Francisco Badaró

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Francisco Badaró
Bandeira de Francisco Badaró
Brasão de Francisco Badaró
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 30 de dezembro de 1962
Gentílico badarosense[1]
Prefeito(a) Adelino Pinheiro de Sousa (PDT)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Francisco Badaró
Localização de Francisco Badaró em Minas Gerais
Francisco Badaró está localizado em: Brasil
Francisco Badaró
Localização de Francisco Badaró no Brasil
16° 59' 34" S 42° 21' 07" O16° 59' 34" S 42° 21' 07" O
Unidade federativa Minas Gerais
Mesorregião Jequitinhonha IBGE/2008[2]
Microrregião Capelinha IBGE/2008[2]
Municípios limítrofes Virgem da Lapa, Araçuaí, Jenipapo de Minas, Chapada do Norte e Berilo
Distância até a capital 723 km[3]
Características geográficas
Área 463,777 km² [4]
População 10 244 hab. Censo IBGE/2010[5]
Densidade 22,09 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,646 médio PNUD/2000[6]
PIB R$ 32 710,485 mil IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 3 090,27 IBGE/2008[7]

Francisco Badaró é um município brasileiro do estado de Minas Gerais.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1948 a Vila de Nossa Senhora da Conceição de Sucuriú passou a se chamar Francisco Badaró, em homenagem ao Dr. Francisco Duarte Coelho Badaró, ex-ministro plenipotenciário que se instalou em Minas Novas (Vila do Fanado), nomeado que foi, com o advento da República, para o importante cargo de Juiz de Fora dessa Comarca, tendo ele se unido, pelos laços do interesse político e do matrimônio, com a Sinhazinha Nogueira (filha do morubixaba ZÉ BENTÃO, dando início à tradicional família que dominou, à moda dos coronéis, todo o vasto e atrasado município de Minas Novas, do qual a Vila de Sucuriu, depois de mais de meio século, viria se apartar para se transformar em pujante célula da exaurida região fanadeira.

Foi assim que, em 30 de dezembro de 1962, depois de muita luta nesse sentido,liderada por Pe. Emiliano Gomes Pereira, ocorreu a tão sonhada emancipação político–administrativa, firmando-se como novo município em 1 de março de 1963, quando oficialmente foi denominado de Francisco Badaró, em substituição ao sugestivo e original topônimo de Sucuriú (que se relacionava à ocorrência de uma cobra inofensiva, mas de porte volumoso –cobra grossa, no idioma tupi-guarani- animal que era abundante nas águas que banhavam a Vila).

O povo Badaroense cultiva, ainda hoje, muitos costumes sefarditas, africanos e indígenas e manifestações folclóricas recebidas dos antepassados. Tais manifestações persistem na alma popular e fazem dessa hospitaleira cidade uma das mais graciosas comunidades do interior de Minas, onde são preservadas as tradições de respeito ao trabalho, às artes e ofícios, ao acatamento das orientações das pessoas mais idosas, da valorização da família e do fervor religioso de seus habitantes.

A cidade fica no Vale do Jequitinhonha, nordeste de Minas Gerais, apresentando um conjunto de belezas - no seu casario, sítios naturais e na simplicidade de sua gente - que nos remetem às vilas encantadas da era mineradora. A história do município se engrandece com as referências de ilustres cidadãos que muito contribuíram para a boa formação de seu povo, devendo ser enaltecidas as figuras do Cônego Figueiró, do Monsenhor Bernardino, do Maestro José Sebastião de Oliveira, do Sr. Arlindo Vieira Borges e do Cel. Firmino Honorato, Cel. José Marques, Prof. João Cândido, Mestra Amália, etc.

A economia local se apoia na produção agropecuária de subsistência, sendo o artesanato do algodão, o beneficiamento de cereais e dos derivados do leite, principalmente o tradicional requeijão moreno, a fonte garantidora da existência honrada da laboriosa população desse histórico município brasileiro.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Sua população em 2010 era de 10.248 habitantes.

Sua população estimada em 2014 era de 10.546 habitantes.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • O município é cortado pela LMG-676 que dá acesso as cidades de Berilo Acesso a BR 367 e a MG-114, Araçuaí e Jenipapo de Minas

Administração[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

A cidade reúne uma grande quantidade de filhos da terra e turistas, no 3º domingo de julho, para a realização da Festa de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Sucuriú (Festa religiosa em homenagem a Nossa Senhora do Rosário).

Referências

  1. «IBGE Cidades@». O Brasil Município por Municipio. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 19 de agosto de 2009. Arquivado do original em 30 de abril de 2012 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. «distancias-bhmunicipios». Distâncias BH/Municípios. Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER/MG). Consultado em 19 de agosto de 2009. Arquivado do original em 21 de agosto de 2009 
  4. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  5. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  7. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.