Trem Metropolitano de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Trem Metropolitano de São Paulo
CPTM (Logo).svg
ViaMobilidade SP.png
Estação da Luz no Dia a Dia.jpg
Movimentação de passageiros e trens nas plataformas da Estação da Luz, 2014
Informações
Proprietário Governo do estado de São Paulo
Local Região Metropolitana de São Paulo
Tipo de transporte Bahn aus Zusatzzeichen 1024-15.svg Trem suburbano
Número de linhas 7
Número de estações 96
Tráfego 3,221 milhões (2018)[1]
Tráfego anual 863,3 milhões (2018)[1]
Funcionamento
Início de funcionamento 1889
Operadora(s) CPTM (7, 10, 11, 12 e 13)
ViaMobilidade Linhas 8 e 9 (8 e 9)
Sigla(s) do material circulante Trem-unidade elétrico
Número de veículos 220 (190 operacionais)
Dados técnicos
Extensão do sistema 273 km
Frequência 10 a 28 minutos
35 minutos (fins de semana e feriados)
Bitola Larga 1 600 mm (5 ft 3 in)
Eletrificação Catenária 3 000 V DC
Velocidade média 60 km/h
Velocidade máxima 90 km/h
Mapa da rede

Rede CPTM.jpg

O Trem Metropolitano de São Paulo é um sistema ferroviário de trens suburbanos implantado na Região Metropolitana de São Paulo, atendendo a 23 dos seus 39 municípios. Possui 273 km de extensão, 7 linhas e 96 estações, transportando cerca de 3 milhões de passageiros por dia. Atualmente é operado pela estatal CPTM, que assumiu as linhas operadas pela CBTU em 1994 e pela Fepasa em 1996, e pela ViaMobilidade Linhas 8 e 9, que assumiu a administração das antigas linhas da Fepasa após concessão do governo estadual em 2022.

História[editar | editar código-fonte]

Origem das linhas federais[editar | editar código-fonte]

A história das ferrovias no estado de São Paulo remonta ao ano de 1867, com a construção da primeira ligação entre as cidades de Santos, São Paulo e Jundiaí pela São Paulo Railway, inaugurada em 16 de fevereiro de 1867, que atravessava o planalto paulista descendo a Serra do Mar. O primeiro serviço de trens suburbanos nessa ferrovia é datado de 1889, entre as estações Pirituba e Pilar, gradativamente ampliado ao longo dos anos entre Jundiaí e Paranapiacaba (encurtado até Rio Grande da Serra em 2001), constituindo as atuais linhas 7–Rubi e 10–Turquesa.

Na década de 1870, a Companhia São Paulo e Rio de Janeiro construiu a Estrada de Ferro do Norte, uma linha férrea que conectava São Paulo às cidades do Vale do Paraíba. Em 1890, esta ferrovia foi incorporada pela Estrada de Ferro Central do Brasil, passando a ligar a capital paulista ao Rio de Janeiro. O serviço de trens suburbanos dessa linha era realizado entre as estações do Norte e Mogi das Cruzes, constituindo o que atualmente é a Linha 11–Coral. Em 1921, começou a ser construída pela EFCB uma variante ao tronco principal chamado de Variante de Poá, entre as estações do Tatuapé e Calmon Viana. O serviço entrou em operação em 1934, e hoje forma em sua totalidade a Linha 12–Safira.

Em 1957, as ferrovias federais são unificadas numa única empresa estatal, a Rede Ferroviária Federal (RFFSA), entre elas a Estrada de Ferro Central do Brasil e a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí (que substituiu a São Paulo Railway com o término da sua concessão em 1946). As operações de trens suburbanos da RFFSA de todo o país originaram, na década de 1970, a Empresa Brasileira de Transporte Urbano (EBTU), substituída em 1984 pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que na Grande São Paulo, era responsável por operar as linhas Noroeste-Sudeste, Leste (também chamada de Tronco) e Variante do sistema de trens suburbanos.

Origem das linhas estaduais[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estrada de Ferro Sorocabana
Trem-unidade elétrico (TUE) GE-Pulmann da Sorocabana, o primeiro implantado no subúrbio de São Paulo.

