Edifício Prestes Maia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Edifício Prestes Maia

O Edifício Prestes Maia é um prédio abandonado localizado no bairro da Luz, na cidade de São Paulo, Brasil. O edifício era ocupado por uma fábrica de tecidos, a Companhia Nacional de Tecidos, até a década de 1980. A ocupação do prédio por movimentos sem teto viria a acontecer em 2002. Desde então, o prédio continua ocupado, mesmo com ordens judiciais para a desocupação do mesmo.[1][2][3] O prédio chegou a ser desocupado em 2007,[4] mas foi rapidamente reocupado por um outro movimento sem teto.[5]

O prédio era de propriedade de Jorge Nacle Hamuche, que comprou o edifício em um leilão em 1993.[6] Em 2015 ele foi comprado pela prefeitura de São Paulo, então sob o mandato de Fernando Haddad,[7] com o objetivo de criar moradia popular aos residentes locais, sem a infraestrutura precária do atual prédio.[8] Desde então, houve tentativas para a reforma do edifício, que tem dificuldades em obter financiamento para as reformas.[9]

Edifício Prestes Maia visto da Pinacoteca do Estado de São Paulo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Edifício Prestes Maia, o maior símbolo das ocupações na América Latina». noticias.uol.com.br. 10 de Maio de 2018. Consultado em 29 de abril de 2019. Cópia arquivada em 11 de junho de 2019 
  2. Barca, Antonio Jiménez (11 de fevereiro de 2016). «Reportagem | A vida no Prestes Maia, o maior imóvel ocupado por sem-teto do Brasil». EL PAÍS. Consultado em 29 de abril de 2019. Cópia arquivada em 11 de junho de 2019 
  3. «Ocupação Prestes Maia resistiu a incêndio com prevenção, organização e afeto». Ponte Jornalismo. 23 de novembro de 2018. Consultado em 29 de abril de 2019. Cópia arquivada em 11 de junho de 2019 
  4. «G1 > Edição São Paulo - NOTÍCIAS - Após cinco anos, Prestes Maia é desocupado». g1.globo.com. Consultado em 2 de novembro de 2019 
  5. «Centro de SP abriga o maior símbolo das ocupações na América Latina». EXAME. Consultado em 2 de novembro de 2019 
  6. Cruz, Fernanda (20 de outubro de 2015). «Segunda maior ocupação da América Latina será convertida em moradia popular». EBC. Consultado em 19 de agosto de 2021 
  7. Paulo, Anne BarbosaDo G1 São (17 de outubro de 2015). «Prefeitura de SP compra edifício Prestes Maia por R$ 22 milhões». São Paulo. Consultado em 29 de abril de 2019. Cópia arquivada em 11 de junho de 2019 
  8. Brasil, Agência (20 de outubro de 2015). «Edifício Prestes Maia será transformado em moradia popular - Brasil - iG». Último Segundo. Consultado em 2 de novembro de 2019 
  9. «SP: No Edifício Prestes Maia, burocracia impede reformas na 2ª maior ocupação da América Latina»Subscrição paga é requerida. O Globo. 6 de maio de 2018. Consultado em 2 de novembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Media relacionados com Edifício Prestes Maia no Wikimedia Commons

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.