Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Itanhomi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Itanhomi
Brasão de Itanhomi
Brasão
Hino
Aniversário 1 de janeiro de 1949 (68 anos)
Fundação 7 de setembro de 1923[1]
(extinto em 17 de dezembro de 1938 e recriado em 27 de dezembro de 1948)
Gentílico itanhomiense
Prefeito(a) Jaeder Carlos Pereira (PSDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Itanhomi
Localização de Itanhomi em Minas Gerais
Itanhomi está localizado em: Brasil
Itanhomi
Localização de Itanhomi no Brasil
19° 10' 19" S 41° 51' 54" O19° 10' 19" S 41° 51' 54" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Região
intermediária

Governador Valadares IBGE/2017[2]

Região
imediata

Governador Valadares IBGE/2017[2]

Municípios limítrofes Norte: Capitão Andrade;
Oeste: Engenheiro Caldas;
Sul: Tarumirim;
Leste: Conselheiro Pena;
Nordeste: Tumiritinga.
Distância até a capital 363 km
Características geográficas
Área 488,843 km² [3]
Distritos Edgard Melo, Itanhomi (sede), Santa Luzia do Carneiro e São Francisco do Jataí[1]
População 12 394 hab. estatísticas IBGE/2017[4]
Densidade 25,35 hab./km²
Altitude 253 m
Clima tropical quente semiúmido Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,650 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 100 125 mil IBGE/2014[6]
PIB per capita R$ 8 132,96 IBGE/2014[6]
Página oficial

Itanhomi é um município brasileiro no interior do estado de Minas Gerais, Região Sudeste do país. Localiza-se no vale do rio Doce, a leste da capital do estado, distando desta cerca de 360 km. Ocupa uma área de 488,843 km², sendo que 1,9 km² estão em perímetro urbano, e sua população em 2017 era de 12 394 habitantes.

A sede tem uma temperatura média anual de 22,4 °C e na vegetação original do município predomina a Mata Atlântica. Com 72% da população vivendo na zona urbana, Itanhomi contava, em 2009, com 13 estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,650, classificado como médio em relação ao estado.

O povoamento da localidade teve início no final do século XIX, com a vinda de homens brancos que conquistaram o espaço dos índios Botocudos à procura de terras férteis, as quais incentivaram a implantação da agricultura e, mais tarde, da pecuária. Em 1906, funda-se o povoado de Queiroga, que foi elevado a município em 1923, já sob a denominação de Itanhomi, sendo extinto em 1938 e recriado em 1948, instalando-se em 1º de janeiro de 1949.

O município desenvolveu-se à base da agricultura, da pecuária e da atividade comercial, tendo um dos maiores rebanhos bovinos da região. Suas principais manifestações culturais são o artesanato e os eventos festivos, tais como as comemorações religiosas da Festa do Sagrado Coração de Jesus, padroeiro municipal, e da Festa do Jubileu do Senhor do Bom Jesus.

História[editar | editar código-fonte]

O desbravamento da região do atual município de Itanhomi teve início no final do século XIX, quando a descoberta das terras férteis da localidade favoreceu o desenvolvimento da agricultura e, posteriormente, por volta de 1890, o surgimento do povoamento denominado Queiroga. O local até então era predominantemente habitado pelos índios Botocudos, que foram forçados a cederem espaço ao homem branco, cujo domínio foi fortalecido no decorrer da década de 1900.[1][7] Em 1906, é construída, por interferência do padre Modesto Vieira, a primeira capela, oficializando a existência do povoado.[1]

Em 1908, chegaram à região os trilhos da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), favorecendo o surgimento de núcleos habitacionais que décadas mais tarde dariam origem a outros municípios a serem desmembrados do território itanhomiense, como nos casos dos primitivos povoados de Lajão (atual Conselheiro Pena), Cachoeirinha (atual Tumiritinga), Floresta (atual Alvarenga) e Itaúba (atual Sobrália). Ao redor das estações ferroviárias estabeleceram-se alguns moradores e pequenos comerciantes e a ferrovia ajudou no escoamento da produção agrícola e extração mineral dessas localidades.[8][9][10][11]

