Cambuquira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Cambuquira
"Cambuka"
"Cidade Morena"
Fachada da Igreja Matriz de São Sebastião

Fachada da Igreja Matriz de São Sebastião
Bandeira de Cambuquira
Brasão de Cambuquira
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 12 de maio de 1911 (107 anos)
Gentílico cambuquirense
Prefeito(a) Fabricio dos Santos Simoni (PSL)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Cambuquira
Localização de Cambuquira em Minas Gerais
Cambuquira está localizado em: Brasil
Cambuquira
Localização de Cambuquira no Brasil
21° 51' 30" S 45° 17' 28" O21° 51' 30" S 45° 17' 28" O
Unidade federativa Minas Gerais
Região
intermediária

Varginha IBGE/2017[1]

Região
imediata

Três Corações IBGE/2017[1]

Municípios limítrofes Três Corações, Campanha, Lambari, Conceição do Rio Verde e Jesuânia
Distância até a capital 305 km
Características geográficas
Área 246,380 km² [2]
População 13 053 hab. estatísticas IBGE/2017[3]
Densidade 52,98 hab./km²
Altitude 950 m
Clima tropical de altitude Cwb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,699 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 225 018,61 mil IBGE/2015[5]
PIB per capita R$ 17 274,57 IBGE/2015[5]

Cambuquira é um município brasileiro do estado de Minas Gerais, Região Sudeste do país. Sua população estimada em 2017 era de 13 053 habitantes.[3] Faz parte do Circuito das Águas de Minas Gerais.

Nome[editar | editar código-fonte]

"Cambuquira" é proveniente do termo tupi ka'aumbykyra, que significa "rabadilhas de folhas" (ka'a, folha + umbykyra, rabadilha, rabada, uropígio, cóccix),[6] "grelo de erva (especialmente de aboboreira, com o qual se faz um guisado típico)".[7]

Antigos nomes
  • São Sebastião de Cambuquira
  • Águas Virtuosas de Cambuquira

História[editar | editar código-fonte]

Até a chegada dos primeiros bandeirantes à região, no século XVI, o sul de Minas Gerais era habitado pelos índios puris.[8] A origem da atual cidade foi no atual Largo de São Francisco, onde existia uma fazenda, a Boa Vista, deixada como herança para os escravos pelas irmãs Ana, Joana e Francisca da Silva Goulart na primeira metade do século XIX.[9]

A descoberta de fontes de água mineral na propriedade atraiu muitas pessoas em busca de suas propriedades terapêuticas e, em 1861, a Câmara Municipal de Campanha efetuou a desapropriação das terras, considerando-as de utilidade pública. O local foi liberado para visitação, o que estimulou o desenvolvimento do povoado nos arredores.

Em 1872, fundou-se o Arraial de Cambuquira, erigido em distrito pertencente a Campanha. Em 1894, foi inaugurada a estrada de ferro, levando progresso e expandindo a população. Cambuquira foi decretada (Decreto Número 2 528) município no dia 12 de maio de 1909, tendo, como primeiro prefeito, Raul de Noronha Sá. Nas décadas seguintes, o turismo na cidade desenvolveu-se em ritmo intenso, levando-a ao título oficial de estância hidromineral em 1970.

Geografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[10] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária de Varginha e Imediata de Três Corações.[1] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião de São Lourenço, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Sul e Sudoeste de Minas.[11]

Economia[editar | editar código-fonte]

Sua economia baseia-se na cultura do café, pecuária, turismo e indústria de água mineral para exportação. Possui um observatório astronômico utilizado para pesquisas e estudos universitários.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Cambuquira foi uma das primeiras cidades projetadas do estado, com ruas largas, calçadas amplas e arborização selecionada - na primavera, as flores de centenas de árvores de magnólia perfumam a atmosfera da cidade e são uma atração à parte. As principais atrações da cidade são: o Parque das Águas, com seis fontes de água mineral (ferruginosa, alcalina, magnesiana, sulfurosa, gasosa e com lítio); as fontes do Marimbeiro e do Laranjal (nas cercanias da cidade); e o Pico do Piripau, a 1 300 metros de altitude, de onde decolam pilotos de parapente e asa-delta. Além de 2 cachoeiras na zona rural.

Imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 1 de março de 2018. 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Áreas dos Municípios». Consultado em 1 de março de 2018.. Cópia arquivada em 1 de março de 2018 
  3. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 1 de março de 2018. 
  4. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 15 de junho de 2015.. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  5. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2015). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2015». Consultado em 1 de março de 2018.. Cópia arquivada em 1 de março de 2018 
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 552.
  7. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 327.
  8. Bananal.net.br. Disponível em http://www.bananal.net.br/bananal/historia/85-puris-primeiros-habitantes-de-bananal. Acesso em 15 de março de 2014.
  9. Idas Brasil. Disponível em http://www.idasbrasil.com.br/idasbrasil/cidades/Cambuquira/port/historia.asp. Acesso em 14 de março de 2014.
  10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 1 de março de 2018.. Cópia arquivada em 1 de março de 2018 
  11. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 79–81. Consultado em 1 de março de 2018.. Cópia arquivada (PDF) em 1 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cambuquira