Preguiça-comum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPreguiça-comum
Bradypus.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Placentalia
Superordem: Xenarthra
Ordem: Pilosa
Família: Bradipodídeos
Género: Brádipo
Espécie: B. variegatus
Nome binomial
Bradypus variegatus
Schinz, 1825
Distribuição geográfica
Bolivian Three-toed Sloth area.png

A preguiça-comum, preguiça-marmota, preguiça-de-bentinho, preguiça-de-óculos, preguiça-carneira, preguiça-de-garganta-marrom (nome científico: Bradypus variegatus)[2] ou tauta (em língua kwazá)[3] é uma espécie de brádipo ou preguiça-de-três-dedos encontrada na região neotropical da América Central e do Sul.[4][5] É a mais comum das quatro espécies de preguiça-de-três-dedos e é encontrada nas florestas da América do Sul e Central.[6]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A preguiça-comum tem tamanho semelhante e se compara à maioria das outras espécies de preguiças-de-três-dedos, com machos e fêmeas tendo 42 a 80 centímetros (17 a 31 polegadas) de comprimento total do corpo. A cauda é relativamente curta, apenas 2,5 a 9 centímetros (1,0 a 3,5 polegadas) de comprimento. Os adultos pesam de 2,25 a 6,3 quilos (5,0 a 13,9 libras), sem diferença significativa de tamanho entre homens e mulheres. Cada pé tem três dedos, terminando em garras longas e curvas, com 7 a 8 centímetros (2,8 a 3,1 polegadas) de comprimento nas patas dianteiras e 5 a 5,5 centímetros (2,0 a 2,2 polegadas) nas patas traseiras.[7]

A cabeça é arredondada, com um nariz rombudo e orelhas imperceptíveis. Como acontece com outras preguiças, a preguiça-comum não tem incisivos ou caninos, e os dentes da bochecha são simples e parecidos com pinos. Não têm vesícula biliar, ceco ou apêndice. Tem pelo marrom-acinzentado a bege no corpo, com pelo marrom mais escuro na garganta, nas laterais do rosto e na testa. O rosto é geralmente mais pálido, com uma faixa de pelos muito escuros passando sob os olhos.[7]

Os pelos protetores são muito ásperos e rígidos, e recobrem uma camada de pelo muito mais macia de subpelagem. Os pelos são incomuns por não possuírem uma medula central e apresentarem numerosas rachaduras microscópicas em sua superfície. Essas rachaduras hospedam várias espécies comensais de algas, incluindo Rufusia pillicola, Dictyococcus bradypodis e Chlorococcum choloepodis. As algas geralmente estão ausentes no cabelo de preguiças jovens e também podem estar ausentes em indivíduos particularmente idosos, quando a cutícula externa do cabelo foi perdida.[7] O cabelo da preguiça também contém uma rica flora fúngica.[8] Foi demonstrado que certas cepas de fungos que crescem em pele de preguiça-comum possuem qualidades antiparasitárias, anticancerígenas e antibacterianas.[9]

Em partes de seu alcance, a preguiça-comum se sobrepõe ao alcance da preguiça-de-hoffmann (Choloepus hoffmanni). Onde essa sobreposição ocorre, a preguiça-comum tende a ser menor e mais numerosa do que seu parente, sendo mais ativa em mover-se pela floresta e manter mais atividade diurna.[10]

Habitat e distribuição[editar | editar código-fonte]

A preguiça-comum é a mais difundida e comum das preguiças-de-três-dedos. É encontrada desde Honduras, no norte, passando pela Nicarágua, Costa Rica e Panamá até a Venezuela, Colômbia, Equador, Bolívia, Brasil e leste do Peru.[1] Provavelmente não é encontrado imediatamente ao norte da floresta Amazônica ou a leste do rio Negro, embora sua semelhança com a preguiça-de-bentinho (Bradypus tridactylus) encontrada nessas regiões tenha levado a alguma confusão no passado.[7]

Comportamento e dieta[editar | editar código-fonte]

Preguiça-comum (Bradypus variegatus) - Brown-throated sloth.jpg

As preguiças-marrons dormem de 15 a 18 horas todos os dias e são ativas apenas por breves períodos de tempo, que podem ser durante o dia ou à noite,[11] particularmente relacionados com o período de alimentação, digestão e saciação.[12] Embora possam caminhar pelo solo e até mesmo nadar, passam a maior parte de suas vidas nos galhos altos das árvores, descendo uma vez a cada oito dias para defecar no solo. Garras grandes e curvas e músculos adaptados especificamente para força e resistência as ajudam a segurar fortemente os galhos das árvores.[11] São capazes de resistir à suspensão invertida por longos períodos de tempo devido a aderências fibrinosas que prendem seus órgãos (como fígado e estômago) às costelas inferiores. Como as fezes e a urina podem representar até um terço do peso corporal, essa adaptação evita que esses órgãos pressionem os pulmões quando pendurados de cabeça para baixo, facilitando a respiração.[13] Animais adultos são solitários, exceto quando criam filhotes, e os machos lutam entre si usando suas garras dianteiras.[7]

