Move (sistema de transportes)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
MOVE
Mosaico BRT MOVE.png
Informações
Proprietário BHTRANS
Secretaria de Estado de Infraestrutura de Mobilidade (SEINFRA)
Local Belo Horizonte, MG
 Brasil
Tipo de transporte BSicon BUS.svg Ônibus (Bus Rapid Transit)
Número de linhas 29 (municipais)[1], 26 (metropolitanas)[2]
Número de estações 56[3][2]
Tráfego 500.000/dia útil[4]
Website Página oficial da BHTRANS
Página oficial da Seinfra
Funcionamento
Início de funcionamento 8 de março de 2014 (7 anos)
Operadora(s) SETRA[nota 1] (municipal)
SINTRAM[nota 2] (metropolitana)
Número de veículos 428 (municipal)[4]
288 (metropolitano)[5][6]
Dados técnicos
Comprimento dos veículos 13,2 m (Padron)
18,6 m (Articulado)
Headway 2-30 minutos
Extensão do sistema 23,1 km[7]
Velocidade média 40 km/h (24,9 mph)
Velocidade máxima 70 km/h (43,5 mph)
Mapa do sistema, com o corredor da área central em destaque

MapaMoveBRT.PNG

Ônibus do Move transitando na Avenida Cristiano Machado.

MOVE[8] é um sistema Bus Rapid Transit em operação nos municípios de Belo Horizonte, Ribeirão das Neves, Santa Luzia e Vespasiano, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais. A rede de transporte do MOVE é parte integrante dos sistemas de transporte de passageiros por ônibus municipal de Belo Horizonte e intermunicipal da RMBH, ambos sob gestão e planejamento da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTRANS) e Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (SEINFRA), respectivamente, sendo a operação do sistema de responsabilidade das concessionárias operadoras das redes de transporte citadas.

Consiste em uma rede de corredores exclusivos e estações de transferência ao longo das avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado, Paraná, Pedro I, Santos Dumont e Vilarinho, além de estações de integração nas regionais administrativas Nordeste, Pampulha e Venda Nova, em Belo Horizonte, bem como nos municípios de Ribeirão das Neves, Santa Luzia e Vespasiano, na RMBH. Realiza, dessa forma, uma conexão entre o hipercentro e o vetor norte da capital e de sua região metropolitana. Inaugurado em 8 de Março de 2014, conta atualmente com uma rede de 23,1km de corredores que transportam diariamente 500 mil passageiros.[4]

A implantação do BRT em Belo Horizonte foi anunciado oficialmente pela Prefeitura de Belo Horizonte, através da BHTRANS, em 16 de Dezembro de 2010, como proposta de mobilidade urbana para a cidade[9]. O projeto faz parte do Plano de Mobilidade Urbana do município, que estabeleceu diretrizes e metas para os transportes e o trânsito da cidade até 2030[10]. A implantação do MOVE é apontada como uma alternativa aos atrasos na modernização e ampliação do sistema de metroferroviário da cidade, além de ter sido utilizado como oferta de mobilidade durante os jogos da Copa do Mundo FIFA de 2014, que teve o Brasil como país-sede[11].

Histórico[editar | editar código-fonte]

Antecedentes e concepção[editar | editar código-fonte]

A Lei Nº 5.953, de 31 de Julho de 1991, decretada pela Prefeitura de Belo Horizonte, estabeleceu a criação da BHTRANS, empresa de economia mista responsável pela gestão, planejamento, fiscalização e legislação dos serviços de transporte público e individual em Belo Horizonte[12]. A empresa assumiu a responsabilidade sobre o gerenciamento dos serviços de transporte coletivo por ônibus do município em 1993[13], até então a cargo da Autarquia de Transportes Metropolitanos - TRANSMETRO.

Em 1995, a BHTRANS inicia o desenvolvimento do Plano de Reestruturação do Transporte Coletivo de Belo Horizonte (BHBUS), como forma de racionalização da infraestrutura de transportes, propondo sistemas tronco-alimentados, operando em vias exclusivas e integrados, física e tarifariamente, em estações de integração, com adequação da frota de ônibus e a reformulação da estrutura tarifária[14], em um cenário planejado aos horizontes de 2000 e 2005. A rede BHBUS fora projetada para implementação em todas as regionais administrativas de Belo Horizonte, captando e distribuindo a demanda do transporte coletivo conforme as necessidades de deslocamento. Doze estações de integração foram propostas pelo projeto[15].

Em 1997, a Estação Diamante, localizada na regional Barreiro, foi a primeira a ser inaugurada[16][17], racionalizando parte dos atendimentos semi-expressos da regional. Em 1998, ocorre a licitação da rede de transporte coletivo, extinguindo as delegações precárias de operação do sistema e instituindo um novo modelo de subconcessão com validade de dez anos[18][19]. Posteriormente, outras estações de integração foram inauguradas nas regionais Venda Nova, Nordeste e Leste. Entretanto, a falta de recursos, alegada pela Prefeitura de Belo Horizonte, além de entraves na liberação de terrenos e desapropriações impossibilitaram a implementação de todas as estações previstas. Em 2009, seis das doze estações propostos estavam implantados, com apenas quatro em operação integral, atendendo a menos de 1/5 dos passageiros do transporte coletivo municipal[17].

No âmbito metropolitano, houve a extinção, em 1994[20], da TRANSMETRO, autarquia criada em 1987[21] para gerenciar, planejar e legislar sobre o transporte coletivo e individual da RMBH. As delegações atribuídas a TRANSMETRO foram transferidas ao Departamento de Estadas de Rodagem (DER-MG), que passou a ser vinculado a então Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (SETOP)[20]. O DER-MG não realizara mudanças significativas na gestão do transporte metropolitano da RMBH após a esse período, tendo gerenciado o sistema nos mesmos moldes realizados pela TRANSMETRO, através do Programa de Reestruturação do Transporte Coletivo (PROBUS).

Entre os anos de 2007 e 2008, as redes de transporte coletivo por ônibus de Belo Horizonte e da RMBH estiveram sob processo de licitação[22][23], que encerraram as outorgas de operação aos grupos empresariais da RMBH e iniciaram processo de operação do sistema por meio de regimes de concessão, com o cumprimento de metas relacionadas a racionalização e padronização técnica estipulados em contrato. Os sistemas foram divididos em Redes de Transporte e Serviços (RTS)[24] - no caso da concessão municipal de Belo Horizonte - e em Redes Integradas de Transporte (RIT)[25] - na concessão do transporte metropolitano, que correspondem as áreas de atuação das concessionárias vencedoras das concorrências, bem como aos eixos estruturais de circulação do transporte coletivo[24][25]. Entre as premissas definidas, estava a continuidade de implantação, no caso belo-horizontino, do sistema tronco-alimentado, iniciado em 1997 com o BHBUS, que também passou a ser previsto no transporte metropolitano, onde houvera a licitação das linhas junto ao serviço de transporte, além de definidos os eixos de circulação prioritários e os terminais de integração metropolitanos[25].

Elaboração do Projeto e Recursos[editar | editar código-fonte]

Paralelo ao processo de concessão do transporte em Belo Horizonte, a BHTRANS também elaborou o Plano de Mobilidade Urbana do município - Planmob - com um horizonte de planejamento e gestão até 2030[10]. Através do estudo fora realizado um diagnóstico da situação dos transportes coletivo e individual, de modo e elucidar as características operacionais existentes[14], que deram suporte a realização do prognóstico contendo as diretrizes para reformulação dos sistemas viário, de transporte, de política tarifária e de incentivos fiscais[10]. Entre as intervenções propostas, esteve a implantação de um sistema por ônibus de média-alta capacidade ao longo dos principais eixos de transporte do município, tendo a empresa avaliado os modais de Bus Rapid Transit e Veículo Leve sobre Trilhos nos cenários analisados. Tendo em vista as características contratuais dos regimes de concessão do transporte por ônibus[24] e o anúncio, em 2007, do Brasil como país-sede da Copa do Mundo FIFA de 2014[11], o BRT fora selecionado.

Dois cenários de implantação foram apontados pelo Planmob. O primeiro, "Cenário Copa 2014", definiu a implantação de corredores BRT ao longo das avenidas Amazonas, Antônio Carlos, Carlos Luz, Cristiano Machado, Pedro I, Pedro II, Portugal, Tereza Cristina, Vilarinho e Via do Minério, além do corredor da área central[14]. Um segundo cenário, com horizonte em 2020, projetou a ampliação da rede de corredores ao longo de vias como o Anel Rodoviário, Nossa Senhora do Carmo e Raja Gabáglia, além implenentação das linhas 2 e 3 do Metrô[10][26]. A implantação do primeiro cenário recebeu, em 2010, recursos avaliados em R$ 1 bilhão por parte do governo federal, através do Programa de Aceleração do Crescimento, no setor de Mobilidade Urbana[27]. A garantia de recursos, junto a elaboração dos projetos básico e de engenharia, fizeram com que, em dezembro do mesmo ano, a prefeitura de Belo Horizonte, através da BHTRANS, anunciasse a obra, com início planejado para 2011[9].

Em 2013, a então Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (SETOP) anunciou o investimento de R$ 187 milhões na implantação de terminais metropolitanos de integração na RMBH[28]. A intervenção é parte do programa "Terminais Metropolitanos", originado do próprio regime de concessão do transporte por ônibus metropolitano, de 2007[25], contemplando 13 dos terminais previstos. Desses, sete seriam parte integrante do sistema BRT em implantação, situados nos municípios de Ribeirão das Neves, Santa Luzia e Vespasiano, além da própria capital[28].

Implantação[editar | editar código-fonte]

Obras de implantação de estação de transferência na avenida Pedro I

As obras de implantação foram iniciadas em 2011, com a duplicação da avenida Pedro I, uma das vias estruturantes do sistema[29]. Também houve a continuidade nas obras de duplicação da avenida Antônio Carlos, que encontrava-se em obras desde 2005[30], com a substituição de cruzamentos em nível e a implantação de pavimento de concreto, tido em literatura e engenharia de transportes como mais adequado a circulação dos veículos com padrão BRT[31]. Intervenções viárias similares foram também iniciadas na Avenida Cristiano Machado, no trecho entre a Estação São Gabriel e os túneis do complexo da Lagoinha[32][33]. As avenidas Santos Dumont e Paraná, no hipercentro, foram segregadas para circulação exclusiva dos ônibus do sistema, tendo obras iniciadas em 2012[34].

Durante as obras de implantação, houveram alterações no projeto, que consideraram fatores relacionados ao orçamento e dificuldades técnicas de implantação[14]. O corredor na avenida Portugal foi suprimido, sendo incorporado a rede de atendimento do corredor Antônio Carlos. A implantação do sistema nas avenidas Carlos Luz e Pedro II foi cancelada, devido a dificuldades com as seções transversais ao longo da via, além de imbróglios envolvendo o processo de desapropriação ao longo das vias, tendo em vista a alta densidade de empreendimentos comerciais ao longo das vias[35][14]. A rede de corredores da área central, antes prevista para se estender ao longo do hipercentro e região hospitalar, foi resumido as avenidas Santos Dumont e Paraná. O corredor previsto nas avenidas Amazonas, Tereza Cristina e Via do Minério foram postergados, devido a insuficiência orçamentária[14]. Também foram revisados os projetos de implantação da Estação São Gabriel, considerando, mais uma vez, o orçamento previsto, além do prazo estabelecido[14].

A instalação das estações de transferência ao longo dos corredores em obras fora iniciada em 2013[36]. As estações foram projetadas para operarem com 1 a 2 módulos, considerando o perfil de carregamento diário previsto. Os módulos foram segregados entre as operações municipal e metropolitana, tendo em vista a não integração entre as instâncias de serviço de transporte vigentes. Foram implantadas 14 estações ao longo do corredor Antônio Carlos, 9 no corredor Cristiano Machado e 6 no corredor da área central[14]. Das 4 estações de integração previstas para operação do sistema em Belo Horizonte, 3 já estavam em operação, tendo sido reformadas para adequação a operação com características do BRT[10]. Para o sistema metropolitano, os terminais de integração tiveram obras iniciadas em 2013, sendo dois deles - São Gabriel e Vilarinho - reformados para a operação, outros 4 construídos - Bernardo Monteiro, Justinópolis, Morro Alto e São Benedito - e 1 postergado (TERGIP)[28].

