Preguiça-de-coleira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPreguiça-de-coleira
Xilogravura de uma preguiça-de-coleira feita por Maximilian Wied em 1822
Xilogravura de uma preguiça-de-coleira feita por Maximilian Wied em 1822
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Placentalia
Superordem: Xenarthra
Ordem: Pilosa
Família: Bradipodídeos
Género: Brádipo
Espécie: B. torquatus
Nome binomial
Bradypus torquatus
Illiger, 1811
Distribuição geográfica
Distribuição da preguiça-de-coleira.
Distribuição da preguiça-de-coleira.

A preguiça-de-coleira, preguiça-preta (nome científico: Bradypus torquatus),[2] também chamada aipixuna, aí-pixuna, aí-igapó[3][4] é uma das quatro espécies do gênero brádipo (preguiça-de-três-dedos), endêmica na Mata Atlântica, no Brasil, principalmente nos estados da Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Tais animais, ameaçados de extinção, têm pelagem castanha e nuca com longos pelos negros, formando uma espécie de crina. Não são conhecidas subespécies.[5]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Preguiça-de-coleira e preguiça-preta são referências à mancha escura em sua nuca, que se assemelha a uma coleira. Aipixuna e aí-pixuna vêm da junção dos termos tupis a'i, "bicho-preguiça"[6] e pi'xuna, "preto".[7]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

A preguiça-de-coleira agora é encontrada apenas na Mata Atlântica da costa sudeste do Brasil, embora também tenha sido encontrada mais ao norte.[8][9] Foi identificada predominantemente em florestas perenes, embora, sendo capaz de comer uma grande variedade de folhas, também possa habitar florestas semideciduais e secundárias. É normalmente encontrada em climas quentes e úmidos sem nenhuma estação seca e com precipitação anual de pelo menos 120 centímetros (47 polegadas).[1]

Anatomia e morfologia[editar | editar código-fonte]

A preguiça-de-coleira recebe seu nome por causa de uma crina de pelo preto que desce pelo pescoço e pelos ombros.[9] A crina é geralmente maior e mais escura nos machos do que nas fêmeas e, neste último, pode ser reduzida a um par de longos tufos. Além da crina, o pelo é relativamente uniforme em cor e, em particular, os machos não têm a mancha de pelo brilhante encontrada nas costas de outras preguiças intimamente relacionadas. A pelagem do corpo dos adultos é marrom-acinzentada. Os filhotes e juvenis apresentam pelagens que variam do branco ao marrom-claro, sendo ausente a mancha característica da espécie. A coloração deste e das demais espécies de preguiça podem ficar esverdeadas devido à presença de algas simbiontes que vivem em suas pelagens.[10] Além destas, se encontram em sua pelagem ácaros, carrapatos, besouros e mariposas,[11] os chamados artrópodes associados.

Os machos adultos têm um comprimento total da cabeça e do corpo de 55 a 72 centímetros (22 a 28 polegadas), com uma cauda de cerca de 5 centímetros (2,0 polegadas) de comprimento e um peso de 4,0 a 7,5 quilogramas (8,8 a 16,5 libras). As fêmeas são geralmente maiores, medindo 55 a 75 centímetros (22 a 30 pol.) E pesando 4,5 a 10,1 quilogramas (9,9 a 22,3 libras).[10] A cabeça pequena da preguiça-de-coleira apresenta aurículas cobertas de pele e olhos orientados à parte anterior, geralmente cobertos por uma máscara de cabelo preto. Os lados do rosto e do pescoço apresentam pelos longos cobrindo os pelos curtos do focinho. As vibrissas faciais são esparsas.[11]

O crânio possui um longo bico mandibular pré dental, os flanges pterigoides são alongados, e os seios pterigoideos são inflados, a nasofaringe anterodorsal tem mais de um par de forames; os dentes são comprimidos anteroposteriormente. Possuem cinco molares superiores, quatro molares inferiores, além da ausência de incisivos, caninos e pré-molares.[12] Como todas as outras preguiças, tem muito pouca massa muscular em comparação com outros mamíferos de seu tamanho. É essa massa muscular reduzida que permite que se pendure em galhos mais finos. Não apresentam grande dimorfismo sexual, fazendo com que nem sempre seja possível diferenciar os sexos apenas através de morfologia externa.[13]

