Estação São Joaquim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Metrô-SP icon.svg São Joaquim
Plataformas e trilhos da Linha 1–Azul na Estação São Joaquim
Uso atual Estação de Metrô Estação de metrô
Proprietário Bandeira do estado de São Paulo.svg Governo do Estado de São Paulo
Administração Metrô-SP icon.svg Metrô de São Paulo
Linhas L01 C.jpg Azul
Sigla JQM
Posição Subterrânea
Plataformas Laterais (ambas as linhas)
Capacidade Para até 20 mil passageiros/dia
Serviços Acesso à deficiente físico Escada rolante Elevador Banheiro Venda de Bilhetes Táxi
Conexões Terminal rodoviário
Informações históricas
Inauguração 17 de fevereiro de 1975 (45 anos)(Linha 1)
Projeto arquitetônico Flávio Marcondes (Linha 1)[1]
Localização
Coordenadas 23° 33' 46" S 46° 38' 21" O
Endereço Avenida da Liberdade, 1033
Liberdade
Município Bandeira da cidade de São Paulo.svg São Paulo
País  Brasil
Próxima estação
Sentido Tucuruvi L01 C.jpg Sentido Jabaquara
Japão–Liberdade Vergueiro
São Joaquim

A Estação São Joaquim é uma das estações da Linha 1–Azul e, futuramente, da Linha 6–Laranja do Metrô de São Paulo. Foi inaugurada em 17 de fevereiro de 1975 e está localizada na Avenida da Liberdade, 1033, no distrito da Liberdade.[2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Linha 1–Azul[editar | editar código-fonte]

O projeto da Estação São Joaquim foi elaborado entre 1967 e 1968 pelo arquiteto Flávio Marcondes.[1] A desapropriação dos lotes para a construção da estação foi autorizada pelo Decreto Municipal 8656 de 16 de fevereiro de 1970.[4] Durante a divisão das obras da Linha Norte–Sul em onze lotes (depois diminuídos para dez), a Estação São Joaquim foi incorporada ao lote 4. Enquanto os primeiros lotes foram iniciados em dezembro de 1968, o lote 4 acabou envolvido por grande polêmica quando foi inicialmente vencido pelo consórcio Metronors. O consórcio Metronors acabou denunciado por ter entre seus integrantes a empresa alemã Hochtief. A Hochtief foi uma das empresas que elaborou o projeto da linha entre 1967 e 1969 e acabou contratada pelo Metrô para a fiscalização das obras. De acordo com as regras vigentes da licitação, ela não poderia construir uma obra cujo projeto elaborou e fiscalizaria. Dessa forma, o consórcio Metronors foi desclassificado, e o lote 4 acabou dividido em 4–Norte e 4–Sul.[5] A contratação das obras, que deveria ter ocorrido em setembro de 1969, ocorreu apenas em maio de 1971, quando a Camargo Corrêa foi contratado para o lote sul (segunda colocada da licitação cancelada anteriormente)[6] e a construtora Mendes Junior para o lote norte.[7]

Naquele momento, a Estação São Joaquim era uma das mais atrasadas do projeto. Após exigir ritmo intenso, o Metrô anunciou, no início de 1972, que as obras haviam evoluído em dez meses e alcançado o mesmo patamar das demais da linha.[8] As obras foram inauguradas em 17 de fevereiro de 1975, como parte da inauguração do trecho Vila MarianaLiberdade.[9]

Em 2010, a estação recebeu elevadores para torná-la totalmente acessível.[10]

Linha 6–Laranja[editar | editar código-fonte]

O projeto da Linha 6–Laranja surgiu após reivindicação da população da Freguesia do Ó. Depois de quinze anos de reivindicação, a Companhia do Metropolitano de São Paulo incluiu um projeto de metrô para o bairro no Plano Integrado de Transportes Urbanos - Horizonte 2025 (PITU-2025). Durante a elaboração do projeto, foi decidido que uma das estações da Linha 6 seria São Joaquim, para permitir a integração com a Linha 1–Azul. Segundo o estudo de impacto ambiental da linha (considerando o cenário Bandeirantes–Cidade Líder), a estação terá um movimento de embarque diário previsto de 121 830 passageiros.[11]

Com a mudança do projeto (reduzido para Brasilândia–São Joaquim), será uma das estações terminais da Linha 6 e a principal estação de transferência de toda a linha.[12] Para a construção da estação, foram desapropriadas quatro áreas ao redor da estação da Linha 1-Azul (em um total de 5 693,8 metros quadrados, por meio do decreto estadual número 58 025, de 7 de maio de 2012.[13][14] O projeto arquitetônico da estação, que prevê 16 098,27 metros quadrados de área construída, foi elaborado entre 2011 e 2012 pelo escritório Tetra Projetos e pela empresa Setepla Tecnometal.[15]