Em 1875, foi inaugurada a Estrada de Ferro Sorocabana, com uma ligação entre as cidades de São Paulo e Sorocaba, chamada de Linha Tronco. A EFS foi estatizada pelo Governo de São Paulo em 1919. Em 1934, entrou em operação um serviço de trens suburbanos entre as estações São Paulo e Mairinque (e mais tarde, encurtado até Amador Bueno), constituindo o que hoje é a Linha 8–Diamante.

Anos mais tarde, com o objetivo de encurtar a distância entre a capital paulista e a cidade de Santos, foi inaugurado em 1957 o Ramal de Jurubatuba, que interligava a Linha Tronco da EFS com a Linha Mairinque-Santos, entre as estações Imperatriz Leopoldina e Evangelista de Souza. O que sobrou deste ramal constitui hoje a Linha 9–Esmeralda.

Em 1971, a EFS foi unificada junto a outras ferrovias pertencentes a malha paulista para formar a Ferrovia Paulista S/A (Fepasa). A nova empresa criou então a Unidade Regional dos Subúrbios, posteriormente renomeada Diretoria Regional Metropolitana (Fepasa DRM), que era uma divisão que administrava o transporte de passageiros dentro das regiões metropolitanas do estado de São Paulo. Na Grande São Paulo, era responsável por operar as linhas Oeste e Sul do sistema de trens suburbanos.

Operações na segunda metade do século XX[editar | editar código-fonte]

Passageiros embarcam em trem superlotado na estação de Osasco, década de 1970.

Entre 1975 e 1990, a Fepasa DRM desenvolveu um grande plano de remodelação dos trens suburbanos, transformados em "trens metropolitanos". Ainda assim, as crises econômicas prejudicaram os investimentos da Fepasa e atrasaram a implantação dos projetos.[2][3]

Ao mesmo tempo, os trens suburbanos administrados pela RFFSA receberam modestos investimentos. Com isso, panes e tumultos eram frequentes, com os passageiros dos trens promovendo quebra-quebra de estações, vagões e demais instalações ferroviárias. Em 1972, durante as discussões do projeto da Linha Leste-Oeste do Metrô de São Paulo, a CMSP propôs a transferência da Linha Leste e sua conversão para trem metropolitano, sendo a proposta rejeitada pela RFFSA.[4]

Mesmo com a transferência das linhas de subúrbio da RFFSA para a recém criada CBTU, a situação de precariedade dos trens urbanos administrados pelo governo federal alcançou o auge em 17 de fevereiro de 1987, com o acidente ferroviário de Itaquera. Causado por falta de investimentos e falhas de manutenção, o acidente matou 51 passageiros.

Em 30 de abril, o governo paulista e o Ministério dos Transportes assinaram um protocolo de intenções para a transferência da Linha Leste da CBTU para a administração do Metrô. O valor da transferência e transformação da linha em trem metropolitano tinha custo estimado de 350 milhões de dólares (quase 9 bilhões de cruzados) para o estado.[5] As negociações duraram todo o ano de 1987, mas a falta de recursos do estado e a falta de interesse da CBTU na mera transferência (a CBTU propôs ao estado a gestão compartilhada de suas linhas e da Linha Leste-Oeste do Metrô por meio de um consórcio entre CBTU, RFFSA e CMSP)[6] impediram que o projeto fosse consumado, embora tenha sido o primeiro passo para a estadualização da rede anos mais tarde.[7]

Criação da CPTM e estadualização completa do sistema[editar | editar código-fonte]

Estação Engenheiro Sebastião Gualberto da Linha Leste pouco tempo após ser assumida pela CPTM, 1994.

Em 28 de maio de 1992, através da Lei nº 7.861, o governo paulista criou a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que ficaria responsável por assumir a gestão do sistema de trens suburbanos da Região Metropolitana de São Paulo em substituição à Superintendência de Trens Urbanos de São Paulo (STU/SP) da CBTU e à Fepasa DRM, de forma a assegurar a continuidade e melhoria dos serviços. O efetivo controle das linhas pertencentes a CBTU ocorreu somente no ano de 1994. Já as linhas da Fepasa foram incorporadas à CPTM em 1996, ao mesmo tempo em que a malha ferroviária de cargas da empresa era transferida para a RFFSA, sendo posteriormente privatizada com todo o sistema ferroviário da empresa ao redor do país.

TUE Série 1100 com o primeiro esquema de cores da CPTM, 2006.

