Derivação (linguística)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Derivação é o processo de formação de palavras que consiste no acréscimo de afixos a uma raiz (um radical, ou uma palavra primitiva). [1]

Tipos[editar | editar código-fonte]

As derivações podem ser: prefixal, sufixal, parassintética, regressiva ou imprópria. [2]

Prefixação[editar | editar código-fonte]

A derivação prefixal (ou por prefixação [3] ), consiste na derivação através de um prefixo.[2] [4][5]

Exemplos: adjetivo, advérbio, adjunto.

Sufixação[editar | editar código-fonte]

Processo de formação de palavras, no qual radicais e sufixos se juntam para formar novos lexemas, modificando a significação, levando ao enriquecimento lexical.

Exemplos: folhagem, papelaria, livreiro.

Parassintética[editar | editar código-fonte]

A derivação parassintética (ou por parassíntese[3]), consiste na derivação através do uso de um prefixo e um sufixo, em uma mesma raiz.[2] [6][7]

Observação: Nessa derivação as palavras só existem caso mantenha-se tanto o prefixo quanto o sufixo. A ausência de uma faz com que a palavra perca seu sentido.[3]

Exemplos: amanhecer, entardecer, anoitecer.

Regressiva[editar | editar código-fonte]

É o processo derivacional que gera uma forma reduzida da palavra primitiva, morfemas são removidos.[2][3] [8]

Observação: Substantivos formados a partir de verbos são chamados de substantivos deverbais. Sua formação é feita através da eliminação das desinências verbais, e do acréscimo das vogais temáticas nominais a, o ou e, junto ao radical verbal.[2]

Exemplos: cantar → canto, jogar → jogo, lanchar → lanche.

Imprópria[editar | editar código-fonte]

Consiste na derivação que gera uma mudança de classe gramatical.[2][3] [9] O tipo de derivação imprópria mais comum, é a derivação que gera um substantivo a partir de outra classe. Isso é conseguido através do uso de um artigo anteposto (colocado antes) a palavra que se deseja substantivar.

Exemplos:

O azul que está no céu. o vermelho que está no fogo.
  1. O, artigo definido que é anteposto ao adjetivo azul.
  2. azul, adjetivo que muda de classe para substantivo.

Referências

  1. FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda (2010). mini Aurélio 8 ed. (Curitiba: Positivo). p. 227. ISBN 85-385-4239-1 Verifique |isbn= (Ajuda). 
  2. a b c d e f Abaurre, Maria Luiza; Pontara, Marcela Nogueira; Fadel, Tatiana (2005). Português: língua e literatura 1 2 ed. (São Paulo: Moderna). p. 165 - 170. ISBN 85-16-03845-9. 
  3. a b c d e Mesquita, Roberto Melo; Martos, Cloder Rivas (1994). Português - Linguagem & Realidade 1 3 ed. (São Paulo: Saraiva). p. 123. ISBN 85-02-01251-7. 
  4. «Dicionário Terminológico para consulta em linha (prefixação)». Ministério da Educação e Ciência de Portugal. Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  5. «Dicionário de Termos Linguísticos (prefixação)». Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC). Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  6. «Dicionário Terminológico para consulta em linha (parassíntese)». Ministério da Educação e Ciência de Portugal. Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  7. «Dicionário de Termos Linguísticos (parassíntese)». Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC). Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  8. «Dicionário de Termos Linguísticos (derivação regressiva)». Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC). Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  9. «Dicionário de Termos Linguísticos (derivação imprópria)». Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC). Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.