Ácido fólico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ácido fólico
Alerta sobre risco à saúde
Folicacid2.png
Nome IUPAC (2S)-2-[(4-{[(2-amino-4-hydroxypteridin-6-yl)methyl]amino}phenyl)formamido]pentanedioic acid
Outros nomes N-​(4-​{[(2-​amino-​4-​oxo-​1,​4-​dihydropteridin-​6-​yl)​methyl]​amino}​benzoyl)-​L-​glutamic acid; pteroyl-L-glutamic acid; Vitamin B9; Vitamin M; Folacin
Identificadores
Número CAS 59-30-3
PubChem 6037
Número RTECS LP5425000
SMILES
Propriedades
Fórmula química C19H19N7O6
Massa molar 441.37 g mol-1
Aparência yellow-orange crystalline powder
Ponto de fusão

250 °C (523 K), decomp.

Solubilidade em água 0.0016 mg/ml (25 °C)
Acidez (pKa) 1st: 2.3, 2nd: 8.3
Riscos associados
Principais riscos
associados
non-toxic, non-flammable
Compostos relacionados
Compostos relacionados Ácido glutâmico (2-amino-pentanodioico)
Ácido 4-aminobenzoico
Pteridina (dois anéis hexagonais fundidos, com 4 N sustituintes)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O ácido fólico, folacina, ácido pteroil-L-glutâmico ou Vitamina B9[1], é uma vitamina hidrossolúvel pertencente ao complexo B para a formação de proteínas estruturais e hemoglobina.[2]

Benefícios[editar | editar código-fonte]

  • O ácido fólico é efetivo no tratamento de certas anemias;[3][4]
  • Pode manter espermatozoides saudáveis;[5][6]
  • É um dos componentes indispensáveis para uma gravidez saudável;[7]
  • Reduz risco de mal de Alzheimer;[8]
  • Pode ajudar a evitar doenças cardíacas e derrame;[9]
  • Pode ajudar a evitar a anencefalia dos fetos na gravidez;
  • Ajuda a controlar a hipertensão;[10]
  • Queda de cabelo e unhas.

Encontrado em vísceras de animais, verduras de folha verde, legumes, frutos secos, grãos integrais e levedura de cerveja. Ele se perde nos alimentos conservados em temperatura ambiente e durante o cozimento. Ao contrário de outras vitaminas hidrossolúveis, é armazenado no fígado e sua ingestão diária não é necessária. Sua insuficiência nos seres humanos é muito rara.

No Brasil, há uma lei que determina que a farinha de trigo seja enriquecida com ferro e ácido fólico (e produtos derivados, como o pão) para diminuir a ocorrência de anemia principalmente em crianças.

Se a mulher tem ácido fólico suficiente durante a gravidez, essa vitamina pode prevenir defeitos de nascença no cérebro e na coluna vertebral do bebê, como a espinha bífida, pois o ácido fólico participa na formação do tubo neural no feto.

Sinais e sintomas de níveis anormais do nutriente[editar | editar código-fonte]

Hipovitaminose: anemias, anorexia, apatia, distúrbios digestivos, cansaço, dores de cabeça, problemas de crescimento, insônia, dificuldade de memorização, aflição das pernas e fraqueza.

Hipervitaminose: euforia, excitação e hiperatividade.[11]

A fórmula molecular do ácido fólico é C19H19N7O6.

Prevenção na gravidez[editar | editar código-fonte]

O ácido fólico atua na prevenção de anomalias congênitas no primeiro trimestre da gestação. Ele é recomendado na prevenção primária da ocorrência de defeitos do fechamento do tubo neural, que entre os dias 18 e 26 do período embrionário transforma-se na espinha. Defeitos do tubo neural são malformações que ocorrem no início do desenvolvimento fetal, sendo os principais: anencefalia e espinha bífida. As doses diárias recomendadas são de 0,4 a 0,8 mg no período de no mínimo um mês antes da concepção até três meses ou 12 semanas de gravidez (1º trimestre).

O principal problema desta prevenção reside no fato de cerca de metade das gestações não serem planejadas e, assim, quando as mulheres descobrem que estão grávidas já é tarde para se fazer a suplementação com o ácido fólico. Por este motivo o principal foco é que as mulheres em idade reprodutiva tenham uma alimentação balanceada que contenha alimentos ricos em ácido fólico. As principais fontes deste nutriente são as vísceras, o feijão e os vegetais de folhas verdes como o espinafre, aspargo e o brócolis, além de abacate, abóbora, carne de vaca, carne de porco, cenoura, couve, fígado, laranja, leite, maçã, milho, ovo e queijo.

Referências

  1. «Vitaminas B6, B9 e B12 são fundamentais para o metabolismo». Portal Brasil. Consultado em 31/05/2016. 
  2. «Acido Fólico Pode Reduzir Risco de Má-Formação Congênita». Boasaúde. Consultado em 21.ago.2013. 
  3. «Folha Online - Colunas - Nutrição é Saúde - Fortificação de Farinhas». Folha Online. 21.out.2005. Consultado em 21.ago.2013. 
  4. «O ranking do ácido fólico— SAÚDE». Consultado em 21.ago.2013. 
  5. «Folha Online - BBC Brasil - Ácido fólico pode manter espermatozóides saudáveis, diz estudo». Folha Online. 20.mar.2008. Consultado em 21.ago.2013. 
  6. «Folha Online - BBC Brasil - Erramos: Ácido fólico pode manter espermatozóides saudáveis, diz estudo». Folha Online. 21.mar.2008. Consultado em 21.ago.2013. 
  7. «Folha Online - Colunas - Nutrição é Saúde - Suplementos nutricionais na gestação são necessários?». Folha Online. 02.out.2008. Consultado em 21.ago.2013. 
  8. «Folha Online - BBC - Ácido fólico reduz risco de mal de Alzheimer, afirma estudo». Folha Online. 16.ago.2005. Consultado em 21.ago.2013. 
  9. «Folha Online - Reuters - Ácido fólico pode ajudar a evitar doenças cardíacas e derrame». Folha Online. 22.nov./2002. Consultado em 21.ago.2013. 
  10. «Folha Online - Equilíbrio e Saúde - Uso de analgésico eleva risco de hipertensão». Folha Online. 28.jul.2009. Consultado em 21.ago.2013. 
  11. José de Felippe Junior e Váleria Cristina Paschoal - ControlSoft Nutrition 2004 .
Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.