Aeroporto do Rio de Janeiro-Santos Dumont

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aeroporto Santos Dumont)
Ir para: navegação, pesquisa
Aeroporto Santos Dumont
Logo Infraero.png
Santos Dumont Apron (8787797356).jpg
IATA: SDU - ICAO: SBRJ
Tipo Público
Administração Infraero
Serve Rio de Janeiro e Região Metropolitana
Localização Brasil Zona Central, Rio de Janeiro
Inauguração 30 de novembro de 1936 (79 anos)
Coordenadas 22° 54' 39" S 43° 09' 50" O
Altitude 8 m (26 ft)
Movimento em 2015 Baixa9.618.197 passageiros
Aumento2.193.489 [Kilo
Baixa120.538 aeronaves
Capacidade anual 9,9 milhões de passageiros
Website oficial Página oficial
Mapa
SDU está localizado em: Brasil
SDU
Localização do aeroporto no Brasil
Pistas
Cabeceiras Comprimento Superfície
2R/20L 1 323 m (4 341 ft) Asfalto
2L/20R 1 260 m (4 134 ft) Asfalto

O Aeroporto Santos Dumont[1] (IATA: SDUICAO: SBRJ) é um aeroporto doméstico da cidade do Rio de Janeiro, um dos dez mais movimentados do Brasil. Possui uma localização privilegiada e de fácil acesso bem no centro financeiro da cidade.[2] Construído na década de 30 sobre um aterro à beira da Baía de Guanabara, o Santos Dumont foi o primeiro aeroporto exclusivamente civil a ser inaugurado no Brasil.[2] Atualmente, é o segundo aeroporto mais movimentado do estado do Rio de Janeiro depois do Aeroporto Internacional do Galeão e o sétimo mais movimentado do Brasil, em 2014.

Um destaque do Aeroporto Santos Dumont é a moderna sala de embarque, a primeira no Brasil totalmente revestida material transparente, que dá uma ampla visão para a Baía de Guanabara, onde é possível observar pontos turísticos como a Ponte Rio-Niterói, a Ilha Fiscal, o Museu de Arte Contemporânea, a cidade de Niterói, a Escola Naval e o Pão de Açúcar.[3]

A principal atividade do aeroporto está na Ponte aérea Rio-São Paulo, que transporta passageiros entre o Santos Dumont e o Aeroporto de Congonhas em São Paulo, movimentando aproximadamente 4 milhões de passageiros por ano, o que representa quase a metade de todo o movimento do aeroporto. A segunda e a terceira rotas mais movimentadas são, respectivamente, com destino ao Aeroporto Internacional de Brasília e para o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte-Confins, ambas transportando mais de 1 milhão de passageiros ao ano. [4]

O complexo aeroportuário está instalado em uma área de 833 mil metros quadrados, contando com duas pistas de pousos e decolagens com capacidade para 29 operações por hora,[5] e dois terminais de passageiros, sendo um terminal de embarque e outro para desembarque. Essa estrutura oferece a capacidade para atendimento de 9,9 milhões de passageiros por ano, segundo a Infraero.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Aeroporto Santos Dumont

No Rio de Janeiro, o transporte comercial utilizava o atracadouro da Ponta do Calabouço onde atracavam os hidroaviões de rotas nacionais e internacionais. A aviação de pouso e decolagem terrestre, ainda incipiente, aproveitava o Campo de Manguinhos e os aparelhos militares da Aeronáutica e Marinha usavam, respectivamente, o chamado Campo dos Afonsos e o do Galeão.[2]

Como grande cidade e, sobretudo, na condição de Capital Federal, o Rio de Janeiro precisava dispor de um Aeroporto condizente com suas necessidades. Duas áreas então foram estudadas para a construção do aeroporto da então capital do País: O Aterro do Calabouço, onde onde operavam os hidroaviões, e o Campo de Manguinhos, que recebia as aeronaves de pouso e decolagem.[2] A proposta de implantar o aeroporto no aterro do calabouço foi bem aceita por especialistas em aviação do mundo todo e com isso, no início dos anos 30, o urbanista francês Alfred Agache idealizou o Aeroporto Santos Dumont a ser construído no centro da cidade do Rio de Janeiro.[7]


