Itamarati de Minas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Itamarati de Minas
Bandeira indisponível
Brasão de Itamarati de Minas
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Aniversário 1 de Março
Fundação 30 de dezembro de 1962
Gentílico itamaratiense
CEP 36788000
Prefeito(a) Hamilton de Moura Filho (PT)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Itamarati de Minas
Localização de Itamarati de Minas em Minas Gerais
Itamarati de Minas está localizado em: Brasil
Itamarati de Minas
Localização de Itamarati de Minas no Brasil
21° 24' 57" S 42° 49' 04" O21° 24' 57" S 42° 49' 04" O
Unidade federativa Minas Gerais
Mesorregião Zona da Mata IBGE/2008 [1]
Microrregião Cataguases IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Cataguases, Leopoldina, Astolfo Dutra, Dona Eusébia, Descoberto
Distância até a capital 308 km
Características geográficas
Área 118,347 km² [2]
População 4 362 hab. estimativa IBGE/2017[3]
Densidade 36,86 hab./km²
Altitude 200 m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,751 elevado PNUD/2000 [4]
PIB R$ 49 001,651 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 11 683,75 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura http://itamaratideminas.mg.gov.br/home.html
Câmara http://www.camaraitamarati.com.br/

Itamarati de Minas é um município do estado de Minas Gerais, fica situada na zona da mata mineira, faz divisa com Cataguases, Descoberto e Dona Euzébia, no Brasil. Sua população, estimada em 2017 pelo IBGE, era de 4.362 habitantes.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Itamarati" é uma palavra originária da língua geral setentrional: significa "rio das pedras pequenas", pela junção de itá (pedra), mirim (pequeno) e ty (rio).[6]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1891, atendendo aos fazendeiros da região, o governo estadual criou um distrito com sede no Engenho do Bom Sucesso. Assim, próximo ao engenho, foi erguido um povoado que, em 1962, emancipou-se de Cataguases, com o nome de Itamarati de Minas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município localiza-se na Mesorregião da Zona da Mata e dista, por rodovia, 308 km da capital, Belo Horizonte.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Relevo, Clima, Hidrografia[editar | editar código-fonte]

A altitude da sede é de duzentos metros, possuindo, no seu ponto culminante, a altitude de 1 215 metros. O clima é do tipo tropical, com chuvas durante o verão e temperatura média anual em torno de 21 °C, com variações entre quinze graus centígrados (média das mínimas) e 27 °C (média das máximas). (ALMG)

O município faz parte da bacia do rio Paraíba do Sul, sendo banhado pelo Rio Novo, afluente do Rio Pomba, e pelo Ribeirão dos Pires, afluente do Rio Novo.[7]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

População total: 3 791

  • Urbana: 2 804
  • Rural: 987
  • Homens: 1 940
  • Mulheres: 1 851

(Fonte: AMM)

Densidade demográfica (hab./km²): 31,9

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 25,4

Expectativa de vida (anos): 71,1

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,1

Taxa de alfabetização: 83,7%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,751

  • IDH-M Renda: 0,653
  • IDH-M Longevidade: 0,768
  • IDH-M Educação: 0,833

(Fonte: PNUD/2000)

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Estimativa populacional 2017 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 30 de agosto de 2017. Consultado em 18 de janeiro de 2018. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 573.
  7. «Carta do Brasil SF-23-X-D-II-3 Astolfo Dutra» (JPG). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 10 de janeiro de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]