Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Santana do Riacho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Santana do Riacho
Vista parcial de Santana do Riacho

Vista parcial de Santana do Riacho
Brasão de Santana do Riacho
Brasão
Hino
Aniversário 1 de março de 1963 (54 anos)
Fundação 30 de dezembro de 1962
Gentílico riachense
Prefeito(a) André Ferreira Torres (PTB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Santana do Riacho
Localização de Santana do Riacho em Minas Gerais
Santana do Riacho está localizado em: Brasil
Santana do Riacho
Localização de Santana do Riacho no Brasil
19° 10' 08" S 43° 42' 50" O19° 10' 08" S 43° 42' 50" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte IBGE/2008[1]
Microrregião Sete Lagoas IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Nordeste e norte: Congonhas do Norte;
Noroeste: Santana de Pirapama;
Oeste: Baldim;
Sudoeste e sul: Jaboticatubas;
Sudeste: Itambé do Mato Dentro;
Leste: Conceição do Mato Dentro e Morro do Pilar.
Distância até a capital 110 km
Características geográficas
Área 676,760 km² [2]
Distritos Sede e Serra do Cipó
População 4 211 hab. estatísticas IBGE/2013[3]
Densidade 6,22 hab./km²
Altitude 750 m
Clima tropical mesotérmico brando semiúmido Cwb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,665 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 25 493 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 6 336,70 IBGE/2010[6]
Página oficial

Santana do Riacho é um município brasileiro no interior do estado de Minas Gerais, Região Sudeste do país. Pertence à Mesorregião Metropolitana de Belo Horizonte e Microrregião de Sete Lagoas e localiza-se a norte da capital do estado, distando desta cerca de 100 km.[7] Ocupa uma área de 676,76 km², sendo que 0,36 km² estão em perímetro urbano,[8] e sua população em 2013 era de 4 211 habitantes, sendo então o 699º mais populoso do estado mineiro.[3]

A sede tem uma temperatura média anual de 21,9°C[9] e na vegetação do município predominam os campos rupestres, o cerrado e a mata atlântica.[10] Com 57% da população vivendo na zona urbana,[11] a cidade contava, em 2009, com três estabelecimentos de saúde.[12] O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,655, considerando como médio em relação ao estado.[4]

O povoamento do lugar teve início no decorrer do século XVIII, com a extração de minerais, atividade econômica que, juntamente com a agricultura, foi a responsável pelo crescimento demográfico observado até o século XX.[13] Estando a cidade situada entre as serras do Cipó e do Espinhaço, o turismo ecológico passou a ser mais explorado a partir da década de 1950, vindo a ser emancipada em 1962 e instalada em 1º de março de 1963.[13][14]

No município estão várias trilhas, morros e montanhas propícios a escaladas, cânions, cachoeiras e piscinas naturais de águas cristalinas, além de uma grande variedade de espécies animais e principalmente vegetais, sendo que o distrito da Serra do Cipó é uma das principais portas de entrada do Parque Nacional da Serra do Cipó, criado em 1972 com objetivo de preservar a biodiversidade local e os atrativos naturais existentes.[15][16]

História[editar | editar código-fonte]

Os primórdios do atual município de Santana do Riacho remontam ao período colonial brasileiro, quando chega à região um bandeirante, que parou para descansar próximo a um riacho (surgindo então o primeiro nome do lugar, Riacho Fundo). Ao explorar o local, o bandeirante entra em contato com a população indígena local, incluindo uma índia e uma pequena menina perdidas, a quem acolheu. A índia veio a falecer pouco tempo depois e a criança continuou a ser cuidada pelo bandeirante, sendo que quando crescida ambos tiveram vários filhos cujos descendentes deram procedimento ao povoamento da região.[13]

A exploração da região, no entanto, tem seu início em maio de 1744, quando a posse do lugar, denominado Fazenda Riacho Fundo e pertencente à Comarca de Serro Frio, foi dada ao Sargento-mor Antônio Ferreira de Aguiar e Sá.[13] A região se expandia economicamente devido a agricultura.[17] Em 27 de outubro de 1759 inaugura-se a capela local, criando-se pela lei provincial nº 1355, de 6 de novembro de 1866, o distrito de Santo Antônio do Riacho Fundo, pertencente a Conceição do Mato Dentro;[17] segundo a prefeitura, o distrito teria sido criado ainda no século XVIII, pertencente a Conceição do Mato Dentro, sendo extinto em 17 de março de 1836, com território anexado a Morro do Pilar e recriado em 15 de abril de 1844.[13]

