Salto da Divisa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Salto da Divisa
Bandeira de Salto da Divisa
Brasão indisponível
Bandeira Brasão indisponível
Hino
Fundação 27 de dezembro de 1948[1]
Gentílico saltense
Prefeito(a) Oximane Bonfim (DEM)
(2017–2020)
Localização
Localização de Salto da Divisa
Localização de Salto da Divisa em Minas Gerais
Salto da Divisa está localizado em: Brasil
Salto da Divisa
Localização de Salto da Divisa no Brasil
16° 00' 10" S 39° 56' 49" O16° 00' 10" S 39° 56' 49" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Região
intermediária

Teófilo Otoni IBGE/2017[2]

Região
imediata

Almenara IBGE/2017[2]

Municípios limítrofes Jordânia, Jacinto e Santa Maria do Salto
Distância até a capital 877 km
Características geográficas
Área 938,005 km² [3]
População 7 127 hab. estatísticas IBGE/2017[4]
Densidade 7,6 hab./km²
Altitude 120 m
Clima tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,608 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 82 060 mil IBGE/2014[6]
PIB per capita R$ 11 564,20 IBGE/2014[6]
Página oficial

Salto da Divisa é um município brasileiro no interior do estado de Minas Gerais, Região Sudeste do país. Sua população estimada em 2017 era de 7 127 habitantes.[4]

A cidade passa por um processo novo de urbanização, com a implantação do lago da hidroelétrica de Itapebi, margeando a cidade. Tem sua economia baseada na agropecuária e extração de grafite. Como atrativo, o município apresenta o lago de 42 km, no Rio Jequitinhonha, que corta todo o Nordeste de Minas, com suas quedas d'água e seus afluentes, além das festas realizadas anualmente, como a de São Sebastião, a de São Cosme e São Damião e a de Nossa Senhora Aparecida.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

A região do atual município de Salto da Divisa começou a ser explorada entre 1550 e 1660, através de entradas e bandeiras, no entanto somente no século XIX estabeleceram-se os primeiros moradores. O tráfego fluvial no Rio Grande de Belmonte (atual Rio Jequitinhonha) era intenso e, com objetivo de coibir o contrabando de metais preciosos, o governo da Província da Bahia instalou um posto policial na região. Ao redor desse quartel, surgiu o povoamento, denominado Quartel do Salto.[1]

Dado o desenvolvimento, pela lei provincial nº 1.860, de 12 de outubro de 1871, cria-se o distrito de Salto Grande, a partir do povoado, pertencente ao município de São Miguel de Jequitinhonha (atual Jequitinhonha). Pelo decreto-lei estadual nº 58, 12 de janeiro de 1938, o distrito é transferido para o recém-criado município de Vigia (atual Almenara) e pelo decreto-lei estadual nº 1.058, de 31 de dezembro de 1943, passa a pertencer a Jacinto, criado sob o mesmo decreto. Também pela mesma lei, Salto Grande passa a denominar-se Salto da Divisa, vindo a emancipar-se pela lei estadual nº 336, de 27 de dezembro de 1948, constituindo-se de dois distritos: a Sede e Santa Maria do Salto, elevado a município pela lei estadual nº 2.764, de 30 de dezembro de 1962.[1]

Geografia[editar | editar código-fonte]

De acordo com a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística vigente desde 2017,[7] o município pertence às Regiões Geográficas Intermediária de Teófilo Otoni e Imediata de Almenara.[2] Até então, com a vigência das divisões em microrregiões e mesorregiões, o município fazia parte da microrregião de Almenara, que por sua vez estava incluída na mesorregião do Jequitinhonha.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Enciclopédia dos Municípios Brasileiros (2007). «Salto da Divisa - Histórico» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 21 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2013 
  2. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 7 de novembro de 2017 
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (15 de janeiro de 2013). «Áreas dos Municípios». Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  4. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 7 de novembro de 2017 
  5. Atlas do Desenvolvimento Humano (29 de julho de 2013). «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Consultado em 4 de dezembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2014 
  6. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  7. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Divisão Regional do Brasil». Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1990). «Divisão regional do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas» (PDF). Biblioteca IBGE. 1: 71–72. Consultado em 7 de novembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 7 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.