Estação Engenheiro Goulart

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
CPTM icon.svg Engenheiro Goulart
Mezanino da estação.
Uso atual Bahn aus Zusatzzeichen 1024-15.svg Estação de trens metropolitanos
Proprietário Bandeira do Estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Administração RFFSA (1975–1984)
CBTU Logo2.svg CBTU (1984–1994)
CPTM icon.svg CPTM (1994–atualmente)
Linhas L12 C.jpg Safira
L13 C.png Jade
Sigla EGO
Posição Superfície
Níveis 2
Plataformas Centrais (Ambas as linhas)
Capacidade Para até 80 mil passageiros/dia
Movimento em 2014 14,1 mil
Zona tarifária Única (R$ 4,40)
Serviços Acesso à deficiente físico Escada rolante Elevador Banheiro Venda de Bilhetes Bicicletário
Conexões Terminal rodoviário
Informações históricas
Inauguração 1 de janeiro de 1934 (87 anos)
Fechamento 23 de junho de 2014 (7 anos)
Reconstrução 4 de agosto de 2017 (4 anos)
Projeto arquitetônico Luiz Carlos Esteves [1]
Localização
Coordenadas 23° 29' 53" S 46° 31' 12" O
Endereço Av. Doutor Assis Ribeiro, 3500, Cangaíba
Município São Paulo
País  Brasil
Próxima estação
Sentido Brás L12 C.jpg Sentido Calmon Viana
Tatuapé USP Leste
Engenheiro Goulart
Sentido Engenheiro Goulart L13 C.png Sentido
Aeroporto–Guarulhos
- Guarulhos–Cecap
Engenheiro Goulart

A Estação Engenheiro Goulart é uma estação ferroviária pertencente às linhas 12–Safira e 13–Jade da CPTM.

O prédio da Estação Engenheiro Goulart fica localizado no mesmo lugar onde fora construído o prédio antigo, na Avenida Doutor Assis Ribeiro, N°3.500, no bairro de Engenheiro Goulart, distrito de Cangaíba, na Zona Leste de São Paulo. O prédio atual conta com 15 mil metros quadrados e foi oficialmente inaugurada em 4 de agosto de 2017, após três anos de reformas.[2] O prédio original da estação foi fechado em 23 de junho de 2014 e totalmente reconstruído, devido às obras da Linha 13–Jade, que passou a ter esta estação como ponto de partida desde 31 de março de 2018.

História[editar | editar código-fonte]

A Estação Engenheiro Goulart foi inaugurada em 1 de janeiro de 1934, junto com a Variante de Poá da EFCB. Em 1959, dois trens de passageiros colidiram após o chefe da estação autorizar a partida do trem UP-237, que deveria aguardar a passagem do trem UP-240 na estação. Por causa disso, às 18h20 de 5 de junho de 1959, os dois trens colidiram a oitocentos metros da estação, matando cinquenta passageiros e deixando outros 120 feridos.[3][4]

Plataforma de embarque da Linha 13 na Estação Engenheiro Goulart, durante inauguração das operações na linha, em 31 de março de 2018.

A estação foi reconstruída pela RFFSA em 1970. Desde 1994 é administrada pela CPTM. Entre 2008 e 2009, a estação passou por uma pequena reforma, que ampliou a cobertura das plataformas. Em 2014 foi desativada e demolida, para ser reconstruída e abrigar as linhas 12–Safira e a 13–Jade.[5]

Em 31 de março, foi inaugurada a Linha 13–Jade, com o embarque na estação de uma comitiva do governador Geraldo Alckmin, rumo à Estação Aeroporto–Guarulhos.[6] Nem todos os trens da Linha 13 param em Engenheiro Goulart, entretanto, pois há um serviço de trens expressos saindo da Estação da Luz a cada hora desde dezembro de 2020, que obedecem parada intermediária somente na próxima estação: Guarulhos-CECAP.[7]

Características[editar | editar código-fonte]

Estação construída no nível da superfície com duas plataformas centrais adjacentes. Possui duas rampas de acesso, uma delas interligando a estação com a Avenida Doutor Assis Ribeiro e a outra interligando a estação com o Parque Ecológico do Tietê.[8]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

A estação recebeu o nome atual de Engenheiro Goulart em homenagem a Aristides de Oliveira Goulart (?–1923), engenheiro e militar brasileiro. Formou-se em engenharia militar em 1890,[9] servindo ao Exército Brasileiro na arma de artilharia, onde alcançou a patente de capitão. Entre 1893 e 1896, foi cedido pelo Exército à Estrada de Ferro Central do Brasil, ingressando como auxiliar militar da 2.ª Divisão da ferrovia. Após um breve interlúdio, Goulart foi novamente cedido para a Central, reingressando na empresa em 1899 e permanecendo ali até 1910.[10] Após deixar a Central, retornou ao Exército, sendo promovido a coronel, até aposentar-se, em 1912, como general. Morreu em 30 de julho de 1923.[11][12]

Sigla Estação Inauguração Integração Plataformas Posição Notas
EGO Engenheiro Goulart 1 de janeiro de 1934 (Linha 12–Safira)

31 de março de 2018 (Linha 13–Jade)

Bilhete Único da SPTrans. Central Superfície Estação reconstruída pela CPTM

Referências

  1. «Portfólio» (PDF). Luiz Esteves Arquitetura. Consultado em 5 de fevereiro de 2019 
  2. Governo, Portal do (4 de agosto de 2017). «Estação Engenheiro Goulart da Linha-12 da CPTM é entregue». saopaulo.sp.gov.br. Consultado em 5 de agosto de 2017 
  3. 6 de junho de 1959. «Catastrofe na E.F.C.B em Engenheiro Goulart: Meia Centena de Mortos e Uma Centena de Feridos - Página 01» (JPG). Folha da Manhã. p. 1. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  4. 6 de junho de 1959. «Catastrofe na E.F.C.B em Engenheiro Goulart: Meia Centena de Mortos e Uma Centena de Feridos - Página 02» (JPG). Folha da Manhã. p. 2. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  5. SP, G1 (31 de março de 2018). «Trem para o Aeroporto de Guarulhos começa a funcionar após 14 anos de atraso». Portal G1. Consultado em 31 de março de 2018 
  6. Felipe Resk (31 de março de 2018). «Do aeroporto de Guarulhos à Praça da Sé, passageiro levará cerca de 1 hora e 40 minutos». Estadão. Consultado em 1 de abril de 2018 
  7. Meier, Ricardo (1 de dezembro de 2020). «Em novo formato, Expresso Aeroporto da Linha 13 estreia nesta terça-feira». Metrô CPTM. Consultado em 9 de dezembro de 2020 
  8. Luiz Esteves Arquitetura. «Projeto arquitetônico da Estação Engenheiro Goulart». Luiz Esteves, Galeria da Arquitetura. Consultado em 12 de fevereiro de 2017 
  9. «Engenheiros Militares de 1890». A Noite, ano VI, edição 1476, página 4/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 30 de janeiro de 1916. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  10. Manuel Fernandes Figueira (29 de março de 1908). «Memoria histórica da Estrada de Ferro Central do Brazil». Imprensa Nacional, páginas 386 e 644-Cópia digitalizada pela Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados do Brasil. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  11. «Atos fúnebres». Correio da manhã, ano XXIII, edição 8914, página 10/republicado pela Biblioteca nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 5 de agosto de 1923. Consultado em 28 de setembro de 2019 
  12. «Enterros». O Paiz,Ano XXXIX, edição 14163, página 5/republicado pela Biblioteca nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 31 de julho de 1923. Consultado em 28 de setembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]