VLT de Cuiabá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Gnome globe current event.svg
Este artigo ou secção contém informações sobre uma construção futura.
É provável que contenha informações de natureza especulativa, e seu conteúdo pode mudar drasticamente.
Tower crane colorize.png
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde junho de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
VLT de Cuiabá/Várzea Grande
Informações
Local Região Metropolitana de Cuiabá
Tipo de transporte Ferroviário (Metropolitano)
Número de linhas 2
Número de estações 33
Tráfego 120 000 (estimativa)
Website mtnacopa.com.br
Número de veículos 40
Dados técnicos
Extensão do sistema 22,2 km
Velocidade máxima 70km

O VLT - Cuiabá é um sistema de metrô de superfície que está sendo implantado na região Metropolitana de Cuiabá, no Mato Grosso. O modelo foi apresentado pelo Governo do Estado como alternativa para melhorar a mobilidade urbana na Região Metropolitana, durante e após a Copa do Mundo FIFA de 2014. Porém por atrasos só terá seus primeiros trechos entregues em dezembro de 2014.[1] Por determinação da justiça, as obras foram interrompidas desde 2015.[2] Não há previsão para início das obras.

O sistema VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) terá 22,2 km de extensão dividido em duas linhas, a primeira linha será implantada ligando o Centro Político Administrativo (CPA), em Cuiabá ao Aeroporto Internacional Marechal Rondon, em Várzea Grande, já a segunda linha ligará a Região do Coxipó ao Centro Sul, ambas em Cuiabá. O sistema terá 32 estações e tem o custo estimado em 1,4 bilhão de reais.[3]

Dados do VLT[editar | editar código-fonte]

O VLT cuiabano prevê um sistema com 40 composições de 44 metros cada. Cada uma destas composições comporta até 71 passageiros sentados. Com uma composição em tráfego por estação no intervalo de 3 minutos, nos horários de pico, haverá uma demanda de até 8 mil passageiros. A tarifa prevista, segundo o governo, é de R$ 1,75 a custo atualizado em setembro de 2012. Cada uma das estações deverá receber um módulo de integração com o transporte coletivo tradicional (ônibus).

Conforme a equipe técnica da Secopa, o VLT conviverá com o trânsito em uma via prioritária, mas deverá respeitar a sinalização. O novo sistema prevê a instalação de sinalizadores para sincronia com o tráfego normal de veículos. Assim, o VLT terá a prioridade de tempo nos semáforos. Um sistema matemático calculará o tempo para as composições alternarem velocidade e executarem cruzamento de vias sem a necessidade de parada.

Tabela do sistema[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Extensão (km) Estações Duração das viagens (min) Funcionamento
1 Aeroporto ↔ CPA 15 22 ------ Em Obras
2 Centro ↔ Coxipó 7,2 11 ------ Em Obras

Referências

  1. «VLT deveria ser entregue nesta 5ª em Cuiabá mas previsão é só dezembro». Portal G1. 13 de Março de 2014. Consultado em 16 de Maio de 2016 
  2. «Justiça Federal prorroga suspensão de obra do VLT na Grande Cuiabá». Portal G1. 16 de Fevereiro de 2016. Consultado em 16 de Maio de 2016 
  3. «Governo garante ao TCE conclusão de trecho do VLT de Cuiabá até maio». Portal G1. 25 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de Maio de 2016