Nomenclatura do sistema[editar | editar código-fonte]

Logomarca oficial do MOVE

Após o início das obras e divulgação de detalhes sobre a operação dos corredores, houve questionamentos por parte da mídia e da população com relação a identidade visual e nomenclatura oficiais do sistema. Inicialmente, a Prefeitura referiu-se ao sistema apenas pela sigla que denomina o transporte rápido por ônibus, BRT. Em 2011, a prefeitura abriu uma consulta pública para que a população sugerisse nomes para o sistema.[37] Em Abril de 2013, noticiários veicularam que o sistema receberia o nome MOVE, com base em observações feitas em estações que estavam sendo concluídas ao longo das obras.[38] Em Agosto do mesmo, a prefeitura confirmou a nomenclatura MOVE como a adotada para o sistema, e lançou edital para a contratação de uma empresa responsável pela elaboração visual do sistema.[39][40] Sobre o nome, o presidente da BHTRANS, Ramon Victor César, afirmou que "surgiram vários nomes e várias alternativas até que chegamos à proposta do nome MOVE, que induz deslocamento, move de um lugar a outro [...] O slogan é MOVE: você e a cidade, dando uma ideia do indivíduo e, ao mesmo tempo, do coletivo". Outro ponto ressaltado pela autarquia é o de que a nomenclatura possui a mesma grafia nos idiomas Português, Espanhol e Inglês[41].

Inauguração[editar | editar código-fonte]

O início de operação do MOVE ocorreu em Março de 2014[42], incialmente no corredor Cristiano Machado. A operação do sistema municipal ocorreu de forma gradativa, de modo a garantir a conclusão de todas as intervenções, além de evitar uma transição abrupta entre os modelos de transporte[14]. O corredor Antônio Carlos iniciou operação em maio do mesmo ano[43], a partir da Estação Pampulha. Em ambos os casos, a operação foi iniciada sem a conclusão integral das obras, com intervenções sendo realizadas em concomitância ao funcionamento. A rede metropolitana do MOVE iniciou atividades em Abril, a partir da Estação São Gabriel, atendendo inicialmente a 6 municípios do vetor leste da RMBH[44]. A conclusão de entregas do sistema municipal se deu integralmente em 2014, enquanto que no sistema metropolitano houve a conclusão as obras previstas em Dezembro de 2016, com a entrega do Terminal Bernardo Monteiro[45].

Sistema[editar | editar código-fonte]

Corredores e estações de integração[editar | editar código-fonte]

A rede de transportes do MOVE opera atualmente com 23,1km de corredores exclusivos, ao longo das avenidas Antônio Carlos, Cristiano Machado, Paraná, Pedro I, Santos Dumont e Vilarinho[14], que compõem os corredores Antônio Carlos, Cristiano Machado e Área Central. 56 estações de transferência encontram-se em operação[3][46], sendo 19 com operação exclusiva da rede metropolitana, 8 com operação exclusiva da rede municipal e 29 com operação de ambas as instâncias[3][46]. Outras 7 estações de integração fazem parte do serviço, atendendo as regionais administrativas Nordeste, Norte, Pampulha e Venda Nova, em Belo Horizonte, além de 14 dos 34 municípios da região metropolitana[46][14]. Diariamente, trafegam cerca de 500 mil passageiros no sistema, quando somadas as demandas municipal e intermunicipal[4].

Corredor Inauguração[43] Comprimento (km)[14] Estações[3][2] Passageiros/dia útil[4] headway (min)[4] Velocidade comercial (km/h)[4] Funcionamento[4]
Antônio Carlos Maio de 2014 14,7 24 320.000 1 - 30 40 Diariamente, entre 5h e 0h (municipal)
Diariamente, 24h (metropolitano)
Área Central Março de 2014 1,3 6 14.500* 1 - 30 40 Diariamente, 24h
Cristiano Machado Março de 2014 7,1 9 185.000 1 - 30 20 Diariamente, entre 5h e 0h (municipal)
Diariamente, 24h (metropolitano)
(*) número correspondente ao fluxo de passageiros/hora em horários de pico
Mapa da rede em operação, na instância municipal

Também encontram-se em operação estações em corredores de circulação mista, atendendo a rede metropolitana do sistema[46], localizadas ao longo da rodoviaria MG-010, avenida Brasília, Rua Padre Pedro Pinto e área central de Belo Horizonte[46]. Tais estações possuem projeto funcional diferente das implantadas pelo município de Belo Horizonte, com infraestrutura de menor porte.