A CPTM estabeleceu uma nova comunicação visual para o sistema, com a adoção de uma pintura prateada com detalhes em azul e vermelho para os trens, substituindo o azul e verde no material rodante da CBTU e o vermelho e branco das composições da Fepasa. As linhas também ganharam uma nova denominação, substituindo as regiões por letras e cores. As linhas Noroeste, Sudeste, Leste e Variante da CBTU passaram a se chamar A–Marrom, D–Bege, E–Laranja e F–Violeta, e as linhas Oeste e Sul da Fepasa tornaram-se B–Cinza e C–Celeste.

Expansão e modernização[editar | editar código-fonte]

No início da gestão da CPTM, a ocorrência frequente de panes, assédio contra mulheres, comércio ambulante, greves, surfe ferroviário, entre outros problemas,[8] levaria parte dos passageiros a causarem uma série de depredações em trens e estações entre 30 de setembro e 16 de outubro de 1996, causando a interrupção dos serviços da então Linha A–Marrom por seis meses.[9] Por ter uma malha ferroviária tão extensa e degradada, a CPTM começou a modernizar seus sistemas, investindo 1,5 bilhão de dólares na rede entre 1995 e 2004.[10]

Em 1998, foram iniciadas as obras civis básicas da então chamada Linha G–Lilás, que havia sido planejada há anos pela Fepasa como Ramal do Campo Limpo. O trecho entre Largo Treze e Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, envolveu a aplicação de 7 km de vias elevadas, 1 km de vias superficiais e 850 metros subterrâneos, além da construção de um pátio para manutenção e manobras em Capão Redondo. Porém, o trecho foi repassado em 2001 ao Metrô de São Paulo em troca do Expresso Leste, construído pela CMSP. O atalho entre as estações Corinthians-Itaquera e Guaianases levou a extinção do traçado da linha tronco que passava por dentro do distrito de Itaquera (hoje correspondente ao traçado da Avenida José Pinheiro Borges), bem como o fechamento de dezenas de estações entre Corinthians-Itaquera e Tatuapé, que poderiam causar o colapso da Linha E–Laranja por superlotação. O Ramal do Campo Limpo seria posteriormente renomeado para Linha 5 do Metrô de São Paulo, entrando em operação em 2002.[11]

Centro de Controle Operacional do sistema, 2016

Em novembro de 2006, foi inaugurado em uma área contígua à Estação Brás, o prédio do Centro de Controle Operacional (CCO) da CPTM, que além dos trens metropolitanos, também gerencia a circulação dos trens de carga nos trechos em que compartilham as vias com os de passageiros. O CCO passou a ser responsável pela operação das seis linhas do sistema, que anteriormente eram comandadas de pontos distintos. Os painéis na Estação Brás continham somente o controle das linhas E–Laranja e F–Violeta. Já os controles das linhas A–Marrom, D–Bege eram feitos no Centro de Tráfego e Controle (CTC), na Luz. E por fim, as linhas B–Cinza e C–Celeste que eram controladas pelo CCO de Presidente Altino, em Osasco.[12]

Tráfego de trens da linha 9 no distrito de Cidade Dutra, São Paulo, 2011.

Em março de 2008, a nomenclatura das linhas pertencentes ao sistema de trens foi unificada com o esquema utilizado pelo Metrô, para promover, segundo o governo estadual, "a uniformização da comunicação visual dos dois sistemas e para facilitar a locomoção e a localização dos usuários e de turistas". Foi atribuído a cada linha um número (a começar do número 7, somando-se às linhas outras seis linhas do Metrô já em operação, em construção ou em projeto) e o nome de uma pedra preciosa. Dessa forma, as linhas A–Marrom, B–Cinza, C–Celeste, D–Bege, E–Laranja e F–Violeta tornaram-se 7–Rubi, 8–Diamante, 9–Esmeralda, 10–Turquesa, 11–Coral e 12–Safira.[13]

Em dezembro de 2013, foram iniciadas as obras do Ramal de Guarulhos, renomeado para Linha 13–Jade. A fase I foi definida com 12,2 quilômetros de extensão e três estações (Engenheiro Goulart, Guarulhos-Cecap e Aeroporto–Guarulhos), sendo parte do trajeto feita em superfície (4,3 km) e outra em elevado (7,9 km).[14] Em 31 de março de 2018, após pouco mais de quatro anos de construção, a primeira fase da linha foi inaugurada, sendo a primeira a ser totalmente construída e operada pela CPTM.[15]

