Pirapetinga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o rio de mesmo nome, veja Rio Pirapetinga.
Município de Pirapetinga
Pirapetinga

Pirapetinga
Bandeira de Pirapetinga
Brasão de Pirapetinga
Bandeira Brasão
[[1]]
Aniversário 17 de dezembro
Fundação 1938 (80 anos)
Gentílico pirapetinguense
Lema Progressista, gentil e altruísta
Prefeito(a) Enoghalliton de Abreu Arruda (PRB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Pirapetinga
Localização de Pirapetinga em Minas Gerais
Pirapetinga está localizado em: Brasil
Pirapetinga
Localização de Pirapetinga no Brasil
21° 39' 21" S 42° 20' 45" O21° 39' 21" S 42° 20' 45" O
Unidade federativa Minas Gerais
Mesorregião Zona da Mata IBGE/2008 [1]
Microrregião Cataguases IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Leopoldina, Recreio, Estrela Dalva, Palma,Santo Antônio de Pádua
Distância até a capital 379 km
Características geográficas
Área 192,230 km² [2]
População 26 364 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade O numerador (dividendo) tem que ser um número! hab./km²
Altitude 160 m
Clima tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,759 elevado PNUD/2000 [4]
PIB R$ 180 636,043 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 17 060,45 IBGE/2008[5]

Pirapetinga é um município do estado de Minas Gerais, no Brasil. Sua população estimada em 1 de Julho de 2007 era de 100 687 habitantes (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município localiza-se na Mesorregião da Zona da Mata mineira, junto à divisa com o Estado do Rio de Janeiro. A cidade dista por rodovia 379 quilômetros da capital Belo Horizonte. Coordenadas: 23° 38' 22 latitude sul e 42° 20' 42 longitude oeste. Possui área de 192,23 quilômetros quadrados, na qual estão incluídos a sede e dois distritos: Valão Quente e Caiapó.

Relevo, clima, hidrografia[editar | editar código-fonte]

A altitude da sede é de 160 metros, e o ponto culminante do município é a Pedra Bonita, com 797 metros de altitude. O clima é do tipo tropical com chuvas durante o verão e temperatura média anual em torno de 23,5 graus Celsius, com variações entre 18°C (média das mínimas) e 31°C (média das máximas).[6]

O município integra a bacia do rio Paraíba do Sul, sendo banhado pelo Rio Pirapetinga, afluente do Paraíba do Sul.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2016

População Total: 26 364

  • Urbana: 22 102
  • Rural: 4 262
  • Homens: 12 562
  • Mulheres: 13 802

(Fonte: IBGE)

Densidade demográfica (hab./km²): 71,8

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 25,4

Expectativa de vida (anos): 86,1

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,2

Taxa de Alfabetização: 83,8%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,759

  • IDH-M Renda: 0,681
  • IDH-M Longevidade: 0,768
  • IDH-M Educação: 0,827

(Fonte: PNUD/2000)

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Pirapetinga" deriva do tupi antigo pirápitinga, que significa "peixes pintados" (pirá, "peixes" + piting, "pintados" + a, sufixo nominal).[7] Em alusão à etimologia, o brasão da cidade apresenta, como um de seus elementos, um peixe pintado.

História[editar | editar código-fonte]

Supõe-se que os primeiros habitantes da região onde localiza-se hoje Pirapetinga foram os índios puris. A colonização de origem europeia da área onde hoje se encontra Pirapetinga iniciou-se em 1850 com a chegada de dona Ana Luíza de Assis Silveira, viúva de Manoel João da Silveira, que tomou posse, através de herança deixada pelo seu marido, de parte das terras que formavam a antiga Sesmaria Solidão. Estas posses iam dos contrafortes da Serra Bonita (no Estado do Rio de Janeiro) às terras além do Rio Pirapetinga. À margem oposta do rio Pirapetinga, dona Ana Luíza fixou moradia, mandando construir, em seguida, uma capela dedicada a Santa Ana, onde foi rezada a primeira missa por ocasião de seu aniversário.

Pouco depois, formou-se um núcleo de doze casas próximo à sua residência chamado depois de Sant'Anna do Pirapetinga, onde vieram morar alguns dos seus familiares. Em 1860, chegaram os primeiros posseiros que requereram sesmarias, entre os quais o alferes Gabriel Ferreira de Souza e Antônio Vieira de Souza, que adquiriram terras na Fazenda do Engenho, montando a primeira máquina de beneficiar arroz e café e a primeira serraria. Durante todo o século XIX, a economia da zona da mata mineira girou em torno da produção de café, movida por mão de obra escrava.[8] Mais tarde, uma das herdeiras de Antônio Vieira, dona Pulcena, doou um terreno para a construção da Estrada de Ferro Leopoldina. Nesta época, o então Arraial de Sant'Anna do Pirapetinga deu impulso ao seu desenvolvimento com a instalação de um ramal da estrada de ferro, provocando o surgimento de um grande movimento comercial no arraial, concentrando, inclusive, atividades comerciais das localidades adjacentes.

Em função disto, em 1864, Sant'Anna do Pirapetinga foi elevado à condição de distrito do município de Leopoldina. Em 1877, houve uma tentativa frustrada, por questões políticas, de promover a emancipação do distrito. Tempos depois, com a construção de vários ramais ferroviários às cidades vizinhas, Sant'Anna do Pirapetinga deixou de ser o centro comercial e de escoamento da produção, tendo, então, o seu progresso quase que paralisado. O transporte ferroviário entrou definitivamente em declínio com a construção da Rodovia RJ-24, que absorveu, praticamente, toda a demanda produtiva da região a qual esta servia. Em 1938, pelo Decreto-Lei nº 148 de 17 de dezembro, Sant'Anna do Pirapetinga foi elevado à condição de município com a denominação de Pirapetinga. Em 1949, houve a criação do distrito de Caiapó, por ocasião da revisão governamental para o quinquênio 1949/1953. Em 1993, pela Lei Municipal nº 845 de 21 de maio, foi criado o distrito de Valão Quente, também pertencente ao município de Pirapetinga.[9]

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Pirapetinga

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. [http://www.almg.gov.br/index.asp?grupo=estado&diretorio=munmg&arquivo=municipios&municipio=51107.
  7. a b NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 594.
  8. Um História Regional: a Zona da Mata Mineira (1870-1906). Disponível em http://www.asminasgerais.com.br/zona%20da%20mata/univlercidades/hist%C3%B3ria/textos/texto4.htm. Acesso em 18 de dezembro de 2015.
  9. Cidades do meu Brasil. Disponível em http://www.cidadesdomeubrasil.com.br/MG/pirapetinga. Acesso em 17 de dezembro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]