Monsenhor Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Monsenhor Paulo
  Município do Brasil  
Hino
Apelido(s) "Ponte Alta"
"Caçulinha da Princesa"
Gentílico paulense
Localização
Localização de Monsenhor Paulo em Minas Gerais
Localização de Monsenhor Paulo em Minas Gerais
Monsenhor Paulo está localizado em: Brasil
Monsenhor Paulo
Localização de Monsenhor Paulo no Brasil
Mapa de Monsenhor Paulo
Coordenadas 21° 45' 28" S 45° 32' 27" O
País Brasil
Unidade federativa Minas Gerais
Municípios limítrofes Campanha, Cordislândia, Elói Mendes, São Gonçalo do Sapucaí, Três Corações, Varginha.
Distância até a capital 217 3 km
História
Fundação 8 de dezembro de 1948
Aniversário 8 de dezembro
Administração
Prefeito(a) Leticia Aparecida Belato Martins (MDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 216,460 km²
População total (Estimativa IBGE/2013[2]) 8 537 hab.
Densidade 39,06 hab./km²
Clima Tropical de altitude (Cwb)
Altitude 898 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,721 alto
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 84 461,855 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 11 126,58

Monsenhor Paulo é um município brasileiro localizado na região centro-sul do estado de Minas Gerais. Sua população estimada em 2013 era de 8 537 habitantes.[2]

História[editar | editar código-fonte]

O município de Monsenhor Paulo teve, primitivamente, o nome de Vargem Grande e depois Ponte Alta. Com o nome de Vargem Grande, o local era sede da fazenda do Major Matias Antônio Moinhos de Vilhena, falecido a 7 de junho de 1886, que era filho de Matias Gonçalves Moinhos de Vilhena e de Iria Claudiana Umbelina da Silveira, irmã de Bárbara Heliodora, heroína da conspiração mineira.

O major Matias e sua mulher Escolástica Joaquina de Oliveira se instalaram na fazenda Vargem Grande, aberta na segunda metade do século XIX, onde fizeram erigir uma capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição. Foram eles os grandes benfeitores do lugar. Também havia, nas mesmas paragens a fazenda do Galante, que foi dividida, em1873, entre José Francisco Alves da Silva, Domingos José dos Santos, Sabino Fernandes de Faria e José Vicente dos Reis, que também foram pioneiros do lugar e constituíram os troncos das tradicionais famílias da aristocracia rural local. Vargem Grande foi se firmando como pouso de tropeiros e um pequeno empório comercial de vendedores ambulantes e ex-escravos que ali fixaram residência. Por volta de 1884 começaram a chegar os primeiros italianos as famílias Pierroti, Lenzi, Pagani e Totti; em 1896 a Família Bellato, e a partir de 1898 as famílas: Baldin, Caovilla, Zanin, Ciscon e outras. O nome Ponte Alta referia-se a uma ponte sobre o Ribeirão São Domingos, que era muito alta, datando esta denominação do ano de 1875 e aparece no documento de doação de terreno à Capela, feita por Joaquim Vicente da Silva e José Vicente dos Reis Ferreira. No ano de 1900 edificada a primeira capela de taipa e cobertura de sapé. No ano seguinte, Ponte Alta ganha categoria de distrito de Campanha com o nome de Nossa Senhora da Conceição da Ponte Alta. Em 1916 foi feito um abaixo-assinado dirigido a Dom João de Almeida Ferrão, primeiro bispo da Campanha, solicitando a criação da paróquia. Em 1927 foi demolida a capela de taipa coberta de sapé, e teve início a construção da igreja de Nossa Senhora da Conceição, pelo então Cônego Hugo Bressane de Araújo. A igreja continuou como filial de Campanha.