Concessão de linhas do sistema[editar | editar código-fonte]

TUE Série 8900 com as cores padrão da ViaMobilidade, 2023

A primeira tentativa oficial de concessão das linhas do Trem Metropolitano para a iniciativa privada ocorreu em 1999, ainda no governo de Mário Covas, quando foi anunciada a intenção de privatização das linhas da CPTM até 2001, com a estatal mantendo apenas o trecho Barra Funda-Brás.[16]

Em abril de 2001 o governo Geraldo Alckmin previu a concessão de quatro das seis linhas (Linhas A, B, D e F) e a fusão da CPTM com a CMSP, que passaria a operar as linhas C e E.[17] Apesar da proposta de concessão, o governo do estado garantia o aporte de investimentos na recuperação da malha ferroviária concedida.[18]

O projeto acabou arquivado. A próxima proposta de concessão das linhas partiu da empresa Triunfo Participações e Investimentos S/A, que publicou uma Manifestação de Interesse Privado (MIP) na concessão das linhas 8 e 9.[19] A proposta da Triunfo serviu de base para a elaboração do edital de concessão das linhas 8 e 9 promovido pelo governo João Doria. Apesar das expectativas de participação de várias empresas nacionais e estrangeiras (a Triunfo, autora da MIP entrou em recuperação judicial, alegando ser um dos efeitos da Operação Lava Jato e desistiu de participar),[20] foram apresentadas as seguintes propostas:[21]

  • ViaMobilidade Linhas 8 e 9 (Grupo CCR e RuasInvest) – outorga de R$ 980.000.000,00
  • Mobitrens (Comporte, Líder, Consbem e CAF) – outorga de R$ 787.737.800,00
  • Integração (Iberica Holding e Metra) – outorga de R$ 519.500.000,00
  • Itapemirim e Encalso Mobility Rail (Itapemirim e Encalso Construções) – outorga de R$ 400.000.000,00

Após a análise do estado, a proposta da ViaMobilidade foi declarada vencedora em 20 de abril de 2021, com outorga de 890 milhões de reais. O contrato de concessão das linhas 8 e 9 foi assinado em 30 de junho de 2021,[22] e a operação foi transferida para a concessionária em 27 de janeiro de 2022.[23]

Sistema[editar | editar código-fonte]

Tabela[editar | editar código-fonte]

Mapa do sistema até maio de 2021.
Linha [24] Terminais Comprimento (km) Estações Observações
7
Rubi
JundiaíBrás 62,7 19
  • Antigo trecho da Linha Noroeste-Sudeste da CBTU e Linha A–Marrom.
  • A baldeação em Francisco Morato foi extinta oficialmente em 19 de setembro de 2020.[25]
  • A baldeação no Brás foi extinta em 4 de maio de 2021 com a linha operando unificada pelo Serviço 710 com a 10–Turquesa.[26]
8
Diamante
Júlio PrestesItapevi 35,283 20
  • Antiga Linha Oeste da Fepasa e Linha B–Cinza.
  • Possui extensão operacional. Veja primeiro quadro abaixo.
9
Esmeralda
OsascoBruno Covas/Mendes–Vila Natal 37,308

35,008 + 2,3 (*)

21

20 + 1 (*)

  • Antiga Linha Sul da Fepasa e Linha C–Celeste.
10
Turquesa
BrásRio Grande da Serra 34,960 13
  • Antigo trecho da Linha Noroeste-Sudeste da CBTU e Linha D–Bege.
  • A baldeação no Brás foi extinta em 4 de maio de 2021 com a linha operando unificada pelo Serviço 710 com a 7–Rubi.[26]
  • Possui serviços expressos. Veja segundo quadro abaixo.
11
Coral
LuzEstudantes 54,327

50,641 + 3,686 (*)

17

16 + 1 (*)

  • Antiga Linha Leste (Tronco) da CBTU e Linha E–Laranja.
  • A baldeação em Guaianases foi extinta oficialmente em 9 de abril de 2019.[27]
12
Safira
BrásCalmon Viana 38,822 13
  • Antiga Linha Variante da CBTU e Linha F–Violeta.
13
Jade
Engenheiro GoulartAeroporto–Guarulhos 12,200 3
  • Possui serviços expressos. Veja segundo quadro abaixo.
  1. Os números seguidos pela indicação (*) demonstram valores após a expansão previstas nas linhas 9–Esmeralda e 11–Coral.