Em abril de 2015, foi iniciada a demolição dos imóveis desapropriados. Antes da conclusão dessa etapa, o projeto foi paralisado por falta de recursos pela concessionária Move São Paulo, em setembro de 2016.[16]

Demanda média da estação[editar | editar código-fonte]

A média de entrada de passageiros nessa estação é de 39 mil passageiros por dia, segundo dados do Metrô.[17]

Obras de arte[editar | editar código-fonte]

A estação não faz parte do Roteiro da Arte nas Estações (Metrô de São Paulo).[18]

Tabela[editar | editar código-fonte]

A estação é subterrânea, com mezanino de distribuição e plataformas laterais com estrutura em concreto aparente, e tem capacidade para até vinte mil passageiros por dia. Sua área construída é de 6,415 metros quadrados.[2]

Sigla Estação Inauguração Capacidade Integração Plataformas Posição Notas
JQM São Joaquim 17 de fevereiro de 1975 20 mil passageiros hora/pico Bilhete Único da SPTrans Laterais Subterrânea Estação com estrutura de concreto aparente.

Dados da linha[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Estações Principais destinos Intervalo entre trens (s) Funcionamento
1
Azul
TucuruviJabaquara 23 Tucuruvi, Santana, Tiradentes, Luz, Sé, Liberdade, São Joaquim, Paraíso, Santa Cruz, Praça da Arvore, Jabaquara 90 Diariamente, das 4h40 à 0h32; Sábados até a 1 hora de domingo

Referências

  1. a b MARCONDES, Flávio (2012). «Reflexão vivencial sobre a produção arquitetônica na cidade de São Paulo» (PDF). Universidade Presbiteriana Mackenzie. Consultado em 8 de fevereiro de 2019 
  2. a b Metrô de São Paulo. «Estação São Joaquim». Consultado em 1 de abril de 2019 
  3. Folha de S. Paulo (jornal) - caderno Cotidiano - 26 de março de 2008 - Prefeito e Serra prometem nova linha de metrô
  4. Prefeitura de São Paulo (16 de fevereiro de 1970). «Decreto Municipal 8656». Leis Municipais. Consultado em 30 de julho de 2020 
  5. «Metrô: os trechos 4 e 5 começam mesmo em outubro». Diário da Noite, ano XLIV, edição 13738, 1º caderno, página 7/ republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 30 de setembro de 1969. Consultado em 30 de julho de 2020 
  6. Câmara dos Vereadores de São Paulo (25 de dezembro de 1971). «O sr. Vicente de Almeida:Discurso proferido na 332ª sessão ordinária realizada em 22 de novembro de 1971 (Rodízio 41)» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo, Caderno Executivo, página 21. Consultado em 30 de julho de 2020 
  7. «Dois bilhões e meio: eis o preço do futuro». Folha de S.Paulo, ano LI, edição 15294, página 6. 1 de maio de 1971. Consultado em 30 de julho de 2020 
  8. «O metrô de São Paulo corre em marcha segura». Folha de S.Paulo, ano LI, edição 15263, página 10. 31 de março de 1971. Consultado em 30 de julho de 2020 
  9. «Depois de mais de 6 anos, o Metrô no centro». Folha de S.Paulo, ano LIV, edição 16779, página 8. 18 de fevereiro de 1975. Consultado em 30 de julho de 2020 
  10. Companhia do Metropolitano de São Paulo (2011). «Desempenho-Acessibilidade» (PDF). Relatório Anual 2010, página 1/republicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo. Consultado em 30 de julho de 2020 
  11. Coordenadoria de Planejamento e Gestão - CPG (dezembro de 2006). «Parte E - A estratégia preferida» (PDF). Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo. Consultado em 17 de julho de 2020 
  12. http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,linha-6-do-metro-tera-3-terminais-e-garagem,859901
  13. «Decreto Estadual n° 58025». Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. 7 de maio de 2012. Consultado em 31 de julho de 2020 
  14. Companhia do Metropolitano de São Paulo (23 de novembro de 2011). «Planta de desapropriação» (PDF). Concessionária Move São Paulo. Consultado em 31 de julho de 2020 
  15. «Estação São Joaquim». Tetra Projetos. 2012. Consultado em 31 de julho de 2020 
  16. Estadão (8 de setembro de 2016). «Obra parada do Metrô assombra moradores». Associação Nacional de Transportes Públicos. Consultado em 31 de julho de 2020 
  17. Demanda média da estação e outras estações do Metrô
  18. [1] Roteiro de Arte - Metrô de São Paulo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estação São Joaquim

Precedido por
Japão–Liberdade
Distância: 825 metros
Linha 1–Azul do Metrô
São Joaquim
Sucedido por
Vergueiro
Distância: 843 metros
Ícone de esboço Este artigo sobre Metropolitanos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.