, Eduardo (1996). Biology and conservation of the Harpy Eagle in Venezuela and Panama. Gainesville: Universidade da Flórida 
  57. Di Fiore, A.; Campbell, C. (2007). «The Atelines». In: Campbell, C.; Fuentes, A.; MacKinnon, K.; Panger, M.; Bearder, S. Primates in Perspective. Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Oxônia. p. 155–177. ISBN 978-0-19-517133-4 
  58. Rotenberg, J. A.; Marlin, J. A.; Pop, L.; Garcia, W. (2012). «First record of a Harpy Eagle (Harpia harpyja) nest in Belize» (PDF). The Wilson Journal of Ornithology. 124 (2): 292-297 
  59. Shaner, K. (2011). «Harpia harpyja». Animal Diversity Web, Museu de Zoologia da Universidade de Michigão. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 6 de abril de 2011 
  60. Talia Salanotti, pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, cf. O Globo, May the 13th. 2009; resumo disponível em «Maior águia das Américas, gavião-real sofre com destruição das florestas». Cópia arquivada em 12 de novembro de 2012 
  61. "Senhora dos ares", Globo Rural, ISSN 0102-6178, 11:129, July 1996, pp. 40 and 42
  62. «Alluvion of the Lower Schwalm near Borken». Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2009 
  63. Onde um macho adulto foi observado em agosto de 2005 na reserva mantida pela corporação de mineração Vale do Rio Doce em Linhares: cf. Srbek-Araujo, Ana C.; Chiarello, Adriano G. (2006). «Registro recente de harpia, Harpia harpyja (Linnaeus) (Aves, Accipitridae), na Mata Atlântica da Reserva Natural Vale do Rio Doce, Linhares, Espírito Santo e implicações para a conservação regional da espécie». Revista Brasileira de Zoologia. 23 (4): 1264. doi:10.1590/S0101-81752006000400040Acessível livremente 
  64. Nevertheless, in 2006, an adult female – probably during migration – was seen and photographed at the vicinity of Tapira, in the Minas Gerais cerrado: cf. Oliveira, Adilson Luiz de; Silva, Robson Silva e (2006). «Registro de Harpia (Harpia harpyja) no cerrado de Tapira, Minas Gerais, Brasil» (PDF). Revista Brasileira de Ornitologia. 14 (4): 433–434. Cópia arquivada (PDF) em 2 de novembro de 2010 
  65. Couto, Clarice. «Viva a Rainha». Globo Rural. 25 (288): 65. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2014 
  66. «Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo». Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), Governo do Estado do Espírito Santo. Consultado em 7 de julho de 2022. Cópia arquivada em 24 de junho de 2022 
  67. «Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna do Estado de Minas Gerais» (PDF). Conselho Estadual de Política Ambiental - COPAM. 30 de abril de 2010. Consultado em 2 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 21 de janeiro de 2022 
  68. Livro Vermelho da Fauna Ameaçada. Curitiba: Governo do Estado do Paraná, Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná. 2010. Consultado em 2 de abril de 2022 
  69. Lista das Espécies da Fauna Ameaçada de Extinção em Santa Catarina - Relatório Técnico Final. Florianópolis: Governo do Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Fundação do Meio Ambiente (FATMA). 2010 
  70. de Marques, Ana Alice Biedzicki; Fontana, Carla Suertegaray; Vélez, Eduardo; Bencke, Glayson Ariel; Schneider, Maurício; Reis, Roberto Esser dos (2002). Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Rio Grande do Sul - Decreto Nº 41.672, de 11 de junho de 2002 (PDF). Porto Alegre: Museu de Ciências e Tecnologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; PANGEA - Associação Ambientalista Internacional; Fundação Zoo-Botânica do Rio Grande do Sul; Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA); Governo do Rio Grande do Sul. Consultado em 2 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 31 de janeiro de 2022 
  71. «Decreto N.º 51.797, de 8 de setembro de 2014» (PDF). Porto Alegre: Estado do Rio Grande do Sul Assembleia Legislativa Gabinete de Consultoria Legislativa. 2014. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2022 
  72. Bressan, Paulo Magalhães; Kierulff, Maria Cecília Martins; Sugleda, Angélica Midori (2009). Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo - Vertebrados (PDF). São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SIMA - SP), Fundação Parque Zoológico de São Paulo. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 25 de janeiro de 2022 
  73. «PORTARIA N.º 444, de 17 de dezembro de 2014» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente (MMA). Consultado em 24 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de julho de 2022 
  74. «Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia.» (PDF). Secretaria do Meio Ambiente. Agosto de 2017. Consultado em 1 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de abril de 2022 
