São Roque de Minas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
São Roque de Minas
  Município do Brasil  
Cachoeira Casca D'Anta na Serra da Canastra em São Roque de Minas
Cachoeira Casca D'Anta na Serra da Canastra em São Roque de Minas
Hino
Gentílico sanroquense
Localização
Localização de São Roque de Minas em Minas Gerais
Localização de São Roque de Minas em Minas Gerais
São Roque de Minas está localizado em: Brasil
São Roque de Minas
Localização de São Roque de Minas no Brasil
Mapa de São Roque de Minas
Coordenadas 20° 14' 42" S 46° 21' 57" O
País Brasil
Unidade federativa Minas Gerais
Municípios limítrofes Sacramento, Tapira , Bambuí , Piumhi, Delfinópolis e Vargem Bonita
Distância até a capital 320 km
História
Fundação 30 de dezembro de 1962 (56 anos)
Administração
Prefeito(a) Roldão de Faria Machado[1] (DEM, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [3] 2 100,702 km²
População total (Censo IBGE/2010[4]) 6 686 hab.
Densidade 3,18 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 37927-000 a 37929-999[2]
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [5]) 0,766 alto
PIB (IBGE/2008[6]) R$ 88 936,274 mil
PIB per capita (IBGE/2008[6]) R$ 14 098,97
Outras informações
Padroeiro(a) São Roque[7]
www.saoroquedeminas.mg.gov.br (Prefeitura)
camarasaoroquedeminas.mg.gov.br (Câmara)

São Roque de Minas é um município brasileiro do estado de Minas Gerais que faz parte do circuito turístico Nascentes das Gerais e Canastra.[8]. Sua população em 2010 era de 6.686 habitantes.

Cultura[editar | editar código-fonte]

São Roque de Minas é uma cidade tipicamente mineira com traços culturais influenciados por portugueses e italianos, que são percebidos na sua religiosidade, culinária, arquitetura, agricultura e no modo de falar dos habitantes locais.

O queijo canastra, patrimônio nacional, é produzido há mais de 200 anos na região pelos primeiros colonizadores portugueses que chegaram ao local, sendo um prato típico e indispensável na mesa dos moradores da região da Serra da Canastra.[9]

São vários os causos e lendas contadas pela população local, a mais famosa delas é a Lenda da Zagaia, que é uma antiga fazenda localizada no chapadão da Zagaia no qual tropeiros que passavam pelo local conduzindo suas boiadas permaneciam lá para pernoitarem. Porém, no meio da noite, eram surpreendidos por uma armadilha de madeira e pontas de ferro que ficava escondida no forro do teto da casa, despencando e matando os que dormiam no local.[10][11]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Uma das entradas do Parque Nacional da Serra da Canastra, São Roque de Minas tem várias atrações naturais, com destaque para a Cachoeira Casca d'Anta, com 186 metros de queda. Outras atrações são a Cachoeiras Antônio Ricardo e o Poço das Orquídeas. Outras cachoeiras como Capão Forro e Cachoeira do Nego são procuradas para a prática de rapel e o canionismo.

No distrito São José do Barreiro, próximo da Cachoeira Casca d'Anta, os visitantes fazem trilhas e procuram as piscinas do Rio São Francisco.

Outro local procurado é o Vale do Córrego da Lavra, cristalino afluente do São Francisco, com as cachoeiras da Lavra e Lavrinha [12]. O município de São Roque de Minas (ex-Guia Lopes) faz parte da região onde, conforme o historiador Diogo de Vasconcelos, no passado habitavam os índios cataguazes (catu-Aná), que em 1675 foram eliminados pelo bandeirante Lourenço Castanho. Nestas terras, foram alojados os negros escravos fugidos das redondezas, que com o tempo, formaram os célebres quilombos, aproveitando as terras férteis da cabeceira do Rio São Francisco. Os ex-escravos viviam agora da agricultura, da pesca e da caça, e durante longos anos resistiram ao domínio do homem branco. No meado do século XVIII, acreditasse que em 1758, Diogo Bueno da Fonseca, de ordem do então Governador das Gerais, aniquilou os ex-escravos em lutas sangrentas. Depois deste massacre, estas terras passaram a ser habitadas por mestiços e brancos provindos dos centros de mineração, das vizinhanças então em decadência.

O povoado de São Roque de Minas surgiu, como a maioria dos municípios brasileiros, devido à fé dos seus habitantes, que construíram uma capela em honra a São Roque.

O município foi criado em 17 de dezembro de 1938, Lei 148, com o nome de Guia Lopes (em homenagem a José Francisco Lopes, seu filho mais ilustre, herói da Retirada de Laguna, bravo guia das tropas brasileiras) desmembrado de Piumhi. Que em 30 de dezembro de 1962, passou a ser conhecida por São Roque de Minas, em plebiscito democrático.

Acesso à Serra da Canastra[editar | editar código-fonte]

Nascente do rio São Francisco em São Roque de Minas
Nascente do Rio São Francisco

O acesso ao Parque Nacional da Serra da Canastra se dá por via terrestre, utilizando-se rodovias que interligam a região do Triângulo Mineiro e as capitais dos Estados de Minas Gerais e São Paulo. Partindo de Belo Horizonte, o acesso pode ser feito através da MG-050, que tem seu entroncamento com a BR-381 em Betim, passando por Divinópolis, Formiga e Piumhi. De Piumhi, por uma estrada asfaltada (MG-341), chega-se a São Roque de Minas, sede municipal mais próxima do parque, distante cerca de 7 Km da entrada principal (portaria I). O conselho que é dado ao visitante do Parque Nacional da Serra da Canastra é que não deixe nada além de pegadas. Não mate nada além do tempo. Não leve nada além de fotografias. Não queime nada além de calorias.

Referências

  1. «Eleições 2016». Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  2. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. «Busca Faixa CEP». Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  4. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  7. Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). «Lista por santos padroeiros» (PDF). Descubra Minas. p. 18. Consultado em 14 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 14 de setembro de 2017 
  8. «Listagem dos Circuitos Turísticos» (PDF). Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais. p. 9. Consultado em 11 de fevereiro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 12 de maio de 2013 
  9. «Queijaria Alpi - Queijo Canastra Artesanal». Queijaria Alpi. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  10. «Travessia Delfinópolis - Casca D'anta». www.extremos.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  11. «A CANASTRA E SEUS GUARDADOS». www.sertaopaulistano.com.br. Consultado em 14 de outubro de 2016 
  12. Dicas de viagem do Circuito Turístico da Canastra - Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais, 2009 (visitado em 2-3-2010).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.