Citrus × sinensis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Laranjeira)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaLaranja
Citrus sinensis (L.) (Histoire et culture des orangers A. Risso et A. Poiteau. -- Paris Henri Plon, Editeur, 1872)

Citrus sinensis (L.) (Histoire et culture des orangers A. Risso et A. Poiteau. -- Paris Henri Plon, Editeur, 1872)
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Sapindales
Família: Rutaceae
Género: Citrus
Espécie: C. maxima × C. reticulata
Nome binomial
'''Citrus × sinensis'''
Macfad.

A laranja é o fruto produzido pela Laranjeira , uma árvore da familia Rutaceae. A laranja é um fruto híbrido que terá surgido na antiguidade a partir do cruzamento da cimboa com a tangerina. O sabor da laranja varia do doce ao levemente ácido, mas na natureza existem também as laranjas extremamente ácidas, que não são cultivadas comercialmente, e pertencem a outra espécie, Citrus aurantium[1] . Frequentemente, esta fruta é descascada e comida ao natural, ou espremida para obter sumo. As pevides (pequenos caroços duros) são habitualmente removidas, embora possam ser usadas em algumas receitas. A casca exterior pode ser usada também em diversos pratos culinários, como ornamento, ou mesmo para dar algum sabor. O albedo, a camada branca interior da casca, de dimensão variável, raramente é utilizado, apesar de ter um sabor levemente doce. É recomendada para "quebrar" o sabor ácido da laranja na boca, após terminar de consumir o fruto.

A laranja doce foi trazida da China para a Europa no século XVI pelos portugueses. É por isso que as laranjas doces são denominadas "portuguesas" em vários países, especialmente nos Bálcãs (por exemplo, laranja em grego é portokali e portakal em turco), em romeno é portocala e portogallo com diferentes grafias nos vários dialectos italianos.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Laranja" é oriundo do sânscrito laranjicas, através do persa narrang e do árabe naranja[2] .

Origem[editar | editar código-fonte]

Laranjeiras em Sevilha, em Espanha.

A origem das frutas do gênero Citrus confunde-se, no tempo, com a história da humanidade. Sabe-se apenas que a maior parte dos frutos cítricos é originária de regiões entre a Índia e o sudeste do Himalaia, onde se encontram, ainda em estado silvestre, variedades de limeiras, cidreiras, limoeiros, pomeleiras, toranjeiras, laranjeiras amargas ou azedas, laranjeiras doces e de outros frutos ácidos aclimatados ou locais.

Alguns autores afirmam que os citros teriam surgido no leste asiático, de onde teriam sido levados para o norte da África e para o sul da Europa, chegando às Américas por volta de 1500. Porém, tanto na Europa como na América, foi na segunda metade do século XIX que tomaram impulso o cultivo e a comercialização de suas diferentes variedades. Os citros espalharam-se pelo mundo sofrendo mutações e originando novas variedades devido ao seu cultivo via sementes.

História da laranja[editar | editar código-fonte]

A história da laranja inicia-se na Índia, onde era conhecida pelo nome nareng. Da Índia este fruto espalhou-se pela restante da Ásia, passando a denominar-se narang, nome que foi dado a uma cidade paquistanesa, situada na província de Punjab.

Da Ásia chegou à Europa através de Portugal no tempo das Cruzadas.

Enquanto a fruta denominada laranja não foi conhecida no continente Europeu, estes povos não tinham designação para a cor de laranja.

Um dos primeiros locais da Europa onde se iniciou o cultivo da laranja na França, tendo os franceses adaptado o nome narang para orange. Foi com este nome que a laranja veio a ser associada em algumas culturas à cor do ouro. A palavra or, em francês, significa ouro.

Na Ásia e Médio Oriente, onde era conhecida, a laranjeira assumia-se como árvore ornamental e dotada de características extraordinárias. Era muito comum nos pátios das casas árabes abastadas, geralmente associada a uma fonte ou a um lago.

Em várias culturas, os seus frutos foram conhecidos como "maçãs do paraíso". É possível ver em pinturas antigas os frutos da "Árvore da Ciência" representados por laranjas.

