Capinópolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Capinópolis
Bandeira indisponível
Brasão de Capinópolis
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Aniversário 15 de junho
Fundação 12 de dezembro de 1953 (63 anos)
Gentílico capinopolense
Prefeito(a) Cleidimar Zanotto (PSB)
Localização
Localização de Capinópolis
Localização de Capinópolis em Minas Gerais
Capinópolis está localizado em: Brasil
Capinópolis
Localização de Capinópolis no Brasil
18° 40' 55" S 49° 34' 12" O18° 40' 55" S 49° 34' 12" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba IBGE/2008[1]
Microrregião Ituiutaba IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Canápolis, Cachoeira Dourada e Ituiutaba
Distância até a capital 722 km
Características geográficas
Área 621,159 km² [2]
População 16 112 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 25,94 hab./km²
Clima Tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,766 elevado PNUD/2000[4]
PIB R$ 214 221,053 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 13 470,48 IBGE/2008[5]
Página oficial

Capinópolis é um município brasileiro do interior do estado de Minas Gerais, Região Sudeste do país.

História[editar | editar código-fonte]

Os primitivos habitantes do território foram os índios caiapós e alguns elementos da tribo Panarás. Eram nações que habitavam a região próxima ao Rio Paranaíba e aos diversos ribeirões do município.  Viviam da caça e, principalmente, da pesca, pois a região, antes da instalação das usinas hidrelétricas na região, era muito rica em pescados. Foram achados diversos vestígios das civilizações pré-históricas no município de Capinópolis. Entre os vestígios foram encontrados machadinhas (artefato lítico polido), pedras lascadas e cacos cerâmicos. Os locais de maior ocorrência de achados arqueológicos foram as regiões da Grama e do Britador.

Os primeiros colonizadores que se tem notícia foram donos de sesmarias: Alferes José Rodrigues da Silva, Da. Francisca Ângela da Silva e José Luciano Teixeira, como os primeiros a se fixarem nessa região, por volta de 1810. Como a região era vastíssima a sesmaria ainda não era toda conhecida pelos colonos. Acreditamos que os índios foram saindo pouco a pouco da região e sendo dizimados por investidas de várias bandeiras que vinham limpar o local da presença dos índios.

 No dia 09 de janeiro de 1893, saíram de São João Del Rei, sul de Minas, o sr Joaquim Maximiano, sua esposa Maria Francisca e quatro filhos, com tropa de animais cargueiros, aqui chegando no dia primeiro de março de 1893, acampando primeiramente na beira de um córrego, hoje denominado Córrego do Capim, próximo ao local onde hoje se encontra a ponte de saída para o município de Cachoeira Dourada.

Vieram morar nesta região, também, vindos das Ilhas Açores, pertencentes a Portugal a família do Sr Manoel Tavares, que construiu um belíssimo casarão na região denominada Grama. Também o Sr Conceição Francisco Barbosa, que veio da divisa de Minas com o Estado de São Paulo em 1989 e construiu um belíssimo casarão na região dos Baús.

Como nesse tempo essas terras estavam abandonadas, os mesmos se apossaram de uma área e foram adquirindo outras, formando vários latifúndios.

Depois de alguns meses, Joaquim Maximiano de Almeida resolveu construir um ranchão, de madeira, no local onde hoje é a fazenda do sr Joaquim de Almeida, onde seria sua sede principal.

O sr Joaquim Maximiano de Almeida, na época com 31 anos de idade e sua esposa Da. Maria Francisca de Jesus, 27 anos de idade, tiveram quatro filhos. Começou o plantio de café na região onde permaneceu. Seu filho Jerônimo Maximiano da Silva nasceu no dia 28 de fevereiro de 1896, na região denominada Baús, hoje, Fazenda Ideal. Essas terras foram adquiridas pelo seu pai. Desde menino auxiliava seu pai no plantio e colheita de café e outros produtos para serem vendidos em Uberlândia e Uberaba. O transporte desses produtos era feito em carro de bois. Aos 22 anos de idade, Jerônimo Maximiano da Silva casou-se com Maria Silvério do Prado, filha de Luiz Bento Parreira e de Matilde Severino da Silva, da região do Córrego do Açude. Recebeu terras por doação de seu pai Joaquim Maximiano de Almeida. Em 1921 aumentou sua área rural adquirindo terras de Francisco Isaías da Silva e outros. Nessa época o plantio de café, mandioca, cana, milho e arroz se desenvolveram em sua propriedade e a aglomeração de pessoas foi aumentando em torno da Fazenda Ideal.