Pela lei estadual nº 319, de 16 de setembro de 1901, o distrito passa a pertencer a Santa Luzia do Rio das Velhas (atual município de Santa Luzia), passando a denominar-se simplesmente Riacho Fundo pela lei estadual nº 843, de 7 de setembro de 1923. Pela lei estadual nº 148, de 17 de dezembro de 1938, Riacho Fundo passa a pertencer ao município de Jaboticatubas, criado sob o mesmo decreto, sendo elevado à categoria de município pela lei estadual nº 2764, de 30 de dezembro de 1962. A instalação oficial veio a ocorrer em 1º de março de 1963, sendo constituído do Distrito-Sede e Cardeal Mota (que passou a denominar-se Serra do Cipó em maio de 2003).[13][17][18] O nome recebido pelo município remonta ao riacho frequentado pelo bandeirante que estava a explorar o local e à padroeira municipal, Santa Ana.[13][17]

Na década de 1970 é criado o Parque Nacional da Serra do Cipó, com objetivo de proteger a fauna, a flora e os bens naturais pertencentes à Serra do Cipó, com área total de área de 33 800 hectares e englobando, além de Santana do Riacho, os municípios de Jaboticatubas, Morro do Pilar e Itambé do Mato Dentro.[10] O turismo, presente desde a década de 1950, passou a representar uma das principais fontes de renda, com a construção de dezenas de estabelecimentos comerciais, hotéis, pousadas, áreas de camping estruturadas e propriedades rurais.[14][18]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A área do município, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é de 676,76 km², sendo que 0,3682 km² constituem a zona urbana e os 676,39 km² restantes constituem a zona rural.[8] Situa-se a 19°10'08" de latitude sul e 43°42'52" de longitude oeste e está a uma distância de 93 quilômetros a norte da capital mineira. Seus municípios limítrofes são Congonhas do Norte, a nordeste e norte; Santana de Pirapama, a noroeste; Baldim, a oeste; Jaboticatubas, a sudoeste e sul; Itambé do Mato Dentro, a sudeste; e e Conceição do Mato Dentro e Morro do Pilar, a leste.[7]

Relevo e hidrografia[editar | editar código-fonte]

Vista aérea da Cachoeira Grande, situada no curso do Rio Cipó.

O relevo do município de Santana do Riacho é predominantemente montanhoso, estando situado na Serra do Cipó, a sul da Serra do Espinhaço. Aproximadamente 60 % do território riachense é coberto por mares de morros em terrenos montanhosos, enquanto em cerca de 20 % há o predomínio de áreas onduladas, e os 20 % restantes são lugares planos.[7] A altitude máxima encontra-se na Serra do Espinhaço,[7] onde o Pico do Breu chega aos 1 687 metros, próximo ao povoado de Lapinha da Serra,[19] enquanto que a altitude mínima está na foz do Rio das Pedras, com 723 metros. Já o ponto central da cidade está a 750 m.[7]

O território é banhado por vários pequenos rios e córregos, sendo os principais o Rio Cipó e o Rio Parauninha, fazendo parte da Bacia do São Francisco.[7][20] As águas nascentes nas montanhas das serras do Cipó e do Espinhaço vertem para o Rio das Velhas, afluente do Rio São Francisco. O Rio Cipó é considerado como o maior em volume de água, nascendo na Serra do Cipó e banhando o distrito da Serra do Cipó (antigo Cardeal Mota), possuindo ao longo de seu curso cachoeiras e trechos propícios a banhos.[16]

Clima[editar | editar código-fonte]

Estação meteorológica no Parque Nacional da Serra do Cipó.

O clima riachense é caracterizado, segundo o IBGE, como tropical mesotérmico brando semiúmido (tipo Cwb segundo Köppen),[21] tendo temperatura média anual de 21,9 °C com invernos secos e frios e verões quentes e chuvosos.[22][23] O mês mais quente, fevereiro, tem temperatura média de 23,8 °C, sendo a média máxima de 29,4 °C e a mínima de 18,2 °C. E o mês mais frio, julho, de 18,7 °C, sendo 26,3 °C e 11,2 °C as médias máxima e mínima, respectivamente. Outono e primavera são estações de transição.[9]

