Campo Belo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde fevereiro de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde dezembro de 2011).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Campo Belo
Corredor de arvores.jpg

Bandeira de Campo Belo
Brasão de Campo Belo
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 28 de setembro
Fundação 28 de setembro de 1879 (138 anos)
Gentílico campobelense
Lema União, Ordem e Progresso
CEP 37270-000
Prefeito(a) Alisson Assis de Carvalho (PSB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Campo Belo
Localização de Campo Belo em Minas Gerais
Campo Belo está localizado em: Brasil
Campo Belo
Localização de Campo Belo no Brasil
20° 53' 49" S 45° 16' 37" O20° 53' 49" S 45° 16' 37" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Oeste de Minas IBGE/2008 [1]
Microrregião Campo Belo IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Aguanil, Cana Verde, Candeias, Nepomuceno e Santana do Jacaré[2]
Distância até a capital 226 km
Características geográficas
Área 526,753 km² [3]
População 54 076 hab. Est. IBGE/2015[4]
Densidade 102,66 hab./km²
Altitude 945 m
Clima tropical de altitude Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,776 elevado PNUD/2000 [5]
PIB R$ 423 996,616 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 7 957,89 IBGE/2008[6]
Página oficial
Prefeitura campobelo.mg.gov.br
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Campo Belo (desambiguação).

Campo Belo é um município brasileiro do estado de Minas Gerais.

História[editar | editar código-fonte]

Jardins da Praça Cônego Ulisses e Velha Matriz ao fundo
Jardins da Praça Cônego Ulisses e Velha Matriz ao fundo

Inicialmente e após o surgimento do Povoado de Casa do Casca do Tamanduá,[7] as terras do hoje município de Campo Belo pertenciam a uma vila, que mais tarde passou a ser chamada de São Bento do Tamanduá, por último, Itapecerica na Comarca do Rio das Mortes (São João del-Rei), e eram ocupadas pelos índios Cataguases, da tribo Tupi, podendo esses silvícolas terem chegado à região fugindo da perseguição e da escravidão, por volta do ano 1600.[carece de fontes?]

Posteriormente, já sem os índios Cataguases, dizimados pelos portugueses e paulistas,[carece de fontes?] caçadores de ouro que integraram a bandeira de Lourenço Castanho Jacques, o Velho, por volta de 1726 estas terras dos Cataguases foram ocupadas por negros fugitivos que mais tarde se uniram aos que aqui chegaram sob a liderança de “Ambrósio Rei” na formação do Quilombo do Ambrósio, provavelmente na localidade chamada de Meia Laranja (hoje município de Cristais[8]) e que fora parcialmente exterminado em 1743 por milícia armada que cumpria ordens da Coroa Portuguesa. Nesse episódio teriam sido mortos muitos negros, inclusive crianças, mulheres e velhos, bem como teriam destruído as casas, gado e lavouras. Ambrósio teria fugido para as terras que hoje está o Triângulo Mineiro, onde teria sido morto em 1776. O Quilombo do Ambrósio, que em todas as terras chamadas de Campo Grande, teria contado com 15.552 negros e cerca de 2.592 casas, foi o maior, mais importante e duradouro quilombo de Minas Gerais.[9]

Rodovia que dá entrada a Campo Belo
Entrada da cidade
Avenida Afonso Pena
Nova matriz
Velha matriz
Fonte luminosa
Vista de Campo Belo
Ribeirão São João

Porém, assim como sobreviveram alguns Cataguases, também sobreviveram vários Negros e, de forma curiosa, passaram a conviver amistosamente, na a tentativa da sobrevivência. Os nomes das comunidades rurais de Campo Belo provavelmente têm origem nas Sesmarias[10] e, o povo fora formado a partir dos índios, dos negros angolanos das tribos Banto e Bunto e ainda de europeus. Os Italianos começaram na região, para o serviço nas lavouras, após o fim da escravidão negra em 1888 . Os Libaneses chegaram aqui a partir de 1890[11] e dedicaram-se especialmente às atividades comerciais.[12]

