Região Metropolitana de Jundiaí

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Região Metropolitana de Jundiaí
Localização
Localização da Região Metropolitana de Jundiaí
Unidade federativa  São Paulo
Lei LCE 1362/2021
Data da criação 30 de novembro de 2021
Número de municípios 7
Cidade-sede Jundiaí
Regiões metropolitanas limítrofes Campinas
Sorocaba
São Paulo
Características geográficas
Área 1 269,99 km²[1]
População 835 251 hab. Estimativa IBGE/2021 [2]
Densidade 657,68 hab./km²
PIB R$ 31.401.678 mil IBGE/2011[3]
PIB per capita R$ 36.202,18 IBGE/2008[3]

A Região Metropolitana de Jundiaí, criada em 30 de novembro de 2021,[4][5] é uma região do estado de São Paulo, Brasil, formada pelos municípios de Jundiaí, Várzea Paulista, Campo Limpo Paulista, Jarinu, Louveira, Itupeva e Cabreúva, apresentando urbanização contínua e/ou processo de conurbação entre suas áreas urbanas, havendo integração econômico-funcional entre eles.

Localiza-se entre as regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas e Sorocaba. Foi criada inicialmente com o status de aglomeração urbana, a primeira do estado de São Paulo, e a quarta 'entidade metropolitana', após a Grande São Paulo (1973), Baixada Santista (1996) e Região Metropolitana de Campinas (2000). Juntamente com estas três regiões metropolitanas citadas, mais as áreas metropolitanas do Vale do Paraíba e de Sorocaba e ainda a Piracicaba, forma a Macrometrópole Paulista, a maior do hemisfério sul e uma das maiores do mundo.

A população somada é de 790.304 habitantes; em 2017 (Estimativa do IBGE), com um PIB conjunto de 31,4 bilhões de reais e uma renda per capita de 21.482 reais.[6] O crescimento demográfico entre 2000-2009 foi o segundo maior entre as aglomerações urbanas e regiões metropolitanas paulistas (1,85% a.a.), sendo inferior apenas à AU de Sorocaba (2,01% a.a.) e superior a média estadual (1,33% a.a.).[7]

Definições[editar | editar código-fonte]

Criação da Aglomeração Urbana de Jundiaí[editar | editar código-fonte]

Tecnicamente definido pela Emplasa como "aglomeração urbana intersticial",[8] o projeto para oficialização foi assinado pelo governador Geraldo Alckmin em 30 de março de 2011 e enviado a Assembleia Legislativa,[9] que o aprovou em 18 de agosto de 2011.[10]

Criação da Região Metropolitana de Jundiaí[editar | editar código-fonte]

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) aprovou em 9 de novembro de 2021 o Projeto de Lei Complementar 36/2021, com a proposta de criação da Região Metropolitana de Jundiaí. Após a aprovação pela Alesp, a proposta seguiu para a sanção do governador do estado e publicação no Diário Oficial.[11] A lei foi promulgada e publicada em 30 de novembro de 2021, oficializando assim a criação da Região Metropolitana de Jundiaí.[4]

Municípios[editar | editar código-fonte]

Município Área[1] População (2021) PIB
(2011)em Milhões[3]
IDH-M
(2010)[12]
Cabreúva
260,23
51.130
2.382,23
0,738
Campo Limpo Paulista
79,40
86.407
1.094,20
0,769
Itupeva
200,82
64.330
2.178,86
0,762
Jarinu
207,55
31.173
549,54
0,733
Jundiaí
431,20
426.935
21.806,79
0,822
Louveira Louveira
55,13
51.007
10.970,82
0,777
Várzea Paulista
35,12
123.071
1.745,34
0,759
Total
1.269,45
825.470
40.727,78

Distritos[editar | editar código-fonte]

Municípios Distritos
Cabreúva Bom Fim do Bom Jesus
Jacaré
São Francisco do Pinhal
Campo Limpo Paulista Botujuru

Economia[editar | editar código-fonte]

Em 2007, a Região Metropolitana de Jundiaí representou 2,7% do PIB estadual. É uma região predominantemente industrial, com os municípios de Jundiaí e Louveira tendo perfil industrial com relevância estadual e os demais classificando-se com perfil industrial - exceto por Jarinu, com perfil de serviços. O município-sede destaca-se por sua indústria diversificada, relevando-se os setores de alimentos e bebidas, cerâmica, metal-mecânica, autopeças, borracha, plásticos e embalagens. No setor de serviços, destacam-se os centros logísticos e o comércio atacadista de alcance nacional.[7]

Com seu PIB superior a 25 bilhões de reais em 2008,[6] a Região Metropolitana de Jundiaí é um importante pólo industrial e econômico do estado, contando com empresas de porte como FEMSA, Ambev, Sara Lee, Siemens, Linden, Krupp, DHL, Procter & Gamble, Sifco, Plascar, Cereser, White Martins, Akzo Nobel, Hellermann Tyton, Henkel, Takata Petri, Itautec, Foxconn, Compal, IBG, CBC, Deca, Mahle, Klabin, Elekeiroz, etc.[13] É importante centro logístico, com os centros de distribuição da DHL, Casas Bahia, Magazine Luiza, Renault-Nissan, Sadia, Avon e Marfrig.[14]

Educação[editar | editar código-fonte]

Há uma boa infraestrutura educacional, com destaque a Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ) e Centro Universitário Padre Anchieta. Também há unidades da UNIP, Faculdade Pitágoras, Faculdade de Ciências Gerenciais (FCG), Faculdade de Campo Limpo Paulista (FACCAMP). Há ainda unidades vinculadas ao Centro Paula Souza, tais como a FATEC Jundiaí, ETEC Vasco Antônio Venchiarutti, ETEC Benedito Storani e ETEC de Campo Limpo. O Sistema S possui unidades do SENAI em Jundiaí e Campo Limpo Paulista, e uma unidade do SENAC em Jundiaí. O Instituto Agronômico de Campinas (IAC) mantém uma unidade de pesquisa.[14]

Transportes e logística[editar | editar código-fonte]

A aglomeração urbana apresenta uma localização estratégica entre os dois maiores centros urbanos paulistas - Campinas e São Paulo. É um importante entrocamento rodoferroviário, apresentando fácil acesso aos aeroportos de Congonhas, Cumbica e Viracopos, além do Porto de Santos. Uma rede de distribuição de gás natural abrange grande parte do município-sede, Jundiaí, proveniente do gasoduto Bolívia-Brasil, que corta a aglomeração urbana. O transporte ferroviário de cargas é atendido pela antiga Santos-Jundiaí ou São Paulo Railway, atualmente sob concessão da MRS, que articula o interior do país a cidade de São Paulo e ao Porto de Santos.

As principais rodovias que cortam a Aglomeração Urbana de Jundiaí são a rodovia Anhangüera (SP-330), rodovia dos Bandeirantes (SP-348), administradas pela Autoban e que cortam Jundiaí, Louveira e Itupeva; rodovia Dom Gabriel Paulino Bueno Couto (SP-300), administrada pela Rodovias das Colinas, cortando Jundiaí, Itupeva e Cabreúva; rodovia Engenheiro Constâncio Cintra (SP-360), cortando Jundiaí, e a Rodovia Dom Pedro I (SP-65), cortando Jarinu, ambas administradas pela Rota das Bandeiras. Há outras rodovias de menor importância, com utilidade maior como ligação entre as cidades da aglomeração, como a Rodovia Vice-prefeito Hermenegildo Tonoli (SP-66/300), Rodovia Presidente Tancredo Neves (SP-322), Rodovia Edgard Máximo Zambotto (SP-354) e Rodovia Vereador Geraldo Dias (SP-322). Também possui fácil acesso ao Rodoanel Mário Covas, através do Sistema Anhanguera-Bandeirantes.

São ofertados serviços de transporte ferroviário passageiros na Linha 7 - Rubi, administrada pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos - CPTM, que dá acesso a todo o sistema metroferroviário da Grande São Paulo com uma única passagem. Quatro estações encontram-se na Aglomeração Urbana de Jundiaí: Jundiaí, Várzea Paulista, Campo Limpo Paulista e Botujuru (Campo Limpo Paulista).

Referências

  1. a b IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  2. «Estimativas de População» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 1 de julho de 2021 
  3. a b c «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 12 dez. 2010 
  4. a b LCE 1362/2021
  5. «Região Metropolitana de Jundiaí é aprovada na Alesp». Secretaria de Desenvolvimento Regional de São Paulo. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  6. a b «Miguel Haddad participa do lançamento da Câmara de Desenvolvimento Metropolitano». Prefeitura Municipal de Jundiaí - Imprensa. 30 de março de 2011. Consultado em 2 de abril de 2011. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012 
  7. a b «Rede Urbana e Regionalização do Estado de São Paulo» (PDF). SEADE. Consultado em 13 de agosto de 2011. Arquivado do original (PDF) em 4 de junho de 2013 
  8. «STM SP - Nosso Território». Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo (STM-SP). Consultado em 2 de abril de 2011. Arquivado do original em 25 de agosto de 2011 
  9. «Alckmin lança Câmara de Desenvolvimento Metropolitano». SP Notícias - Governo do Estado de São Paulo. 30 de março de 2011. Consultado em 2 de abril de 2011 
  10. «Lei complementar nº 1.146, de 24 de agosto de 2011». Consultado em 11 de janeiro de 2012. Arquivado do original em 27 de junho de 2013 
  11. «Região Metropolitana de Jundiaí é aprovada na Alesp». Secretaria de Desenvolvimento Regional de São Paulo. Consultado em 30 de dezembro de 2021 
  12. «Atlas do desenvolvimento humano no brasil 2013». Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 30 de agosto de 2014 
  13. «100 Maiores Empresas de Jundiaí». Secretaria Municipal de Planejamento - Jundiaí. Consultado em 2 de abril de 2011. Arquivado do original em 18 de janeiro de 2012 
  14. a b «Jundiaí». Sebrae SP. Consultado em 2 de abril de 2011 
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de São Paulo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.