A precipitação média anual é de 1 524,3 mm, sendo agosto o mês mais seco, quando ocorrem apenas 7 mm. Em dezembro, o mês mais chuvoso, a média fica em 358,5 mm.[9] Nos últimos anos, entretanto, os dias quentes e secos durante o inverno têm sido cada vez mais frequentes, não raro ultrapassando a marca dos 28 °C, especialmente entre julho e setembro. Em julho de 1998, por exemplo, a precipitação de chuva em Santana do Riacho não passou dos 0 mm.[24] Durante a época das secas e em longos veranicos em pleno período chuvoso também são comuns registros de queimadas em morros, matagais ou mesmo em áreas protegidas da Serra do Cipó, o que contribui com o desmatamento e com o lançamento de poluentes na atmosfera, prejudicando ainda a qualidade do ar, sendo que entre 6 e 13 de outubro de 2012 o Parque Nacional da Serra do Cipó registrou o maior incêndio de sua história, que consumiu 6,2 mil hectares da vegetação.[25]

Ecologia e meio ambiente[editar | editar código-fonte]

Uma sempre-viva na Serra do Cipó.

Parte da área do município é englobada pelo Parque Nacional da Serra do Cipó, criado em 1972 com objetivo de proteger a fauna, a flora e os bens naturais pertencentes à Serra do Cipó,[10] atraindo a construção de vários estabelecimentos comerciais, hotéis, pousadas, áreas de camping estruturadas e propriedades rurais.[14][16] O complexo da Serra do Cipó abrange ainda a área de proteção ambiental (APA) da Pedreira, situada no distrito da Serra do Cipó, que possui 130 mil hectares. Ambas as áreas de proteção fazem parte da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço, que contém três complexos vegetacionais: campos rupestres (84% da área total), cerrado (8%) e mata atlântica (8%).[10][16]

As áreas de conservação possuem uma grande variedade de espécies animais e vegetais, tendo uma das maiores biodiversidades do mundo. A fauna, apesar de vasta, é pouco conhecida, destacando-se a presença do lobo-guará, cachorro-vinagre, tamanduá-bandeira, veado-campeiro, onça-parda, gato-maracajá, sagui, jaguatirica, sanhaço, sapo-de-pijama e rã-diurna.[18] Já na flora relevam-se: pau-pombo, a copaíba, o limãozinho, as quaresmeiras, os crótons e as samambaiaçus, nas áreas de mata atlântica; as canelas-de-ema (velósias gigantes), sempre-vivas, bromélias e cactos, além de várias espécies de orquídeas, nos campos rupestres; e murici, o pau-terra, as quaresmeiras e os ipês, no cerrado.[10]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1970 4 179
1980 3 191 -23,6%
1991 3 404 6,7%
2000 3 739 9,8%
2010 4 023 7,6%
Fonte: Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística
(IBGE)[26]

Em 2010, a população do município foi contada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 4 023 habitantes.[11] Segundo o censo daquele ano, 2 017 habitantes eram homens e 2 006 habitantes mulheres. Ainda segundo o mesmo censo, 2 279 habitantes viviam na zona urbana e 1 744 na zona rural.[11] Já segundo estatísticas divulgadas em 2013, a população municipal era de 4 211 habitantes, sendo o 699º mais populoso do estado.[3]

Em 2010, segundo dados do censo do IBGE daquele ano, a população riachense era composta por 1 171 brancos (29,11%); 276 negros (6,86%); 140 amarelos (3,48%); e 2 431 pardos (60,43%) e cinco indígenas (0,12%).[27] Considerando-se a região de nascimento, 16 eram nascidos na Região Nordeste (0,41%), três eram nascidos na Região Norte (0,08%), 3 984 no Sudeste (99,04%) e quatro no Sul (0,11%). 3 963 habitantes eram naturais do estado de Minas Gerais (98,52%) e, desse total, 2 897 eram nascidos em Santana do Riacho (72,01%).[28] Entre os 60 naturais de outras unidades da federação, o Rio de Janeiro era o estado com maior presença, com 12 pessoas (0,3%), seguido por São Paulo, com cinco residentes (0,12%), e pelo Paraná, com quatro habitantes residentes no município (0,11%).[29]

Fachada da Igreja Matriz de Santa Ana.

