Estação Butantã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Butantã
Placa de identificação da estação.
Uso atual Estação de metropolitano
Administração ViaQuatro logo.png ViaQuatro
Linhas 4yellow.png Amarela
Código BUT
Serviços Ônibus Escada rolante Elevador Acesso à deficiente físico Bicicletário
Informações históricas
Inauguração 28 de março de 2011 (5 anos)
Endereço Av. Vital Brasil × Rua Pirajussara
Próxima estação
Sentido Luz Sentido Butantã
Pinheiros -
Butantã

Butantã é uma estação da Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo. Tem integração com o Terminal de Ônibus da SPTrans. Teve as obras civis concluídas em fevereiro de 2010[1] e foi inaugurada em 28 de março de 2011. Será estação de integração, com a construção da futura Linha 22 (Rebouças - Cotia).[2]


Histórico[editar | editar código-fonte]

Apesar de inicialmente prevista para ser inaugurada em 2010, no início de 2011 a estação ainda não tinha sido entregue, e Jurandir Fernandes, secretário dos Transportes Metropolitanos da gestão estadual que assumiu em 1 de janeiro, estabeleceu novo prazo, a metade do ano, junto com a Estação Pinheiros.[3] Apesar de o balanço do fim da gestão Goldman ter classificado as estações Butantã e Pinheiros como "prontas", apenas aguardando testes, o novo governo divulgou que ainda faltavam acabamentos e, no caso da segunda, a integração com a CPTM.[3] A licença ambiental para operar a estação foi obtida junto à Cetesb em fevereiro.[4] Com isso, segundo reportagem da Folha de S. Paulo, o Metrô passaria a ter uma meta "extraoficial" de abrir a estação em março e a Estação Pinheiros até abril, com previsão para funcionamento durante os horários de pico até junho.[4]

Em meados de março a previsão de inauguração da Estação Butantã passou a ser o dia 28 do mesmo mês.[5] Previa-se que, assim que a estação entrasse em operação, a autoridade municipal colocasse em operação duas linhas ligando a estação à Universidade de São Paulo e à Estação da Luz.[5] Essa segunda linha será desativada quando a Estação Luz for inaugurada.[5] Em janeiro cogitava-se a implantação de uma linha de ônibus circular gratuita ligando a estação à Universidade de São Paulo, mas a hipótese acabou descartada.[6]

A estação Butantã foi enfim aberta ao público no dia 28 de março de 2011, operando no mesmo horário do restante da linha (de segunda a sexta-feira, das 8 às 15 horas) e com cobrança normal de tarifa. A previsão inicial era de que até junho a estação funcionasse em horário normal[7] , embora ainda apenas de segunda a sexta-feira[8] . O consórcio tinha a expectativa de que o número de usuários diários na linha triplicasse, passando de 19 mil para 57 mil após a entrada em operação da Estação Butantã.[9] A cerimônia de inauguração foi marcada por protestos de metroviários e estudantes, os primeiros protestando contra o governador Geraldo Alckmin por causa da tecnologia driverless da linha, que dispensa condutores; os segundos, contra o prefeito Gilberto Kassab, devido ao aumento das tarifas de ônibus em janeiro.[10] Muitas pessoas compareceram à estação a partir das 8 horas naquele dia, conforme o Metrô havia anunciado em seu site, mas houve um atraso por causa da presença de autoridades, e as portas só foram abertas às 10h25.[11]

Ao contrário das outras duas estações da linha inauguradas anteriormente, a Butantã já foi aberta com cobrança de tarifa.[8] O terminal de ônibus passou a funcionar no mesmo dia e nos mesmos horários, apenas com as duas linhas inicialmente previstas para o período de operação assistida.[12] O complexo foi aberto apenas com um banheiro químico disponível para os passageiros, no terminal de ônibus, enquanto a estação contava com um para uso de portadores de deficiência.[7] Apesar da inauguração, muitas casas da região ainda apresentavam danos estruturais.[13] Segundo o Consórcio ViaAmarela,, que não divulgou o total por região, 1 010 imóveis apresentaram algum problema estrutural ao longo das obras da linha.[13] A inauguração também mudou o trânsito do bairro, com a Rua MMDC passando a ser de mão única ao longo de um quarteirão e ganhando dois semáforos.[14] Já os estacionamentos da região tinham a expectativa de ver o fluxo de veículos aumentar, e muitos aumentaram os preços após a inauguração da estação.[15]

A inauguração das estações Luz e República, em 15 de setembro, fez com que fosse criada, no mesmo dia, uma nova linha no terminal da Estação Butantã, ligando-o ao Terminal Campo Limpo.[16] Exatamente um mês depois o terminal passou a ser o ponto final de dezessete linhas intermunicipais com origem no oeste da Grande São Paulo.[17] Como o ponto final dessas linhas anteriormente era o Largo da Batata, em Pinheiros, foi criada uma linha circular do terminal ao antigo destino, gratuita para todos os usuários nos quatro primeiros dias e depois apenas para quem tivesse o Bilhete de Ônibus Metropolitano (BOM).[17] Segundo o Jornal da Tarde, "a maioria das pessoas que iam ao Largo da Batata não aprovou a mudança".[17] O presidente da EMTU disse ao JT que a intenção era facilitar a integração com o Metrô, especialmente para os passageiros com destino ao centro da cidade, e desafogar o trânsito da região do Largo da Batata.[17] Um especialista ouvido pelo mesmo jornal concordou com a iniciativa do ponto de vista do trânsito, mas ressaltou que era contra eliminar as linhas do Largo da Batata, o que "penalizaria" muitos usuários "por uma distância muito pequena".[17]