  75. «Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção» (PDF). Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. 2018. Consultado em 3 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2018 
  76. «Texto publicado no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro contendo a listagem das 257 espécies» (PDF). Rio de Janeiro: Governo do Estado do Rio de Janeiro. 2018. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de maio de 2022 
  77. «The Misiones Green Corridor». Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 13 de junho de 2010 
  78. Para um mapa do alcance histórico e atual da espécie, veja a Fig. 1 em Lerner, Heather R. L.; Johnson, Jeff A.; Lindsay, Alec R.; Kiff, Lloyd F.; Mindell, David P. (2009). Ellegren, Hans, ed. «It's not too Late for the Harpy Eagle (Harpia harpyja): High Levels of Genetic Diversity and Differentiation Can Fuel Conservation Programs». PLOS ONE. 4 (10): e7336. Bibcode:2009PLoSO...4.7336L. PMID 19802391. doi:10.1371/journal.pone.0007336Acessível livremente 
  79. Tozzer, Alfred M.; Allen, Glover M. Animal figures in the Maya codices. Cambrígia, Massachussetes: Museu de Cambrígia, Massachussetes. Consultado em 25 de novembro de 2020 
  80. «Harpy Eagle Harpia harpyja». Cópia arquivada em 20 de julho de 2011 
  81. «Projecto Gavião-real». Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA); Globo Rural, 25:288, page 62. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2014 
  82. Rosa, João Marcos (22 de junho de 2011). «Mirada alemã: um olhar crítico sobre o seu próprio trabalho». National Geographic Brasil. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  83. Watson, Richard T.; McClure, Christopher J. W.; Vargas, F. Hernán; Jenny, J. Peter (março de 2016). «Trial Restoration of the Harpy Eagle, a Large, Long-lived, Tropical Forest Raptor, in Panama and Belize». Journal of Raptor Research. 50 (1): 3–22. ISSN 0892-1016. doi:10.3356/rapt-50-01-3-22.1Acessível livremente 
  84. «Size of Harpy Eagle | Rainforest Top Predator | Whitehawk Birding Blog» (em inglês). 25 de junho de 2020. Consultado em 26 de junho de 2020. Arquivado do original em 28 de junho de 2020 
  85. «Harpy Eagle | The Peregrine Fund». peregrinefund.org. Consultado em 27 de junho de 2020. Arquivado do original em 29 de junho de 2020 
  86. «The Belize Harpy Eagle Restoration Program (BHERP)». Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 5 de julho de 2008 
  87. «Ave rara no Brasil nasce no Refúgio Biológico de Itaipu». G1. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2009 
  88. Revista Globo Rural, 24:287, September 2009, 20
  89. a b «The Importance of Hope, the Harpy Eagle». 7 News Belize. 14 de dezembro de 2009. Consultado em 16 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 22 de julho de 2010 
  90. Márquez, C.; Gast-Harders, F.; Vanegas, V. H.; Bechard, M. (2006). «Harpia harpyja (L., 1758)». Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 7 de julho de 2011 
  91. «Sponsorship and Exhibition at ATBC OTS» (PDF). International Conference Celebrating the 50th Anniversary of the Association for Tropical Biology and Conservation and the Organization for Tropical Studies. 23–27 June 2013, San José, Costa Rica. 2013. Arquivado do original (PDF) em 3 de fevereiro de 2014 
  92. Piana, Renzo P. «The Harpy Eagle (Harpia harpyja. the Infierno Native Community. Cópia arquivada em 29 de abril de 2015 
  93. a b Goldish, Meish (2007). Bald Eagles: A Chemical Nightmare. Nova Iorque: Bearport Publishing Company, Incorporated. ISBN 978-1-59716-505-1 
  94. «Raptor Education Soars in Toledo». The Belize Zoo and Tropical Education Center. 2013. Consultado em 5 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2014 
  95. «2 000 Bolívares, Venezuela». en.numista.com (em inglês). Consultado em 19 de abril de 2022 
  96. Lederer, Roger J. (2007). Amazing Birds: A Treasury of Facts and Trivia about the Avian World. Nova Iorque: Barron's Educational Series, Incorporated. ISBN 978-0-7641-3593-4 
  97. «Haast's eagle videos, news and facts». BBC. Consultado em 25 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2012 
  98. «Governo Ratinho Junior adota brasão do Paraná como marca da gestão». Governo do Estado do Paraná. 9 de janeiro de 2019. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 21 de abril de 2022 
  99. «Zoo de Curitiba dá boas-vindas a harpia vinda do Mato Grosso». Prefeitura Municipal de Curitiba. 5 de dezembro de 2019. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 21 de abril de 2022 
  100. «O voo cada vez mais raro da Harpia ou Gavião-real». O Eco. 28 de dezembro de 2012. Consultado em 21 de abril de 2022. Cópia arquivada em 21 de abril de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies