Estação Engenheiro Cardoso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CPTM icon.svg Engenheiro Cardoso
Uso atual Bahn aus Zusatzzeichen 1024-15.svg Estação de trens metropolitanos
Proprietário Bandeira do estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Administração Estrada de Ferro Sorocabana (1951–1971)
FEPASA (1971–1996)
CPTM icon.svg CPTM (1996–atualmente)
Linha 8cinza.png Diamante
Sigla ECD
Posição Superfície
Serviços Terminal rodoviário Elevador Escada rolante Bicicletário
Informações históricas
Nomes antigos Km 33 (1951–1960)
Vitápolis (1960–1971)
Inauguração Meados de 1951 (68 anos)
Inauguração da
atual edificação
20 de fevereiro de 1987 (32 anos)
Projeto arquitetônico João Toscano (1986)
Localização
Localização Gnome-globe.png Estação Eng.Cardoso
Endereço Rua Nelson F. Costa, S/N, Vila Dr. Cardoso - Itapevi
Próxima estação
Sentido Itapevi/
Amador Bueno
8cinza.png Sentido Júlio Prestes
Itapevi Sagrado Coração
Engenheiro Cardoso

A Estação Engenheiro Cardoso é uma estação ferroviária, pertencente à Linha 8–Diamante da CPTM, localizada no município de Itapevi.

História[editar | editar código-fonte]

A estação foi inaugurada pela EFS em 1951, tendo sido nomeada Parada Km 33. Em 1960, foi ampliada pela empresa Sociedade de Engenharia e Materiais de Construcao Ltda (SENCO), sendo renomeada Vitápolis.[1] Na tarde de 28 de novembro de 1965 o então vereador de Jandira Caetano Francisco Leite (Partido Republicano (Brasil)) envolveu-se em uma confusão com o passageiro Vivaldo da Silva Maia na plataforma da estação Vitápolis. Após uma forte discussão, Caetano sacou uma arma e disparou vários tiros, vindo a atingir Vivaldo fatalmente no peito.[2] Após o crime o vereador renunciou ao mandato. [3]

Em 1971 foi renomeada Engenheiro Cardoso (vide seção Toponímia) e é selecionada para modernização na Fase III, dentro do Plano de Remodelação dos Subúrbios, contratado pela FEPASA junto as empresas Engevix e Sofrerail. Devido a problemas econômicos, as obras são postergadas por toda a década de 1970 e parte da década de 1980.

Em meados da década de 1980, a Companhia Siderúrgica Paulista possui uma dívida alta com o estado de São Paulo. Como forma de pagar parte dessa dívida, oferece vigas de aço ao governo. A FEPASA contrata o arquiteto João Toscano, que elabora projetos de 3 estações ferroviárias em aço: Largo Treze, Sagrado Coração e Engenheiro Cardoso. [4]

O uso de aço e um projeto modular permitiu uma rápida construção e a estação foi reinaugurada em 20 de fevereiro de 1987[5], sendo modernizada em 2010 pela CPTM.

Atualmente é administrada pela CPTM.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

A estação recebeu três nomes em sua história: Km 33 (em alusão a sua localização na Linha Tronco da Sorocabana). Vitápolis (nome do bairro itapeviense onde a estação está localizada) e Engenheiro Cardoso.

O nome atual reme ao engenheiro João Pedro Cardoso (1871–1957). Enbgenheiro da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro e posteriormente diretor da Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo, Cardoso atuou em diversos estudos geológicos, geográficos e topográficos por todo o estado de São Paulo, auxiliando na delimitação dos limites do estado. Ao se aposentar, adquiriu um antigo sítio bandeirante ao lado da estação Km 33, vivendo ali até o seu falecimento. Em 1971, a FEPASA renomeou a estação como Engenheiro Cardoso, atendendo a um pedido do advogado Fernando Euler Bueno (1915–2014) [6], genro de Cardoso, que cedeu terras do sítio bandeirante para a construção da nova estação e do Corredor Oeste (construído mais de 40 anos após a doação).

Tabelas[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Comprimento (km) Estações Observações
8
Diamante
Júlio PrestesItapevi 35,283 20 Possui extensão operacional.
Antiga Linha B–Cinza / Antiga Linha Oeste do Trem Metropolitano da FEPASA.
Sigla Estação Inauguração Integração Plataformas Posição Notas
ECD Engenheiro Cardoso 1951 Bilhete Único da SPTrans. Centrais Elevada Estação reconstruída pela FEPASA em estrutura de aço. Modernizada pela CPTM em 2010.

Referências

  1. Estrada de Ferro Sorocabana (15 de setembro de 1960). «Contratos» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  2. «Seção Criminal - 1ª Coluna-Superior» (PDF). Diário oficial do estado de São Paulo, páginas 55 e 56. 20 de abril de 1966. Consultado em 19 de novembro de 2018 
  3. PEREIRA, Nicanor (2007). Jandira Favo de Mel-crônicas, poesias e relatos. [S.l.]: Otoni. pp. 61–62. ISBN 978-85-7464-350-2 
  4. Rosa Camargo Artigas (2003). «João Walter Toscano». Editora Unesp. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  5. FEPASA (20 de fevereiro de 1987). «Propganda da inauugração». Folha de S. Paulo. Consultado em 18 de novembro de 2018 
  6. Andressa Taffarel (12 de setembro de 2014). «Fernando Euler Bueno (1915-2014) - Entre processos e móveis antigos». Folha de S. Paulo. Consultado em 18 de novembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]