Cronologia[editar | editar código-fonte]

1934 - Iniciaram-se as obras de construção do aeroporto com a ampliação do aterro em mais 370 mil metros quadrados, utilizando cerca de 2,7 milhões de metros cúbicos de areia, além da construção de uma muralha de contenção.[7]

Aterro onde foi construído o aeroporto
Antiga Estação de Hidroaviões do Calabouço

1935 - Pequenos aviões já começam a utilizar o aeroporto, ainda com uma pista de 400 metros.[7]

1936 - Em 30 de novembro de 1936 o aeroporto foi oficialmente inaugurado, com uma pista de pousos e decolagens de 700 metros de comprimento.[7] No mês anterior à inauguração, Getúlio Vargas, então presidente do Brasildo, publicou um decreto dando o nome do aeronauta Santos Dumont ao aeroporto, considerando sua relevância deste brasileiro na história da aeronáutica.[1]

1937 - Inauguração da Estação de hidroaviões.[8]

1938 - Início da construção do terminal de passageiros.[7]

1938 - Em 1938 a pista foi ampliada de 700 para 1050 metros para atender a demanda maior de aviões baseados em terra. Sendo o Rio de Janeiro a capital do País e o com intenso movimento de turistas na cidade, o SDU detinha a primazia no transporte aéreo nacional e o tráfego de São Paulo ainda era menor que o do Rio.[9]

1945 - Inauguração do terminal de passageiros. A obra iniciada em 1938 foi interrompida durante a segunda guerra mundial.[7][8]

1947 - A pista foi ampliada para 1350 metros e o aeroporto entra em seu auge de tráfego. Nessa ocasião os voos intercontinentais foram transferidos para o Aeroporto do Galeão que passou a operar com os DC-6, Boeing 377 e Constellation que poderiam então decolar mais pesados.[9]

1959 - É inaugurada a ponte aérea Rio-São Paulo: acordo firmado entre as companhias Varig, Vasp e Cruzeiro do Sul que operavam os Convair 240, Scandia e Convair 340, respectivamente, na ligação aérea entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo.[10]

1960 - Brasília, a nova capital do Brasil é inaugurada e São Paulo assume o posto de cidade mais importante do país devido a sua industrialização. Com essas mudanças no contexto nacional o Aeroporto do Rio de Janeiro sofreu uma redução no tráfego e deixou de ser o único e principal hub nacional.[9]

1991 - Os aviões a jato, em particular os Boeings 737-300, passaram a a ser utilizados no aeroporto no serviços da Ponte Aérea a partir de novembro de 1991.[9]

1998 - O aeroporto foi destruído por um incêndio que durou 8 horas, no dia 13 de fevereiro de 1998, fazendo com que todas as operações fossem transferidas para o Aeroporto do Galeão. Em função do desastre, o terminal do Santos Dumont passou por uma rápida reforma e os voos só foram retornar por completo para o aeroporto em 15 de agosto daquele ano.[7]

Antigo terminal de passageiros inaugurado em 1945, atualmente usado para os desembarques.
Lockheed Electra da VARIG no Santos Dumont, avião usado na ponte-aérea de 62 a 92.

1998 - Tombamento da antiga Estação Central de Passageiros, pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural em 12 de dezembro de 1998. Nesse prédito, inaugurado em 1945, hoje funciona o terminal de desembarque do aeroporto.[8]

2004 - Início das reforma e ampliação do Aeroporto Santos Dumont.