Dado o desenvolvimento econômico e demográfico, pela lei estadual nº 843, de 7 de setembro de 1923, houve a criação do município a partir do povoado de Queiroga, emancipado de Caratinga e constituído dos distritos de Cuieté, Floresta, Lajão, Tarumirim e Sede[12] (instalando-se em 14 de março de 1926).[1] Da junção das palavras em tupi "Ita" (que significa "pedra") e "nhomi" ("escondida) surge o nome do recém-criado município, "Itanhomi", que significa "pedra escondida".[8]

O até então distrito de Tarumirim emancipou-se pelo decreto-lei estadual nº 148, de 17 de dezembro de 1938, o qual também extinguiu o Distrito-Sede de Itanhomi, passando a pertencer ao novo município supracitado. Os distritos de Cuieté, Floresta e Lajão foram anexados a Conselheiro Pena, também criado sob o mesmo decreto.[13] Itanhomi, no entanto, foi recriada pela lei nº 336, de 27 de dezembro de 1948, instalando-se em 1º de janeiro de 1949. A lei estadual nº 2.764, de 30 de dezembro de 1962, criou os distritos de Capitão Andrade e Edgard Melo. Capitão Andrade emancipa-se pela lei estadual nº 10.704, de 27 de abril de 1992, restando atualmente os distritos de Edgard Melo e São Francisco do Jataí, este criado ainda na década de 90.[1] Pela lei municipal nº 1.648, de 16 de setembro de 2013 e publicada em 14 de fevereiro de 2014, foi criado o distrito de Santa Luzia do Carneiro.[14]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A área do município, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 488,843 km², sendo que 1,9625 km² constituem a zona urbana e os 486,266 km² restantes constituem a zona rural.[3][15] Situa-se a 19º10'19" de latitude sul e 41°51'55" de longitude oeste e está a uma distância de 363 quilômetros a leste da capital mineira. Seus municípios limítrofes são Capitão Andrade, a norte; Engenheiro Caldas, a oeste; Tarumirim, a sul; Conselheiro Pena, a leste; e Tumiritinga, a nordeste.[16]

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[17] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária e Imediata de Governador Valadares.[2] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião de Governador Valadares, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Vale do Rio Doce.[18]

Relevo, hidrografia e meio ambiente[editar | editar código-fonte]

O relevo do município de Itanhomi é predominantemente montanhoso, sendo que a altitude máxima encontra-se na cabeceira do Córrego Miraval, que chega aos 843 metros, enquanto que a altitude mínima está na Lagoa do Queiroga, com 226 metros. Já o ponto central da cidade está a 252,65 metros.[16] O principal rio que passa por Itanhomi é o Córrego Queiroga, porém o território municipal é banhado por vários pequenos rios, córregos e cursos-d'água, sendo alguns deles o Córrego Macuna do Grande, o Córrego Miraval e a Lagoa do Queiroga, fazendo parte da Bacia do Rio Doce.[16]

Por vezes, na estação das chuvas, os rios que cortam o município sofrem com a elevação de seus níveis, provocando enchentes em suas margens e no perímetro urbano municipal.[19][20] A vegetação predominante no município é a Mata Atlântica, sendo que os principais problemas ambientais presentes, segundo a prefeitura em 2010, eram o assoreamento de corpos d'água e o desmatamento. A cidade conta, entretanto, com Fundo Municipal de Meio Ambiente e um Conselho Municipal de Meio Ambiente em atividade, criado em 2002 e de caráter paritário.[21]

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados diários de chuva registrados
em Itanhomi por meses
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 83,2 mm 20/01/2016 Julho 26,3 mm 11/07/1998
Fevereiro 111,1 mm 09/02/2004 Agosto 56,5 mm 30/08/1990
Março 178,2 mm 28/03/1984 Setembro 68,5 mm 24/09/2002
Abril 94,0 mm 28/04/2017 Outubro 94,6 mm 21/10/1984
Maio 54,2 mm 08/05/1992 Novembro 149,0 mm 30/11/1997
Junho 39,8 mm 30/06/1989 Dezembro 100,5 mm 21/12/2013
Fonte: Agência Nacional de Águas (ANA)[22]