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Santana do Riacho é considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sendo que seu valor é de 0,665 (o 2776º maior do Brasil). A cidade possui a maioria dos indicadores próximos em relação à média nacional segundo o PNUD. Considerando-se apenas o índice de educação o valor é de 0,551, o valor do índice de longevidade é de 0,834 e o de renda é de 0,641.[4] Segundo o IBGE, no ano de 2003 o coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social, era de 0,39, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor.[30] Naquele ano, a incidência da pobreza, medida pelo IBGE, era de 42,79%, o limite inferior da incidência de pobreza era de 31,98%, o superior era de 53,61% e a incidência da pobreza subjetiva era de 44,52%.[30]

De acordo com dados do censo de 2010 realizado pelo IBGE, a população de Santana do Riacho está composta por: 3 324 católicos (82,62%), 501 evangélicos (12,47%), 139 pessoas sem religião (3,46%), nove espíritas (0,23%) e 0,72% estão divididas entre outras religiões.[31]

Política e administração[editar | editar código-fonte]

A administração municipal se dá pelo poder executivo e pelo poder legislativo.[32] Atualmente (2013) o prefeito municipal e representante do poder executivo é André Ferreira Torres, do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), que venceu as eleições municipais de 2012 com 2 127 votos (50,97% dos eleitores).[33] Já o poder legislativo é constituído pela câmara, composta por nove vereadores eleitos para mandatos de quatro anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição[34]) e está composta por três cadeiras do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), duas cadeiras do Partido Democrático Trabalhista (PDT), duas cadeiras do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), uma cadeira do Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB) e uma do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento participativo (Lei de Diretrizes Orçamentárias).[35]

Apesar de não ser sede de uma comarca, o município pertence à Comarca de Jaboticatubas, classificada de primeira entrância, que reúne, além de Santana do Riacho, o município vizinho de Jaboticatubas e foi instalada em 20 de janeiro de 1956.[36][37] Havia 4 793 eleitores em julho de 2013, o que representava 0,032% do total do estado de Minas Gerais,[38] possuindo mais eleitores que habitantes devido a grande quantidade de eleitores que não moram no município, mas possuem vínculo com a cidade.[39]

Economia[editar | editar código-fonte]

O Produto Interno Bruto (PIB) de Santana do Riacho é um dos maiores de sua microrregião,[40] destacando-se na área de prestação de serviços. De acordo com dados do IBGE, relativos a 2010, o PIB do município era de R$ 25 493 mil.[40] 1 161 mil eram de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.[40] O PIB per capita é de R$ 6 336,70[40] Em 2011 havia 689 trabalhadores categorizados como pessoal ocupado total e 483 se enquadravam como ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 5 464 mil reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,6 salários mínimos. Havia 170 unidades locais e 169 empresas atuantes.[41]

Setor primário
Produção de cana-de-açúcar, mandioca e milho (2011)[42]
Produto Área colhida (hectares) Produção (tonelada)
Cana-de-açúcar 120 5 040
Mandioca 50 500
Milho 60 120

A agricultura é o segundo setor mais relevante na economia de Santana do Riacho. Em 2010, de todo o PIB da cidade, 3 037 mil reais era o valor adicionado bruto da agropecuária.[40] Segundo o IBGE, em 2011 o município possuía um rebanho de 4 372 bovinos, 450 equinos, 220 muares, 780 suínos, 20 caprinos, 15 ovinos, cinco asininos e 8 900 aves, entre estas 3 900 galinhas e 5 mil galos, frangos e pintinhos.[43] Em 2011 a cidade produziu 1 500 mil litros de leite de 1 300 vacas, 50 mil dúzias de ovos de galinha e 400 quilos de mel de abelha.[43]

Na lavoura temporária são produzidos principalmente a cana-de-açúcar (5 040 toneladas produzidas e 120 hectares cultivados), a mandioca (500 toneladas e 50 hectares) e o milho (120 toneladas e 60 hectares), além do alho, amendoim, arroz, feijão e sorgo.[42] Já na lavoura permanente destacam-se o abacate, banana, goiaba, laranja, manga e tangerina.[44]

Setores secundário e terciário
O distrito da Serra do Cipó (imagem) concentra uma grande quantidade de pousadas e hotéis.

A indústria, em 2010, era o setor menos relevante para a economia do município. 3 007 reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto da indústria (setor secundário).[40] A produção industrial ainda é incipiente na cidade, mesmo que comece a dar sinais de aprimoramento, sendo resumida principalmente à mineração e extração de pedras preciosas, como o mármore.[13] A exploração dos minerais na região está presente desde o final do século XVIII, quando afixaram-se ao lugar os primeiros habitantes, sendo um dos fatores para o crescimento populacional naquela época.[13][45] Segundo estatísticas do ano de 2000, 245 pessoas estavam ocupadas no setor industrial.[7]

O movimento comercial riachense tem se expandido desde o início da década de 1950. Era um sinal visível do crescimento econômico, da modernização e, consequentemente, do progresso da cidade, apesar da lentidão com que se desenvolveu. O comércio da cidade foi beneficiado ainda pelo fato de Santana do Riacho ter se tornado uma cidade turística, sendo que em períodos de festas ou na alta temporada o movimento comercial é maior em comparação a outras épocas do ano.[13][14][16] Há no município, em especial no distrito da Serra do Cipó, onde situa-se a principal porta de entrada do Parque Nacional da Serra do Cipó, uma grande concentração de estabelecimentos comerciais, hotéis, pousadas, restaurantes e áreas de camping.[14][16] Em 2000 88 pessoas estavam ocupadas no setor comercial e 671 dedicavam-se à prestação de serviços[7] e em 2010 18 287 reais do PIB municipal eram do valor adicionado bruto do setor terciário.[40]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Habitação e serviços básicos[editar | editar código-fonte]

Árvores na Serra do Cipó.