2005 - Em 13 de março de 2005 entrou em vigor a determinação da Portaria nº 187 de 08/03/2005 do Departamento de Aviação Civil (DAC). Essa Portaria restringiu as operações no Aeroporto Santos Dumont a voos da ponte aérea e voos regionais, além de atender os voos das empresas de Táxi Aéreo e da Aviação Geral. Dentre outras, a principal limitação se dava na operação de aeronaves turbo-hélice, com capacidade máxima de 50 assentos nos voos regulares, com exceção dos voos para o aeroporto de Congonhas, que continuavam sendo operados com jatos.[11]

2007 - Inauguração do atual e moderno terminal de embarque com 8 pontes de embarque em 26 de maio de 2007.[2]

2009 - Revogação da Portaria nº 187 de 08/03/2005 do Departamento de Aviação Civil (DAC) por meio da Resolução nº75, de 3 de Março de 2009, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Com isso, dado o limite da capacidade operacional no Aeroporto Santos Dumont, com base em critérios técnicos da ANAC, o aeroporto foi liberado para voos interestaduais e também para uso de aviões a jato em novas rotas, além da ponte-aérea.[12]

2016 - A partir de 27 de março de 2016, por meio da decisão Nº104/2015 da ANAC, o Aeroporto Santos Dumont passou a ser um aeroporto coordenado no sistema de alocação de slots.[13]

Ampliação e Modernização[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 2000 o Aeroporto Santos Dumont operava com mais que o dobro de sua capacidade. Nos anos 2003 e 2004 passaram pelo aeroporto cerca de 5 milhões de pessoas em cada ano, quando sua capacidade operacional era de apenas 1,8 milhão de passageiros por ano. Nesse período houve uma intensa polêmica sobre o que seria feito diante da situação do aeroporto: De um lado a Infraero, companhias aéreas e habituais passageiros justificavam a emergência da ampliação do terminal sob a alegação de que o local era incapaz de comportar o fluxo atual de usuários; por outro lado, arquitetos, ambientalistas, pilotos, agentes de viagem e defensores do patrimônio histórico defendiam a preservação das características originais do aeroporto.[14]

Diante do impasse, a Infraero submeteu o projeto de ampliação ao Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural (Inepac) e ao Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), realizou duas consultas públicas e atendeu a todas as exigências dos órgãos de controle ambiental e urbanístico. Após se arrastar por dois anos, a projeto finalmente foi aprovado e as obras se iniciaram no ano 2004.[14]

Obras incluídas no projeto:[15]

Nova Sala de Embarque revestida de material transparente.
Novo terminal de passageiros utilizado para os embarques.
  • Reforma do antigo terminal de passageiros, para ser usado somente como terminal de desembarques;
  • Reforma das pistas e dos pátios de aeronaves;
  • Construção de um novo terminal de passageiros, com 29 mil m², para funcionar exclusivamente como terminal de embarques;
  • Instalação de 8 pontes de embarque e desembarque;
  • Construção do conector de acesso às pontes, ocupando 8.177 m², com estrutura metálica e uso intensivo de vidro;
  • Aumento do número de balcões de check-in de 33 para 50 posições;
  • Aumento do número de esteiras de bagagens de 2 para 5 esteiras;
  • Ampliação da quantidade de pontos comerciais de 50 para 153 lojas.

As obras foram concluídas e entregues em 26 de maio de 2007. Com isso, a área construída envolvendo os terminais de passageiros aumentou de 19 mil m² para 61 mil m²[15] e a capacidade de 1,8 milhão de passageiros por ano foi ampliada para 8,5 milhões.[14]


Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Sítio Aeroportuário[6]
  • Área total:833.703 m²


Pistas de pousos e decolagens[16]

Pista Principal (2R/20L):

  • 1323 x 42 metros

Pista Auxiliar (2L/20R):

  • 1260 x 30 metros

Instrumentos de pouso e rádionavegação:

Capacidade:

  • 29 movimentos/hora[5]
Terminal de Passageiros[17]

Área: 61.000 m²[15]

51 posições de check-in

55 totens de autoatendimento

Capacidade:

  • 1.800 passageiros/hora
  • 9,9 milhões de passageiros/ano

Embarque:

Desembarque:

  • 6 esteiras de restituição de bagagens

Estacionamento de veículos:

  • 3.414 vagas
Pátio de aeronaves[17]

Área: 95.800 m²

Estacionamento de aeronaves para aviação comercial:

  • 8 posições de alocação com finger (Pontes de embarque)
  • 12 posições de alocação remota
  • Total: 20 posições

Estacionamento de aeronaves para aviação geral:

  • 25 posições para asa fixa
  • 7 posições para asa rotativa
  • Total: 32 posições

Estatísticas[editar | editar código-fonte]




Circle frame.svg

Composição das operações no Santos Dumont, em 2015:[18]

  Aviação Geral (21%)



Circle frame.svg

Maiores rotas do Santos Dumont em 2014:[4]

  Congonhas (40%)
  Brasília (15%)
  Confins (10%)
  Guarulhos (10%)
  Outras (25%)

Composição das operações[editar | editar código-fonte]

Existem três tipos de aviação operando no Aeroporto Santos Dumont:[18]

  • A Aviação comercial, referente as companhias aéreas que comercializam passagens e mantém voos regulares em linhas aéreas partindo do aeroporto;
  • A Aviação geral, referente voos da aviação executiva, de pequenos aviões de propriedade particular, de helicópteros, voos de treinamento para pilotos iniciantes e outras atividades aéreas que não sejam voos regulares ou aeronaves militares;
  • E a Aviação militar, com a utilização de aviões para fins exclusivamente militares, incluindo o uso de outras aeronaves como helicópteros.

Segundo o Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA), em 2015 passaram pelo aeroporto 139.561 aeronaves,[nota 1] número 7,3% menor em relação ao ano anterior. Desse montante, 75% dos voos foram da aviação comercial, 21% da aviação geral e 4% da aviação militar.[18]

Movimento de passageiros[editar | editar código-fonte]

Histórico - Movimento Operacional[19][20]
Ano Passageiros
2015 9.618.197 Baixa3%
2014 9.924.977 Aumento9%
2013 9.102.187 Aumento2%
2012 8.960.345 Aumento5%
2011 8.522.225 Aumento9%
2010 7.805.387 Aumento53%
2009 5.099.643 Aumento41%
2008 3.628.766 Aumento13%
2007 3.214.415 Baixa10%
2006 3.553.177 Baixa1%
2005 3.562.297 Baixa27%
2004 4.887.306 Baixa9%
2003 5.382.779 Aumento
Movimento anual de passageiros
(em milhões)

Maiores rotas[editar | editar código-fonte]

Maiores rotas do Santos Dumont em 2014 em número de passageiros[4]

(dados mais recentes)

Rank Origem/Destino Embarques+Desembarques  %
1 São Paulo São Paulo (Congonhas), São Paulo 4.000.844 40%
2 Distrito Federal (Brasil) Brasília, Distrito Federal 1.442.421 15%
3 Minas Gerais Belo Horizonte (Confins), Minas Gerais 1.035.503 10%
4 São Paulo São Paulo (Guarulhos),São Paulo 975.535 10%
Demais rotas 2.470.674 25%
Total em 2014 9.924.977 100%

Companhias aéreas e destinos[editar | editar código-fonte]

Companhias Aéreas e Destinos no Santos Dumont
Companhias Aeronaves Voos regulares vigentes[21]
Brasil Avianca Airbus A319

Airbus A318


Brasil Azul Embraer 195

Embraer 190

ATR 72


Brasil Gol Boeing 737-700

Boeing 737-800


Brasil LATAM Airbus A319

Incêndio no terminal[editar | editar código-fonte]

1998

No dia 13 de fevereiro de 1998, o terminal de passageiros do Aeroporto Santos Dumont foi destruído pelo fogo.[7] O incêndio começou no por volta de 1h30, na madrugada de sexta-feira, e só foi controlado oito horas depois, por volta de 9h30 da manhã daquele dia. O fogo começou no setor de desembarque e atingiu lojas, restaurantes, locadoras de veículos e até a torre de controle do aeroporto. [22]

Como o aeroporto não tem voos regulares durante a madrugada, o número de vítimas foi reduzido. Dezoito pessoas foram resgatadas com ferimentos leves. A pista e o pátio do aeroporto não foram atingidos, e então quarenta aviões e três helicópteros que estavam estacionados tiveram permissão para decolar.[23]