O clima itanhomiense é caracterizado, segundo o IBGE, como tropical quente semiúmido (tipo Aw segundo Köppen),[23] tendo temperatura média anual de 22,4 °C com invernos secos e amenos e verões chuvosos e com temperaturas elevadas.[24][25] O mês mais quente, março, tem temperatura média de 24,7 °C, sendo a média máxima de 29,9 °C e a mínima de 19,5 °C. E o mês mais frio, julho, de 19,3 °C, sendo 25,7 °C e 13,0 °C as médias máxima e mínima, respectivamente. Outono e primavera são estações de transição.[26]

A precipitação média anual é de 1 199,8 mm, sendo julho o mês mais seco, quando ocorrem apenas 12,8 mm. Em dezembro, o mês mais chuvoso, a média fica em 210,5 mm.[26] Nos últimos anos, entretanto, os dias quentes e secos durante o inverno têm sido cada vez mais frequentes, não raro ultrapassando a marca dos 30 °C, especialmente entre julho e setembro. Em julho de 2008, por exemplo, a precipitação de chuva em Itanhomi não passou dos 0 mm.[27] Durante a época das secas e em longos veranicos em pleno período chuvoso também são comuns registros de queimadas em morros e matagais, principalmente na zona rural da cidade, o que contribui com o desmatamento e com o lançamento de poluentes na atmosfera, prejudicando ainda a qualidade do ar.[21][28]

Segundo dados da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), desde 1984 o maior acumulado de chuva registrado em 24 horas em Itanhomi foi de 178,2 mm, no dia 28 de março de 1984.[29] Outros grandes acumulados foram de 149,0 mm em 30 de novembro de 1997,[30] 141,1 mm em 23 de novembro de 2016[31] e 111,1 mm em 9 de fevereiro de 2004.[32] De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o município é o 655º colocado no ranking de ocorrências de descargas elétricas no estado de Minas Gerais, com uma média anual de 2,2063 raios por quilômetro quadrado.[33]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1970 25 585
1980 20 682 -19,2%
1991 16 958 -18,0%
2000 11 572 -31,8%
2010 11 856 2,5%
Est. 2017 12 394 4,5%
Fonte: Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística
(IBGE)[4][34]

Em 2010, a população do município foi contada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 11 856 habitantes.[35] Segundo o censo daquele ano, 5 799 habitantes eram homens e 6 057 habitantes mulheres. Ainda segundo o mesmo censo, 8 646 habitantes viviam na zona urbana e 3 210 na zona rural.[35] Já segundo estatísticas divulgadas em 2017, a população municipal era de 12 394 habitantes.[4] Da população total em 2010, 2 779 habitantes (23,44%) tinham menos de 15 anos de idade, 7 796 habitantes (65,76%) tinham de 15 a 64 anos e 1 281 pessoas (10,80%) possuíam mais de 65 anos, sendo que a esperança de vida ao nascer era de 74,9 anos e a taxa de fecundidade total por mulher era de 2,0.[36]

Em 2010, segundo dados do censo do IBGE daquele ano, a população itanhomiense era composta por 4 814 brancos (40,60%); 537 negros (4,53%); 180 amarelos (1,52%); 6 320 pardos (53,31%) e cinco indígenas (0,04%).[37] Considerando-se a região de nascimento, 44 eram nascidos na Região Norte (0,37%), 64 na Região Nordeste (0,54%), 11 603 no Sudeste (97,87%), 15 no Sul (0,13%) e 23 no Centro-Oeste (0,19%). 11 323 habitantes eram naturais do estado de Minas Gerais (95,50%) e, desse total, 8 801 eram nascidos em Itanhomi (74,23%).[37] Entre os 533 naturais de outras unidades da federação, São Paulo era o estado com maior presença, com 218 pessoas (1,84%), seguido pelo Espírito Santo, com 51 residentes (0,43%), e pela Bahia, com 38 habitantes residentes no município (0,32%).[38]

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Itanhomi é considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sendo que seu valor é de 0,650 (o 3115º maior do Brasil). A cidade possui a maioria dos indicadores próximos à média nacional segundo o PNUD. Considerando-se apenas o índice de educação o valor é de 0,503, o valor do índice de longevidade é de 0,831 e o de renda é de 0,656.[5] De 2000 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até meio salário mínimo reduziu em 52,8% e em 2010, 77,0% da população vivia acima da linha de pobreza, 10,8% encontrava-se na linha da pobreza e 12,1% estava abaixo[39] e o coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, era de 0,650, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor.[40] A participação dos 20% da população mais rica da cidade no rendimento total municipal era de 58,1%, ou seja, 21,8 vezes superior à dos 20% mais pobres, que era de 2,7%.[39]