(*) em construção

Extensão Operacional
Linha Terminais Comprimento (km) Estações
8
Diamante
ItapeviAmador Bueno 6,3 3
Serviços Expressos e Auxiliares
Linha Terminais Comprimento (km) Estações
710 [28] JundiaíRio Grande da Serra 101,712 32
10
Turquesa
(Expresso Linha 10/
Expresso Educação Linha 10)
TamanduateíPrefeito Celso Daniel–Santo André 9,278 3
13
Jade
(Expresso Aeroporto)
LuzAeroporto–Guarulhos 27,449 4

Expansão da rede[editar | editar código-fonte]

Atualmente, duas linhas estão em expansão, totalizando cerca de 5 quilômetros em novos trilhos:

Linha Terminais Estações Início das
obras
Término
(previsão)
Situação atual
9
Esmeralda
Bruno Covas/Mendes–Vila NatalVarginha 1 2014 junho de 2023[29] Em construção
(2,3 km)
11
Coral
LuzPalmeiras - Barra Funda 1 2022[30][31] 2024[32] Em construção
(3,6 km)

Linhas em fase de projeto ou desapropriações[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Situação atual
12
Safira
Calmon VianaSuzano Em projeto[33]
13
Jade
Aeroporto - Guarulhos ↔ Bonsucesso Em projeto[34]
14
Ônix
Bonsucesso ↔ Jardim Irene Em projeto[35]

Frota[editar | editar código-fonte]

A frota do Trem Metropolitano de São Paulo conta com trens de 19 séries diferentes, algumas desativadas por serem mais antigas,[36][37] e outras recém entregues.[38][39][40]

Passageiros transportados[editar | editar código-fonte]

Entre 1971-1995[editar | editar código-fonte]

Passageiros transportados nos trens de subúrbio por empresa (1971-1995)
Ano Fepasa RFFSA Total Ano Fepasa CBTU Total
1971 27 822 000 50 938 000 (a) 78 760 000 1984 79 040 638 192 800 000 271 840 638
1972 30 378 000 54 493 000 (a) 84 871 000 1985 86 731 479 213 933 000 300 664 479
1973 32 415 000 55 516 000 (a) 87 931 000 1986 94 529 071 213 536 000 308 065 071
1974 32 204 000 58 187 000 (a) 90 391 000 1987 101 932 168 217 508 000 319 440 168
1975 32 522 000 91 853 000 124 375 000 1988 92 375 968 205 502 000 297 877 968
1976 32 612 000 99 200 000 131 812 000 1989 111 938 629 216 793 000 328 731 629
1977 30 841 407 110 400 000 141 241 407 1990 111 242 209 212 014 000 323 256 209
1978 24 644 490 141 300 000 165 944 490 1991 112 697 791 230 040 000 342 737 791
1979 43 740 490 146 100 000 18 984 049 1992 109 440 803 168 155 000 277 595 803
1980 56 413 137 157 200 000 213 613 137 1993 104 899 689 154 874 000 259 773 689
1981 57 511 057 155 400 000 212 911 057 1994 101 570 558 64 500 000 (b) 166 070 558
1982 56 166 581 168 300 000 224 466 581 1995 105 912 281 149 095 719 (c) 255 008 000
1983 64 966 200 190 000 000 254 966 200 Total 1 734 547 646 3 717 637 719 5 452 185 365
Notas:
  • a - Apenas E.F. Santos a Jundiaí
  • b - CBTU (jan-mai)
  • c - CPTM

Fontes:

CPTM (1995-2021)[editar | editar código-fonte]

A CPTM assumiu as linhas metropolitanas da CBTU em São Paulo no dia 1 de junho de 1994 e as da Fepasa em fevereiro de 1996.[50][43] Entre 1994 e 2021 foram transportados:[51][52][53]

Movimento anual de passageiros (em milhões)
Fontes: CBTU[54] CPTM[55][56][57][58]