Acredita-se que o primeiro núcleo habitacional de Campo Belo teria surgido pelas mãos dos sobreviventes do Quilombo do Ambrósio e fora erguido onde está hoje o Bairro São Benedito, que o segundo núcleo , na hoje, Praça Nossa Senhora Aparecida, no chamado “Bairro do Cruzeiro”, dali, atingiu a baixada, local onde comercializam o gado que era habitualmente roubado na Picada de Goiás, (daí o nome de FEIRA) desde aquela época. O terceiro núcleo teria crescido junto à construção da Igreja do Senhor Bom Jesus de Matosinhos,[13] provavelmente a partir de 1774, pois, segundo documento assinado pelo Padre Vicente Lopes, que aqui viera para fazer batizados, em março de 1773, “não havia Ermida no lugar de Campo Belo”. Portanto, a Igreja Velha Matriz não fora construída em 1720, conforme a história oral. Catarina Maria de Jesus, conhecida como Catarina Parreira, recebeu a “Sesmaria das Águas Claras” (Águas Claras, Água Limpa e provavelmente deu origem ao nome de Aguanil), sediada na margem direita do Ribeirão do Bugre, hoje Comunidade dos Parreiras, conforme documento da Coroa Portuguesa, datado de 1784, tendo, a Senhora Catarina, por seu conhecimento e habilidade política, além da crença Cristã Católica, participado ativamente da vida do então Povoado do Ribeirão São João (primeiro nome de Campo Belo), especialmente da continuidade da construção da Igreja do Senhor Bom Jesus do Matosinhos, trabalho para o qual, dona Catarina Parreira dispensou sua influência, seus escravos, tendo ainda, contratado Francisco Gorgônio de Meneses, discípulo do Mestre Aleijadinho,[14] para a montagem do Altar-Mor, afrescos e colocação do sino que viera da Europa.

Segundo a história oral, o nome de Campo Belo foi dado pelo Capitão-Mor Romão Fagundes do Amaral que havia recebido a Sesmaria do Campo Grande, hoje Município de Perdões, cujas terras se estendiam até onde está o Município de Cristais, e quando de sua passagem por aqui, em trabalho de inspeção de sua Sesmaria é que teria exclamado “QUE BELO CAMPO!” e, um de seus acompanhantes teria acrescentado, “Que Campo Belo!”. O Arraial do Ribeirão São João fora elevado à categoria de Distrito pelo Alvará Régio de 24 de setembro de 1818. A Lei Imperial n° 373 de 9 de outubro de 1848 elevou o Distrito à categoria de Vila, porém, a Lei n° 472 de 31 de maio de 1850 revogou a lei 373 e a Vila retornou à situação de Arraial. Vinte e seis anos depois, a Lei Provincial Nº 2.221 de 13 de junho de 1876, recompôs a categoria de Vila, aí já com o nome de Campo Belo, porém, a falta de entendimentos para a definição dos nomes que comporiam a Câmara, adiou em três anos o processo que somente, com a posse da 1.ª Câmara de Vereadores (Intendência) presidida pelo Agente Administrativo, Francisco Rodrigues Neves(Comendador), a Vila foi finalmente implantada, em 28 de setembro de 1879, sendo que passava a integrar à Freguesia do Senhor Bom Jesus de Campo Belo, o Distrito de Paz de São Sebastião do Porto dos Mendes, que fora criado pela Lei n° 1198 de 9 de agosto de 1864 que até então pertencia ao Município de Dores da Boa Esperança.

Em 7 de janeiro de 1881, a Lei n° 2661 integrava na Vila de Campo Belo, as freguesias de Cristais, Cana Verde, Candeias e Santana do Jacaré, quando o território do Município somou 2007 km². Apenas cinco anos depois de se tornar Vila e, graças a um eficiente trabalho do Padre Ulisses Furtado de Sousa (mais tarde, Cônego Ulisses), que ocupava o cargo de Deputado Provincial, auxiliado por um grupo de Campo–belenses, foi sancionada a Lei Provincial n° 3.196 de 23 de setembro de 1884, pelo Presidente da Província, Olegário Herculano d’Aquino e Castro, elevando a Vila à condição de cidade. Presidia a Câmara o Sr. Modesto Moreira Ribeiro, primeiro Agente Administrativo de Campo Belo.

