Sistema de Trens Urbanos de Natal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sistema de Trens Urbanos de Natal
300px
VLT em teste em setembro de 2014
Informações
Local Região Metropolitana de Natal
Tipo de transporte Estação de VLT VLT (Veículo Leve sobre Trilhos)
Número de linhas 2
Número de estações 23
Tráfego 13,2 mil/dia
Website Portal CBTU - Natal
Funcionamento
Operadora(s) CBTU Logo2.svg CBTU - STU/NAT
Número de veículos 20
Dados técnicos
Extensão do sistema 56,2 km
Frequência 176 min
Bitola Bitola métrica (1000 mm)
Velocidade média 50 km/h [1]
Velocidade máxima 60

O Sistema de Trens Urbanos de Natal é o sistema de metrô de superfície[2] da Região Metropolitana de Natal. É operado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) através da Superintendência de Trens Urbanos de Natal.

É composta atualmente por 23 estações em duas linhas que somam 56,2 quilômetros de extensão, que interligam os municípios de Ceará Mirim, Extremoz, Natal e Parnamirim[3], transportando uma média de 13,2 mil passageiros por dia.[4]

História[editar | editar código-fonte]

VLT[editar | editar código-fonte]

Como parte de um projeto de mobilidade urbana, o sistema de trens urbanos foi modernizado e passou a ter em sua frota VLTs modernos.[5] Além das novas composições, o projeto contempla também a construção de novas estações e a recuperação do leito ferroviário existente.

Modernização das estações[editar | editar código-fonte]

A CBTU pretende ainda em 2015 começar as obras de modernização das estações do metrô, serão reconstruídas 26 estações e construídas mais 4 (todas localizadas na chamada Zona Norte). As quatro novas estações já devem ser iniciadas em 2015 e completadas em 2016. Para todo o projeto, a previsão orçamentária é de R$ 311,65 milhões. R$ 67 milhões serão liberados este ano para a construção da novas estações.[6]

Modernização[editar | editar código-fonte]

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

Em andamento , a primeira fase da modernização de rede ferroviária natalense é a troca dos trens velhos pelos VLTs modernos, já foram adquiridos 5 VLT's de um total de 12.[7]

Outras fases do projeto[editar | editar código-fonte]

Em fase de projeto, a segunda e terceira fase visa a adição de linhas da rede.[8]

Segunda fase[editar | editar código-fonte]

Linha marrom ligando o campus da UFRN à Ribeira.[8]

Terceira fase[editar | editar código-fonte]

Linha laranja criando anel ferroviário em torno do campus da UFRN, a partir da Avenida Capitão-Mor Gouveia.[8]

Quarta fase[editar | editar código-fonte]

Em fase de análise, a quarta fase cria a linha roxa, ligando o aeroporto na BR-101.[8]

Quinta fase[editar | editar código-fonte]

Ampliar a Linha Sul até Nísia Floresta, usando parte da antiga ferrovia Natal-Nova Cruz

Características do Sistema[editar | editar código-fonte]

Este sistema atualmente possui 56,2 km de extensão, dividido em duas linhas e é servido por 23 estações. Os veículos deste sistema possuem uma velocidade comercial de 50 km/h. A bitola é métrica em via singela e os trens são movidos a diesel.

Tabela do Sistema[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Inauguração Comprimento (km) Estações Duração das viagens (min) Funcionamento
Norte Ceará MirimNatal A partir de 1984 38,5 13 1:20 De segunda a sexta, das 5h05 às 19h58 e aos sábados das 5h20 às 16h54.
Sul NatalParnamirim A partir de 1984 17,7 10 0:45 De segunda a sexta, das 5h25 às 19h40 e aos sábados das 5h25 às 15h45.

Frota[editar | editar código-fonte]

TUDH Bom Sinal e locomotiva Progress Rail na CBTU Natal.

Este sistema conta atualmente com uma frota de 3 locomotivas ALCO, diesel de bitola métrica e 13 carros Pidner, semelhantes aos dos sistemas de João Pessoa, Maceió e Recife compostas por aço carbono formando três composições. Além desses, uma frota de 5 carros do modelo Mobile 3 atualmente estão em operação. Ao todo essas composições realizam 24 viagens diárias.[9]

Linhas Existentes[editar | editar código-fonte]

Modelo/Série Potência (kW) Bitola (m) Fabricante Origem Ano de Fabricação Adquirente Inicial Frota Ativa Frota Inativa Frota Total
Mobile 3 2x338 1,00 Bom Sinal Brasil 2014 CBTU 5 0 5
RS-8/6000* 671 1,00 ALCO EUA 1958 RFFSA 2 1 3
PR7B* 700 1,00 Progress Rail Services Brasil 2013 CBTU 2 0 2
UC** --- 1,00 Pidner Brasil 1978 --- 9 4 13
Total 18 5 23

(*) Locomotivas • (**) Carros de Passageiros

Referências

  1. http://www.nominuto.com/noticias/cidades/com-capacidade-para-600-pessoas-vlt-comeca-a-circular-em-outubro/116471/
  2. «Governo inclui metrô de superfície de Natal no PAC 2». Governo Estadual. Consultado em 27 de julho de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  3. CBTU. «Portal CBTU - História». Consultado em 25 de abril de 2015 
  4. CBTU. «Portal CBTU - Natal». Consultado em 13 de julho de 2015 
  5. SOUZA, Carolina (4 de julho de 2014). «CBTU lança edital para Projeto de Recuperação dos Trens Urbanos de Natal». O Jornal de Hoje. Consultado em 26 de junho de 2015 
  6. «CBTU prevê 800% mais passageiros com ampliação da malha ferroviária». Novo Jornal. Consultado em 28 de julho de 2015 
  7. Rafael Araújo. «Com capacidade para 600 pessoas, VLT começa a circular em outubro». No minuto. Consultado em 8 de julho de 2015 
  8. a b c d Junior Santos. «Linha será implantada pela metade». Tribuna do Norte. Consultado em 8 de julho de 2015 
  9. CBTU. «Portal CBTU - Sistemas». Consultado em 25 de abril de 2015 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]