Imbé de Minas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Imbé de Minas
Imbé de Minas vista do alto.jpg

Bandeira de Imbé de Minas
Brasão de Imbé de Minas
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 21 de dezembro
Fundação 21 de dezembro de 1995 (22 anos)
Gentílico imbeense
Prefeito(a) Marcos Antonio do Carmo (DEM)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Imbé de Minas
Localização de Imbé de Minas em Minas Gerais
Imbé de Minas está localizado em: Brasil
Imbé de Minas
Localização de Imbé de Minas no Brasil
19° 35' 49" S 41° 58' 15" O19° 35' 49" S 41° 58' 15" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Vale do Rio Doce IBGE/2008[1]
Microrregião Caratinga IBGE/2014[1]
Municípios limítrofes São Sebastião do Anta, Inhapim, Ubaporanga, Piedade de Caratinga e Caratinga
Distância até a capital 313 km
Características geográficas
Área 199,521 km² [2]
População 6 782 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 33,99 hab./km²
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,673 médio PNUD/2000[4]
PIB R$ 37 962,479 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 5 771,13 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura Portal Imbé de Minas

Imbé de Minas é um município brasileiro do estado de Minas Gerais, localizado na microrregião de Caratinga e na mesorregião do Vale do Rio Doce.[1] Sua população estimada em 2008 era de 6.578 habitantes.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topônimo Imbé é o nome de uma planta conhecida como Cipó-Imbé, Guaimbé e Banana-Imbé.

História[editar | editar código-fonte]

A região onde atualmente se encontra o município de Imbé de Minas foi desbravada pelas famílias de Manoel Joaquim Teodoro, Joaquim Valério, Luiz Carvalho Veríssimo, Augusto da Silva e outros, responsáveis pela fundação da vila “Patrimônio das Umbaúbas” no território da fazenda pertencente a Joaquim Camilo[6]. A partir dessa vila inicial, e após 1889, os habitantes realizaram a abertura das matas, construíram um cemitério, uma capela e uma escola. Anos depois uma nova igreja seria fundada, em homenagem a Senhora Santana.

Em 1906 a vila foi oficialmente renomeada para “Santana do Imbé”.

Tido como uma das figuras mais importantes para a história do município, Manoel Joaquim Teodoro e seus familiares se apossaram de grande parte das terras da região, tornando-se a família mais poderosa de Santana de Imbé entre os anos de 1910 a 1930.

No início do século XX, a região era quase inabitada, de difícil acesso e carente de infraestrutura. Essa situação seria alterada, ainda que temporariamente, pela chegada de Joaquim Cândido da Silva. Habitante do Rio de Janeiro, Joaquim foi convidado por Manoel Teodoro para atuar como seu funcionário, e parece ter conquistado prestígio diante do patrão, que lhe concedeu a mão de duas de suas filhas para o casamento. A primeira esposa faleceu durante o parto, levando o viúvo a contrair segundas núpcias com a cunhada e também filha de Manoel Teodoro.

Joaquim Cândido ascendeu na região, conquistando grande capital econômico e político, se tornando também uma figura importante para o desenvolvimento de Santana do Imbé. Contribuiu para a construção de obras de infraestrutura, como a pequena usina para produção de energia elétrica, utilizada para a iluminação noturna e para alimentar o funcionamento de uma máquina de beneficiamento de grãos de café, e cujo material, importado da Europa, chegou à vila em carros de boi. Ele colaborou também na construção do teatro, do cinema e dos postos telefônicos da região, além de ser responsável pela formação do primeiro time de futebol local.

O pequeno arraial começava a crescer, conquistando tecnologias das grandes cidades e superando em alguns aspectos as regiões vizinhas, como Caratinga e Inhapim. Não muito diferente de outras vilas em fase de desenvolvimento da época, a maioria de suas casas era de pau-a-pique, e as famílias criavam seus animais soltos pelas ruas, que ainda não eram calçadas. O desenvolvimento da região sofreu um revés com o assassinato de Joaquim Cândido da Silva, episódio no qual os oposicionistas, além de matar Joaquim e alguns de seus aliados, teriam saqueado o comércio e os fazendeiros de Santana do Imbé, levando sacas de café e gado.

Apesar do impacto negativo do acontecimento, em 1939, a vila, então distrito de Caratinga, contava com infraestrutura relativamente estável e foi rebatizada para Vila do Imbé.

Em 1995, através da Lei Estadual nº 12.030 de 21 de Dezembro[7], o distrito foi emancipado de Caratinga e rebatizado, enquanto município, para Imbé de Minas.

Símbolos municipais[editar | editar código-fonte]

Bandeira do município e o Brasão[8] foram criados pelo artista caratinguense Célio Hott e oficializado em 1997 pelo então prefeito.

A Padroeira de Imbé[editar | editar código-fonte]

Santa Ana estepa.jpg

Manoel Joaquim Teodoro, ao fundar o pequeno arraial de Santana de Imbé, deu a esse lugar um forte e firme devoção popular que todo ano pode ser vivida e sentida no mês de julho, mês que a cidade se enche de alegria e jubilo para celebrar a festa de sua Padroeira a "Senhora Santana".

Deus encheu de dons a "Senhora Santana" pois ela juntamente com o seu esposo São Joaquim na história da Salvação colaboraram ao se tornarem os agentes para gerar a obra-prima da graça divina que foi Maria Santíssima. Sant'Ana recebe um culto especial entre os santos, pois colaborou com o plano de Deus ao educar sua Filha, na obra do Espírito Santo, para fazer frutificar os dons maravilhosos postos por Ele na alma da futura Mãe do Senhor. Foi no seu ventre que Deus predestinou Maria a tornar-se a Mãe do seu Filho, salvação dos pecadores. Ao louvar Sant'Ana nos o povo de Imbé de Minas coloca sob a sua proteção e se confiam a ela , como modelo para as suas vidas.

A Festa de Sant'Ana  tem um sentido muito especial para o município de Imbé, em particular para os mais devotos, pois é a padroeira, sendo comemorado durante toda semana que antecede  até  dia 26/07, com muita fé, festividades religiosas e programação social, recebendo pessoas de toda região e a oportunidade de reencontro dos filhos e familiares da terra que vivem fora e que vem renovar seus laços afetivos com a terra natal.  Sendo Padroeira da cidade, este louvor de Sant'Ana é mais do que a festa de uma paróquia, mas deve reunir todos os seus filhos em uma grande celebração de fé e gratidão por Ela, que intercede por nós perante Cristo.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município faz parte da microrregião de Caratinga fazendo limite de divisa com São Sebastião do Anta, Inhapim, Ubaporanga, Piedade de Caratinga e Caratinga, esta localizado na mesorregião do Vale do Rio Doce.

Referências

  1. a b c «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2014». Censo Populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 1 de julho de 2014. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. IBGE. «Histórico Imbé de Minas - IBGE». IBGE. Consultado em 5 de junho de 2018. 
  7. «Lei 12. 030 de 21/12/1995». www.almg.gov.br. Consultado em 5 de junho de 2018. 
  8. Célio Hott (1997). «Símbolos Municipais.». Portal Imbé de Minas. 
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.