Em 11 de janeiro de 1924 o Distrito de Cana Verde passou a pertencer ao Município de Perdões; em 17 de dezembro de 1938 Candeias se tornava independente de Campo Belo; em 1 de janeiro de 1949 Cristais, em 12 de dezembro de 1953, Santana do Jacaré, por último, em 1 de março de 1963 Aguanil, que fora Povoado e Distrito, com nome de Água Limpa, também se tornou independente de Campo Belo. A primeira comemoração em homenagem à Cidade se deu em 28 de setembro de 1935, esta data ficou definida como o “Dia da Cidade”, era Prefeito (primeiro) de Campo Belo, o Sr. Antônio de Bastos Garcia, como Chefe do Executivo, pois, ele já ocupara o cargo de Presidente da Câmara, isto é, de Agente Administrativo de 1927 a 1930. Não se observou a data da Lei que elevou a Vila do Senhor Bom Jesus de Campo Belo à condição de Cidade e sim a data da Vila o que na prática deixou a cidade cinco anos mais velha.

As sete primeiras Sesmarias efetivamente nas terras do hoje Município de Campo Belo, foram distribuídas entre os anos de 1770 e 1777. A primeira, Sesmaria do Ribeirão São, em favor de José Gomes de Aguiar e em seguida as sesmarias para Domingos Vásquez Garcia, Manoel Jorge, Tomás José de Araújo, Antonio Lemes Silva, Manoel Alves da Silva e Antonio Vilela Frasão, deste último, ainda se conserva o nome de “Frasão” numa comunidade rural e a forte indicação de que teria sido por sua influência a vinda de Catarina Parreira, em 1784. Antonio Vilela Frasão e Catarina Parreira (que recebera a 8ª sesmaria) eram da Aplicação de Santa Cruz do Salto, hoje Congonhas, havendo indícios de uma forte ligação entre eles, anterior à morte um tanto misteriosa de José Martins Parreira, marido de Catarina, provavelmente em 1779.

Portanto, as primeiras famílias de brancos a habitar Campo Belo, teriam sido: “Amaral, Jorge, Araújo, Silva, Alves, Vilela, Gomes, Garcia, Frasão, Domingos e Parreira”.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma altitude de 945 metros e tem uma área de 526,75 km². De acordo com a estimativa do IBGE, sua população em julho de 2015 era de 54 076 habitantes.[4] (densidade demográfica: 102,66hab/km²). Está situada no entroncamento entre duas rodovias federais (BR-354 e BR-369), estando a 30 km da Rodovia Fernão Dias.

Altitude[editar | editar código-fonte]

  • Máxima = 1146m Pico da Jacutinga / Serra da Ema
  • Mínima = 790m Rio Jacaré/Represa de Furnas
  • Da Sede = 820m

Clima[editar | editar código-fonte]

Campo Belo apresenta uma temperatura média de 20,5 °C e um índice pluviométrico anual médio de 1406 mm. Ao longo do ano o valor médio da precipitação oscila entre 14 mm em agosto e 271 mm em dezembro. A temperatura, por sua vez, varia de 9,9 °C em junho a 28,8 °C em janeiro.[15]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Bacia hidrográfica do rio Grande
  • Principais rios: rio Jacaré, ribeirão São João

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Praticamente esgotada, foi transformada em pastagem. Existem hoje apenas algumas reservas florestais, restringindo-se a alguns capões e restingas.

Solo[editar | editar código-fonte]

  • Sílico-argiloso.

Topografia[editar | editar código-fonte]

  • Plano : 10%
  • Ondulado : 55%
  • Montanhoso: 35℅

Vias de acesso[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • BR-354, BR-369 e BR-381
  • A BR-381 pode ser acessada em três pontos: Perdões (30 km), Santo Antônio do Amparo (50 km) e Oliveira (63 km)

Ferrovias[editar | editar código-fonte]

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

  • Pista asfaltada com 1420m de comprimento.
  • Sem iluminação noturna.
  • 1 hangar com capacidade para 2 monomotores.
  • utilização pública
  • O Aeroporto no WikiMapia

Indicadores sociais e demográficos[editar | editar código-fonte]

(dados do censo de 2000)