O prédio não teve a estrutura abalada, porém o laudo pericial indicou que 20% da estrutura do prédio, que ficou destruído pelo fogo, deveria ser demolida e o restante da estrutura passar por reforma. Todos os voos foram transferidos para o Aeroporto do Galeão e o Aeroporto Santos Dumont ficou fechado por cerca de 180 dias para as reformas.[23] O aeroporto então voltou a operar em 15 de agosto de 1998 após os reparos.[7]

2007

Em 17 de julho de 2007, o aeroporto sofre outro incêndio, desta vez menos grave. O incêndio começou por volta das três horas da tarde daquele dia e se concentrou na praça de alimentação, no terceiro pavimento do novo terminal de passageiros, recém inaugurado. Os voos programados a partir do horário do incêndio foram transferidos para o Aeroporto do Galeão. O aeroporto voltou a funcionar normalmente no dia seguinte, a partir da seis horas da manhã.[24]

Acidentes e incidentes[editar | editar código-fonte]

Os maiores acidentes já ocorridos ao longo da existência do Aeroporto Santos Dumont ocorreram entre os anos de 1940 e 1960, envolvendo colisões entre aeronaves e problemas com nevoeiro na região do aeroporto. Nas épocas mais recentes, os incidentes registrados no aeroporto estão envolvidos com o curto comprimento das pistas, onde aeronaves ultrapassam a cabeceira, chegando a cair na Baía de Guanabara.

Desastre da enseada de Botafogo[editar | editar código-fonte]

No dia 8 de novembro de 1940, o avião Junkers JU 52, de matrícula PP-SPF da antiga VASP, caiu na praia de Botafogo, no Rio de Janeiro, após decolar do Aeroporto Santos Dumont. Dezenove pessoas morreram no acidente.[25]

Queda do Junkers PP-SPD[editar | editar código-fonte]

No dia 27 de agosto de 1943, outro avião Junkers JU 52, também da VASP teve dificuldades para pousar no Aeroporto Santos Dumont devido a um forte nevoeiro. Em uma segunda tentativa de pouso, o avião colidiu uma das asas com o prédio da Escola Naval, próxima ao aeroporto, vindo a ficar desgovernado e caindo na Baía de Guanabara. O avião vinha da cidade de São Paulo com 18 passageiros e 3 tripulantes. Apenas três pessoas foram resgatadas com vida.[26]

Voo REAL 435[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Voo REAL Transportes Aéreos 435

Em 24 de junho de 1960, o avião Convair 340, matrícula PP-YRB, da companhia Real Transportes Aéreos, caiu na Baía de Guanabara. No voo, que vinha da cidade de Belo Horizonte, estavam 54 ocupantes, que morreram no acidente.[25]

Outros acidentes e incidentes[editar | editar código-fonte]

Em 30 de dezembro de 1958, um dos motores do avião Saab Scandia, prefixo PP-SQE da VASP, parou durante a subida a partir do Santos Dumont. A perda de um motor desequilibrou o avião que despencou na Baía de Guanabara matando 24 dos 34 de seus ocupantes.[25]

No dia 25 de fevereiro de 1960, sobre a Baía de Guanabara, um avião DC-6 da Marinha dos Estados Unidos vindo da Argentina colidiu com o avião DC-3 da Real Transportes Aéreos, que vinha de Campos dos Goytacazes. As duas aeronaves iam pousar no Aeroporto Santos Dumont. Dos 38 ocupantes do DC-6, 35 morreram, enquanto no DC-3 todos os 26 ocupantes morreram no acidente.[25][27]

Em 3 de julho de 1997, um bimotor Cessna Citation 1 caiu na Baía de Guanabara, a cinquenta metros da pista do Aeroporto Santos Dumont. No avião estavam a dançarina Valéria Valenssa, seu marido e outros três ocupantes, que conseguiram saltar na água e serem resgatados. Todos os ocupantes saíram sem ferimentos graves.[28]