No ano de 2010 a cidade tinha 1 287 domicílios particulares permanentes. Desse total, 1 282 eram casas, um era casa de vila ou condomínio e dois eram habitações em casas de cômodo ou cortiços. Do total de domicílios, 1 048 são imóveis próprios (1 047 já quitados e um em aquisição); 127 foram alugados; 110 foram cedidos (60 cedidos por empregador e 50 cedidos de outra forma) e dois foram ocupados de outra maneira.[46] Parte dessas residências contava com água tratada, energia elétrica, esgoto, limpeza urbana, telefonia fixa e telefonia celular. 869 domicílios eram atendidos pela rede geral de abastecimento de água (67,57% do total); 1 269 (98,61%) possuíam banheiros para uso exclusivo das residências; 921 (71,56% deles) eram atendidos por algum tipo de serviço de coleta de lixo; e 1 278 (99,3%) possuíam abastecimento de energia elétrica.[46]

A responsável pelo serviço é a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Segundo a empresa, em 2003 havia 1 414 consumidores e foram consumidos 2 456 396 KWh de energia.[7] Já o serviço de coleta de esgoto e abastecimento de água da cidade é feito pela prefeitura, segundo dados da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa),[7] sendo que em 2008 havia 1 450 unidades consumidoras e eram distribuídos em média 1 010 m³ de água tratada por dia.[47]

Saúde e educação[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o município possuía três estabelecimentos de saúde entre hospitais, pronto-socorros, postos de saúde e serviços odontológicos, sendo ambos públicos, pertencentes à rede municipal e integrantes do Sistema Único de Saúde (SUS).[12] Em 2012, todas as crianças menores de 1 ano estavam com a carteira de vacinação em dia.[48] Em 2011 foram registrados 28 nascidos,[49] sendo que o índice de mortalidade infantil neste ano foi nulo.[48] Em 2010, 19,9% do total de mulheres grávidas eram de meninas que tinham menos de 20 anos.[50] 691 crianças pesadas pelo Programa Saúde da Família, sendo que nenhuma estava desnutrida.[51]

Na área da educação, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) médio entre as escolas públicas de Santana do Riacho era, no ano de 2011, de 4,8 (numa escala de avaliação que vai de nota 1 a 10), sendo que a nota obtida por alunos do 5º ano (antiga 4ª série) foi de 5,2 e do 9º ano (antiga 8ª série) foi de 4,5; o valor das escolas públicas de todo o Brasil era de 4,0.[52] O município contava, em 2012, com aproximadamente 916 matrículas nas instituições de ensino da cidade.[53]

Em 2010, de acordo com dados da amostra do censo demográfico, da população total, 1 087 habitantes frequentavam creches e/ou escolas. Desse total, 12 frequentavam creches, 102 estavam no ensino pré-escolar, 84 na classe de alfabetização, 19 na alfabetização de jovens e adultos, 37 no ensino fundamental, 23 no ensino médio, 37 na educação de jovens e adultos do ensino fundamental, 23 na educação de jovens e adultos do ensino médio e 54 em cursos superiores de graduação. 1 536 pessoas não frequentavam unidades escolares, sendo que 542 nunca haviam frequentado e 2 394 haviam frequentado alguma vez.[54] No mesmo ano, 16,2% das crianças com faixa etária entre sete e quatorze anos não estavam cursando no ensino fundamental. A taxa de conclusão, entre jovens de 15 a 17 anos, era de 55,8% e o percentual de alfabetização de jovens e adolescentes entre 15 e 24 anos era de 98,6%. A distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com com idade superior à recomendada, era de 16,4% para os anos iniciais e 39,5% nos anos finais e, no ensino médio, a defasagem chegava a 32,3%.[52]

Educação de Santana do Riacho em números (2012)[53]
Nível Matrículas Docentes Escolas (total)
Ensino pré-escolar 99 7 3
Ensino fundamental 653 20 4
Ensino médio 164 0 2

