Estação Carrão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Metrô-SP icon.svg Carrão
Vista parcial da plataforma da estação.
Uso atual Estação de Metrô Estação de metrô
Proprietário Bandeira do estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Administração Metrô-SP icon.svg Metrô de São Paulo
Linha 3red.png Vermelha
Sigla CAR
Posição Superfície
Plataformas Central
Movimento em 54 000[1]
Serviços Acesso à deficiente físico Escada rolante Elevador Bicicletário
Informações históricas
Inauguração 31 de maio de 1986 (33 anos)
Projeto arquitetônico Themag Engenharia [2]
Endereço Radial Leste X Rua Apucarana, Tatuapé
Próxima estação
Sentido
Palmeiras–Barra Funda
3red.png Sentido
Corinthians–Itaquera
Tatuapé Penha
Carrão

A Estação Carrão é uma estação metroviária da Linha 3–Vermelha do metrô da cidade brasileira de São Paulo. Está situada na Avenida Radial Leste, na esquina com a Rua Apucarana.[3]

Apesar do nome, a estação fica no distrito do Tatuapé, poucos quilômetros a oeste da divisa com o distrito de Carrão. Foi inaugurada no dia 31 de maio de 1986.[3]

História

Após a definição do local da estação em 1976, a Companhia do Metropolitano desapropriou as áreas necessárias para a construção da estação através do decreto 13154 de 25 de junho de 1976.[4][5] O projeto da estação Tatuapé foi apresentado em meados de 1979 sendo incluído num grupo de 8 estações com projetos padronizados em 19 módulos de concreto destinados a facilitar sua implantação (vide seção características).[6].[7] Apesar da expectativa de iniciar as obras ainda no final da década de 1970 e inaugurar a estação em fevereiro de 1983[8], as obras foram iniciadas apenas em 1982.[9] A estação Carrão foi entregue em 31 de maio de 1986.

Características

Estação em superfície, composta por 19 blocos de concreto pré moldado de 15 m X 12,50 m com mezanino de distribuição sobre plataforma central, estrutura em concreto aparente e cobertura espacial metálica treliçada. Possui acesso a portadoras de deficiência através de rampas e elevador. Esta integrada a terminal de ônibus urbano.[3]Possui capacidade de até 20 mil passageiros por dia, numa área construída de 12.170 m², sendo [6][10] :

Áreas

Bloco Tamanho (m²)
Plataforma 2700
Mezanino 1600
Salas técnicas 850
Salas operacionais 380
Acessos 1800
Terminais de ônibus 4700
Sanitários públicos 140

Equipamentos

Equipamento Quantidade
Escadas Rolantes 8
Bloqueios 16
Bilheterias 2
Elevadores 1

Toponímia

João da Silva Carrão (1810-1888) foi um advogado, jornalista e político, tendo ocupado vários cargos, com destaque para a presidência das províncias imperiais do Pará e de São Paulo além do comando do Ministério da Fazenda do Império do Brasil.[11]

O loteamento imobiliário Vila Carrão foi criado em 1916. Para acessá-lo, foi aberta entre 1927 e 1930 uma estrada de terra batida que ligava a Estrada de Ferro Central do Brasil até a Estrada de Sapopemba. Essa estrada foi batizada "Estrada do Itaquera-Carrão". Em 1954 o nome foi oficializado pela prefeitura de São Paulo como Avenida Conselheiro Carrão. Durante a elaboração do projeto da Linha Leste-Oeste do metrô, a estação situada 700 metros a oeste do Viaduto Conselheiro Carrão (parte da avenida homônima), localizado transversalmente à linha, foi batizada de Carrão. Nos anos 1970, então sub-distrito do Tatuapé, Vila Carrão é elevada para a categoria de distrito, englobando a área onde a estação homônima de metrô estava sendo construída. Em 1990 com uma reorganização dos distritos paulistanos, Vila Carrão perdeu parte de sua área, incluindo aquela onde está localizada a estação do metrô (agora pertencente ao distrito do Tatuapé).[11][12][13]

Desde a abertura da estação em 1986, dois projetos de lei tentaram alterar seu nome:

  • Em dezembro de 1987 o deputado estadual Abdo Haddad (PDS) apresentou o projeto de lei 0830/1987, solicitando a mudança do nome da estação Carrão para "Antônio de Barros" (rua localizada a 650 m á leste da estação). O deputado alegou que a estação encontrava-se situada a 3 quilômetros do bairro Vila Carrão (embora a estação estivesse dentro dos limites do distrito Carrão e a 700 metros da Avenida Conselheiro Carrão). O projeto foi rejeitado no ano seguinte.[14][15]
  • Em novembro de 1996 o então deputado estadual Afanásio Jazadji (PFL) apresentou o projeto de lei 719/1996 que previa renomeação da estação para "Corinthians", em virtude da estação estar situada a 1,5 quilômetro da sede do clube homônimo (Parque São Jorge). O projeto foi rejeitado, por conta do clube ter sido já homenageado com a estação "Corinthians-Itaquera" e da denominação proposta não atender ao interesse público local (mais identificado geograficamente com o nome Carrão).[16]

Obras de arte

A estação não faz parte do "Roteiro da Arte nas Estações".[17]

Tabela

Sigla Estação Inauguração Capacidade Integração Plataformas Posição Notas
CAR Carrão 31 de maio de 1986 20 mil passageiros hora/pico Bilhete Único da SPTrans Central Superfície Estação com estrutura de concreto aparente
Cobertura metálica treliçada

Ver também

Referências

  1. Metrô SP (2013). «Informações sobre a demanda». Consultado em 28 de fevereiro de 2015 
  2. «Transportes» (PDF). Themag Engenharia. Consultado em 11 de junho de 2019 
  3. a b c Metrô de São Paulo. «Estação Carrão». Consultado em 2 de abril de 2019 
  4. Prefeitura de São Paulo (25 de junho de 1976). «Decreto Nº 13.154». leis Municipais. Consultado em 29 de maio de 2019 
  5. «Desapropriados mais 600 imóveis para o Metrô». Folha de S.Paulo, Ano LVI, Edição 17273, Página 14. 29 de junho de 1976. Consultado em 29 de maio de 2019 
  6. a b SETUBAL, Olavo (1979). São Paulo: a cidade, o habitante, a administração: 1975-1979. [S.l.]: Prefeitura de São Paulo. p. 77 
  7. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO (1979). Leste-Oeste: em busca de uma solução integrada. [S.l.]: Companhia do Metropolitano de São Paulo. 203 páginas 
  8. «Presidente do Metrô tem planos modestos». Folha de S.Paulo, Ano 59, Edição 18767, Página 14. 20 de agosto de 1980. Consultado em 29 de maio de 2019 
  9. Ana Maria Leopoldo e Silva (20 de dezembro de 1981). «Metrô abre novas estações em 82». Folha de S.Paulo, ano, edição, página 24. Consultado em 11 de junho de 2019 
  10. «Metrô de São Paulo- Características das estações» (PDF). Themag Engenharia. Consultado em 11 de junho de 2019 
  11. a b Arquivo Histórico Municipal de São Paulo (2019). «Avenida Conselheiro Carrão». Dicionário de Ruas. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  12. Secretaria Municipal da Cultura de São Paulo. «Subprefeitura Aricanduva» (PDF). Departamento do Patrimônio Histórico. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  13. «Lei 11220». Prefeitura da cidade de São Paulo. 20 de maio de 1992. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  14. Abdo Haddad (5 de dezembro de 1987). «Projeto de Lei 830» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, Caderno Executivo I, página 104. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  15. Abdo Haddad (2019). «Projeto de Lei 830». Assembléia Legislativa de São Paulo. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  16. Afanásio Jazadji. «Projeto de lei 719/1996». Assembléia Legislativa de São Paulo. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  17. Roteiro de Arte - Metrô de São Paulo

Ligações externas

Precedido por
Tatuapé
Distância: 1.280 metros
Linha 3–Vermelha do Metrô
Carrão
Sucedido por
Penha
Distância: 2.280 metros
Ícone de esboço Este artigo sobre Metropolitanos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.