(a) CBTU+FEPASA

(b) Recorde de pass. transportados


Ano Passageiros Ano Passageiros
1994 84 570 442
(jun-dez)
2008 541 100 000
1995 149 095 719 2009 586 300 000
1996 253 831 000 2010 642 000 000
1997 272 232 000 2011 700 200 000
1998 219 081 000 2012 764 200 000
1999 204 562 000 2013 795 400 000
2000 207 708 000 2014 832 900 000
2001 262 496 000 2015 831 400 000
2002 271 709 000 2016 819 500 000
2003 277 905 000 2017 827 700 000
2004 368 800 000 2018 863 300 000
2005 389 600 000 2019 867 700 000
2006 430 200 000 2020 414 557 930[59]
2007 465 700 000 2021 447 945 853[60]
Total 13 791 693 944


CPTM e ViaMobilidade (2022)[editar | editar código-fonte]

Ano Passageiros
(CPTM)
Passageiros
(ViaMobilidade 8 e 9)
Total
2022 441 400 000 199 500 000 640 900 000
2023
(jan-fev)
60 533 895 34 123 360 94 657 155
Fontes: Cia. do Metropolitano de São Paulo[61] CPTM[62] e ViaMobilidade 8 e 9[63][64]

Referências

  1. a b imprensaoficial.com.br. «RELATÓRIO INTEGRADO DA ADMINISTRAÇÃO 2018» (PDF). 8 de março de 2019. Consultado em 18 de novembro de 2019 
  2. «Vinte anos sem renovações». Folha de S.Paulo (17 924). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A. 30 de abril de 1978. 18 páginas. ISSN 1414-5723 
  3. «Subúrbios: um metrô de 200 km para São Paulo». Folha de S. Paulo, Ano LV, edição 17060, seção Transportes, página 30. 26 de novembro de 1975. Consultado em 2 de junho de 2020 
  4. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO (1979). Leste-Oeste: em busca de uma solução integrada. [S.l.]: Companhia do Metropolitano de São Paulo. 203 páginas 
  5. «Linha Leste deve custar Cz$ 9 bilhões». Folha de S.Paulo, ano 67, edição 21212, página 11. 1 de maio de 1987. Consultado em 2 de junho de 2020 
  6. Companhia Brasileira de Trens Urbanos (1988). «8-Desenvolvimento Institucional» (PDF). Relatporio Anual de 1987, página C-18. Consultado em 2 de junho de 2020 
  7. COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO (1988). Relatório da Administração, 1987. [S.l.]: Metrô-SP. p. 16 
  8. Suzy Gasparini (7 de maio de 1995). «Superlotação ameaça vida de usuário do trem urbano». Folha de S. Paulo, Ano, Edição nº Caderno Folha ABCD, páginas 1 e 
  9. Fabio Schivartche/Otavio Cabral (15 de outubro de 1996). «Depredação suspende trens por 4 meses». Folha de S. Paulo, ano 76, edição nº 24667 Caderno São Paulo , página 1. Consultado em 10 de fevereiro de 2013 
  10. [ligação inativa] «Sobre a CPTM». CPTM. Arquivado do original em 2 de outubro de 2007 
  11. «Trem da Frota F da Linha 5 aparece com pintura da ViaMobilidade». Metrô CPTM. 29 de janeiro de 2019. Consultado em 22 de julho de 2021 
  12. «Governador inaugura novo Centro de Controle Operacional da CPTM». Governo do Estado de São Paulo. 27 de novembro de 2006. Consultado em 22 de julho de 2021 
  13. «Linhas da CPTM ganham novos nomes». Governo do Estado de São Paulo. 3 de abril de 2008. Consultado em 26 de junho de 2018 
  14. «Apresentação de audiência pública para linha 13 Jade» (PDF). cptm.sp.gov.br. Consultado em 3 de agosto de 2013. Arquivado do original (PDF) em 12 de maio de 2013 
  15. «CPTM completa 25 anos: Um trem rumo à Cumbica». Revista Engenharia, Ano 74, nº 634. Julho–agosto de 2017 
  16. «Governo de SP anuncia privatização da CPTM». Diário do Grande ABC. 21 de outubro de 1999. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  17. Alencar Izidoro (20 de abril de 2001). «Estado vai fundir Metrô e CPTM em 2002». Folha de S.Paulo, ano 81, edição 26315, Caderno Cotidiano, página C7. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  18. Alencar Izidoro (23 de abril de 2001). «Governo de SP garante investier mesmo após concessão». Folha de S.Paulo, ano 81, edição 26318, Caderno Cotidiano, página C10. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  19. Ricardo Méier (13 de abril de 2016). «Linhas 8 e 9 da CPTM podem ser repassadas à iniciativa privada». Metrô CPTM. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  20. Lucas Amorim e Natália Flach (26 de junho de 2019). «Construtora Triunfo entra com pedido de recuperação judicial». Exame. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  21. Ricardo Méier (20 de abril de 2021). «Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda são arrematadas pela CCR e RuasInvest, do consórcio ViaMobilidade». Metrô CPTM. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  22. Ricardo Méier (1 de julho de 2021). «Concessão das linhas 8 e 9 da CPTM teve contrato assinado nesta quarta-feira, 30». Metrô CPTM. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  23. Phelipe Guedes (26 de janeiro de 2022). «Após concessão, ViaMobilidade assume nesta quinta-feira gestão das linhas 8 e 9 da CPTM». G1. Consultado em 30 de janeiro de 2022 
  24. «Linhas CPTM». Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Consultado em 8 de maio de 2021 
  25. CPTM elimina baldeação em Francisco Morato - G1 São Paulo - Vídeos - Catálogo de Vídeos, consultado em 18 de setembro de 2020 
  26. a b «CPTM lança "Serviço 710" com trens indo de Jundiaí a Rio Grande da Serra». p. Metrô CPTM. Consultado em 30 de abril de 2021 
  27. «Expresso Leste-Mogi completa 1 mês nesta quinta | CPTM». www.cptm.sp.gov.br. Consultado em 19 de novembro de 2019 
  28. «Serviço 710» (PDF). Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Consultado em 8 de maio de 2021 
  29. Jean Carlos (20 de fevereiro de 2022). «Estação Varginha avança e já ganha primeiros itens de comunicação visual». MetrôCPTM. Consultado em 23 de março de 2023 
  30. «Confira o avanço das obras de expansão das Linhas 11 e 13 até Barra Funda». udop. 23 de março de 2022. Consultado em 1 de junho de 2022 
  31. Lucas Lima (16 de abril de 2022). «CPTM confirma extensão da Linha 11-Coral até Palmeiras-Barra Funda». Diário de Suzano. Consultado em 1 de junho de 2022 
  32. Igor Roberto (24 de março de 2022). «Linhas 11-Coral e 13-Jade devem chegar na Barra Funda em 2024». Mobilidade Sampa. Consultado em 1 de junho de 2022 
  33. Matheus Cruz (10 de outubro de 2021). «Estudo de ampliação da Linha 12 do Brás até Suzano é mantido». Diário de Suzano. Consultado em 1 de junho de 2022 
  34. Ricardo Meier (29 de abril de 2022). «CPTM seleciona consórcio que fará anteprojeto da extensão da Linha 13 até Bonsucesso». MetrôCPTM. Consultado em 17 de abril de 2023 
  35. Jean Carlos (17 de setembro de 2022). «Linha 14-Onix da CPTM ganha novo traçado». MetrôCPTM. Consultado em 17 de abril de 2023 
  36. Igor Roberto (25 de maio de 2018). «Trem Mais Antigo Da CPTM Fará Sua Despedida Neste Sábado, Dia 26». Rede Noticiando. Consultado em 3 de julho de 2018 
  37. Ricardo Meier (5 de junho de 2017). «Novo trem coreano da CPTM está prestes a estrear na Linha 7». Metrô CPTM. Consultado em 11 de março de 2018 
  38. Renato Lobo (18 de julho de 2018). «CPTM recebe novos trens e companhia realoca unidades entre linhas». Via Trólebus. Consultado em 20 de julho de 2018 
  39. «Entrega e Operação dos Trens» (PDF). CPTM. Consultado em 26 de julho de 2018. Arquivado do original (PDF) em 2 de julho de 2018 
  40. «Frota de Trens - CPTM». Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Consultado em 28 de fevereiro de 2018. Arquivado do original em 12 de junho de 2018 
  41. Geipot (1973). «3.5. Transporte de Passageiros: 3.5.1. Passageiros transportados- 3.5.1.3. Subúrbios, segundo as estradas». Anuário Estatístico dos Transportes 1973, página 135/republicado pela Memória Estatística do Brasil-Biblioteca do Ministério da Fazenda no Rio de Janeiro no Internet Archive. Consultado em 17 de abril de 2022 
  42. Geipot (1977). «3.4. Transporte de Passageiros: 3.4.1. Passageiros transportados- 3.4.1.3. Subúrbios, segundo as estradas». Anuário Estatístico dos Transportes 1977, página 134/republicado pela Memória Estatística do Brasil-Biblioteca do Ministério da Fazenda no Rio de Janeiro no Internet Archive. Consultado em 17 de abril de 2022 