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

As preguiças-de-coleira são animais diurnos solitários, com exceção do período de reprodução e da mãe com seu filhote, passando de 60 a 80% do dia dormindo, com o resto mais ou menos dividido igualmente entre alimentação e locomoção.[14] As preguiças dormem nas virilhas das árvores ou penduradas nos galhos pelas pernas e enfiando a cabeça entre as patas dianteiras.[15]

São folívoros e se alimentam exclusivamente de folhas de árvores e cipós, especialmente de embaúba (cecropia). Embora animais individuais pareçam preferir folhas de determinadas espécies de árvore, a espécie como um todo é capaz de se adaptar a uma ampla variedade.[10] As folhas mais novas são preferíveis às mais velhas, e as folhas das árvores são preferíveis às folhas de cipó.[16] Verificou-se que alguns indivíduos viajaram dentro duma área residencial de 0,5 a 6 hectares (1,2 a 14,8 acres), com densidades populacionais estimadas de 0,1 a 1,25 por hectare (0,040 a 0,506 / acre).[10]

Raramente as preguiças-de-coleira descem das árvores porque, quando estão em uma superfície plana, não conseguem ficar em pé e andar, podendo apenas se arrastar com as patas dianteiras e as garras. Viajam para o solo apenas para defecar ou se mover entre as árvores, quando não podem fazê-lo por meio dos galhos. As principais defesas da preguiça são permanecer imóvel e atacar com suas garras. Podem nadar bem, mas não se move bem no solo.[17]

Reprodução e ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

Embora alguns relatórios indiquem que as preguiças-guará são capazes de procriar durante todo o ano,[18] outros observaram que a maioria dos nascimentos ocorre entre fevereiro e abril.[19] A mãe dá à luz a apenas um filhote, que inicialmente pesa cerca de 300 gramas e não tem a crina característica dos adultos. Os jovens começam a ingerir alimentos sólidos com duas semanas e são totalmente desmamados por volta dos dois a quatro meses de idade. Os jovens deixam a mãe entre nove e onze meses de idade. Embora sua expectativa de vida não tenha sido estudada em detalhes, foi relatado que eles viveram por pelo menos doze anos.[20]

Conservação[editar | editar código-fonte]

