Bilhete Único

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde abril de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

O Bilhete Único é um sistema de bilhetagem eletrônica que unifica em apenas um sistema, toda a bilhetagem dos meios de transportes [1], gerando assim benefícios aos seus usuários, tais como as tarifas integradas, ou seja, o Bilhete Único oferece desconto ou isenção da tarifa ao se utilizar meios de transporte dentro de um determinado período de tempo. Para o sistema de transporte público, o Bilhete Único é vantajoso, pois o dinheiro entra no caixa antes do usuário utilizar o transporte público e há economias com impressão de bilhetes.

São Paulo[editar | editar código-fonte]

Cidade de São Paulo[editar | editar código-fonte]

Bilhete Único comum da cidade de São Paulo

O Bilhete Único da cidade de São Paulo foi uma solução criada pela SPTrans (São Paulo Transporte S/A), empresa responsável pelo transporte de ônibus, ligada ao governo municipal. Hoje em dia, o Bilhete Único também é aceito no Metrô e nos trens da CPTM.

Com seus mais de 8,5 milhões de cartões expedidos até 2006, e frota de 15.000 ônibus e 7,3 milhões de viagens, esta é provavelmente a 2ª maior solução em bilhetagem eletrônica no mundo, logo após o cartão Octopus de Hong Kong.

A primeira menção ao projeto é de 1992[2], quando o candidato a prefeito Eduardo Suplicy coloca o projeto como uma de suas propostas, porém ele perde a eleição, sem continuidade. Em 1995 a Câmara Municipal aprova o texto, prevendo integrações em 2h30, projeto do então vereador Carlos Zarattini, porém Paulo Maluf, então prefeito veta o projeto. Erundina ainda o cita como proposta em 1996, mas é apenas em em 18 de maio de 2004, na gestão da ex-prefeita Marta Suplicy[3], que o Bilhete Único é finalmente lançado.

O sistema passou por diversos balanceamentos até chegar no sistema que conhecemos hoje, sendo os principais diretamente nos primeiros meses de implantação, culminando no atual sistema que permite atualmente que o passageiro faça até quatro viagens de ônibus pagando uma única passagem dentro de um certo período de tempo. Permite ainda fazer integração com meios de transporte sob trilhos — metrô e trem — pagando um preço menor do que a soma da tarifa de ônibus e de trem ou metrô. Caso o usuário faça uma viagem utilizando os dois meios de transporte, ele poderá fazer até três viagens de ônibus e uma de trem ou metrô.[4]:

Histórico de modificação nos benefícios
Data Valor Duração Número de Modais Adicional Trilho Gestão Novidade
mai/2004 R$1,70 120 min ilimitado apenas ônibus Marta Suplicy Liberação do sistema para o público[2]
jul/2005 R$1,70 120min 4 ônibus apenas ônibus Marta Suplicy Passa a ser limitado em 4 viagens de ônibus[5]
dez/2005 R$1,70 120 min 4 ônibus ou 3 ônibus e 1 metrô R$1,30 José Serra Integração com Metrô e CPTM nas 4 viagens
ago/2008 R$2,30 180 min 4 ônibus ou 3 ônibus e 1 metrô R$1,45 Gilberto Kassab Vigência passa de 2h para 3h[6]
abr/2013 R$140,00 31 dias ilimitado R$90,00 Fernando Haddad Lançado o Bilhete Único Mensal[7]
abr/2014 R$48,00 7 dias ilimitado R$27,00 Fernando Haddad Lançado o Bilhete Único Semanal[8]
mai/2014 R$10,00 24 horas ilimitado R$6,00 Fernando Haddad Lançado o Bilhete Único Diário[9]

A solução original, iniciada em 1997, foi baseada na solução adotada na cidade de Seul, Coreia do Sul, mas foi abortada devido a problemas do software com a complexa regulamentação do Vale Transporte. Por volta de 2001/2002 o projeto foi reiniciado pela SPTrans, que decidiu que haveria pelo menos 2 provedores de solução para cada necessidade do projeto, para não depender exclusivamente de apenas uma provedora como outras cidades fazem. Os atuais cartões usam tecnologia NFC sem-contato NXP Mifare.