  43. a b FAGUNDES, Homero Gottberg (1998). «A remodelação das linhas B e C da CPTM» (PDF). Revista dos Transportes Públicos - ANTP - Ano 20, páginas 91-98. Consultado em 31 de maio de 2020 
  44. CBTU (1985). «Variáveis associadas ao balanço operacional» (PDF). Relatório Anual 1984, página 96. Consultado em 17 de abril de 2022 
  45. CBTU (1987). «Passageiros transportados-STU SP» (PDF). Relatório 1986, página C41. Consultado em 17 de abril de 2022 
  46. CBTU (1989). «STU-SP:Evolução do transporte de passageiros» (PDF). Relatório anual 1988, página 42. Consultado em 17 de abril de 2022 
  47. CBTU (1991). «Dados estatísticos» (PDF). Relatório 1990, página 77. Consultado em 17 de abril de 2022 
  48. CBTU (1993). «Dados estatísticos:São Paulo» (PDF). Relatório anual 1992, página 38. Consultado em 17 de abril de 2022 
  49. CBTU (1995). «Desempenho Operacional-SP» (PDF). Relatório anual 1994, página 40. Consultado em 17 de abril de 2022 
  50. Companhia Brasileira de Trens Urbanos (1995). «STU-SP» (PDF). Relatório Anual de 1994, página 40. Consultado em 31 de maio de 2020 
  51. Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU (Superintendência de Trens Urbanos de São Paulo - STU/SP) e Companhia Paulista de Trens Metropolitanos - CPTM (2004). «6 - Passageiros Transportados por Trens de Subúrbio - Município de São Paulo e Região Metropolitana de São Paulo (1990-2003)». Anuário Estatístico de São Paulo, 2003 da Fundação Seade. Consultado em 31 de maio de 2020 
  52. Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (2018). «Desempenho Operacional - Passageiros transportados (2004-2017)» (PDF). Relatório Anual 2017, página 10. Consultado em 31 de maio de 2020 [ligação inativa]
  53. Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (2020). «Capital produtivo-passageiros transportados». Relatório Anual 2019, página 19. Consultado em 31 de maio de 2020. Cópia arquivada em 28 de abril de 2020 
  54. CBTU (1993). «Superintendência de Trens Urbanos de São Paulo» (PDF). Relatório Anual 1992, página 24. Consultado em 3 de março de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2017 
  55. FAGUNDES, Homero Gottberg (1998). «A remodelação das linhas B e C da CPTM» (PDF). Revista dos Transportes Públicos - ANTP - Ano 20, página 93. Consultado em 3 de março de 2019 
  56. CPTM (11 de abril de 2003). «RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO 2002» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, Ano edição, página 3. Consultado em 3 de março de 2019 
  57. CPTM (2018). «RELATÓRIO DE ADMINISTRAÇÃO 2017» (PDF). Portal CPTM. Consultado em 3 de março de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 7 de abril de 2019 
  58. Companhia do Metropolitano de São Paulo (23 de março de 2019). «RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2018» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, Volume 129, Número 55, Caderno Empresarial, Página 2. Consultado em 24 de março de 2019 
  59. Ricardo Méier (20 de janeiro de 2021). «Linhas de metrô e trens perderam 1 bilhão de passageiros em 2020». Metrô-CPTM. Consultado em 23 de fevereiro de 2021 
  60. Ricardo Meier (19 de janeiro de 2022). «Linhas da CPTM transportaram 8% mais passageiros em 2021». Metrô CPTM. Consultado em 17 de abril de 2022 
  61. Companhia do Metropolitano de São Paulo (2023). «Passageiros transportados no sistema de transporte na RMSP 2019 e 2020, 2021, 2022» (PDF). Relatório Integrado 2022, página 41 
  62. «Operação-Embarcados Acumulados». Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. 2023. Consultado em 22 de abril de 2023 
  63. «Linha 8 Diamante - Passageiros Transportados». ViaMobilidade. 2023. Consultado em 22 de abril de 2023 
  64. «Linha 9 Esmeralda - Passageiros Transportados». ViaMobilidade. 2023. Consultado em 22 de abril de 2023 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]