Caldas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Caldas (desambiguação).
Município de Caldas
Vista geral do Centro de Caldas. Ao fundo a Pedra do Coração (direita) e a Pedra Branca (esquerda)

Vista geral do Centro de Caldas. Ao fundo a Pedra do Coração (direita) e a Pedra Branca (esquerda)
Bandeira de Caldas
Brasão de Caldas
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 27 de março
Fundação 27 de março de 1813 (203 anos)
Gentílico caldense
Lema Caldas, entre montanhas um coração mineiro
Prefeito(a) Ulisses Guimarães Borges (PTB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Caldas
Localização de Caldas em Minas Gerais
Caldas está localizado em: Brasil
Caldas
Localização de Caldas no Brasil
21° 55' 26" S 46° 23' 09" O21° 55' 26" S 46° 23' 09" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Sul/Sudoeste de Minas IBGE/2008 [1]
Microrregião Poços de Caldas IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Andradas, Poços de Caldas, Ibitiúra de Minas, Santa Rita de Caldas, Campestre e Bandeira do Sul[2]
Distância até a capital 434 km
Características geográficas
Área 713,634 km² [3]
População 13 630 hab. (MG: 273º) –  IBGE/2010[4]
Densidade 19,1 hab./km²
Altitude 1300 m
Clima Tropical de altitude Cwb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,687 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 129 195,844 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 8 915,59 IBGE/2008[6]
Página oficial

Caldas é um município brasileiro do interior do estado de Minas Gerais, Região Sudeste do país. De acordo com o censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010, sua população é de 13.630 habitantes.[4]

Economia[editar | editar código-fonte]

Segundo a pesquisa Produção Agrícola Municipal do IBGE, a cidade está entre as 20 maiores produtores de batata-inglesa (em área plantada) do Estado [7] .

A cidade é a segunda maior produtora de uvas do Sul de Minas e quarta maior do Estado, com 151 hectares e produção de 955 toneladas de uvas [8] .

A produção de uvas, que rareou durante um tempo, foi retomada com o Núcleo Tecnológico EPAMIG Uva e Vinho, onde é desenvolvida tecnologia para o plantio de vinhas e desenvolvimento do vinho em todo o Estado [9] .

A cidade possui grande rebanho bovino. Cerca de 22 mil litros de leite, fornecido por famílias de 300 pequenos produtores do próprio município, abastecem as fábricas produtoras de doces. Em 2008, a produção de doces de uma delas, que tem cerca de 130 funcionários, atingiu 1,2 milhão de potes [10] .

O setor do turismo compreende-se às Festa da Uva, Arraial de Caldas e Festa do Biscoito, tradicionais da cidade. Para acomodações, contam ainda com os hotéis Itacor e Edmar Hotel, ambos dentro da cidade. O turismo não cresce devido a baixas políticas da prefeitura para com o mesmo.

Existe ainda a mineração de granito e a produção de alimentos como o tomate, a cenoura e a mandioquinha.

Distritos[editar | editar código-fonte]

Caldas é um dos maiores municípios em extensão territorial do Sul de Minas Gerais e além disso é precursora de várias cidades da Região, como Poços de Caldas, Santa Rita de Caldas, Ipuiúna, Andradas, entre outras.

Além da sede, o município conta com quatro distritos: Laranjeiras de Caldas, Santana de Caldas, São Pedro de Caldas e Pocinhos do Rio Verde.

Laranjeiras de Caldas[editar | editar código-fonte]

Pela lei estadual n. 336, de 10 de dezembro de 1948, é criado o distrito de Santana de Caldas, pertencente ao município de Caldas. Em 08 de outubro de 1982, é desmembrado de seu território o Distrito de Laranjeiras de Caldas. Área com o maior crescimento do município por estar estrategicamente localizado às margens da rodovia BR-459 e a apenas 3 km de Poços de Caldas, onde se concentram quase todas a indústrias da cidade como Saint Gobain, Cerâmica Caldas, Mineração Varginha, entre outras. Possui cerca de 1.843 habitantes. Laranjeiras conta com abastecimento de água encanada pela Copasa, rede de telefonia fixa e cobertura de todas as operadoras de telefonias fixas. O comércio atende de maneira satisfatória, pois existem: posto de gasolina, supermercados, padaria, loja de mat. de construção, restaurante, bares, posto de saúde, cartório (registro civil e tabelionato), entre outros.

Santana de Caldas[editar | editar código-fonte]

Localizado a cerca de sete quilômetros da rodovia BR-459, o distrito de Santana de Caldas foi fundado por José Antonio Teixeira.

Em 1930 já estava fincado o cruzeiro que deu origem à localidade de Santana e pronta a casa de José Antônio Teixeira, nas imediações do mesmo.

O lugarejo foi inicialmente consagrado a Nossa Senhora Aparecida, sob cuja invocação inaugurou-se a primeira capela, em 3 de maio de 1933, com uma uma excursão militar chefiada pelo comandante do Tiro de Guerra de Caldas, Miguel D'Ambrósio .