De acordo com dados do censo de 2010 realizado pelo IBGE, a população de Itanhomi está composta por: 9 127 católicos (76,98%), 1 940 evangélicos (16,36%), 582 pessoas sem religião (4,91%), 98 Testemunhas de Jeová (0,83%) e 0,92% estão divididas entre outras religiões.[41]

Política e administração[editar | editar código-fonte]

A administração municipal se dá pelos Poderes Executivo e Legislativo. O Executivo é exercido pelo prefeito, auxiliado pelo seu gabinete de secretários. O atual prefeito é Jaeder Carlos Pereira, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), eleito nas eleições municipais de 2016 com 43,71% dos votos válidos e empossado em 1º de janeiro de 2017, ao lado de Paulo Nogueira como vice-prefeito.[42] O Poder Legislativo, por sua vez, é constituído pela câmara municipal, composta por nove vereadores.[43] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).[44]

Em complementação ao processo Legislativo e ao trabalho das secretarias, existem também conselhos municipais em atividade, entre os quais dos direitos da criança e do adolescente, criado em 1995, e tutelar (2001).[45] Itanhomi se rege por sua lei orgânica, que foi promulgada em 22 de junho de 1990,[46] e abriga uma comarca do Poder Judiciário estadual, de primeira entrância, tendo como termo o município de Capitão Andrade.[47] O município possuía, em fevereiro de 2017, 10 143 eleitores, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o que representa 0,065% do eleitorado mineiro.[48]

Economia[editar | editar código-fonte]

O Produto Interno Bruto (PIB) de Itanhomi é um dos maiores de sua microrregião, destacando-se na agropecuária e na área de prestação de serviços. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2011, o PIB do município era de R$ 80 157 mil.[49] 2 494 mil eram de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.[49] O PIB per capita é de R$ 6 748,37.[49] Em 2010, 52,34% da população maior de 18 anos era economicamente ativa, enquanto que a taxa de desocupação era de 6,17%.[36]

Salários juntamente com outras remunerações somavam 10 041 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,5 salários mínimos. Havia 227 unidades locais e 226 empresas atuantes.[50] Segundo o IBGE, 72,91% das residências sobreviviam com menos de salário mínimo mensal por morador (2 762 domicílios), 15,12% sobreviviam com entre um e três salários mínimos para cada pessoa (533 domicílios), 1,74% recebiam entre três e cinco salários (66 domicílios), 1,19% tinham rendimento mensal acima de cinco salários mínimos (45 domicílios) e 9,0% não tinham rendimento (341 domicílios).[51]

Setor primário
Produção de cana-de-açúcar, arroz e milho (2012)[52]
Produto Área colhida (hectares) Produção (tonelada)
Cana-de-açúcar 40 1 200
Arroz 100 600
Milho 50 150

A pecuária e a agricultura representam o segundo setor mais relevante na economia de Itanhomi. Em 2011, de todo o PIB da cidade, 11 288 mil reais era o valor adicionado bruto da agropecuária,[49] enquanto que em 2010, 32,58% da população economicamente ativa do município estava ocupada no setor.[36] Segundo o IBGE, em 2012 o município possuía um rebanho de dez asininos, 39 100 bovinos, 1 100 caprinos, 1 500 equinos, 250 muares, 400 ovinos, 5 900 suínos e 49 mil aves, entre estas 13 mil galinhas e 36 mil galos, frangos e pintinhos.[53] Neste mesmo ano, a cidade produziu 9 290 mil litros de leite de 8 400 vacas e 77 mil dúzias de ovos de galinha.[53]

Na lavoura temporária são produzidos principalmente a cana-de-açúcar (1 200 toneladas produzidas e 40 hectares cultivados), o arroz (600 toneladas e 100 hectares) e o milho (150 toneladas e 50 hectares), além do abacaxi, do amendoim e do feijão.[52] Já na lavoura permanente destacam-se a banana (1 400 toneladas produzidas e 50 hectares cultivados), a laranja (400 toneladas produzidas e 50 hectares cultivados) e o café (297 toneladas e 275 hectares), além do coco-da-baía.[54]

