Campo do Meio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Campo do Meio
"Cã do Meio"
Bandeira de Campo do Meio
Brasão indisponível
Bandeira Brasão indisponível
Hino
Aniversário 27 de dezembro
Fundação 1 de Janeiro de 1948
Gentílico campo-meiense
Prefeito(a) Robson Machado de Sá (PSDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Campo do Meio
Localização de Campo do Meio em Minas Gerais
Campo do Meio está localizado em: Brasil
Campo do Meio
Localização de Campo do Meio no Brasil
21° 06' 25" S 45° 49' 48" O21° 06' 25" S 45° 49' 48" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Sul/Sudoeste de Minas IBGE/2008[1]
Microrregião Varginha IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Boa Esperança, Carmo do Rio Claro, Alfenas, Campos Gerais
Distância até a capital 315 km
Características geográficas
Área 273,830 km² [2]
População 11 518 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 42,06 hab./km²
Altitude 774 m
Clima Tropical de altitude
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,683 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 79 503,984 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 6 714,86 IBGE/2008[5]
Página oficial

Campo do Meio é um município brasileiro do estado de Minas Gerais.

História[editar | editar código-fonte]

A região do sul de Minas teve parte de seu território desbravado pelas incursões das “bandeiras” paulistas ou por ocupação determinadas por ordens governamentais ou motivos religiosos.

Quanto a Campo do Meio, tanto Bernardo Saturnino da Veiga[6] como o historiador campanhense, Monsenhor Lefort,[7] informam que a localidade surgiu na metade do século XIX, crescendo em torno de uma fazenda pertencente a Antônio Rodrigues de Figueiredo, filho de João Rodrigues de Figueiredo e de Felícia Cândida de Figueiredo, membros da família Figueiredo, que desde o século XVIII morava naquela região, principalmente em Boa Esperança, donde foi fundador o Capitão-Mor José Álvares de Figueiredo. Monsenhor Lefort informa que "nessa fazenda desabou, um dia, impiedoso furacão que fez verdadeira miséria, segundo podemos verificar numa publicação do século passado (século XIX). Era o dia 19 de maio de 1877, quando os ventos desencadeados e impelidos por um estranho furor se arremessaram, ocupando uma área de quatrocentos a quinhentos metros sobre a habitação do Capitão José Epifânio de Figueiredo, filho do estimado Antônio Rodrigues (de Figueiredo), e aí desenvolveram a obra de destruição de maneira horrível. Em meio a um horrendo turbilhão de nuvens, que se acumularam pavarosamente, o furacão arrastava tudo quanto encontrava, parecendo querer extinguir , delocando, arrebatando, confundindo e depedaçando tudo que achava adiante de si. Árvores, cercas, fortemente construídas, telhados embocados solidamente, tudo voou, como leves penas, não se livrando até mesmo as criaturas , que tiveram também que fazer ascensão forçada, arrebatadas pelo furacão …". Foi uma verdadeira calamidade, de prejuízos enormes. Pouco depois, ainda no século XIX, foi erguida, por devoção da família Figueiredo, uma capela dedicada a Nossa Senhora Aparecida, em torno da qual foram se plantando algumas casas, que deu origem à comunidade.

Em 1906, partes das terras daquela antiga fazenda, já então dividida, foram doadas para formar o patrimônio de um arraial, pelos Senhores Mário Álvares de Azevedo, Julio Machado, José Benedito da Rocha, Antônio Marques do Nascimento, Persiliano Marques e outros tidos como primeiros moradores do arraial. A 1 de setembro de 1925, foi dirigido um abaixo-assinado a Dom João de Almeida Ferrão, primeiro bispo da Campanha solicitando a criação de uma paróquia no lugar que, até então, era filial de Boa Esperança. Devido à falta de sacerdotes, aquele bispo não criou a paróquia, o que seria feito somente pelo decreto de 11 de maio de 1938, de Dom Frei Inocêncio Engelke OFM, que nomeou primeiro pároco o Padre Francisco de Assis Araújo. Com o crescimento da população, a capela se tornou pequena para o número de fieis. Então, em 1929, foi erigida a nova igreja, que veio a ser a matriz da Paróquia de Nossa Senhora Aparecida, às espensas dos paroquianos, especialmente, do Tenente-Coronel Manuel Alves de Azevedo, português que veio para o Brasil, em 1871 e, somente em 1896, transferiu-se para as terras do Campo do Meio.

A construção da nova igreja foi realizada sob a supervisão de Monsehor José Lourenço Leite, pároco de Boa Esperança, a quem pertencia a jurisdição eclesiástica do território. Com a construção da nova igreja, o orago da antiga capela passou a ser o mártir São Sebastião.

Políticamente, em 7 de setembro de 1923, Campo do Meio foi elevado a distrito do Município de Campos Gerais, donde foi desmembrado e elevado a Município em 27 de dezembro de 1948.

