Indústria Brasileira de Gases

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Edit-delete-not encyclopedic3.svg
Este artigo ou parte de seu texto pode não ser de natureza enciclopédica. (desde fevereiro de 2011)
Observações: Redação em tom de press-release/apresentação. Vide página de discussão.
IBG - Indústria Brasileira de Gases
Logo alta resolução.JPG
Indústria produtora de gases
Fundação 1992
Sede Brasil
Pessoas-chave Newton de Oliveira [1]
Empregados 300
Produtos Gases industriais e medicinais
Website oficial IBG

Fundada em 1992 pelo empresário Newton de Oliveira, a IBG - Indústria Brasileira de Gases[2] é uma companhia de capital 100% brasileiro especializada na produção de gases industriais e medicinais. Apresenta uma taxa média de crescimento de 30%.

Até a IBG iniciar suas atividades, no Distrito Industrial de Jundiaí (interior de São Paulo), várias companhias nacionais e internacionais tentaram se estabelecer sem sucesso no mercado brasileiro de gases e acabaram por vender suas operações para grandes empresas. Com sua atuação, a IBG passou a representar uma moderadora de preços, ajudando a promover reduções de custos especialmente para a saúde pública e privada.

Hoje, mais de 3 mil empresas integram a carteira de clientes da IBG, das áreas médico-hospitalar, industrial, microeletrônica, metalurgia, siderurgia, processamento e estocagem de alimentos, saúde, petroquímica, indústria automobilística e indústria química.

A indústria gera mais de 300 postos de trabalho e opera nove fábricas – seis em Jundiaí (SP), (três de gases do ar, uma de acetileno, uma de óxido nitroso e uma de gases especiais); uma em Suape - Recife de Gases do Ar; e duas especializadas na produção de dióxido de carbono (CO2) em Descalvado (SP).

Até o final deste ano, está prevista a inauguração de uma outra unidade de produção de gases industriais. A IBG conta ainda com 17 estações de enchimento espalhadas por todo o Brasil.[3]

História[editar | editar código-fonte]

A IBG iniciou suas atividades com uma fábrica de acetileno, importada dos Estados Unidos. Na época, adquiria das siderurgias os excedentes de oxigênio líquido, nitrogênio líquido para a comercialização no estado líquido e gasoso.

Logo nos dois primeiros anos de operação, a indústria trouxe dos Estados Unidos sua própria planta de gases do ar para produzir oxigênio e nitrogênio. Em seguida, importou uma fábrica de óxido nitroso. Em agosto de 2007, a companhia inaugurou uma fábrica em Aparecida de Goiânia, no interior de Goiás. Em 2009, investiu na instalação da FOX IV, também em Jundiaí.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Matriz em Jundiaí (SP)

Fábricas

• Três unidades produtivas de gases do ar (FOX II, FOX III e FOX IV);

• Uma fábrica de acetileno

• Uma fábrica de óxido nitroso

• Uma fábrica de gases especiais

• Uma unidade de produção de gases do ar em montagem

• Duas unidades de produção de dióxido de carbono (CO2) em Descalvado (SP), e uma em Suape (Recife).

Referências