Comunicação e criminalidade[editar | editar código-fonte]

O código de área (DDD) de Santana do Riacho é 031[55] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) é 35845-000.[56] No dia 19 de janeiro de 2009 o município passou a ser servido pela portabilidade, juntamente com outros municípios com o mesmo DDD. A portabilidade é um serviço que possibilita a troca da operadora sem a necessidade de se trocar o número do aparelho.[57]

Entre 2006 e 2008, as taxas de homicídios,[58] suicídios[59] e óbitos por acidentes de transito[60] foram nulas em Santana do Riacho. Por força da Constituição Federal do Brasil, o município possui uma Guarda Municipal, que tem função de proteger os bens, serviços e instalações públicas.[61]

Transportes[editar | editar código-fonte]

MG-010 na Serra do Cipó.

A frota municipal no ano de 2012 era de 826 veículos, sendo 338 automóveis, 31 caminhões, 113 caminhonetes, 16 caminhonetas, oito micro-ônibus, 275 motocicletas, 30 motonetas, nove ônibus e seis classificados como outros tipos de veículos.[62] Há duas empresas de ônibus que ligam Santana do Riacho às cidades vizinhas, mantendo linhas diárias entre Belo Horizonte e municípios como Conceição do Mato Dentro, Jaboticatubas e Serro que passam pela cidade, sendo elas a Viação Saritur e a Viação Serro.[63][64]

O município é atendido pela MG-010, que inicia-se na capital mineira, passando por cidades como Lagoa Santa, Vespasiano, Jaboticatubas, Conceição do Mato Dentro, Serro, Santo Antônio do Itambé e Serra Azul de Minas, até terminar em Rio Vermelho, sendo a principal ligação entre a Microrregião de Conceição do Mato Dentro e a Região Metropolitana de Belo Horizonte.[7][65] A rodovia passou por obras estruturais após a reforma do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte-Confins, visando facilitar o acesso à RMBH.[66] Todo o trecho que corta Santana do Riacho conta com pavimentação asfáltica, porém ainda há trechos não asfaltados em outros municípios.[7][65]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Manifestações culturais[editar | editar código-fonte]

Igreja Matriz de Santa Ana e a praça da matriz, onde realiza-se a festa de Santa Ana, padroeira municipal.

Para estimular o desenvolvimento socioeconômico local, a prefeitura de Santana do Riacho, juntamente ou não com instituições locais, passou a investir mais no segmento de festas e eventos. Os principais eventos são o Carnaval, organizado em fevereiro ou março, com desfiles dos blocos formados por famílias da cidade, marchinhas e shows com bandas regionais;[67] a festa de Santa Ana, celebrada na semana de seu dia, 26 de julho, com shows musicais, barracas com comidas típicas, shows pirotécnicos e missas em homenagem à padroeira do município;[68] as festas juninas, entre junho e julho, que são realizadas realizada anualmente e em algumas edições atraem centenas de pessoas durante os dias dos eventos, sendo umas das mais conhecidas da região e contando com shows com bandas locais;[69][70] e a festa de Santa Terezinha, em outubro.[71]

O artesanato também é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural riachense . Há associações que reúnem artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em feiras, exposições ou lojas de artesanato.[72] Segundo o IBGE, as principais atividades artesanais desenvolvidas em Santana do Riacho são o bordado, trabalhos com couro e construção de produtos envolvendo materiais recicláveis.[73]

Instituições e atrativos[editar | editar código-fonte]

Cachoeira do Tomé, na Serra do Cipó.

A chamada Secretaria de Educação e Cultura é o órgão em complementação ao processo legislativo que versa o setor cultural do município.[74] Há um conselho municipal de cultura, criado em 2007 e de caráter consultivo, deliberativo e fiscalizador,[75] e legislação municipal de proteção ao patrimônio cultural.[76] Dentre os espaços culturais, destaca-se a existência uma biblioteca pública mantida pelo poder público municipal e um estádio ou ginásio poliesportivo, segundo o IBGE em 2005 e 2012.[77][78] Também há presença de grupos de manifestações tradicionais populares, grupos musicais, corais e blocos carnavalescos, de acordo com o IBGE em 2012.[79]

Dentre os atrativos, destacam-se as atrações naturais da Serra do Cipó e da Serra do Espinhaço. O povoado Lapinha da Serra, originado no século XVIII, é bastante procurado devido as suas cachoeiras e para a prática de esportes de aventura. O Pico do Breu, com 1 687 metros, é uma das atrações, sendo o ponto mais elevado do município. Também há as cachoeiras do Rapel e Paraíso; da Conversa e Jurutu; do Lageado; do Soberbo, onde houve extração de diamantes, e a do Bicame, sendo esta em propriedade particular.[80]

