Estação Sagrado Coração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CPTM icon.svg Sagrado Coração
Interior da estação Sagrado Coração.
Uso atual Bahn aus Zusatzzeichen 1024-15.svg Estação de trens metropolitanos
Proprietário Bandeira do estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Administração Estrada de Ferro Sorocabana (Déc. 1950–1971)
FEPASA (1971–1996)
CPTM icon.svg CPTM (1996–atualmente)
Linha 8cinza.png Diamante
Sigla SCO
Posição Superfície
Serviços Terminal rodoviário
Informações históricas
Inauguração Década de 1950
Inauguração da
atual edificação
20 de fevereiro de 1987 (32 anos)
Projeto arquitetônico João Toscano [1]
Localização
Localização Gnome-globe.png Estação Sagrado Coração
Endereço Rua Francisco José Longo, 402, Jardim Sagrado Coração de Jesus, Jandira
Próxima estação
Sentido Itapevi/
Amador Bueno
8cinza.png Sentido Júlio Prestes
Engenheiro Cardoso Jandira
Sagrado Coração

A Estação Sagrado Coração é uma estação ferroviária pertencente à Linha 8–Diamante da CPTM, localizada no município de Jandira.

História[editar | editar código-fonte]

Aberta na década de 1950 pela Estrada de Ferro Sorocabana, a parada do Quilômetro 33 foi rapidamente rebatizada como Parada Sagrado Coração de Jesus (por causa da existência de um monumento ali existente). Com o crescimento da cidade de Jandira, o deputado José Costa solicitou a ampliação da parada em 1961. Porém, apenas com a absorção da Sorocabana pela Fepasa é que um novo prédio seria projetado.[2][3]

Em virtude de dívidas de frete com a Fepasa, a Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa) resolveu pagá-las com aço para a construção de três estações (Santo Amaro, Engenheiro Cardoso e Sagrado Coração) e um bicicletário (Itapevi). O projeto da Estação Sagrado Coração foi contratado junto ao arquiteto João Toscano em 1986. A nova estação foi inaugurada em 20 de fevereiro de 1987.[4]

Após ser incorporada à CPTM em 1996, a área ao redor da estação (lado norte) foi invadida (em 2000) por famílias sem teto, dando origem a uma favela. Após negociações entre CPTM, Igreja Católica e MST, a favela foi removida em novembro de 2005. Seus moradores foram reassentados num novo núcleo na cidade de Jandira, chamado Comuna Urbana Dom Helder Câmara, sendo o primeiro assentamento urbano do MST no país.[5][6][7]

Projeto[editar | editar código-fonte]

Entre novembro de 2004 e abril de 2005, a CPTM realizou a concorrência número 8292402011, visando à contratação de projetos para 41 estações, divididas em dez lotes. A Estação Sagrado Coração foi incluída no lote 6 (ao lado das estações General Miguel Costa, Jandira e Engenheiro Cardoso). O lote 6 foi vencido pelo consórcio de empresas Themag Engenharia/Teknites Consultores Associados, pelo valor de 624 828 reais. No entanto, apenas os projetos de Jandira e Engenheiro Cardoso saíram do papel, enquanto Sagrado Coração não recebeu melhorias.[8]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

A estação recebeu o nome de Sagrado Coração por causa de um monumento ali existente. Construído em 1920 sobre uma pedra ao lado da Estrada de Ferro Sorocabana, o Monumento ao Sagrado Coração de Jesus era uma escultura em gesso, sendo um ponto de peregrinação da comunidade católica da região de Jandira. Nos anos 1970, acabou destruído por vândalos. No entanto, a estação e o bairro formado em torno desta já haviam sido batizados como Sagrado Coração, nome que se mantém até os dias atuais.[9]

Tabelas[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Comprimento (km) Estações Observações
8
Diamante
Júlio PrestesItapevi 35,283 20 Possui extensão operacional.
Antiga Linha B–Cinza / Antiga Linha Oeste do Trem Metropolitano da FEPASA.
Sigla Estação Inauguração Integração Plataformas Posição Notas
SCO Sagrado Coração Década de 1950 Bilhete Único da SPTrans e Cartão BOM da EMTU. Central Elevada Estação construída em estrutura de aço.

Referências

  1. ARTIGAS, Rosa Camargo (2003). João Walter Toscano. [S.l.]: Unesp. 187 páginas. ISBN 9788571394094 
  2. José Costa (5 de outubro de 1961). «Indicações-Nº860» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, Suplemento - Executivo, página 4. Consultado em 7 de maio de 2019 
  3. Ralph Mennucci Giesbrecht (2001). «Sagrado Coração». Estações ferroviárias do Brasil. Consultado em 7 de maio de 2019 
  4. FEPASA (20 de fevereiro de 1987). «Anúncio publicitário». Folha de S.Paulo, Ano 67, edição 21142, seção Cidades, página A7. Consultado em 7 de maio de 2019 
  5. Assessoria de Imprensa da CPTM (16 de julho de 2004). «Transportes Metropolitanos: Levantamento da CPTM aponta áreas de maior risco para operação de trens». Portal do Governo do estado de São Paulo. Consultado em 7 de maio de 2019 
  6. Romullo Baratto (7 de junho de 2015). «USINA 25 anos - Comuna Urbana D. Hélder Câmara». ArchDaily. Consultado em 7 de maio de 2019 
  7. Maura Silva (3 de junho de 2015). «Primeiro projeto urbano de habitação popular do MST completa 10 anos». MST. Consultado em 7 de maio de 2019 
  8. «HOMOLOGAÇÃO-CONCORRÊNCIA Nº 8292402011» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo. 12 de abril de 2005. Consultado em 7 de maio de 2019 
  9. PRADO, Waldomiro da Silva (1991). Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes. p. 61 
Precedido por
Engenheiro Cardoso
Distância: 1 517 metros
Linha 8–Diamante da CPTM
Sagrado Coração
Sucedido por
Jandira
Distância: 1 658 metros

Ligações externas[editar | editar código-fonte]