A cor de laranja encontra-se ligada ao fruto do mesmo nome e, em tempos antigos, eram ambos considerados exóticos.

Cultivo[editar | editar código-fonte]

Laranjal em Avaré, em São Paulo, no Brasil.

O cultivo da laranja é um negócio significativo e uma importante parte das economias de vários países e regiões europeias, entre os quais Espanha, Itália, Roménia e a região do Algarve, em Portugal. Nos outros continentes, encontramos produção significativa na África do Sul, Angola, Zimbabué, nos estados da Flórida e Califórnia, nos Estados Unidos, na América do Sul principalmente na Argentina e no Brasil, sendo este último o maior produtor do mundo, concentrando grande parte da produção na cidade de Itápolis, em São Paulo[3] e o distrito Riverina, em Murray River, na Austrália.

Valor nutricional[editar | editar código-fonte]

Laranjas ambersweet, uma variedade tolerante ao frio.
A flor e o fruto da laranjeira.

A laranja é muito conhecida por ser fonte de vitamina C. A vitamina C é o nutriente mais importante da laranja. Duas laranjas por dia fornecem a quantidade de vitamina C de que o organismo precisa.[4] As laranjas produzidas em agricultura biológica parece que são mais ricas em vitamina C[5] .

Como obter o melhor da laranja[editar | editar código-fonte]

A forma mais eficiente de se beneficiar de todos os nutrientes da laranja é consumi-la fresca ou tomar seu suco. O suco terá níveis mais elevados de quase todos os nutrientes devido à sua concentração. No entanto, uma porção do suco contém o dobro de calorias e 85% menos de fibras do que a fruta.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Panorama da Produção no Brasil e em Portugal[editar | editar código-fonte]

O Brasil é o maior produtor mundial de laranja. A área total de plantio é estimada em 800 mil hectares. Estima-se que, de cada cinco copos de suco consumidos no mundo, três sejam produzidos no Brasil, que detém 50 % da produção mundial, exporta 98 % do que produz e detém 85 % de participação no mercado mundial. Na safra 2009/2010, a produção brasileira foi de 397 milhões de caixas de laranja, totalizando um pouco mais de 16 milhões de toneladas. O Estado de São Paulo é o maior produtor, respondendo por 53 % do total produzido no Brasil[7] . As principais laranjas para consumo in natura no Brasil são a Laranja Bahia, Laranja Seleta, Laranja Japonesa, Laranja Lima e Laranja Pera[1] . Já as principais laranjas utilizadas para a produção de sucos são a Laranja Valência, Pêra Rio, Folha Murcha, Charmute e Hamlin[8] . Já em Portugal, onde a área plantada é estimada em 20.361 hectares, as principais variedades são Baía, Newhall, Dalmau ou Navelina, Lane Late, Navel Late, Rhodee Barnfield, Valência Late (clones: D. João, Frost, Olinda), de Setúbal e Jaffa[9] .

Referências

  1. a b Quais são as diferenças entre os tipos de laranja? Quais as Diferenças entre os tipos de Laranja. Visitado em 15 de janeiro de 2015.
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 010
  3. IBGE-Sala de Imprensa
  4. Recomendações Nutricionais. Visitado em 27 de janeiro de 2015.
  5. Duarte A, Caixeirinho D, Miguel G, Sustelo V, Nunes C., Mendes M, Marreiros A. 2010.. . "Vitamin C Content of Citrus from Conventional versus Organic Farming Systems". Acta Horticulturae 868:389-394..
  6. Reinhard, Tonia. Superalimentos. Os alimentos mais saudáveis do planeta. 1ª edição brasileira ed. São Paulo: Larousse, 2011. p. 95. ISBN 978-85-7635-863-3
  7. Marcos Fava Neves. O Retrato da Citricultura Brasileira. Visitado em 27 de janeiro de 2015.
  8. CEPEA/ESALQ USP. Cadeia Agroindustrial de Citros. Visitado em 15 de janeiro de 2015.
  9. Observatório das Informações Agrícolas e das Importações Agro-alimentares. O Mercado da Laranja em Portugal. Visitado em 27 de janeiro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Citrus × sinensis