Tarifa e integrações[editar | editar código-fonte]

A tarifa atualmente praticada pelo sistema corresponde aos grupos tarifários vigentes nas redes de transporte coletivo de Belo Horizonte e região metropolitana, sendo R$ 4,50 nas linhas municipais[4] e R$ 5,60, em linhas metropolitanas[2]. O pagamento pode ser feito em dinheiro e/ou através dos sistemas de bilhetagem eletrônica em atividade, sendo o Cartão BHBUS[47] (MOVE Municipal) e o Cartão Ótimo[48] (MOVE Metropolitano). A integração entre as linhas, dentro das estações de transferência e/ou de integração, é gratuita[14], em consonância com as características físicas e operacionais de um sistema BRT[31]. A integração entre o MOVE e as linhas do sistema convencional ocorre de forma física e tarifária, sendo que, em linhas municipais, pode ser realizada tanto em dinheiro quanto via bilhetagem eletrônica, enquanto que em linhas metropolitanas, o benefício de integração só é possível com o Cartão Ótimo. A compra dos bilhetes pode ser realizada em bilheterias distribuidas ao longo de Belo Horizonte e região metropolitana, assim como nas estações de transferência e/ou de integração, além dos sítios oficiais dos sistemas de bilhetagem[47][48].

Frota[editar | editar código-fonte]

O MOVE opera com frota distinta das redes convencionais de transporte municipal e metropolitana. É composta atualmente por 716 veículos, com identidade visual própria. Os veículos que operam o serviço intramunicipal apresentam padrão verde-limão, com faixa lateral inferior cinza, contendo representação dos monumentos históricos da cidade[49]. Os veículos em operação pelo serviço metropolitano, por sua vez, apresentam padrão verde escuro e prata. Em ambas as identidades visuais é identificada a logomarca do sistema[14]. Todos os veículos contam com refrigeração, suspensão a ar e, no caso dos veículos articulados, câmbio automático. Também possuem todo o equipamento de comunicação e monitoramento por parte das Centrais de Controle Operacional (CCO) das respectivas concessionárias.

Move Articulado BHTRANS.jpg MOVE Articulado SEINFRA.jpg Move Padron BHTRANS.jpg MOVE Padron SEINFRA.jpg MOVE Conexao Aeroporto.jpg
Ônibus articulado (MOVE Municipal) Ônibus articulado (MOVE Metropolitano) Ônibus padron (MOVE Muncipal) Ônibus padron (MOVE Metropolitano) Ônibus rodoviário (MOVE Conexão Aeroporto)

Expansão[editar | editar código-fonte]

Os planos de expansão do MOVE contemplam os cenários propostos pelo prognoóstico do Planmob[10], em um cenário de implantação com horizontes-base em 2014 e 2020. O documento cita a expansão do sistema ao longo dos eixos oeste, sudoeste e noroeste de Belo Horizonte[14]. Devido aos recursos orçamentários disponíveis a época, o município postergou a implantação de tais intervenções[50], optando da implantação de faixas exclusivas, como no caso das avenidas Carlos Luz e Pedro II[7].