Setores secundário e terciário

A indústria, em 2011, era o setor menos relevante para a economia do município. 10 374 reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[49] A produção industrial é incipiente na cidade, mesmo que comece a dar sinais de aprimoramento, sendo resumida principalmente à fabricação de produtos alimentícios e ao beneficiamento de grãos.[8] Segundo estatísticas do ano de 2010, 4,56% dos trabalhadores de Itanhomi estavam ocupados no setor industrial.[36]

O comércio está presente em Itanhomi desde o estabelecimento do núcleo urbano, entre os séculos XIX e XX, sendo que o primeiro estabelecimento foi aberto pelas famílias Goulart e Bittencourt na atual Praça Abel Andrade.[8] Em 2010, 10,66% da população ocupada estava empregada no setor de construção, 0,61% nos setores de utilidade pública, 13,04% no comércio e 35,85% no setor de serviços[36] e em 2011, 56 001 reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto do setor terciário.[49]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde e educação[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o município possuía 13 estabelecimentos de saúde entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos, sendo nove deles públicos e pertencentes à rede municipal e quatro privados. Todos os estabelecimentos eram integrantes do Sistema Único de Saúde (SUS) e havia 20 leitos para internação; todos nos estabelecimentos privados.[55] Em 2012, 99,1% das crianças menores de 1 ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia.[56] Em 2011, foram registrados 207 nascidos vivos,[40] sendo que o índice de mortalidade infantil neste ano foi de 14,5 óbitos de crianças menores de cinco anos de idade a cada mil nascidos.[56] Em 2010, 7,10% das mulheres de 10 a 17 anos tiveram filhos (todas acima dos 15 anos) e a taxa de atividade entre meninas de 10 a 14 anos era de 14,99%.[36] 3 469 crianças foram pesadas pelo Programa Saúde da Família em 2012, sendo que 0,8% do total estavam desnutridas.[39]

Na área da educação, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) médio entre as escolas públicas de Itanhomi era, no ano de 2011, de 4,7 (numa escala de avaliação que vai de nota 1 a 10), sendo que a nota obtida por alunos do 5º ano (antiga 4ª série) foi de 5,3 e do 9º ano (antiga 8ª série) foi de 4,1; o valor das escolas públicas de todo o Brasil era de 4,0.[57] Em 2010, 2,46% das crianças com faixa etária entre sete e quatorze anos não estavam cursando o ensino fundamental.[36] A taxa de conclusão, entre jovens de 15 a 17 anos, era de 52,6% e o percentual de alfabetização de jovens e adolescentes entre 15 e 24 anos era de 98,0%. A distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com com idade superior à recomendada, era de 6,7% para os anos iniciais e 24,9% nos anos finais e, no ensino médio, a defasagem chegava a 31,4%.[57] Dentre os habitantes de 18 anos ou mais, 32,49% tinham completado o ensino fundamental e 18,96% o ensino médio, sendo que a população tinha em média 9,76 anos esperados de estudo.[36]

Em 2010, de acordo com dados da amostra do censo demográfico, da população total, 3 217 habitantes frequentavam creches e/ou escolas. Desse total, 142 frequentavam creches, 190 estavam no ensino pré-escolar, 195 na classe de alfabetização, 30 na alfabetização de jovens e adultos, 1 694 no ensino fundamental, 435 no ensino médio, 120 na educação de jovens e adultos do ensino fundamental, 117 na educação de jovens e adultos do ensino médio, cinco na especialização de nível superior, 275 em cursos superiores de graduação e 15 em mestrado. 8 639 pessoas não frequentavam unidades escolares, sendo que 1 656 nunca haviam frequentado e 6 983 haviam frequentado alguma vez.[58] O município contava, em 2012, com aproximadamente 2 474 matrículas nas instituições de ensino da cidade.[59] Segundo o IBGE, neste mesmo ano, das nove escolas do ensino fundamental, quatro pertenciam à rede pública municipal e cinco à rede pública estadual. Dentre as duas escolas que ofereciam ensino médio, ambas pertenciam à rede pública estadual.[59]