O topônimo Santana deve-se, provavelmente, a determinada planta chamada popularmente "Erva de Santana", cientificamente Kuhnia Arguta, que proliferava naquela região e devido às constantes referencias tornou-se o nome da localidade nascente. Devido à mesma planta uma antiga família da região, proprietária de grande parte das terras onde surgiu o Distrito de Santana, passou a ser assim também identificada. Interessante notar que no séc. XIX o livro de registro de terras da Paróquia de Nossa Senhora do Patrocínio de Caldas (Arquivo Público Mineiro) aponta a família "Oliveira" como proprietária de uma fazenda nessa região, denominada "Fazenda Sant'Anna".

Na década de 1940, a primeira igreja foi substituída por outra, bem maior e construída sob a iniciativa do Padre Aurélio Mesquita, por respeitável comissão. A nova Igreja de Sant'Ana, que resiste ao tempo, foi abençoada em 26 de novembro de 1942 no paroquiato do Cônego João Aristides de Oliveira. Dona Honorata de Carvalho Teixeira, foi uma figura importante na história religiosa de Santana.

Pela lei estadual n. 336, de 10 de dezembro de 1948, é criado o distrito de Santana de Caldas, pertencente ao município de Caldas. Em 08 de outubro de 1982, é desmembrado de seu território o Distrito de Laranjeiras de Caldas.

Três sacerdotes muito contribuiram para o progresso espiritual e social do lugar: Cônego Vicente Formigão o.praem. (já falecido), Padre Agostinho Damen o.praem. (grande benfeitor de Bandeira do Sul e residente na Bélgica) e Padre Antonio Van Baalen, este último residindo no distrito desde 2000, com provisão do Arcebispo de Pouso Alegre.

O distrito de Santana conta com a assistência de necessidades básicas com um comércio satisfatório, posto de saúde, educação fundamental, cartório e ampla assistência religiosa para os fiéis católicos e evangélicos.

O dinamismo político do povo santanense lhe garante dois vereadores na Câmara Municipal de Caldas. Em Santana, está localizada a Caldas Química.

São Pedro de Caldas[editar | editar código-fonte]

O Coronel Virgílio Ferreira Franco(1901-1968), filho do Capitão José Antônio Franco (Zeca-Zico) e de Dona Ana Lídia Ferreira (Sinhanha) e casado com Dona Josefa Rodrigues Franco (de quem se desquitaria mais tarde) doou um alqueire de suas terras para a edificação da vila de São Pedro, um de seus sonhos e projetos visando o bem da população .Era a década de 40 e a data era a de 19 de abril de 1941. Nesta ocasião e com a presença do Dr. Uriel de Rezende Alvim então prefeito de Caldas (chamada de Parreiras na época) , houve a missa presidida pelo Padre Aurélio Mesquita , ato que fez parte dos festejos , onde ocorreu a fixação do cruzeiro no altiplano da serra dos Matos e que seria o pontapé inicial para a criação da Vila . O cruzeiro fixado foi o ponto de partida para a construção da Matriz dedicada ao apóstolo Pedro, santo de devoção do fundador, em torno da qual surgiram as primeiras casas. A matriz segundo relatos dos antigos moradores era uma obra-prima de se ver , pois segundo depoimentos dos mesmo ,antes de uma reforma acontecida há anos e que destruiu boa parte do patrimônio artístico , as paredes abrigavam pinturas de um artista espanhol chamado "Artigas", das quais só restam algumas partes atualmente . Dentre a geração de pioneiros podemos destacar alguns nomes além do fundador: Oscar José Franco, Manoel Borges Franco,José Franco, Augustinho Franco, José Bento, Eduardo Ribeiro, Antônio Luciano , Afonso Alves, Geraldo Junqueira Franco, Arlindo Gonçalves Dias, Antônio Muniz Neto, José Maure , João Rodrigues Franco, Dario José Franco, Sebastião José Franco, Benedito Muniz Franco, Júlio pires de Eustáquio, José Porfírio Ferreira, João José Franco, entre tantos outros . Nos anos iniciais da vila , os atrativos e entretenimentos da pequena população local eram os circos e touradas que passavam pela região e armavam tenda onde hoje fica a escola do distrito, isso além das tradicionais festas do padroeiro e dos partidas de futebol dos domingos.O local foi berço da banda Santa Cecília de São Pedro , idealizada pelo Coronel Virgílio Ferreira Franco e composta por moradores locais que depois de aprender a tocar instrumentos musicais se apresentaram em toda a região. o pequeno lugarejo foi elevado a condição de Distrito pela lei estadual n 1039, de 12-12-1953. hoje é o maior distrito do município (1.459 habitantes), sendo ainda forte a influência e presença da tradicional Família Franco no local . O Distrito possui uma praça arborizada, um coreto, um cartório, um posto de saúde, uma quadra publica(coberta), Duas escolas (funcionando no mesmo prédio) e um pequeno comércio, mas sua grande distância das vias de acesso pavimentadas dificulta seu desenvolvimento. A economia local gira em torno do Café e das indústrias de laticínios lá instaladas. Sua festa mais tradicional é: a do Padroeiro (29 de junho), Suas comidas tipicas são:o tutu, a carne de porco, a couve, e os tradicionais doces e quitutes (tradicional herança familiar provenientes de um passado de fazendas- muito comuns na região) . Uma de suas manifestações culturais mais importante é a folia de Reis , sendo o Sr. Chico Tereza ( Já falecido ), o maior propagador de tal manifestação que o distrito já teve. O Distrito é também referência na Educação sendo que os projetos desenvolvidos pelas escolas locais já foram matérias de revistas especializadas em educação.