Em 2015, o então prefeito Márcio Lacerda anunciou o lançamento de edital para contratação do projeto de um sistema de Bus Rapid System ao longo da avenida Amazonas[51]. Comummente citado como "Expresso Amazonas", o novo corredor seria o primeiro de um conjunto de intervenções viárias para o tratamento exclusivo do serviço de ônibus entre as regionais Barreiro e Oeste, que também contemplaria as avenidas Tereza Cristina e a Via do Minério[51]. O projeto recebeu aval, em 2016 da Caixa Econômica Federal para a liberação de recursos para realização das intervenções, restando ao Ministério da Fazenda a alocação da verba necessária[52]. Não obstante, houve impedimento na destinação do recurso por parte do governo federal, com a alegação de insubsistência do contrato de financiamento do projeto[53].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. BHTRANS (4 de junho de 2020). «MOVE - Como utilizar». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  2. a b c d Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (SINTRAM) (2020). «MOVE Metropolitano – Entenda o BRT da Região Metropolitana de Belo Horizonte». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  3. a b c d BHTRANS (16 de maio de 2018). «Estações». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  4. a b c d e f g h i BHTRANS (maio de 2020). «Números do Transporte Coletivo - Relatório de Maio/2020» (PDF). Consultado em 23 de outubro de 2020 
  5. O Tempo. «Estreia terá só 5,8% da frota». Consultado em 14 de Julho de 2014 
  6. Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (2014). «MOVE Metropolitano entra em operação neste sábado». Consultado em 29 de Maio de 2015 
  7. a b BHTRANS (15 de abril de 2019). «Pistas e Faixas Exclusivas». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  8. «Transporte Rápido por Ônibus, o BRT, de Belo Horizonte vai se chamar Move». Jornal Hoje em Dia. 11 de agosto de 2013 
  9. a b G1 (16 de dezembro de 2010). «Prefeitura lança projeto para melhorar o transporte coletivo em BH». Consultado em 8 de Março de 2015 
  10. a b c d e f BHTRANS (2012). «PlanMob - Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte» (PDF). Planmob-BH - Documentos. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  11. a b Rede Brasil Atual. «Sem investimento no metrô, BH aposta em ônibus e táxi». Consultado em 8 de Março de 2015 
  12. Prefeitura de Belo Horizonte (31 de julho de 1991). «LEI Nº 5953 de 31 de Julho de 1991». Diário Oficial do Município (DOM). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  13. Prefeitura de Belo Horizonte (7 de julho de 1993). «Decreto Nº 7.637, de 7 de Julho de 1993». Diário Oficial do Município (DOM). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  14. a b c d e f g h i j k l m n o BHTRANS (novembro de 2016). «Plano Diretor de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte, PLANMOB-BH: Revisão 2015. Relatório-Diagnóstico» (PDF). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  15. Secretaria Municipal de Governo, Prefeitura de Belo Horizonte (1999). «Lei nº 7.928, de 28 de Dezembro de 1999. Dispõe sobre operações urbanas para implementação de estações de integração de ônibus do BHBUS». Consultado em 23 de outubro de 2020 
  16. BHTRANS (15 de setembro de 1997). «Portaria BHTRANS DTP Nº 081/97 de 15 de Setembro de 1997». Diário Oficial do Município (DOM). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  17. a b O Tempo (2009). «Doze anos depois, BHBus só atende 17% dos passageiros». Consultado em 29 de Maio de 2015 
  18. BHTRANS (13 de julho de 1998). «Portaria BHTRANS DTP Nº 082/98 de 13 de Julho de 1998». Diário Oficial do Município (DOM). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  19. BHTRANS (16 de julho de 1998). «Portaria BHTRANS DTP Nº 084/98 de 16 de Julho de 1998» (PDF). Diário Oficial do Município (DOM). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  20. a b Governo do Estado de Minas Gerais (21 de janeiro de 1994). «Len Nº 11.403, de 21 de Janeiro de 1994». Legislação Mineira. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  21. Governo do Estado de Minas Gerais (29 de dezembro de 1987). «Lei Nº 9.527, de 29 de Dezembro de 1987». Leis Estaduais. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  22. Governo do Estado de Minas Gerais (22 de agosto de 2007). «Decreto Nº 44.603, de 22 de Agosto de 2007» (PDF). Diário Oficial do Estado de Minas Gerais. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  23. Prefeitura de Belo Horizonte (18 de janeiro de 2008). «Lei Nº 9491 de 18 de Janeiro de 2008». Diário Oficial do Município (DOM). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  24. a b c BHTRANS (2008). «ANEXO I - Descrição das Redes de Transporte e Serviços e das Informações Relevantes Sobre o Atual Sistema de Transporte Coletivo» (PDF). Concorrência Pública Nº 131/2008 Edital e Contratos. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  25. a b c d Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (SETOP) (2007). «Concorrência para Concessão de Serviço de Transporte Público. Edital Nº 01/2007. ANEXO I - Projeto Básico» (PDF). Concessão do Serviço de Transporte Públic. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  26. Mobilize Brasil (9 de agosto de 2013). «BRT de Belo Horizonte só terá ponto final em 2020». Consultado em 29 de outubro de 2013 