Segundo Celso Campello Neto, professor da Fundação Armando Alvares Penteado - FAAP, o grande propulsor e catalisador do Bilhete Único foi o cartão Vale-Transporte. Este benefício tem Lei específica e faz com que empregadores o concedam mensalmente aos seus empregados. Visando facilitar a disseminação da utilização, os órgãos emissores credenciaram empresas de distribuição, que disponibilizaram estruturas eletrônicas de venda e atendimento, bem como operações de processamento, logística de créditos e cartões, bem como atendimento a ocorrências.[10]

Os empregadores, clientes de empresas distribuidoras de benefícios como a Benefício Certo, Sodexo, Alelo, entre outras podem centralizar seus pedidos e reduzir seus custos, uma vez que, com o Bilhete Único, os custos logísticos de impressão dos vouchers, envelopamento e entrega de valores praticamente se extinguiu, sendo substituídos pelo universo eletrônico de processamento e atendimento. Além disso, o Bilhete Único trouxe a garantia de maior segurança aos usuários pela redução do número de assaltos aos ônibus, bem como eliminou por completo o comércio paralelo de vouchers em papel com deságio, tão comum em São Paulo antes de 2004.

O "Projeto de Bilhetagem Eletrônica", que resultou no "Bilhete Único", tem pelo menos 30 soluções diferentes e vários provedores de solução envolvidos no projeto.

Entre os problemas, o maior deles era a questão da recarga, pois todos os cartões são pré-pagos e a recarga não pode ser feita a bordo. Várias cidades brasileiras falharam em criar e espalhar uma rede de recarga. Devido a acordos com empresas distribuidoras de benefícios, em especial as de Vales-Transporte (VT) e com a Caixa Econômica Federal que concedeu suas lotéricas como pontos de recarga, hoje São Paulo conta com mais de 3.000 pontos de recarga (mar/2007). Hoje a recarga pode ser feita através da internet na loja virtual da SPTrans.

Em 2013 na gestão de Fernando Haddad, passou a vigorar uma nova modalidade de Bilhete Único, o Bilhete Único Mensal, que permite a livre utilização de ônibus ou metrô/trem durante 31 dias pagando 140 reais, ou 230 reais, com a possibilidade de integrar entre ônibus e transportes sobre trilhos durante o período.[11][12] No ano seguinte, esse sistema foi expandido e passou a valer também outras modalidades de tarifação temporal, os Bilhetes Únicos Semanal e Diário indicados principalmente para turistas.[4][13][14]

Cartão Descrição
Comum Bilhete Único Comum com direito a 4 viagens durante 3 horas
Estudante Bilhete Único Estudante com direito a 4 viagens durante 2 horas
Idoso Bilhete Único Idoso com direito a ilimitadas viagens gratuitas
Vale-Transporte Bilhete Único Vale-Transporte com direito a 4 viagens durante 2 horas
Personalizado Bilhete Único com direito a 4 viagens durante 2 horas
Obeso/Gestante Bilhete Único com direito a 4 viagens durante 2 horas com saída pela porta da frente
Deficiente Bilhete Único com ou sem acompanhante

Campinas[editar | editar código-fonte]

Em Campinas, o sistema (de nome homônimo ao da Capital) também conta com cartões diferenciados para cada tipo de usuário, entre eles:

Cartão Descrição
Comum Bilhete Único Comum com direito a 3 viagens durante uma hora e meia - Cor Vermelha
Escolar Bilhete Único Estudante com direito a 3 viagens durante uma hora e meia - Cor Azul
Gratuito Idoso Bilhete Único Idoso - Cor lilás
Vale-Transporte Bilhete Único Vale-Transporte com direito a 3 viagens durante uma hora e meia - Cor Verde
Gratuito Bilhete Único para pessoas deficientes - Cor lilás
  • Aos domingos e feriados o período aumenta para 2 horas

Ceará[editar | editar código-fonte]

Fortaleza[editar | editar código-fonte]

Inicialmente atendendo apenas à cidade de Fortaleza[15], o bilhete único foi implantado em 15 de junho de 2013, atendendo qualquer ônibus num intervalo de 2 horas. Em janeiro de 2014 foi implantada a integração entre ônibus e vans[16], e finalmente foi expandido para toda a Região Metropolitana de Fortaleza no dia 1º de junho de 2016 atendendo cidades como Caucaia, Maranguape, Pacatuba, Aquiraz e outras das 19 inseridas dentro da RM com desconto na tarifa de cada trecho urbano.