Pocinhos do Rio Verde[editar | editar código-fonte]

Distrito onde são encontradas fontes de águas medicinais sulfurosas. As fontes estão situadas no parque do Balneário Doutor Reinaldo de Oliveira Pimenta e estão indicadas para problemas intestinais e dermatológicos. O Balneário conta com salas para banhos de imersão, hidromassagem e sauna, distribuídas em duas alas - masculina e feminina.

No centro, encontra-se a igreja dedicada a São Vicente de Ferrer. No alto do morro do Galo encontra-se a Capela de Santa Terezinha, cuja história foi construída por uma visitante que havia se curado com as águas miraculosas de Pocinhos do Rio Verde.

Em virtude das águas medicinais dispõe de rede hoteleira formada pelos seguintes hotéis: Itacor Hotel, Edmar Hotel, Grande Hotel Pocinhos, Hotel Rio Verde, Hotel Fazenda do Ypê e Camping Bosque das Fontes.

Nos arredores do distrito temos os seguintes pontos turísticos: piscinas naturais do Rio Soberbo, Bacião (poço profundo situado no rio Soberbo precedido de queda d'água), Areião (pequena ponta de areia na margem do rio Soberbo), Cascata Antônio Monteiro e Cachoeira dos Duendes (situada no bairro da Pedra Branca).

O Grand Hotel Pocinhos é considerado o hotel mais antigo do Brasil em funcionamento[carece de fontes?]. Foi construído em 1886 pelo imigrante italiano Nicolau Tambasco Glória. Uma construção rústica de pau-a-pique que no início hospedava viajantes logo foi ampliado para atender a demanda de pessoas que vinham de todas as partes procurar nas águas minerais sulfurosas da estância hidromineral de Pocinhos do Rio Verde o tratamento para doenças do intestino.

Em 1914 a francesa Madame Suzane Pellissier e seu companheiro Sr. José de Paiva Oliveira adquiriram o empreendimento da sra. Maria Alexandrina Tambasco, viúva do Sr. Nicolau, e deram maior impulso ao hotel dedicando ao turismo de saúde.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Destaca-se a Festa do Biscoito, e do ecoturismo, em áreas como a Pedra Branca com 1.964 metros de altitude.

No distrito de Pocinhos do Rio Verde encontram-se hotéis, balneário, chalés, pousadas, vinhedos, prédios de antigas vinícolas (alguns transformados em bistrôs).

Na Igreja Matriz, encontra-se o quadro Anunciação a Virgem Maria do pintor sueco Frederico Westin, considerado o Rafael da Escandinávia.

A cidade de Caldas também é procurada pelos doces caseiros em pasta, em calda e cristalizados, além de manteigas e outros derivados do leite e vinhos. É possível encontrar diversos hotéis na cidade por conta do turismo. Artesanatos é também um dos destaques.

A antes extinta Festa da Uva, realizada na última semana de janeiro, durava em torno de uma semana e contava com exposições de uvas, bailes, coroação da Rainha da Uva, manifestações folclóricas e desfile de carros alegóricos.Atualmente uma comissão formada entre prefeitura e cidadãos tenta resgatar a Festa Que voltará acontecer normalmente a partir de 2013.

Em Caldas ainda persiste a tradicionalíssima Festa do Biscoito, um grande atrativo pra os turistas. Realizada em julho, época na qual são registradas as menores temperaturas do ano (por vezes, o 3° clima mais frio de Minas Gerais, perdendo apenas para a cidade de Maria da Fé e para o distrito de Monte Verde[carece de fontes?]. A menor temperatura registrada pelo INMET em Caldas foi de -5.0°, no dia 10/07/1994, e a máxima foi de 33.6°, no dia 14/10/1963. A menor máxima registrada foi de 9.9°, no dia 10/07/1972. (fonte: Dados históricos (cadastro necessário!)) .

Rodovias[editar | editar código-fonte]

A principal rodovia que corta o município é a BR 459.

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (2009). «Mapa Político do Estado de Minas Gerais» (PDF). Consultado em 5 de dezembro de 2009. 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  4. a b «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  5. «Ranking IDHM Municípios 2010». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2013. Consultado em 15 de junho de 2015. 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010. 
  7. Pesquisa Agrícola Municipal - SIDRA, 2008 (visitado em 26-2-2010).
  8. Mercado promissor em Minas - Diário do Comércio, 26 de fevereiro de 2010 (visitado em 26-2-2010).
  9. Histórico da Epamig Caldas - Epamig, 2009 (visitado em 26-2-2010).
  10. Fábrica de doces pede recursos e intermédio de deputado - Samambaiando, 2 de março de 2010 (visitado em 2-3-2010).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Minas Gerais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.