As preguiças-comuns habitam o alto dossel da floresta, onde comem as folhas novas de uma grande variedade de árvores diferentes. Alimentam-se das folhas de embaúba, figueira e ingazeira, sendo que desta última também são aproveitados os frutos. Para digestão de tamanhas quantidades de fibras, possuem estômago poligástrico, divididos em três regiões (cárdia, fundo e piloro) que capacitam a realização dos processos digestivos através de fermentação gástrica.[14]

Não viajam muito, com áreas residenciais de apenas 0,5 a 9 hectares (1,2 a 22,2 acres), dependendo do ambiente local. Numa faixa típica de 5 hectares (12 acres), uma preguiça-comum visitará cerca de 40 árvores e pode se especializar em uma espécie em particular, passando até 20% do seu tempo numa única árvore. Assim, embora a espécie seja generalista, alguns indivíduos podem se alimentar de uma gama relativamente estreita de tipos de folhas.[7] Por necessitarem de pouca água para processos fisiológicos, a ingestão de água pelas preguiças é limitada aos alimentos, disto parte a preferência e seletividade destes animais por folhas mais jovens, que vão apresentar menores concentrações de fatores antinutricionais e maiores concentrações de açúcares, água e proteínas[15] Apesar disso, foram observadas preguiças bebendo diretamente dos rios.[16]

Além das algas em sua pele, as preguiças também vivem comensalmente com uma espécie de mariposa, Cryptoses choloepi, que vive em sua pele e deposita seus ovos no esterco.[17] Jaguares e gaviões-reais (Harpia harpyja) estão entre os poucos predadores naturais da preguiça-de-garganta-marrom. Observou-se que a gavião-carrapateiro forrageia à procura de pequenos invertebrados na pele das preguiças, aparentemente sem que a preguiça seja perturbada pela atenção.[18] Devido ao desmatamento e as queimadas no seu habitat natural, é possível encontrar preguiças em fuga em áreas próximas às cidades, tornando estes animais presas fáceis para caçadores ilegais[19]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As preguiças-comuns têm um sistema de acasalamento polígino.[20] Estudos com a preguiça-comum indicam que o acasalamento é mais comum entre janeiro e março, pelo menos na parte norte de sua distribuição, mas isso pode variar em outros lugares. A gestação dura pelo menos sete meses, e o filhote solteiro nasce totalmente peludo e com garras. As preguiças jovens se agarram à barriga da mãe por cinco meses ou mais, mesmo que sejam totalmente desmamadas depois de apenas quatro a cinco semanas.[21]

As glândulas mamárias das fêmeas não armazenam quantidades significativas de leite como a maioria dos outros mamíferos, uma vez que a preguiça infantil permanece presa ao mamilo o tempo todo e consome o leite assim que é gerado.[22] Os jovens começam a ingerir alimentos sólidos já quatro dias após o nascimento, inicialmente lambendo as partículas de comida da boca da mãe. Esse processo aparentemente permite que identifiquem rapidamente as folhas comestíveis, e as preguiças jovens geralmente têm as mesmas preferências por tipos de folhas que suas mães.[7]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A preguiça-comum foi descrita pela primeira vez por Heinrich Rudolf Schinz em 1825 a partir de um espécime sul-americano.[23] O tipo nomenclatural foi posteriormente especificado como "provavelmente Bahia (Brasil)" por Robert Mertens em 1925.[24] As sete subespécies reconhecidas da preguiça-comum, embora nem todas sejam facilmente distinguíveis, são:[4][25]

O parente vivo mais próximo da espécie é a preguiça-de-bentinho (Bradypus tridactylus), que tem uma aparência muito semelhante, exceto pela cor do pelo ao redor da garganta. Estima-se que as duas espécies tenham divergido apenas 400 000 anos atrás, enquanto seus ancestrais divergiram da preguiça-de-coleira há mais de 7 milhões de anos.[26]

Conservação[editar | editar código-fonte]