No distrito da Serra do Cipó situa-se a principal porta de entrada do Parque Nacional da Serra do Cipó, onde há trilhas, morros e montanhas propícios a escaladas, cânions, cachoeiras e piscinas naturais de águas cristalinas, sendo as principais quedas d'água as cachoeiras do Sobrado de Cima, Andorinhas, Gavião, Congonhas, Tombador e Travessão.[15] Também há uma grande variedade de espécies animais e principalmente vegetais no interior do parque.[10][16] Por ser uma cidade turística, há uma grande quantidade de hotéis, pousadas, restaurantes e áreas de camping na cidade, principalmente no distrito.[15]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Em Santana do Riacho há dois feriados municipais e oito feriados nacionais, além dos pontos facultativos. Os feriados municipais são o dia do aniversário da cidade, comemorado em 1º de março; e o dia de Santa Ana, padroeira municipal, celebrado em 26 de julho.[81][17] De acordo com a lei federal nº 9.093, aprovada em 12 de setembro de 1995, os municípios podem ter no máximo quatro feriados municipais com âmbito religioso, já incluída a Sexta-Feira Santa.[82][83]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais (1º de julho de 2008). «Divisão Territorial do Brasil». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 11 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011 
  3. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2013). «Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data em 1º de julho de 2013» (PDF). Consultado em 1º de setembro de 2013. Cópia arquivada em 1º de setembro de 2013 
  4. a b c Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 14 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013 
  5. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2010 » PIB a preços correntes » Comparação entre os Municípios: Minas Gerais». Consultado em 22 de julho de 2013. Cópia arquivada em 22 de julho de 2013 
  6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2010 » PIB a preços correntes » Comparação entre os Municípios: Minas Gerais». Consultado em 22 de julho de 2013. Cópia arquivada em 22 de julho de 2013 
  7. a b c d e f g h i j k l Cidades.Net. «Santana do Riacho - MG». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  8. a b Embrapa Monitoramento por Satélite. «Minas Gerais». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 6 de maio de 2011 
  9. a b c d Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). «Climatologia de Santana do Riacho - MG». Jornal do Tempo. Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  10. a b c d e f Serra do Cipó. «Parque Nacional». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  11. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). «Censo 2010 - Minas Gerais» (PDF). Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2011 
  12. a b Cidades@ - IBGE (2009). «Serviços de Saúde 2009». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  13. a b c d e f g h i j Prefeitura. «História do Município». Consultado em 14 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2013 
  14. a b c d e Serra do Cipó. «Serra do Cipó». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  15. a b c Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. «Parque Nacional da Serra do Cipó». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  16. a b c d e f g Montanhas do Espinhaço (31 de julho de 2010). «Serra do Cipó». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  17. a b c d e Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Santana do Riacho - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 14 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2013 
  18. a b c Descubra Minas. «Parque Nacional da Serra do Cipó». Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  19. Serra do Espinhaço. «Lapinha da Serra». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  20. Instituto de Geociências Aplicadas (2006). «Santana do Riacho - Mapa municipal 2006». Prefeitura. Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  21. World Map of the Köppen-Geiger climate classification. «World Map of the Köppen-Geiger climate classification». Institute for Veterinary Public Health. Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 24 de abril de 2011 
  22. Portal Brasil (6 de janeiro de 2010). «Clima». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2011 
  23. Biblioteca IBGE. «Brasil - Climas». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2011 
  24. Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM). «Chuvas - Médias Diárias – 07/1998». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  25. João Henrique do Vale (13 de outubro de 2012). «Chuva ajuda a controlar o pior incêndio do Parque Nacional da Serra do Cipó». Estado de Minas. Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  26. Sistema IBGE de Recuperação de Dados Automática (Sidra) (2010). «Tabela 200 - População residente por sexo, situação e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  27. Sidra (Sistema IBGE de Recuperação de Dados Automática) (2000). «População de Santana do Riacho por raça e cor». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  28. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  29. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  30. a b Cidades@ - IBGE. «Indicadores sociais dos municípios brasileiros». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  31. Sistema IBGE de Recuperação Automática (Sidra) (2010). «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  32. Flávio Henrique M. Lima (8 de fevereiro de 2006). «O Poder Público Municipal à frente da obrigação constitucional de criação do sistema de controle interno». JusVi. Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012 
  33. Eleições 2012 (7 de outubro de 2012). «Candidatos a Prefeito Santana do Riacho/MG». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  34. DJI. «Constituição Federal - CF - 1988 / Art. 29». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 6 de maio de 2012 