Cariri[editar | editar código-fonte]

Em 29 de dezembro de 2017[17] é lançado o Bilhete Único Metropolitano do Cariri[18], integrando Juazeiro do Norte, Crato, Barbalha e Missão Velha, inseridos na Região Metropolitana do Cariri, de implantação pelo DETRAN local e com gastos previstos de R$ 6,5 milhões ao ano o sistema busca atender 42 mil usuários por dia.

Modais permitidos no sistema Data Prevista
Primeira etapa Linhas de ônibus metropolitanas e nas linhas de ônibus urbanas de Juazeiro do Norte 2017
Segunda etapa Vans do transporte metropolitano e urbano complementar Sem previsão
Terceira etapa VLT – Veículo Leve sobre Trilhos. Sem previsão

Rio de Janeiro [1][editar | editar código-fonte]

Bilhete único Fluminense

Em 29 de dezembro de 2009, a Lei 5628/09 instaurou o Bilhete Único na região metropolitana do Rio de Janeiro. O Bilhete Único RJ tem a tarifa de R$ 8,00 e com ele o usuário pode viajar em até 2 meios de transporte diferentes - ônibus, vans legalizadas, trens, barcas e metrô - em até duas horas e meia, desde que um deles faça a integração entre municípios. O benefício vale também para quem usa apenas um transporte intermunicipal que custe acima de R$8,00.

O Bilhete Único RJ poderá ser incorporado a qualquer modalidade de RioCard mediante solicitação do comprador de créditos do cartão, tornando desnecessária a compra de um novo cartão.

Para compra avulsa, será disponibilizado nas bilheterias dos trens, metrô, barcas, nas lojas da Fetranspor e também pela Loja Virtual do Bilhete Único RJ, porém seu uso como bilhete único não será imediato, pois em todos os casos é necessária a associação prévia a um CPF, o que faz com que o bilhete único comprado nesses locais só possa ser utilizado 48h depois da compra. Caso o usuário perca ou tenha o cartão bilhete único furtado deverá solicitar o mais rápido possível cancelamento do bilhete único em uma das operadoras autorizadas

Como funciona a integração?
Ao utilizar o 1° transporte, será descontado do cartão o valor integral do modal. Caso o usuário utilize outro meio de transporte público no período de duas horas e meia, o restante da integração será descontada.
Se o valor do 1° transporte for superior a R$ 8,00, será descontado o valor total da integração (R$ 8,00) e, na próxima utilização, ao aproximar o cartão do validador, não será descontado valor algum.

Exemplo 1: 1° modal > R$ 3,80
2° modal > R$ 4,20
Exemplo 2: 1° modal > R$ 8,00
2° modal > R$ 0,00

Cada usuário terá direito a 2 integrações por dia - uma de ida e outra de volta.

O início da operação se deu na data de 1 de fevereiro de 2010

Cidade do Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

O Bilhete Único Carioca é o benefício tarifário da integração nas linhas de ônibus municipais da cidade do Rio de Janeiro. Após seu desbloqueio, poderá ser utilizado normalmente, mas só será contemplado com a tarifa proporcional em 48 h. Utilizando o cartão, você pode embarcar em até dois ônibus municipais, com ou sem ar-condicionado, dentro do intervalo de duas horas, pagando o valor de R$ 3,80. Além disso, o usuário poderá fazer uso de três ônibus, pagando R$2,75, desde que o segundo seja o BRT Transoeste e um dos outros dois seja uma linha alimentadora. O Bilhete Único Carioca funciona também para a integração de ônibus municipais da cidade do Rio de Janeiro e trens da SuperVia, pagando a tarifa de R$3,95. Ônibus tarifa (tipo "frescão") não estão incluídos no Bilhete Único Carioca. Nas viagens que não contemplam integração, o cartão pode ser utilizado sem restrições de uso e tempo, podendo ainda pagar várias passagens no mesmo veículo e será descontado a tarifa normal do modal.