A preguiça-comum é classificada como "criticamente em periga" ou "provavelmente extinta" na Argentina. Nessa república, foi registrada em seu extremo noroeste - na região de Orão (Salta) - e no extremo nordeste - em Missões -, em ambos os casos por Eduardo Holmberg.[27] O último registro do nordeste é de meados do século XX, com a captura no departamento de São Pedro (província de Missões),[28] embora o exemplar se tenha perdido. A única pele de um espécime capturado na Argentina está no Museu Field de História Natural da cidade de Chicago, estado de Ilinóis (Estados Unidos); é oriunda de "Jujui" e leva o número 21672. A caça intensa, para usar sua pele para fazer "sobrepostos" usado no "apero crioulo" (sob o nome de "sobrepostos de perigo ligeiro")[29] e a destruição e colonização das matas missionárias e dos iungas, acabaram com as populações meridionais da espécie, já que também seria extinta no sul da Bolívia e no Brasil.[30]

Referências

  1. a b Moraes-Barros, N.; Chiarello, A.; Plese, T. (2014). «Brown-throated Sloth - Bradypus variegatus». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T3038A47437046. doi:10.2305/IUCN.UK.2014-1.RLTS.T3038A47437046.en. Consultado em 17 de julho de 2021 
  2. Xavier, Gileno Antonio Araújo; Mourão, Guilherme de Miranda; Costa, Jociel Ferreira; Moraes-Barros, Nadia de. «Mamíferos - Bradypus variegatus - preguiça comum - Avaliação do Risco de Extinção de BRADYPUS VARIEGATUS SCHINZ, 1825 no Brasil». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente 
  3. Manso, Laura Vicuña Pereira (2013). Dicionário da língua Kwazá (PDF). Guajará-Mirim: Universidade Federal de Rondônia 
  4. a b Gardner, A.L. (2005). «Order Pilosa». In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference 3;ª ed. Baltimore, Marilândia: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. p. 100-101. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  5. Gardner, A. L. (2007). «Bradypus variegatus Schinz, 1825». In: Gardner, A. L. Mammals of South America,. 1: Marsupials, Xenarthrans, Shrews, and Bats. Chicago: Imprensa da Universidade de Chicago. pp. 161–164. ISBN 978-0-226-28240-4 
  6. Emmons, Louise H.; Feer, François (1997). Neotropical rainforest mammals. A field guide 2nd ed. Chicago: Imprensa da Universidade de Chicago. 43 páginas. ISBN 978-0-226-20721-6. OCLC 44179508 
  7. a b c d e f g Hayssen, V. (2010). «Bradypus variegatus (Pilosa: Bradypodidae)». Mammalian Species. 42 (1): 19–32. doi:10.1644/850.1 
  8. Higginbotham S, Wong WR, Linington RG, Spadafora C, Iturrado L, Arnold AE (2014). «Sloth hair as a novel source of fungi with potent anti-parasitic, anti-cancer and anti-bacterial bioactivity». PLOS ONE. 9 (1): e84549. Bibcode:2014PLoSO...984549H. PMC 3893167Acessível livremente. PMID 24454729. doi:10.1371/journal.pone.0084549 publicação de acesso livre - leitura gratuita
  9. Higginbotham, Sarah; Wong, Weng Ruh; Linington, Roger G.; Spadafora, Carmenza; Iturrado, Liliana; Arnold, A. Elizabeth (15 de janeiro de 2014). «Sloth Hair as a Novel Source of Fungi with Potent Anti-Parasitic, Anti-Cancer and Anti-Bacterial Bioactivity». PLOS ONE (em inglês). 9 (1): e84549. Bibcode:2014PLoSO...984549H. ISSN 1932-6203. PMC 3893167Acessível livremente. PMID 24454729. doi:10.1371/journal.pone.0084549 
  10. Dickman, Chris (1993). Macdonald, David, ed. The Encyclopedia of Mammals. [S.l.: s.n.] p. 777 
  11. a b Olson, Rachel A.; Glenn, Zachary D.; Cliffe, Rebecca N.; Butcher, Michael T. (1 de dezembro de 2018). «Architectural Properties of Sloth Forelimb Muscles (Pilosa: Bradypodidae)». Journal of Mammalian Evolution (em inglês). 25 (4): 573–588. ISSN 1573-7055. doi:10.1007/s10914-017-9411-z 
  12. Silva (Dezembro de 2017). «Monitoramento do bicho-preguiça Bradypus variegatus Schinz, 1825 (Xenarthra: Bradypodidae) em um remanescente de Floresta Atlântica (João Pessoa-PB, Nordeste do Brasil).». Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade. 4 (8): 299-312 