No dia 18 de julho de 1997, um Boeing 737 da Varig com 133 passageiros derrapou na pista ao pousar no Aeroporto Santos Dumont. O avião ultrapassou o final da pista e a cabine do piloto ficou a cerc de um metro das aguas da baía de Guanabara. O avião, que vinha de São Paulo, teve o trem de pouso e uma das turbinas ficaram danificados. Não houve feridos.[29]

Em 2 de fevereiro de 2002, um taxista que voltava que passava pela Avenida Almirante Silvio de Noronha, que contorna as cabeceiras das pistas do Santos Dumont, teve seu carro atirado contra pedras pelo deslocamento de ar provocado pela decolagem de um avião. O taxista ficou gravemente ferido e veio a falecer no hospital.[30]

No dia 10 de setembro de 2004, um avião da avião da TAM Jatos Executivos teve o pneu estourado quando pousava no Santos Dumont. Os quatro passageiros e os tripulantes não se feriram. O aeroporto ficou fechado por quase uma hora.[31]

No dia 12 de agosto de 2010, o jatinho Bombardier Learjet 55, de matrícula PT-LXO da antiga Oceanair, teve uma pane elétrica após decolar do Santos Dumont. Ao retornar ao aeroporto, o avião teve problemas para parar e veio a cair nas águas da Baía de Guanabara. Os três tripulantes do avião, que não estava com passageiros, foram resgatados sem ferimentos graves.[32]

No dia 25 de setembro de 2015, um Boeing 737 da Gol derrapou e saiu da pista do Aeroporto Santos Dumont, ao decolar com destino a Belo Horizonte. O aeroporto ficou fechado por mais de duas horas, até que a aeronave fosse retirada. Não houve feridos.[33]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Boeing 737 da antiga Varig pousando no Santos Dumont. O Pão de Açúcar visto do pátio de aeronaves. Avião em manobra de pouso no Aeroporto Santos Dumont.
Boeing 737 da antiga Varig pousando no Santos Dumont.
O Pão de Açúcar visto do pátio de aeronaves.
Avião em manobra de pouso no Aeroporto Santos Dumont.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage

Notas

  1. A contagem de aeronaves feita pelo CGNA/DECEA é diferente da contagem feita pela Infraero. Enquanto a primeiro inclui as operações da aviação militar a segunda não as considera na contagem.