Educação de Itanhomi em números (2012)[59]
Nível Matrículas Docentes Escolas (total)
Ensino pré-escolar 240 16 3
Ensino fundamental 1 722 118 9
Ensino médio 512 42 2

Habitação e serviços básicos[editar | editar código-fonte]

No ano de 2010, a cidade tinha 3 788 domicílios particulares permanentes. Desse total, 3 740 eram casas e 48 eram apartamentos. Do total de domicílios, 2 444 são imóveis próprios (2 433 já quitados e 11 em aquisição), 568 foram alugados, 755 foram cedidos (170 cedidos por empregador e 585 cedidos de outra forma) e 21 foram ocupados de outra maneira.[60] Parte dessas residências conta com água tratada, energia elétrica, esgoto, limpeza urbana, telefonia fixa e telefonia celular. 2 757 domicílios eram atendidos pela rede geral de abastecimento de água (72,78% do total); 3 754 (99,10%) possuíam banheiros para uso exclusivo das residências; 2 726 (71,96% deles) eram atendidos por algum tipo de serviço de coleta de lixo; e 3 773 (99,60%) possuíam abastecimento de energia elétrica.[60]

A criminalidade ainda é um problema presente em Itanhomi.[61] Entre 2006 e 2008, a taxa de homicídios no município foi de 2,7 para cada 100 mil habitantes, ficando no 306° lugar a nível estadual e no 2628° lugar a nível nacional.[62] Neste período, a taxa de suicídios também foi de 2,7 para cada 100 mil habitantes, ficando no 254° lugar a nível estadual e no 1904° lugar a nível nacional.[63] Já em relação à taxa de óbitos por acidentes de transito, o índice foi de 8,1 para cada 100 mil habitantes, ficando no 263° a nível estadual e no 2253° lugar a nível nacional.[64] O código de área (DDD) de Itanhomi é 033[65] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) é 35120-000.[66] No dia 10 de novembro de 2008 o município passou a ser servido pela portabilidade, juntamente com outros municípios com o mesmo DDD. A portabilidade é um serviço que possibilita a troca da operadora sem a necessidade de se trocar o número do aparelho.[67]

A responsável pelo serviço de abastecimento de energia elétrica é a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Segundo a empresa, em 2003 havia 3 706 consumidores e foram consumidos 5 805 841 KWh de energia.[16] Já o serviço de abastecimento de água e coleta de esgoto da cidade é feito pela própria prefeitura, sendo que em 2008 havia 3 966 unidades consumidoras e eram distribuídos em média 2 028 m³ de água tratada por dia.[68]

Transportes[editar | editar código-fonte]

A frota municipal no ano de 2012 era de 3 914 veículos, sendo 1 272 automóveis, 96 caminhões, dois caminhões-trator, 198 caminhonetes, 44 caminhonetas, 16 micro-ônibus, 2 070 motocicletas, 147 motonetas, 18 ônibus, um trator de rodas, quatro utilitários e 46 classificados como outros tipos de veículos.[69] A cidade conta com um terminal rodoviário, o Terminal Rodoviário José Batista Pereira, que foi reestruturado em 2006 e mantém linhas que ligam Itanhomi às localidades rurais e a cidades de seu entorno.[70]

As rodovias que cortam o município são a BR-381, que começa em São Mateus, no litoral do Espírito Santo, passa por Governador Valadares, pela Região Metropolitana do Vale do Aço, Região Metropolitana de Belo Horizonte e sul de Minas e termina na cidade de São Paulo; e a BR-116, que começa em Fortaleza, no Ceará, interliga várias cidades das Regiões Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil até terminar na cidade de Jaguarão, no estado do Rio Grande do Sul, na fronteira com o Uruguai.[16][71]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Manifestações culturais e instituições[editar | editar código-fonte]

Itanhomi conta com legislação municipal de proteção ao patrimônio cultural material, ministrada por uma secretaria municipal exclusiva, que é o órgão gestor da cultura no município.[72] Dentre os espaços culturais, destaca-se a existência de uma biblioteca mantida pelo poder público municipal, estádios ou ginásios poliesportivos e clubes e associações recreativas, segundo o IBGE em 2005 e 2012.[73][74]