  13. Cliffe, Rebecca N.; Avey-Arroyo, Judy A.; Arroyo, Francisco J.; Holton, Mark D.; Wilson, Rory P. (30 de abril de 2014). «Mitigating the squash effect: sloths breathe easily upside down». Biology Letters. 10 (4). 20140172 páginas. PMC 4013704Acessível livremente. PMID 24759371. doi:10.1098/rsbl.2014.0172 
  14. Pinheiro, Shery Duque (2007). Comportamento alimentar da preguiça comum Bradypus variegatus (Schinz, 1825) (Xenarthra, Bradipodidae) no Parque Centenário de Barra Mansa – RJ. Juiz de Fora: Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Juiz de Fora 
  15. Chiarello, Adriano G. (1998). «Diet of the Atlantic forest maned sloth Bradypus torquatus (Xenarthra: Bradypodidae)». Londres. Journal Zoology. 246 (1) 
  16. Cliffe, Rebecca N.; Haupt, Ryan J. (2018). «Hanging out for a drink». Frontiers in Ecology and the Environment (em inglês). 16 (8). 446 páginas. ISSN 1540-9309. doi:10.1002/fee.1955 
  17. Waage, J.K.; Montgomery, G.G. (1976). «Cryptoses choloepi: a coprophagous moth that lives on a sloth». Science. 193 (4248): 157–158. Bibcode:1976Sci...193..157W. PMID 17759254. doi:10.1126/science.193.4248.157 
  18. Krakauer, A.H.; Krakauer, T.H. (1999). «Foraging of yellow-headed caracaras in the fur of a three-toed sloth» (PDF). Journal of Raptor Research. 33 (3): 270 
  19. «Bicho-Preguiça». Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Prefeitura de Petrópolis. Consultado em 18 de outubro de 2018 
  20. Pauli, Jonathan N.; Peery, M. Zachariah (19 de dezembro de 2012). «Unexpected Strong Polygyny in the Brown-Throated Three-Toed Sloth». PLOS ONE. 7 (12): e51389. Bibcode:2012PLoSO...751389P. ISSN 1932-6203. PMC 3526605Acessível livremente. PMID 23284687. doi:10.1371/journal.pone.0051389 
  21. Taube, E.; et al. (2001). «Reproductive biology and postnatal development in sloths, Bradypus and Choloepus: review with original data from the field (French Guiana) and from captivity». Mammal Review. 31 (3–4): 173–188. doi:10.1111/j.1365-2907.2001.00085.x 
  22. Mirsky, Steve (2009). «The Bradypus Bunch». Scientific American. 300 (5). 34 páginas. Bibcode:2009SciAm.300e..34M. doi:10.1038/scientificamerican0509-34 
  23. Schinz, H. R. (1825). Das Thierreich Eingetheilt nach dem Bau der Thiere als Grundlage ihrer Naturgeschichte und der Vergleichenden Anatomie [The Animal Kingdom Divided according to the Building of the Animals as the Basis of their Natural History and the Comparative Anatomy] (em alemão). Stuttgart and Tubingen: J. G. Cotta. p. 510 
  24. Mertens, R. (1925). «Verzeichnis der saugetier-typen des Senckenbergischen Museums» [Directory of the mammal types of the Senckenberg Museum]. Senckenbergiana (em alemão). 7: 18–37 
  25. Anderson, R.P.; Handley, C.O. Jr. (2001). «A new species of three-toed sloth (Mammalia: Xenarthra) from Panamá, with a review of the genus Bradypus». Proceedings of the Biological Society of Washington. 114 (1): 1–33  PDF copy Arquivado em 2010-06-13 no Wayback Machine.
  26. Barros, M.C.; et al. (2003). «Phylogenetic analysis of 16S mitochondrial DNA data in sloths and anteaters» (PDF). Genetics and Molecular Biology. 26 (1): 5–11. doi:10.1590/S1415-47572003000100002 
  27. Holmberg, E. L. (1895). «Fauna de la República Argentina». Segundo censo de la República Argentina. 1. Buenos Aires: Governo da Argentina 
  28. Massoia, Elio; Chebez, Juan Carlos; Bosso, Andrés (1980). Los mamíferos silvestres de la provincia de Misiones (PDF). I. Buenos Aires: Fundação de História Natural. pp. 15–43 
  29. Sáenz, J. P. (1959). Equitación gaucha en la Pampa y Mesopotamia. Buenos Aires: Ediciones Peuser 
  30. Chébez, Juan Carlos (2008). Los que se van. Tomo 3: Mamíferos. Buenos Aires: Albatros. p. 336 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Preguiça-comum
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Preguiça-comum