Características[editar | editar código-fonte]

A estação fica na Avenida Vital Brasil, sem número, na esquina com a Rua Pirajussara. É uma estação enterrada, com plataformas laterais e salas de apoio acima do nível da superfície, com estruturas em concreto aparente e passarela de distribuição em estrutura metálica, fixada com tirantes sobre a plataforma. Os escritórios dos funcionários da ViaAmarela e as salas operacionais e técnicas ficam nas edificações externas, o que teria evitado, segundo o Metrô, diversas desapropriações.[18]

A estação dispõe de nove bloqueios, catorze escadas rolantes e cinco elevadores, além de portas automáticas nas plataformas.[18] Possui acesso para pessoas portadoras de deficiência e integração com terminal de ônibus urbano.

Sua capacidade foi projetada para uma média de 35 mil passageiros diários.[19]

Informações básicas[editar | editar código-fonte]

Sigla Estação Inauguração Capacidade Integração Plataformas Posição Notas
BUT Butantã 28 de março de 2011 Bilhete Único da SPTrans Laterais Subterrânea Estação com estrutura de concreto aparente.


Terminal Butantã[editar | editar código-fonte]

A estação Butantã é integrada a um terminal metropolitano com linhas da EMTU para os municípios de Vargem Grande Paulista, Embu das Artes, Cotia, Osasco, Carapicuíba, Jandira, Barueri, Itapevi, Santana de Parnaíba e Pirapora do Bom Jesus além de linhas da SPTrans que atendem a região oeste de São Paulo e a USP.

Linhas[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Estações Principais destinos Duração das viagens (min) Intervalo entre trens (min) Funcionamento
4
Amarela
LuzButantã 7 Pinheiros, Jardim Paulista, Consolação, Bela Vista, Higienópolis, República, Luz 10 2 De domingo a sexta-feira, das 4h40 à meia-noite. Aos sábados, das 4h40 até a 1 hora de domingo.


Precedido por
Pinheiros
Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo
Butantã
Sucedido por
São Paulo-Morumbi
(em construção)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.expansao.sp.gov.br/metro_linha_amarela.php
  2. Renato Lobo (12/08/2014). «Metrô deve concluir projeto funcional de linha entre SP e Cotia até o começo de 2015». Via Trólebus. Consultado em 02 de março de 2015. 
  3. a b Alencar Izidoro. (6 de janeiro de 2011). "Metrô só abre estações em 6 meses, diz gestão Alckmin". Folha de S. Paulo (29 863): C6. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723.
  4. a b Alencar Izidoro (18 de fevereiro de 2011). «Metrô de SP obtém licença para abrir novas estações da linha 4». Folha.com. Consultado em 18/2/2011. 
  5. a b c James Cimino. (20 de março de 2011). "Estação Butantã terá linha direta para USP". Folha de S. Paulo (29 936): C6. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723. Visitado em 22/1/2011.
  6. Marcela Fonseca. (28 de março de 2011). "Terminal fará ligação com a USP". Metrô News (6 279): 4. São Paulo: Metrô News.
  7. a b (28 de março de 2011) "Com nova estação, Metrô liga Butantã à av. Paulista em 7 min". Folha de S. Paulo (29 944): C4. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723.
  8. a b Renato Machado. (25 de março de 2011). "Linha 4 abrirá até meia-noite em junho". Jornal da Tarde (14 823): 5A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  9. Renato Machado e Tiago Dantas. (29 de março de 2011). "Linha 4: Butantã triplica usuários". Jornal da Tarde (14 827): 5A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  10. Tiago Dantas. (29 de março de 2011). "Kassab é vaiado por estudantes". Jornal da Tarde (14 827): 5A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  11. Pedro da Rocha (28 de março de 2011). «Inauguração da estação Butantã é marcada por protestos e atrasos». Estadão.com. Consultado em 31/3/2011. 
  12. Mariana Rios. (24 de março de 2011). "Terminal Butantã terá duas linhas". Diário de S. Paulo (42 396): 10. São Paulo: Rede Bom Dia de Comunicação Ltda..
  13. a b Fabiano Nunes. (28 de março de 2011). "Casas abaladas pelo Metrô no Butantã estão sem reforma". Diário de S. Paulo (42 400): 16 e 17. São Paulo: Rede Bom Dia de Comunicação Ltda..
  14. Rodrigo Burgarelli. (28 de março de 2011). "Butantã abre hoje com mudanças no trânsito". Jornal da Tarde (14 826): 6A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.
  15. Marcela Fonseca. (28 de março de 2011). "Estacionamentos esperam crescimento". Metrô News (6 279): 4. São Paulo: Metrô News.
  16. Alencar Izidoro. (11 de setembro de 2011). "Estatal prevê 'trem cheio' na linha 4-amarela". Folha de S. Paulo (30 035): C3. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A.. ISSN 14145723.
  17. a b c d e Felipe Tau. (16 de outubro de 2011). "Terminal tira ônibus do Largo da Batata". Jornal da Tarde (15 028): 4A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X. Visitado em 16/10/2011.
  18. a b Marcela Fonseca. (28 de março de 2011). "Estação Butantã do Metrô tem 36 escadas". Metrô News (6 279): 3. São Paulo: Metrô News.
  19. José Maria Tomazela. (23 de março de 2011). "Estação Butantã abre segunda-feira". Jornal da Tarde (14 821): 6A. São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. ISSN 1516294X.