Pirapetinga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o rio de mesmo nome, veja Rio Pirapetinga.
Município de Pirapetinga
Pirapetinga

Pirapetinga
Bandeira de Pirapetinga
Brasão de Pirapetinga
Bandeira Brasão
[[1]]
Aniversário 17 de dezembro
Fundação 1938 (79 anos)
Gentílico pirapetinguense
Prefeito(a) Enoghalliton de Abreu Arruda (PRB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Pirapetinga
Localização de Pirapetinga em Minas Gerais
Pirapetinga está localizado em: Brasil
Pirapetinga
Localização de Pirapetinga no Brasil
21° 39' 21" S 42° 20' 45" O21° 39' 21" S 42° 20' 45" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Zona da Mata IBGE/2008 [1]
Microrregião Cataguases IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Leopoldina, Recreio, Estrela Dalva, Palma,Santo Antônio de Pádua
Distância até a capital 379 km
Características geográficas
Área 192,230 km² [2]
População 10 364 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 53,91 hab./km²
Altitude 160 m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,759 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 180 636,043 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 17 060,45 IBGE/2008[5]
Página oficial

Pirapetinga é um município do estado de Minas Gerais, no Brasil. Sua população estimada em 1 de Julho de 2007 era de 10 687 habitantes (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município localiza-se na Mesorregião da Zona da Mata mineira, junto à divisa com o Estado do Rio de Janeiro. A cidade dista por rodovia 379 quilômetros da capital Belo Horizonte. Coordenadas: 23° 38' 22 latitude sul e 42° 20' 42 longitude oeste. Possui área de 192,23 quilômetros quadrados, na qual estão incluídos a sede e dois distritos: Valão Quente e Caiapó.

Relevo, clima, hidrografia[editar | editar código-fonte]

A altitude da sede é de 160 metros, e o ponto culminante do município é a Pedra Bonita, com 797 metros de altitude. O clima é do tipo tropical com chuvas durante o verão e temperatura média anual em torno de 23,5 graus Celsius, com variações entre 18°C (média das mínimas) e 31°C (média das máximas).[6]

O município integra a bacia do rio Paraíba do Sul, sendo banhado pelo Rio Pirapetinga, afluente do Paraíba do Sul.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População Total: 10 364

  • Urbana: 9 102
  • Rural: 1 262
  • Homens: 5 105
  • Mulheres: 5 259

(Fonte: IBGE)

Densidade demográfica (hab./km²): 51,8

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 25,4

Expectativa de vida (anos): 71,1

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,2

Taxa de Alfabetização: 83,8%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,759

  • IDH-M Renda: 0,681
  • IDH-M Longevidade: 0,768
  • IDH-M Educação: 0,827

(Fonte: PNUD/2000)

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Pirapetinga" deriva do tupi antigo pirápitinga, que significa "peixes pintados" (pirá, "peixes" + piting, "pintados" + a, sufixo nominal).[7] Em alusão à etimologia, o brasão da cidade apresenta, como um de seus elementos, um peixe pintado.

História[editar | editar código-fonte]

Supõe-se que os primeiros habitantes da região onde localiza-se hoje Pirapetinga foram os índios puris. A colonização de origem europeia da área onde hoje se encontra Pirapetinga iniciou-se em 1850 com a chegada de dona Ana Luíza de Assis Silveira, viúva de Manoel João da Silveira, que tomou posse, através de herança deixada pelo seu marido, de parte das terras que formavam a antiga Sesmaria Solidão. Estas posses iam dos contrafortes da Serra Bonita (no Estado do Rio de Janeiro) às terras além do Rio Pirapetinga. À margem oposta do rio Pirapetinga, dona Ana Luíza fixou moradia, mandando construir, em seguida, uma capela dedicada a Santa Ana, onde foi rezada a primeira missa por ocasião de seu aniversário.

Pouco depois, formou-se um núcleo de doze casas próximo à sua residência chamado depois de Sant'Anna do Pirapetinga, onde vieram morar alguns dos seus familiares. Em 1860, chegaram os primeiros posseiros que requereram sesmarias, entre os quais o alferes Gabriel Ferreira de Souza e Antônio Vieira de Souza, que adquiriram terras na Fazenda do Engenho, montando a primeira máquina de beneficiar arroz e café e a primeira serraria. Durante todo o século XIX, a economia da zona da mata mineira girou em torno da produção de café, movida por mão de obra escrava.[8] Mais tarde, uma das herdeiras de Antônio Vieira, dona Pulcena, doou um terreno para a construção da Estrada de Ferro Leopoldina. Nesta época, o então Arraial de Sant'Anna do Pirapetinga deu impulso ao seu desenvolvimento com a instalação de um ramal da estrada de ferro, provocando o surgimento de um grande movimento comercial no arraial, concentrando, inclusive, atividades comerciais das localidades adjacentes.

Em função disto, em 1864, Sant'Anna do Pirapetinga foi elevado à condição de distrito do município de Leopoldina. Em 1877, houve uma tentativa frustrada, por questões políticas, de promover a emancipação do distrito. Tempos depois, com a construção de vários ramais ferroviários às cidades vizinhas, Sant'Anna do Pirapetinga deixou de ser o centro comercial e de escoamento da produção, tendo, então, o seu progresso quase que paralisado. O transporte ferroviário entrou definitivamente em declínio com a construção da Rodovia RJ-24, que absorveu, praticamente, toda a demanda produtiva da região a qual esta servia. Em 1938, pelo Decreto-Lei nº 148 de 17 de dezembro, Sant'Anna do Pirapetinga foi elevado à condição de município com a denominação de Pirapetinga. Em 1949, houve a criação do distrito de Caiapó, por ocasião da revisão governamental para o quinquênio 1949/1953. Em 1993, pela Lei Municipal nº 845 de 21 de maio, foi criado o distrito de Valão Quente, também pertencente ao município de Pirapetinga.[9]

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Pirapetinga

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. [http://www.almg.gov.br/index.asp?grupo=estado&diretorio=munmg&arquivo=municipios&municipio=51107.
  7. a b NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 594.
  8. Um História Regional: a Zona da Mata Mineira (1870-1906). Disponível em http://www.asminasgerais.com.br/zona%20da%20mata/univlercidades/hist%C3%B3ria/textos/texto4.htm. Acesso em 18 de dezembro de 2015.
  9. Cidades do meu Brasil. Disponível em http://www.cidadesdomeubrasil.com.br/MG/pirapetinga. Acesso em 17 de dezembro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]