Aquário de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aquário de São Paulo
Inauguração 2006
Website www.aquariodesp.com.br
Geografia
País  Brasil
Cidade São Paulo

Aquário de São Paulo (ASP) é um oceanário localizado no distrito do Ipiranga, zona sudeste da cidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Inaugurado no dia 6 de julho de 2006 (12 anos), como o primeiro Aquário Temático da América Latina.[1]

Atualmente, o local conta com um total de 15 mil m² e 4 milhões de litros de água onde habitam milhares de animais de centenas de espécies e contribui com diversos projetos de conservação que trabalham com animais em ambiente natural.[1]

Ambientes[editar | editar código-fonte]

Peixe-palhaço exposto no ASP.

O Aquário de São Paulo foi inaugurado em 6 de julho de 2006 (12 anos), quando apresentava apenas um setor, com área total de 3 mil m², onde foram construídos 25 tanques/aquários que exibia espécies de peixes, répteis e mamíferos que habitam diversos ecossistemas, como a Floresta Amazônica, o Pantanal e a bacia hidrográfica do rio Tietê.[1]

Em 2008, houve a primeira ampliação da instituição, com a construção de 2 mil m² para a criação do "Mundo Marinho", que contou com o aumento de 11 tanques/recintos onde passou a demonstrar a mudança gradativa entre o ambiente dulcícola e marinho, com tanques representando água salobra, manguezal, praia arenosa, costão rochoso, oceano e arrecifes, com diversos tipos de peixes, tubarões, raias e pinguins.[1]

Em 2009, 10 novos tanques/recinto foram construídos em 3 mil m² para ampliar o setor "Amazônia", com a chegada de um peixe-boi, tamanduás-mirim, macacos bugio, lontras e peixes gigantes da Amazônia (como pirarucus, pirararas, tambaquis e jaús) foram as principais novidades do setor. Em 2015, houve uma grande ampliação com a criação de 13 novos tanques/recintos em uma área de 7 mil m² voltado ao mundo animal de fora do país, como suricatas, colobus e lêmures do continente africano; raposas voadoras e pítons da Indonésia; cangurus, vombates, equidnas e coalas da Austrália; focas, leão marinho, lobos-marinhos e os ursos polares.[1]

Ursos polares[editar | editar código-fonte]

Urso-polar no Aquário de SP)

Os ursos polares Aurora e Peregrino, respectivamente com 4 e 5 anos. O casal, nascido na fria Rússia, é o primeiro de sua espécie no país. Apesar da diferença climática entre a terra natal deles e o Brasil, esse mamíferos, que juntos pesam 730 kg, não tiveram problemas para se adaptar à sua nova casa. Eles ficarão em um recinto de 1.500 metros quadrados, com temperatura entre -15 °C e -5 °C.Pesquisas sobre animais oriundos das regiões polares do planeta terra apontam que o território para a reprodução e a qualidade de vida desses ursos é de 200.000 a 1.000.000 de metros quadrados, com temperaturas que podem variar -50 °C a -5 °C e com variações luminosas de 24h de sol no verão e 24h sem sol no inverno. No seu habitat, os ursos se alimentam do couro das focas. Na natureza, eles pisam no gelo e seu faro é usado para identificar as focas que circulam na água. Fora de seu habitat, não aprendem a buscar seu alimento.[2] Um urso polar adulto pode chegar a caminhar até 30 Km todo dia por até semanas. Os ursos polares não hibernam. Os 25.000 ursos restantes no planeta habitam países como a Rússia, Canadá, Estados Unidos e Groelândia. Em 2008, os Estados Unidos declararam o urso polar do Alasca espécie em extinção.[3][4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.