  • Densidade demográfica (hab./km²): 91,96
  • Mortalidade infantil (por mil nascidos): 19,57
  • Expectativa de vida: 73,4 anos
  • Taxa de alfabetização (pessoas com 15 anos ou mais): 88,18%
  • Acesso a saneamento básico: 98,17%
  • Domicílios com energia elétrica: 99,58%
  • Taxa de fecundidade: 1,99%

(Número médio de filhos que uma mulher teria ao terminar o período reprodutivo)

  • idh total: 0,776
  • índice de esperança de vida: 0,808
  • índice de educação: 0,830
  • índice de renda: 0,690

(fonte:ipeadata)

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia é variada, Campo Belo vem se destacando nos últimos anos como um polo de indústrias têxteis, contando com várias empresas deste setor. Na agricultura destacam-se café, milho, feijão e o arroz, na pecuária praticamente todos os produtos derivados do gado tem grande expressão tais como o leite (laticínios), carne (frigoríficos) e couro (curtumes).A industria de base e o ramo da mineração são outros segmentos de destaque sendo que este último deve-se à presença de granitos, argilas e calcário. A indústria cerâmica também tem presença importante na economia. O setor de serviços é bastante diversificado, com grandes lojas,redes de eletrodomésticos, panificadoras, colégios e faculdades. Mais informações podem ser encontradas nas páginas da prefeitura do município.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Na área de saúde possui 3 hospitais (incluindo CTI)e a UPA, clínicas, tomografia computadorizada, farmácias e várias unidades do programa saúde da família.

Infra-estrutura[editar | editar código-fonte]

Campo Belo apresenta:

  • O melhor aterro sanitário dentre os municípios próximos ao lago de Furnas, e ainda com coleta seletiva de lixo feita por uma cooperativa;
  • Aeroporto com pista asfaltada;
  • Rodoviária;
  • Diversas praças e quadras públicas.A praça Praça Cônego Ulísses é bastante elogiada pela sua arquitetura, jardinagem e arborização.

Educação e cultura[editar | editar código-fonte]

A educação conta além da rede municipal e estadual, com escolas particulares e duas instituições de ensino superior: A Unifenas:Universidade José do Rosário Vellano e o CEMES - Centro Mineiro do Ensino Superior com cursos que abrangem várias áreas do conhecimento. O município possui uma população instruída o que facilita a implantação de novas empresas pela e pela mão de obra qualificada. Possui uma Fundação Casa da Cultura de Campo Belo, na Praça Rui Barbosa onde há diversos cursos na área da cultura. A Superintendência Regional de Ensino de Campo Belo, situada na entrada do município, abrange doze municípios a ela jurisdicionados. Inaugurada em 2013, a Praça Vereador Antônio Rodrigues de Melo (Praça do Museu) oferece à população amplo espaço para o lazer, além de um museu da cidade. O museu Divino Dias Maciel, criado em 1990, conta com um acervo documental, histórico e artístico do município.

Fotos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. http://mapas.ibge.gov.br/divisao/viewer.htm
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  4. a b «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2015» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 4 de dezembro de 2015 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  7. «História de Campo Belo». www.campobelo.mg.gov.br. Consultado em 1 de maio de 2017 
  8. «Cidade de Cristais Minas Gerais Cidades do meu Brasil». www.cidadesdomeubrasil.com.br. Consultado em 1 de maio de 2017 
  9. «Prefeitura Municipal de Campo Belo-MG - Cidade Montesa». campobelo.mg.gov.br. 2004. Consultado em 24 de junho de 2012. Cópia arquivada em 23 de junho de 2012 
  10. «Sesmarias». InfoEscola 
  11. «Imigração Libanesa no Brasil - História». InfoEscola 
  12. «Libaneses e sírios imprimem identidade árabe a bairros de SP | USP - Universidade de São Paulo». www5.usp.br. Consultado em 1 de maio de 2017 
  13. «Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos | Viagem e Turismo». Viagem e Turismo. 9 de setembro de 2011 
  14. «Conheça um pouco da história do mestre Aleijadinho». Minas Gerais. 18 de novembro de 2014 
  15. «Clima:Campo Belo». Climate-data. Consultado em 25 de novembro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Campo Belo