O artesanato é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural itanhomiense, sendo que, segundo o IBGE, a principal atividade artesanal desenvolvida em Itanhomi é o bordado.[75] Algumas das principais festas populares organizadas na cidade são as celebrações de Corpus Christi, em maio ou junho, com missas e procissões sobre os tapetes de serragem colorida confeccionados em algumas ruas do município; a Festa do Sagrado Coração de Jesus, padroeiro municipal, celebrada anualmente em junho, com missas e procissões pelas ruas da cidade, além da presença de barracas com comidas típicas; a Feira da Paz, organizada desde a década de 1990 e que conta com a realização de espetáculos de calouros, seguidos do concurso para a escolha das melhores apresentações, aberto para todas as idades, e com bandas regionais;[76] e a Festa do Jubileu do Senhor do Bom Jesus, em setembro. [77]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Em Itanhomi há três feriados municipais e oito feriados nacionais, além dos pontos facultativos. Os feriados municipais são o dia do aniversário da cidade, comemorado em 1º de janeiro; o dia do Sagrado Coração de Jesus, padroeiro da cidade, celebrado em 17 de junho; e o dia do Jubileu do Senhor do Bom Jesus, comemorado em 14 de setembro.[47][78] De acordo com a lei federal nº 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais com âmbito religioso, já incluída a Sexta-Feira Santa.[79][80]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Itanhomi - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 17 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013 
  2. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 25 de setembro de 2017 
  3. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Área territorial oficial». Consultado em 12 de abril de 2014. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  4. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 25 de setembro de 2017 
  5. a b Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking IDH-M Municípios 2010». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 4 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013 
  6. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». Consultado em 4 de abril de 2017. Cópia arquivada em 4 de abril de 2017 
  7. Prefeitura de Conselheiro Pena (17 de outubro de 2010). «Informe histórico do município de Conselheiro Pena». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  8. a b c d Joberto. «Relato histórico: Itanhomi-MG, Brasil». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  9. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Conselheiro Pena - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  10. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Tumiritinga - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 13 de julho de 2013 
  11. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Tarumirim - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 13 de julho de 2013 
  12. Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). «Lei 843, de 07/09/1923». Consultado em 27 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2013 
  13. Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). «Decreto-lei 148, de 17/12/1938». Consultado em 27 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2013 
  14. Instituto de Geoinformação e Tecnologia (IGTEC) (30 de junho de 2015). «Relação de 1688 Distritos de Minas Gerais, sendo 853 Distritos Sedes Municipais» (PDF). Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. p. 67. Consultado em 19 de junho de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 28 de outubro de 2016 
  15. Embrapa Monitoramento por Satélite. «Minas Gerais». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 6 de maio de 2011 
  16. a b c d e Cidades.Net. «Itanhomi - MG». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  17. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 25 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2017 
  18. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 76–78. Consultado em 25 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 25 de setembro de 2017 
  19. Portal Valadares (28 de dezembro de 2010). «Chuva na região leste: A cidade de Itanhomi se une para recuperar estragos». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  20. Ruralminas (11 de outubro de 2011). «Ruralminas no combate às enchentes». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  21. a b Portal ODM (2010). «7 - qualidade de vida e respeito ao meio ambiente». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  22. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). «Monitoramento Hidrometeorológico - Municípios - Itanhomi (Estação Itanhomi)». Consultado em 25 de setembro de 2017 
  23. World Map of the Köppen-Geiger climate classification. «World Map of the Köppen-Geiger climate classification». Institute for Veterinary Public Health. Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 24 de abril de 2011 
  24. Portal Brasil (6 de janeiro de 2010). «Clima». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2011 
  25. Biblioteca IBGE. «Brasil - Climas». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2011 
  26. a b c Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). «Climatologia de Itanhomi - MG». Jornal do Tempo. Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  27. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). «Chuvas - Médias Diárias – 07/2008». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  28. Carlos Fernando Lemos (9 de fevereiro de 2008). «Relatório de queimadas no Brasil e no estado de Minas Gerais - ano base: 2007». Universidade Federal de Viçosa (UFV). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  29. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). «Chuvas - Médias Diárias – 03/1984». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  30. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). «Chuvas - Médias Diárias – 11/1997». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  31. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). «Chuvas - Médias Diárias – 11/2016». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 4 de abril de 2017. Cópia arquivada em 4 de abril de 2017 