Niterói[editar | editar código-fonte]

Assim como acontece na capital fluminense, a cidade de Niterói também adotou um bilhete único municipal, o Bilhete Único de Niterói Após seu desbloqueio poderá ser utilizado normalmente, mas só será contemplado com a tarifa proporcional em 48 h. Utilizando o cartão eletrônico, você pode embarcar em até dois ônibus municipal ou intermunicipal, dentro do intervalo de três horas, pagando o valor de R$ 3,30. exceção feita aos frescões e integrando-se ao bilhete único carioca, se pegar um ônibus municipal da capital [19].

Araruama[editar | editar código-fonte]

Seguindo o modelo da capital fluminense, o município de Araruama passou a oferecer aos moradores o Bilhete Único Municipal. Gerenciado pela Viação Montes Brancos (empresa responsável pelo transporte coletivo de passageiros na cidade) o Bilhete Único de Araruama faz a integração das passagens através da utilização do cartão eletrônico. Com isso, você pode embarcar em até dois ônibus municipais dentro do intervalo de duas horas, descontando uma única vez o valor de R$ 3,30. A integração pode ser realizada em todos os ônibus de linhas municipais, até nos frescões.

Petrópolis[editar | editar código-fonte]

Assim como na capital fluminense, na cidade de Petrópolis, os usuários de transporte público também fazem a integração entre ônibus urbano municipal, no tempo limite de uma hora, descontando uma única vez o valor de R$ 3,10. Para isso, é necessário ter o cartão RioCard

Referências

  1. a b Antônio Werneck (6 de abril de 2017). «Alerj decide que créditos expirados do RioCard vão para fundo do governo». O Globo. Consultado em 10 de abril de 2017.. Cópia arquivada em 10 de abril de 2017 
  2. a b «Veja fatos que marcaram a criação do Bilhete Único desde os anos 1990 - 10/08/2014 - sãopaulo - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 6 de março de 2018. 
  3. «Tarifa válida por 2 horas começa a vigorar neste mês em SP». Folha Online. 14 de maio de 2004 
  4. a b «Título ainda não informado (favor adicionar)» 
  5. «Bilhete Único chega aos 10 anos com novidades, mas sem atender Grande SP - 10/08/2014 - sãopaulo - Folha de S.Paulo». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 6 de março de 2018. 
  6. «Bilhete único começa a valer três horas a partir de hoje | Governo do Estado de São Paulo». Governo do Estado de São Paulo. 28 de julho de 2008 
  7. «Bilhete Único Mensal, a R$ 140, será vantajoso a partir de 46 viagens». São Paulo. 2 de abril de 2013 
  8. «Bilhete Único Mensal avança, mas atinge só 2% do total de passageiros em SP - Notícias - Cotidiano». Cotidiano 
  9. «Bilhete Único Diário começa a funcionar nesta segunda-feira». São Paulo. 19 de maio de 2014 
  10. Celso Campello Neto (10 de outubro de 2014). «Vale-Transporte & Bilhetagem Eletrônica: e o futuro se tornou presente». Benefício Certo. Consultado em 20 de outubro de 2014. 
  11. «Título ainda não informado (favor adicionar)» 
  12. «Título ainda não informado (favor adicionar)» 
  13. «Título ainda não informado (favor adicionar)» 
  14. «Título ainda não informado (favor adicionar)» 
  15. «Bilhete Único Metropolitano». www.bilheteunicometropolitano.ce.gov.br. Consultado em 7 de março de 2018. 
  16. «Bilhete Único já permite integração entre ônibus e vans» 
  17. «Bilhete Único do Cariri será lançado nesta sexta (29) em Juazeiro do Norte - Governo do Estado do Ceará». Governo do Estado do Ceará. 28 de dezembro de 2017 
  18. «Bilhete Único Metropolitano». www.bilheteunicometropolitano.ce.gov.br. Consultado em 7 de março de 2018. 
  19. G1 (14 de dezembro de 2011). «Bilhete Único de Niterói entra em vigor na quinta-feira». 13h16. Consultado em 27 de abril de 2013. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]