Angelândia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Angelândia
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Angelândia
Bandeira
Brasão de armas de Angelândia
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Terra do Café"
Gentílico angelandense
Localização
Localização de Angelândia em Minas Gerais
Localização de Angelândia em Minas Gerais
Mapa de Angelândia
Coordenadas 17° 43' 48" S 42° 15' 54" O
País Brasil
Unidade federativa Minas Gerais
Região intermediária[1] Teófilo Otoni
Região imediata[1] Capelinha
Municípios limítrofes Água Boa, Capelinha, Malacacheta e Setubinha[2]
Distância até a capital 400 km
História
Fundação 21 de dezembro de 1995
Administração
Prefeito(a) João Paulo Batista de Souza[3] (PSDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [4] 185,211 km²
População total (estatísticas IBGE/2017[5]) 8 541 hab.
Densidade 46,1 hab./km²
Clima tropical (Aw)
Altitude 800 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[6]) 0,597 baixo
PIB (IBGE/2014[7]) R$ 76 273 mil
PIB per capita (IBGE/2014[7]) R$ 9 062,84

Angelândia é um município brasileiro no interior do estado de Minas Gerais, Região Sudeste do país. Sua população estimada em 2017 era de 8 541 habitantes.[5]

História[editar | editar código-fonte]

O atual município de Angelândia foi criado inicialmente como distrito pertencente a Capelinha, pela lei estadual nº 6769, de 13 de maio de 1976, então com o nome de Vila dos Anjos. A emancipação veio a ocorrer pela lei estadual nº 12.030, de 21 de dezembro de 1995, recebendo sua denominação atual e instalando-se em 1 de janeiro de 1997.[8]

Geografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[9] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária de Teófilo Otoni e Imediata de Capelinha.[1] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião de Capelinha, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Jequitinhonha.[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG). «Angelândia». Consultado em 1 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  3. Eleições 2016 (2 de outubro de 2016). «Paulinho Pinheiro». Consultado em 21 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Áreas dos Municípios». Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  5. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 7 de novembro de 2017 
  6. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 4 de dezembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  7. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  8. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Angelândia - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 4 de dezembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 14 de dezembro de 2013 
  9. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 71–72. Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 7 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]