A parte mais baixa de Campo do Meio era banhada pelos ribeirões Sapé, Taboão e Aguas Verdes. Com a instalação da Hidrelétrica de Furnas as águas do Rio Grande aumentaram seu volume e seus afluentes espalharam-se nas baixadas, o que deu ao município um imenso lago, cinco vezes maior do que a lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte.

Campo do Meio tem como um dos seus principais atrativos turísticos o entorno do Lago de Furnas. No entanto, a cidade é beneficiada pela natureza, pois muitas são as cachoeiras e trilhas entre Matas e Cerrados que podem ser visitadas durante todo o ano. Pode-se destacar também, uma levação montanhosa conhecida popularmente na cidade como Serrinha cujo cume esta a cerca de 1000 metros de altitude, de seu cume é possível observar toda a cidade e grande parte de sua zona Rural. O clima da cidade é ameno com todas as estações do ano bem definidas, favorecendo assim o turismo durante todo o ano. A cidade destaca-se ainda pelas grandes festas organizadas durante todo o ano. Dentre as festas realizadas no município, a da padroeira, Nossa Senhora Aparecida, é a de maior destaque e sendo realizada no mês de agosto. Neste mesmo mês também é realizada a Festa do Peão, esta festa é considerada uma das maiores festividades da cultura sertaneja da região, com presença garantida dos maiores nomes da música popular brasileira. O Carnaval de Campo do Meio também merece destaque, pois se realiza as margens do Lago de Furnas onde todos os cidadãos e turistas podem usufruir de uma estrutura festiva e turistica de reconhecido padrão de qualidade. umas das melhores cidades do brasil.

História do nome Campo do Meio[editar | editar código-fonte]

O topônimo teve sua origem no fato de haver vários campos com nomes diversos: Campos Gerais, Campo da Flores, Campo Redondo e Campo Alegre. O nome foi dado aquele em que se implantou a povoação devido à sua posição central em relação aos demais.

Gentílico[editar | editar código-fonte]

Campo-meiense (Fonte: Dicionário Aurélio)

Principais Pontos Turísticos[editar | editar código-fonte]

Atrativos Naturais[editar | editar código-fonte]

A parte mais baixa de Campo do Meio era banhada pelos ribeirões Sapê, Taboão e Águas Verdes. Com a instalação da barragem de Furnas as águas do rio Grande aumentaram seu volume e seus afluentes espalharam-se nas baixadas, o que deu ao município um imenso lago, cinco vezes maior do que a lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte.

Campo do Meio tem como atrativos turísticos o porto lacustre e o lago de Furnas. Dentre as festas realizadas no município, a da padroeira, Nossa Senhora Aparecida, festa do Padre Chico dentre outras.

Geografia[editar | editar código-fonte]

  • Localização: Sul de Minas
  • Área: 273,8 Km2
  • Altitude máxima - 1.083m acima do nível do mar, na Serra Santa Catarina (Serrinha do Amargoso)
  • Altitude Média - 780m - Represa Furnas e ponto central da cidade
  • Bairros rurais - 10
  • Ruas - 110
  • Praças - 8

Distâncias[editar | editar código-fonte]

  • São Paulo ............. 365 km
  • Belo Horizonte ......... 315 km
  • Rio de Janeiro ........ 540 km
  • Brasília ............... 1.035 km

Relevo[editar | editar código-fonte]

Topografia %

  • Plano: 70
  • Ondulado: 20
  • Montanhoso: 10

Solo[editar | editar código-fonte]

Predominante é o tipo “Lê-Latossolo Vermelho Escuro” com textura argilosa.

Fontes: Instituto de Geociências Aplicadas (IGA – CETEC) Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima da cidade é ameno com todas as estações do ano bem definidas, favorecendo assim o turismo durante todo o ano.

  • Índice médio pluviométrico anual: 1592,7 mm
  • Média anual: 19,6 C
  • Média máxima anual: 26,9 C
  • Média mínima anual: 14,3 C

Recursos Hídricos[editar | editar código-fonte]

  • Bacia hidrográfica do Rio Grande - Termina no lago de Furnas, cuja nascente é na Serra da Mantiqueira em Bocaina de Minas e percorre 1.300 km até encontrar o rio Paranaíba, formando o rio Paraná.