  35. Eleições 2012 (7 de outubro de 2012). «Candidatos a Vereador Santana do Riacho/MG». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  36. Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). «0346 Jabuticatubas». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  37. Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) (21 de julho de 2013). «Relação das Comarcas» (PDF). Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  38. Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (12 de abril de 2013). «Consulta Quantitativo». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  39. Jornal Vale do Aço (9 de dezembro de 2010). «Minas: 28 cidades tem mais eleitores que habitantes». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  40. a b c d e f g Cidades@ - IBGE (2010). «Produto Interno Bruto dos Municípios». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  41. Cidades@ - IBGE (2011). «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  42. a b Cidades@ - IBGE (2011). «Lavoura Temporária 2010». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  43. a b Cidades@ - IBGE (2010). «Pecuária 2010». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  44. Cidades@ - IBGE (2011). «Lavoura Permanente 2011». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  45. Metabase. «Base Territorial». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  46. a b Cidades@ - IBGE (2010). «Censo Demográfico 2010: Características da População e dos Domicílios: Resultados do Universo». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  47. Cidades@ - IBGE (2008). «Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - 2008». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  48. a b Portal ODM (2010). «4 - reduzir a mortalidade infantil». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  49. Portal ODM (2010). «Perfil municipal». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  50. Portal ODM (2010). «5 - melhorar a saúde das gestantes». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  51. Portal ODM (2010). «1 - acabar com a fome e a miséria». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  52. a b Portal ODM (2010). «2 - educação básica de qualidade para todos». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  53. a b Cidades@ - IBGE (2012). «Ensino, matrículas, docentes e rede escolar 2009». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  54. Cidades@ - IBGE (2010). «Censo Demográfico 2010: Resultados da Amostra - Educação». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  55. DDD Cidade. «DDD». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de julho de 2012 
  56. Correios. «CEP de cidades brasileiras». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  57. De Fato (3 de janeiro de 2009). «Portabilidade chega ao DDD 31 no próximo dia 19». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  58. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 15 de agosto de 2013 
  59. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 15 de agosto de 2013 
  60. Sangari (2011). «Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais» (xls). Consultado em 15 de agosto de 2013 
  61. Presidência da República (1988). «Constituição da República Federativa do Brasil de 1988». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  62. Cidades@ - IBGE (2012). «Frota 2010». Consultado em 15 de agosto de 2013 
  63. Clube dos Aventureiros. «Guia de Trilhas da Serra do Cipó». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  64. Montanha.bio.br (9 de julho de 2006). «Travessia Lapinha – Tabuleiro». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  65. a b Google Maps. Acessado em 15 de agosto de 2013.
  66. R7.com (19 de dezembro de 2012). «Secretário garante início de obras de emergência no Anel Rodoviário em 2013». Consultado em 15 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2013 
  67. Secretaria de Turismo de Minas Gerais (8 de fevereiro de 2013). «Carnaval em Santana do Riacho». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  68. Secretaria de Turismo de Minas Gerais (26 de julho de 2013). «Festa de Santana do Riacho». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  69. Secretaria de Turismo de Minas Gerais (26 de julho de 2013). «Cipó Junino». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  70. Secretaria de Turismo de Minas Gerais (26 de julho de 2013). «Arraial Cultural». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  71. Circuito Serra do Cipó. «Festa de Santa Terezinha». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  72. Feira Nacional de Artesanato (20 de março de 2013). «Dia do artesão é comemorado com entrega de certificação». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  73. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Principais atividades artesanais». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  74. Prefeitura. «Educação e Cultura». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  75. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Conselho municipal de cultura e de preservação do patrimônio». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  76. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Órgão gestor e legislação da cultura». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  77. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2005). «Equipamentos culturais». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  78. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2005). «Equipamentos culturais e meios de comunicação». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  79. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2012). «Grupos artísticos». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  80. Agência Minas (9 de fevereiro de 2010). «Turismo ao pé da Serra do Cipó/Lapinha da Serra». SeteLagoas.com. Consultado em 2 de março de 2010. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  81. Descubra Minas. «Informações básicas - Santana do Riacho». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2013 
  82. Sérgio Ferreira Pantaleão. «Carnaval - é ou não feriado? folga automática pode gerar alteração contratual». Guia Trabalhista. Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011 
  83. Presidência da República. «Lei n.º 9.093, de 12 de setembro de 1995». Consultado em 16 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons
Mapas