  27. BHTRANS (2010). «BH será contemplada com cerca de R$ 1 bi no PAC da Copa». Consultado em 29 de Maio de 2015 
  28. a b c Jornal O Tempo (30 de janeiro de 2013). «Minas anuncia investimento de R$ 187 milhões no transporte público da Grande BH». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  29. Jornal Estado de Minas (28 de julho de 2011). «Começam demolições para obras de duplicação da Avenida Pedro I». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  30. Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (SETOP) (5 de maio de 2009). «Duplicação da Antonio Carlos – Segunda etapa». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  31. a b ITDP - Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento (31 de março de 2015). «Parte III - Projeto Físico» (PDF). Manual de BRT: Guia de Planejamento. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  32. G1 (30 de agosto de 2011). «Prefeitura de BH anuncia obras para melhoria no trânsito». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  33. Jornal Hoje em Dia (12 de abril de 2013). «Obras do BRT alteram trânsito na av. Cristiano Machado, no Concórdia». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  34. Jornal Estado de Minas (11 de abril de 2013). «Avenida Santos Dumont será fechada para nova fase de obras do BRT». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  35. Mobilize Brazil (11 de junho de 2012). «Em Belo Horizonte, BRT terá "versão light" na Av. Pedro II». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  36. Bëhance (2012). «MOVE - BRT BH». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  37. «Prgramas e Projetos». Portal PBH. 2011. Consultado em 30 de Maio de 2015 
  38. Estado de Minas (13 de abril de 2013). «Estação do BRT revela novo nome do transporte». Consultado em 30 de Maio de 2015 
  39. Estado de Minas (Agosto de 2013). «BHTrans confirma nova marca do BRT; transporte começa a operar até maio de 2014». Consultado em 30 de Maio de 2015 
  40. Hoje em Dia (Agosto de 2013). «Aberta licitação para criação da nova marca do BRT, MOVE». Consultado em 30 de Maio de 2015 
  41. BHTRANS (Agosto de 2013). «PBH lança MOVE como nome do BRT». Consultado em 30 de Maio de 2015 
  42. ITDP - Instituto de Políticas para o Transporte & Desenvolvimento (10 de março de 2014). «Primeira fase do BRT MOVE é inaugurada em Belo Horizonte». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  43. a b Itatiaia (2014). «Sem estar totalmente concluída, a Estação Pampulha do BRT/Move, na Avenida Antônio Carlos, começou a funcionar nesse sábado». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  44. Jornal O Tempo (9 de abril de 2014). «Move Metropolitano começa a funcionar no próximo dia 26». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  45. Jornal Estado de Minas (26 de dezembro de 2016). «Terminal Move Bernardo Monteiro será entregue nesta terça-feira». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  46. a b c d e Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (SETOP) (novembro de 2018). «Transição de Governo - Relatórios Setoriais: Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (SETOP)» (PDF). Consultado em 29 de outubro de 2020 
  47. a b BHTRANS (5 de junho de 2020). «CARTÃO BHBUS». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  48. a b Consórcio Ótimo de Bilhetagem Eletrônica (2020). «Institucional - ÓTIMO». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  49. BHTRANS (17 de maio de 2008). «Manual de Identidade Visual dos Veículos» (PDF). Decreto Nº 13.415/08 Inclusos os Anexos I, II, III e IV no Decreto Nº 13.384/08. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  50. G1 (8 de junho de 2016). «Projetos de expansão do Move em Belo Horizonte estão parados». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  51. a b Jornal Estado de Minas (23 de maio de 2015). «Prefeitura dá a partida para expansão do Move para a Avenida Amazonas». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  52. Jornal Estado de Minas (19 de agosto de 2016). «Caixa aprova verba para expansão do Move até a Av. Amazonas». Consultado em 29 de outubro de 2020 
  53. Jornal O Tempo (15 de agosto de 2019). «Faixas exclusivas são 'plano B' para o Move». Consultado em 29 de outubro de 2020 

Notas

  1. Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte, representante sindical das concessionárias operadoras do transporte coletivo de Belo Horizonte, que também operam o sistema MOVE
  2. Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano, representante sindical das concessionárias operadoras do transporte coletivo intermunicipal da Região Metropolitana de Belo Horizonte, que também operam o sistema MOVE

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Move (sistema de transportes)
  • Institute for Transportation & Development Policy; William and Flora Hewlett Foundation; Ministério das Cidades (2008). Lloyd Wright; Walter Hook, ed. Manual de BRT (PDF). Guia de Planejamento 3ª ed. [S.l.: s.n.] 898 páginas. Consultado em 16 de dezembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 7 de maio de 2012