Principais rios e córregos

Bacias

Água Potável

  • Extraída de lençóis subterrâneos

Fontes: Instituto de Geociências Aplicadas - IGA - Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Sistema viário[editar | editar código-fonte]

  • Principais rodovias que servem de acesso a Belo Horizonte:

BR-381,

  • Principais rodovias que servem ao município:

BR-265, BR-369

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

Fonte: Wikipia.org

Economia[editar | editar código-fonte]

Atividades Econômicas[editar | editar código-fonte]

Principais empresas industriais classificadas segundo o número de empregados

Confecção de artigos de vestuário e acessórios:

Fabricação de produtos texteis:

Fonte: Cadastro de Empresas do IBGE - CEMPRE Obs.: Inclui apenas empresas com 10 ou mais empregados

Agropecuária[editar | editar código-fonte]

Principais Produtos Agrícolas 2003

Produto Área colhida (ha) Produção (t) Rendimento médio (kg/ha)
Alho 5 20 4.000,00
Arroz em casca sequeiro 100 120 1.200,00
Arroz em casca varzea umida 70 119 1.700,00
Banana (2) 2 24 12.000,00
Cana-de-acucar 100 6.000 60.000,00
Cafe 4.350 2.088 480,00
Feijao (1a.safra) 150 108 720,00
Feijao (2a.safra) 170 68 400,00
Feijao (3a.safra) 120 252 2.100,00
Laranja (1) 5 31 6.200,00
Mandioca 4 60 15.000,00
Milho 4.200 21.000 5.000,00
Tomate (de mesa) 35 2.100 60.000,00
Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)
(1) Produção em mil frutos e rendimento em frutos/ha
(2) Produção em mil cachos e rendimento em cachos/ha

Pecuária[editar | editar código-fonte]

Principais Efetivos - 2003
ESPECIFICAÇÃO No. DE CABEÇAS
ASININOS(ASNOS) 12
BOVINOS 3.430
EQUINOS 318
GALINACEOS 6.120
MUARES(MULAS) 28
SUINOS 750

Fonte: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Produto Interno Bruto (PIB) a preços correntes[editar | editar código-fonte]

ANO AGROPECUÀRIO INDUSTRIA SERVIÇO TOTAL
1998 15.207 2.221 18.167 35.595
1999 10.528 2.862 16.874 30.264
2000 12.554 3.179 18.930 34.663
2001 8.540 3.089 19.891 31.520
2002 10.087 3.292 20.601 33.980
Fontes: Fundação João Pinheiro (FJP)
Centro de Estatística e Informações (CEI)

Ecossistema[editar | editar código-fonte]

Fauna[editar | editar código-fonte]

Abriga diversas espécies de aves conhecidas como:

Mamíferos silvestres como:

Flora[editar | editar código-fonte]

Floresta do tipo Estacional Semidecidual e Ombrófila Mista. Espécies que ocorrem nesta vegetação:

Educação[editar | editar código-fonte]

Campo do Meio conta com duas escolas estaduais e sete escolas municipais dos anos iniciais do ensino fundamental e Especiais.

Escolas estaduais
  • Padre Chico
  • Dr. José Mesquita Netto
Escolas municipais
  • Carmem Rocha Peres - Localizada no Bairro São José
  • Maria da Conceição Vilela - Localizada no Bairro Vila Nova
  • São Tarcísio - Localizada no Centro
  • Eliza Rabelo de Mesquita - Localizada no Bairro Santana
  • João Silvério Marques - localizada na Comunidade Rural do Amargoso
  • José Rodrigues de Oliveira - Localizada no Bairro Santana
  • APAE - Localizada no Bairro J.K.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Hospital(is): 1

Leito(s): 26 leito(s)

Ambulância(s): 3

Emergência/ Pronto Atendimento: 1

Postos de Saúde: 1

Programa Saúde da Família: 5

Fonte: SUS - Ministério da Saúde

Religiosidade[editar | editar código-fonte]

5 Igrejas Católicas

  • Igreja de Nª. Sra. Aparecida - Matriz
  • Igreja de São Judas Tadeu - Vila Nova
  • Igreja do Martir São Sebastião
  • Igreja do Rosário
  • Igreja de Santa Catarina - Mata Santa Catarina

8 Capelas


  • Pedra Branca (1)
  • Jatobá (1)
  • Tapixé-Chaves (1)
  • Limeira (1)
  • Sta Terezinha(1)
  • Amargoso (2)
  • Morro Grande (1)

Campo-meiense ilustre[editar | editar código-fonte]

Diego Elias, Músico e professor.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking IDHM Municípios 2010». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2013. Consultado em 15 de junho de 2015 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. Almanak Sul-Mineiro de 1884, pag. 168.
  7. A Diocese da Campanha - Imprensa Oficial de Minas - 1993 - pag. 81-83.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Lago de Furnas
Aguanil | Alfenas | Alpinópolis | Alterosa | Areado | Boa Esperança | Cabo Verde | Camacho | Campo Belo | Campo do Meio | Campos Gerais | Cana Verde | Candeias | Capitólio | Carmo do Rio Claro | Coqueiral | Cristais | Divisa Nova | Elói Mendes | Fama | Formiga | Guapé | Ilicínea | Itapecerica | Lavras | Nepomuceno | Paraguaçu | Perdões | Pimenta | Ribeirão Vermelho | São João Batista do Glória | São José da Barra | Três Pontas | Varginha
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.