O capim Jaraguá era nativo e servia para a alimentação dos animais, daí surgiu o nome do lugar “Capim”. As construções das casas eram de pau-a-pique e foram aumentando fazendo com que o arraial do Capim crescesse também.

 Nos fins do século XIX e meados do século XX, com a vinda de negros de origem escrava, nordestinos, imigrantes libaneses, japoneses e italianos começaram no Capim as bases de uma nova povoação.

 Em 1927 o local da sede do Município era de propriedade do sr Jerônimo Maximiano da Silva, que resolveu lotear uma parte da propriedade para a fundação de um povoado. No dia 05/07/1927 foi concluído o levantamento topográfico com o engenheiro agrônomo José Cirilo de Paula, que foi contratado para esse fim, e foram vendidos vários lotes, mas como os compradores não se preocupavam em construir, o sr Jerônimo Maximiano da Silva resolveu readquirir os lotes e ele mesmo tomou novas iniciativas para o progresso do local. 

A comunicação com o Município de Ituiutaba era feita por meio de estrada de bois. Para trazer o primeiro veículo ao Arraial do Capim, um Ramona (camionete) ano 1927, foi construído um trecho de estrada ligando a estrada do Córrego do Açude, passando pelo lado direito do Bauzinho e pelo Baú Velho. Na propriedade de Jerônimo Maximiano da Silva foi construído um engenho de cana de açúcar. As canas para o engenho eram transportadas em carros de bois.

 Com a instalação do Distrito e do Cartório do Registro Civil e casamento, Jerônimo Maximiano foi o Juiz de Paz e fez o primeiro casamento no Distrito do Arraial do Capim.

Em 1937 construiu o prédio da primeiro grupo escolar, em 1940, com a ajuda de todos, construiu a capela de São Pedro e um dos seus genros construiu o campo de aviação.

prefeitos

Dr. Cássio Macedo                                 (1955 a 1958)

Odovilho Alves Garcia                           (1959 a 1962)

Osvaldo Nozzela                                     (1963 a 1966)

João Batista Ferreira                               (1967 a 1970)

Iolando Ângelo da Silva                         (1970 a 1972)

João Batista Ferreira                               (1973 a 1976)

Antônio Teodoro de Alvarenga              (1977 a 1983)

Osvaldo Prado                                        (1983 a 1988)

Cândido Antônio Vaz                             (1989 a 1992)

Osvaldo Prado                                        (1993 a 1993)

Ibrahin Bechara Younes                         (1993 a 1996)

Lucimar Batista Belchior                       (1997 a 2000)

José Neto Santana                                   (2001 a 2004)

José Neto Santana                                   (2005 a 2008)

Dinair Maria Pereira Isaac                      (2009 a 2012) 

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sua população segundo o IBGE/2010 é de 15.297 habitantes

O município faz parte da região do Triângulo Mineiro, e tem fronteiras com Canápolis, Cachoeira Dourada e Ituiutaba.

Curiosidade: ao contrário do que se imagina, o município de Ipiaçu, embora faça parte da Comarca de Capinópolis, juntamente com Cachoeira Dourada, não é limítrofe a Capinópolis. Há um braço de terras pertencente a Ituiutaba, como saída desta para o rio Paranaíba, entre os dois municípios.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Seu acesso rodoviário é feito pela BR-154, até entroncamento com BR-365 (próximo a Ituiutaba) ou MG-226 até Canápolis.

Clima[editar | editar código-fonte]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) entre 1970 e 2015, a temperatura mínima registrada em Capinópolis foi de 1,0 ºC, ocorrida no dia 18 de julho de 1975,[6] enquanto que a máxima foi de 41,3 ºC, observada dia 4 de outubro de 1995.[7] O maior acumulado de chuva registrado na cidade em 24 horas foi de 156,8 mm, em 18 de fevereiro de 1980,[8] e o menor índice de umidade relativa do ar (URA) foi de 11%, em 13 de setembro de 2010.[9]

Administração[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). «Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - Capinópolis». Consultado em 17 de maio de 2015 
  7. Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). «Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (ºC) - Capinópolis». Consultado em 17 de maio de 2015 
  8. Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). «Série Histórica - Dados Diários - Precipitação (mm) - Capinópolis». Consultado em 17 de maio de 2015 
  9. Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). «Série Histórica - Dados Horários - Umidade Relativa (%) - Capinópolis». Consultado em 17 de maio de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.