É considerada uma espécie vulnerável pelo Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. A ocorrência desta espécie de preguiça somente em alguns remanescentes de Mata Atlântica no Brasil (Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro), aliada à fragmentação e a destruição deste habitat pela ação antrópica, vem aumentando seu risco de extinção.[2] Conforme a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN / IUCN) (2010), a espécie está classificada na categoria "vulnerável".[1] Também foi classificada em 2005 como em perigo na Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo;[21] em 2014, como vulnerável na Portaria MMA N.º 444 de 17 de dezembro de 2014;[22] em 2017, como vulnerável na Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia;[23][24] e em 2018, como vulnerável no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)[25] e como criticamente em perigo na Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Estado do Rio de Janeiro.[26] As principais ameaças à conservação da espécie são a degradação por desmatamento à produção de carvão vegetal, plantações e pastagens de gado, a caça ilegal, a fragmentação de habitats leva a uma variabilidade genética reduzida, e devido ás grandes dimensões de áreas de vida fragmentos comumente não apresentam indivíduos suficientes para manter populações viáveis.[2]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Chiarello, A.; Moraes-Barros, N. (2014). «Maned Three-toed Sloth - Bradypus torquatus». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T3036A47436575. doi:10.2305/IUCN.UK.2014-1.RLTS.T3036A47436575.en. Consultado em 17 de julho de 2021 
  2. a b c Chiarello, Adriano Garcia; Miranda, Flávia Regina; Xavier, Gileno Antônio Araújo; Moraes-Barros, Nadia de; Vaz, Sérgio Maia. «Mamíferos - Bradypus torquatus - Preguiça de coleira - Avaliação do Risco de Extinção de BRADYPUS TORQUATUS ILLIGER, 1811 no Brasil». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente 
  3. Ferreira, A. B. H. (1986). Novo Dicionário da Língua Portuguesa 2.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 1383 
  4. «preguiça-de-coleira». Michaelis 
  5. Wilson, Don E.; Reeder, DeeAnn M., eds. (2005). «Bradypus torquatus». Mammal Species of the World (em inglês) 3.ª ed. Baltimore, Marilândia: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. ISBN 978-0-8018-8221-0 
  6. Navarro, E. A. (2005). Método Moderno de Tupi Antigo. Terceira edição revista e aperfeiçoada. São Paulo: Global. p. 20 
  7. Ferreira, A. B. H. (1986). Novo Dicionário da Língua Portuguesa 2.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 71 
  8. World Land Trust (2010). «Maned Three-toed Sloth Bradypus torquatus». World Land Trust. World Land Trust. Consultado em 6 de junho de 2010. The Maned Three-toed Sloth, also known as the Maned Sloth is the rarest of the sloth species and is endemic to Brazil 
  9. a b ZSL Living Conservation (2010). «Maned three-toed sloth (Bradypus torquatus)». Evolutionary Distinct & Globally Endangered. ZSL Living Conservation. Consultado em 7 de junho de 2010. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2016. This species is named after its long mane of black hair 
  10. a b c d Hayssen, V. (2009). «Bradypus torquatus (Pilosa: Bradypodidae)». Mammalian Species. 829: 1–5. doi:10.1644/829.1 
  11. a b Gardner, Alfred (2008). Mammals of South America: Marsupials, xenarthrans, shrews, and bats. 1. Chicago e Londres: Imprensa da Universidade de Chicago. p. 159. ISBN 978-0-226-28242-8. Consultado em 23 de setembro de 2010 
  12. Azarias, Rose E. G. R. (2005). Morfologia dental da preguiça-de-coleira (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo 
  13. Lara-Ruiz, P. & Chiarello, A.G. (2005). «Traços de história de vida e dimorfismo sexual da preguiça-de-coleira da Mata Atlântica Bradypus torquatus (Xenarthra: Bradypodidae)». Jornal de Zoologia. 267 (1): 63–73. doi:10.1017/S0952836905007259 
  14. Chiarello, Adriano G. (setembro de 1998a). «Activity budgets and ranging patterns of the Atlantic forest maned sloth». Journal of Zoology. 246 (1): 1–10. doi:10.1111/j.1469-7998.1998.tb00126.x 
  15. Stewart, Melissa (2004). «At the Zoo: Slow and Steady Sloths». Zoogoer. Friends of the National Zoo. Consultado em 7 de junho de 2010. Cópia arquivada em 7 de junho de 2011 
  16. Chiarello, Adriano G. (setembro de 1998b). «Diet of the Atlantic forest maned sloth Bradypus torquatus». Journal of Zoology. 246 (1): 11–19. doi:10.1111/j.1469-7998.1998.tb00127.x 
  17. «Maned Three-Toed Sloth: The Animal Files». www.theanimalfiles.com. Consultado em 12 de junho de 2019 
  18. Pinder, L. (1993). «Body measurements, karyotype, and birth frequencies of maned sloth (Bradypus torquatus. Mammalia. 57 (1): 43–48. doi:10.1515/mamm.1993.57.1.43 
  19. Dias, B. B.; et al. (2009). «First observation on mating and reproductive seasonality in maned sloths Bradypus torquatus (Pilosa: Bradypodidae)». Journal of Ethology. 27 (1): 97–103. doi:10.1007/s10164-008-0089-9 
  20. Lara-Ruiz, P.; Chiarello, A. G. (2005). «Life-history traits and sexual dimorphism of the Atlantic forest maned sloth Bradypus torquatus (Xenarthra: Bradypodidae)». Journal of Zoology. 267 (1): 63–73. doi:10.1017/S0952836905007259 
  21. «Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo». Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), Governo do Estado do Espírito Santo. Consultado em 7 de julho de 2022. Cópia arquivada em 24 de junho de 2022 
  22. «PORTARIA N.º 444, de 17 de dezembro de 2014» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), Ministério do Meio Ambiente (MMA). Consultado em 24 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de julho de 2022 
  23. «Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia.» (PDF). Secretaria do Meio Ambiente. Agosto de 2017. Consultado em 1 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de abril de 2022 
  24. «Bradypus torquatus Illiger, 1811». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Consultado em 26 de abril de 2022. Cópia arquivada em 9 de julho de 2022 
  25. «Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção» (PDF). Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. 2018. Consultado em 3 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2018 
  26. «Texto publicado no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro contendo a listagem das 257 espécies» (PDF). Rio de Janeiro: Governo do Estado do Rio de Janeiro. 2018. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de maio de 2022 
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Preguiça-de-coleira
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Preguiça-de-coleira