  32. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM). «Chuvas - Médias Diárias – 02/2004». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  33. Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) (2010). «Ranking de Descargas Atmosféricas de Minas Gerais». Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  34. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 200 - População residente por sexo, situação e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  35. a b Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «População residente por sexo, situação e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  36. a b c d e f g h Atlas do Desenvolvimento Humano (2013). «Perfil - Itanhomi, MG». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 12 de abril de 2014. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  37. a b Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «População de Itanhomi por raça e cor». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  38. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  39. a b c Portal ODM (2010). «1 - acabar com a fome e a miséria». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  40. a b Portal ODM (2010). «Perfil municipal». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  41. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  42. Eleições 2016 (2 de outubro de 2016). «Jaeder 45». Consultado em 4 de abril de 2017. Cópia arquivada em 4 de abril de 2017 
  43. Eleições 2012 (7 de outubro de 2012). «Candidatos a Vereador Itanhomi/MG». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  44. Flávio Henrique M. Lima (9 de fevereiro de 2006). «O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno». JusVi. Consultado em 25 de outubro de 2013. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012 
  45. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2011). «Conselhos municipais». Consultado em 4 de abril de 2017. Cópia arquivada em 4 de abril de 2017 
  46. Câmara Municipal. «Lei Orgânica do município de Itanhomi» (PDF). Consultado em 4 de abril de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 4 de abril de 2017 
  47. a b Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) (21 de julho de 2013). «Relação das Comarcas» (PDF). Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 22 de julho de 2013 
  48. Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (12 de abril de 2013). «Consulta Quantitativo». Consultado em 4 de abril de 2017 
  49. a b c d e f Cidades@ - IBGE (2011). «Produto Interno Bruto dos Municípios». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  50. Cidades@ - IBGE (2011). «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  51. Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (2010). «Domicílios particulares permanentes, por classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Consultado em 12 de abril de 2014. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  52. a b Cidades@ - IBGE (2012). «Lavoura Temporária 2012». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  53. a b Cidades@ - IBGE (2012). «Pecuária 2012». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  54. Cidades@ - IBGE (2012). «Lavoura Permanente 2012». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  55. Cidades@ - IBGE (2009). «Serviços de Saúde 2009». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  56. a b Portal ODM (2010). «4 - reduzir a mortalidade infantil». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  57. a b Portal ODM (2010). «2 - educação básica de qualidade para todos». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  58. Cidades@ - IBGE (2010). «Censo Demográfico 2010: Resultados da Amostra - Educação». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  59. a b c Cidades@ - IBGE (2012). «Ensino, matrículas, docentes e rede escolar 2012». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  60. a b Cidades@ - IBGE (2010). «Censo Demográfico 2010: Características da População e dos Domicílios: Resultados do Universo». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  61. G1 (21 de janeiro de 2013). «Jacaré abatido e 52 Kg de Pescado são apreendidos em Itanhomi». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  62. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  63. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  64. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  65. DDD Cidade. «DDD». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 16 de julho de 2012 
  66. Correios. «CEP de cidades brasileiras». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  67. Agencia Estado (7 de novembro de 2008). «Portabilidade numérica chega a mais 8 milhões na 2ªf». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2013 
  68. Cidades@ - IBGE (2008). «Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - 2008». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  69. Cidades@ - IBGE (2012). «Frota 2012». Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  70. Câmara Municipal (4 de dezembro de 2006). «Lei n.º 1.412, de 4 de dezembro de 2006». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  71. Google Maps. Acessado em 25 de dezembro de 2013.
  72. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Órgão gestor e legislação da cultura». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  73. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2005). «Equipamentos culturais». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  74. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2005). «Equipamentos culturais e meios de comunicação». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  75. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Principais atividades artesanais». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  76. Jornal A Voz de Itanhomi, nº 563 (junho de 2010) - pags. 11–13. Acessado em 25 de dezembro de 2013.
  77. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2005). «Principais festas populares». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  78. Calendários e Feriados (18 de março de 2012). «Minas Gerais – Feriados Municipais». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2013 
  79. Sérgio Ferreira Pantaleão. «Carnaval - é ou não feriado? folga automática pode gerar alteração contratual». Guia Trabalhista. Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011 
  80. Presidência da República. «Lei n.º 9.093, de 12 de setembro de 1995». Consultado em 25 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons
Mapas