Referências

  1. a b Getúlio Vargas, Presidente (16/10/1936). «Decreto nº1150/1936». Consultado em 6 de Julho de 2016. 
  2. a b c d e Infraero. «Aeroporto Santos Dumont». Consultado em 2 de Junho de 2015. 
  3. Odebrecht. Miucha Andrade. «Mudando sem perder o charme». Consultado em 4 de Junho de 2015. 
  4. a b c Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC. «Anuário Estatístico do Transporte Aéreo 2014». Consultado em 6 de julho de 2016. 
  5. a b CGNA - Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea. «Capacidade de pista». Consultado em 6 de julho de 2016. 
  6. a b Infraero. «Complexo Aeroportuário». Consultado em 4 de Junho de 2015. 
  7. a b c d e f g h i Jornal o Globo (02/07/13). «Aeroporto Santos Dumont é inaugurado na Ponta do Calabouço, em 1936». Consultado em 2 de Junho de 2015. 
  8. a b c INEPAC - Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. «Patrimônio Cultural/Bens Tombados». Consultado em 2 de Junho de 2015. 
  9. a b c d Pabloaerobrasil. «Aeroporto Santos Dumont (SDU)». Consultado em 2 de Junho de 2015. 
  10. Revista Flap. Beting, Gianfranco. «Ponte Aérea» (PDF). Consultado em 2 de Junho de 2015. 
  11. Departamento de Aviação Civil (DAC). «Portaria nº 187 de 08/03/2005». Consultado em 2 de Junho de 2015. 
  12. Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac). «Resolução nº75, de 3 de Março de 2009» (PDF). Consultado em 2 de Junho de 2015. 
  13. ANAC (02/09/2015). «Decisão nº 104 de 02/09/2015 - Declara coordenado o aeroporto do Rio de Janeiro, Alberto Santos Dumont (SBRJ).». Consultado em 27 de maio de 2016. 
  14. a b c Revista Construir/AEERJ. «Obras do Santos Dumont Decolam» (PDF). Consultado em 3 de Junho de 2015. 
  15. a b c Odebrecht. «Começam as obras de ampliação do Aeroporto Santos Dumont». Consultado em 3 de Junho de 2015. 
  16. Departamento de Controle do Espaço Aéreo (06/07/2016). «Serviço de Informação Aeronáutica Oficial». Consultado em 06 de julho de 2016. 
  17. a b Infraero (19/04/2016). «Declaração da Capacidade do Aeroporto de Santos Dumont.» (PDF). Consultado em 6 de julho de 2016. 
  18. a b c CGNA - Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea. «Anuário Estatístico de Tráfego Aéreo 2010». Consultado em 26 de abril de 2015. 
  19. Infraero. «Movimento Operacional da Rede Infraero de Janeiro a Dezembro de 2003 a 2013». Estatísticas. Consultado em 03 de Janeiro de 2014. 
  20. Infraero. «Movimento Operacional da Rede Infraero de Janeiro a Dezembro de 2012 a 2014». Estatísticas. Consultado em 4 de Junho de 2015. 
  21. ANAC. «Voos autorizados vigentes». HOTRAN. Consultado em 06/07/2016. 
  22. Folha de S.Paulo (13/02/1998). «Incêndio destrói Santos Dumont, no Rio língua=». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  23. a b Zona de Risco (12/08/2005). «Incêndio no aeroporto Santos Dumont». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  24. Agência Brasil (17/07/2007). «Atingido por incêndio, Aeroporto Santos Dumont volta a funcionar de manhã». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  25. a b c d O Explorador (04/12/2003). «Acidentes que marcaram a aviação comercial brasileira». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  26. Desastres aéreos. «Acidentes aeronáuticos ocorridos no Brasil em 1943». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  27. Desastres aéreos. «Real voo 751 x US NAVY DC-6». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  28. Folha de S.Paulo (04/07/1997). «Avião com 'Globeleza' cai na baía de Guanabara». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  29. Folha de S.Paulo (18/07/1997). «Boeing da ponte aérea derrapa na pista». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  30. Estadão (02/02/2002). «Morre taxista que teve carro tombado por avião». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  31. Folha de S.Paulo (10/09/2005). «Pneu estourado de avião fecha aeroporto Santos Dumont, no Rio». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  32. Portal UOL (12/08/2010). «Avião da Ocean Air cai na baía da Guanabara, no Rio de Janeiro; 36 voo foram cancelado». Consultado em 7 de julho de 2016. 
  33. Portal G1 (25/09/2015). «Avião da Gol derrapa na pista e Santos Dumont é fechado». Consultado em 7 de julho de 2016. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal da Aviação

• Ana Cândida Vespucci; Beatriz Mugayar Kühl; Marcelo Mario (1996). Aeroporto Santos Dumont, 1936-1996, Rio de Janeiro, Brasil. (São Paulo: Empresa das Artes) (Editora)

• Beting, Gianfranco (2007). Ponte Aérea: Quarenta anos de história da maior invenção da aviação comercial brasileira. (São Paulo: Revista Flap Internacional) p 52-72. Arquivo PDF

• AEERJ, Revista Contruir (2004). Obras do Santos Dumont decolam. (Rio de Janeiro: AEERJ) p 5 - 7. (Arquivo PDF)

• Agência Nacional de Aviação Civil(2015). Anuário do Transporte Aéreo 2014. (Brasília:ANAC) p 96-99. Arquivo PDF

• Departamento de Controle do Espaço Aéreo; Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (2016). Anuário Estatístico de Tráfego Aéreo 2015. (Rio de Janeiro:DECEA/CGNA) p36-39. Arquivo PDF