Ponte Alta foi elevada a categoria de vila pelo decreto lei 311 de 2 de março de 1938. Em 27 de setembro de 1941, Dom Frei Inocêncio Engelke OFM, criou a paróquia, nomeando seu primeiro pároco o Padre José Divino da Silva. Em 1943 Nossa Senhora da Conceição da Ponte Alta muda a denominação para Monsenhor Paulo, por sugestão do padre José Divino da Silva, em homenagem ao insigne campanhense Monsenhor Paulo Emílio Moinhos de Vilhena, que ali residiu por vários anos e sempre propugnou para o crescimento da localidade. Em 1948, com os esforços de seus habitantes, tendo a frente padre Fernando Sales da Silveira e o Dr. Waldir Lisboa, foi criado pela Lei 336 de 27 de dezembro de 1948 o município de Monsenhor Paulo e desmembrado de Campanha. Foi nomeado Intendente o Dr. Geraldo de Souza Medeiros, advogado de Belo Horizonte e delegado especial o capitão Virgílio Fraga. Em primeiro de janeiro de 1949, o Sr. Luiz Antonio da Cunha, na qualidade de Juiz de Paz, seguindo as prescrições do D.A.M declarou instalado o município de Monsenhor Paulo tendo discrusado como orador oficial o Sr. José Belato Teixeira. Foi nomeado delegado civil o Sr. José Pinto Ribeiro.

No dia 6 de março de 1949 foi realizada a eleição para prefeito, vice-prefeito e vereadores sendo eleitos pelo PSD o prefeito Joaquim Santiago Pereira e o vice-prefeito Luiz Tavares que tomaram posse no dia 20 de março do mesmo ano. Para a primeira legislação foram eleitos, pelo PSD os vereadores Archimedes Colli - presidente; Altamiro Ferreira Mendes - vice-presidente; José Galdino da Silveira - secretário; Virgilio Caovilla; Pedro Totti; José Martins dos Santos e Felippe dos Santos Pagano, pela UDN Elói Xavier da Silva e Djalma Pereira.

O prefeito Joaquim Santiago Pereira governou o município por 2 anos tendo renunciado e transmitido o cargo para o vice-prefeito Sr. Luiz Tavares que completou o mandato.

Imigração italiana[editar | editar código-fonte]

No final do século XIX houve grande imigração de italianos para o local, os quais introduziram novas técnicas de cultivo agrícola na região e incentivaram o comércio. A primeira família italiana a chegar foi a de João Totti casado com Rosa Vichi, em fins de 1883 início de 1884.Depois, Lenzi em 1889; Pellegrinetti, Pagano e Salotti em 1894; Baldim, Bellato, Ciscon e Zanin em 1896; Pierrotti em 1898; Caovilla em 1901 e outras. Em 1920 foi instalado o serviço de iluminação nas ruas do povoado, com o excedente de energia gerada por uma usina do fazendeiro sr. Adamo Caovilla, italiano progressista e benemérito que muito contribuiu para o desenvolvimento de Ponte Alta. Em 1927 a Companhia Sulmineira de Eletricidade se instalou no distrito.

Famílias italianas, além das citadas, que residem ou residiram no município de Monsenhor Paulo: Bassetto, Biagini, Botti, Cadorin, Calchetti, Colla, Cremasco, Davo, Depicolli, Domingueti, Ferroni, Filipini, Gandini, Meneguello, Papini, Perecin, Perna, Petrucci, Picoli, Pievani, Romancini, Savelli, Scottini, Tocacceli, Tomba, Totti, Zambotti, Zanzotto e Zava.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia do município é mista, onde a pequena e média indústria convivem com a agricultura e a pecuária. O município conta com um parque industrial do ramo moveleiro - madeira -, que ao lado de indústrias de caixilhos empregam grande parte da população gerando renda e trabalho para os cidadãos e recursos para o município. O município ainda também com um moderno parque indústrial no ramo siderurgico, para o feitio de portas e janelas e fechaduras, onde esse emprega a maior parte da população de Monsenhor Paulo e de algumas cidades vizinhas. O município ainda conta com algumas empresas no ramo alimentício.

Acesso rodoviário[editar | editar código-fonte]

O município está ligado - 15 km - à rodovia federal Fernão Dias na altura do Trevo para Campanha. É muito próxima ao Circuito das Águas (Cambuquira, Lambari, Caxambu e São Lourenço).

Turismo[editar | editar código-fonte]

Na área do convívio social e do lazer são famosas as datas festivas, podendo citar a festa do Rosário e a famosa festa do Rodeio, essa última acontecendo todo mês de julho.

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  2. a b «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data de referência em 1º de julho de 2013» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 4 de outubro de 2013. Consultado em 4 de fevereiro de 2014 
  3. «Ranking IDHM Municípios 2010». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2013. Consultado em 15 de junho de 2015 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.