Estação Leopoldina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde setembro de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Estação Barão de Mauá
Estação Leopoldina
O prédio da estação (detalhe da fachada)
Uso atual Desativada
Código RJ-1291
Sigla BMA
Posição Superfície
Informações históricas
Inauguração 23 de outubro de 1886 (131 anos)
Fechamento 2004 (13 anos)
Localização
Leopoldina está localizado em: Baixada Fluminense e parte da cidade do Rio de Janeiro
Leopoldina
Localização da Estação Barão de Mauá
22° 54' 27.89" S 43° 12' 38.15" O
Próxima estação
Sentido Centro
Sv-vmauastationdis.svg Sv-vorangelinecontshort.svg Sv-vpurplelinecontshort.svg Sv-vbluelinecontshort.svg Sv-vgreenlinecontshort.svg Sv-vredlinecontshort.svg Leopoldina (desativado)
Sv-vorangeinterincldis.svg Sv-vorangeinterleftydis.svg Sv-vpurpleintermiddle.svg Sv-vblueintermiddle.svg Sv-vgreenintermiddle.svg Sv-vredinterright.svg São Cristóvão
Sv-vorangelinecontshort.svg Sv-vpurplelinecontshort.svg Sv-vbluelinecontshort.svg Sv-vgreenlinecontshort.svg Sv-vredlinecontshort.svg
Sentido Baixada/Zona Oeste

A Estação Barão de Mauá (também chamada Estação Leopoldina) era uma estação ferroviária que foi inaugurada em 1926 e fechada em 2004, quando tinha seu direito de uso cedido à SuperVia.

Este terminal ferroviário, que leva o nome de Barão de Mauá, foi construído em 17 de maio de 1923 pela então Estrada de Ferro Leopoldina. A estação foi fechada para passageiros em janeiro de 2001, com o remanejamento destes para o terminal D. Pedro II (Estação Central do Brasil).

Atualmente, o terminal está com seu pavimento térreo, plataformas e todo o terreno ao redor, pertencendo ao governo do estado do Rio de Janeiro, é utilizado em parte como depósito de trens (sem funcionalidade). Ela em si, fica a maior parte do tempo vazia e fechada.

Na sala 106 no andar térreo da estação está localizada a AFERJ - Associaçao de Ferreomodelismo do Rio de Janeiro por cessão da AEEFL, Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Leopoldina (ver: Ferromodelismo). A AFERJ funciona todas as 3as. e 5as. feiras das 14 as 18 horas e aos sábados das 9 as 18 horas. No sábado os associados levam seus trens em miniatura e os operam na maquete da Associação que possui 5 linhas independentes com cerca de 300 metros de trilhos e totalmente decorada. O acesso é gratuito e existe estacionamento grátis para os visitantes.

No prédio também há salas destinadas à Polícia Ferroviária Federal, SESEF (Serviço Social das Estradas de Ferro), e, Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística.

Existindo também uma rica biblioteca com inúmeras plantas baixas ferroviárias, e ainda no terreno da estação um stand de tiro pertencente a PFF.

Muitos ainda sonham com a reabertura da estação de Leopoldina para que volte a ser uma estação de trem com os ramais da SuperVia.

Em dezembro de 2015, o secretário municipal de transportes do Rio de Janeiro confirmou que venderia o antigo prédio da secretaria de transportes da cidade, na época localizado em um endereço nobre no bairro de Copacabana para se instalar com seu gabinete no prédio antigo. E teve suas instalações transferidas e permaneceu até a troca do Secretário.[1][2]

Histórico da linha[editar | editar código-fonte]

Uma das portas de entrada da estação, atualmente desativada

A linha que unia o Centro do Rio de Janeiro a Petrópolis e Três Rios, foi construída por empresas diferentes em tempos diferentes. Uma pequena parte dela é a mais antiga do Brasil, construída pelo Barão de Mauá em 1854 e que unia o porto de Mauá (Guia de Pacobaíba) à estação de Raiz da Serra (Vila Inhomirim). O trecho entre esta última e a estação de Piabetá foi incorporada pela E. F. Príncipe do Grão-Pará, que construiu o prolongamento até Petrópolis e Areal entre os anos de 1883 e 1886. Finalmente a estação de Areal foi unida à de Três Rios em 1900, já pela Leopoldina.

O trecho entre a estação de São Francisco Xavier, na Central do Brasil, e Piabetá foi entregue entre 1886 e 1888 pela chamada E. F. Norte, que neste último ano foi comprada pela R. J. Northern Railway. Finalmente, em 1890, a linha toda passou para o controle da Leopoldina. Em 1926, a linha foi estendida finalmente até a estação de Barão de Mauá, aberta naquele ano, eliminando-se a baldeação em São Francisco Xavier. O trecho entre Vila Inhomirim e Três Rios foi suprimido em 5 de novembro de 1964. Segue operando para trens metropolitanos todo o trecho entre o centro do Rio de Janeiro e Vila Inhomirim.

A estação[editar | editar código-fonte]

A estação de Barão de Mauá[3], cujo nome homenageou o pioneiro da ferrovia no Brasil, foi inaugurada em 1926, dezessete anos depois do início das discussões e pedidos de autorização para a sua construção. Desenhada pelo arquiteto escocês Robert Prentice, que projetou também o Palácio da Cidade, sede da prefeitura, em Botafogo. O engenheiro Hélio Suevo, autor do livro “A formação das estradas de ferro no Rio de Janeiro”, diz que a estação é um exemplar da arquitetura eduardiana no Brasil, inspirada em construções palacianas inglesas. De estilo eclético, o prédio, no entanto, é assimétrico, já que não foram seguidos à risca os traços do escocês. Sua parte central só tem continuidade para o lado direito. Ficou faltando o lado esquerdo, previsto no projeto original.

A linha da Leopoldina começava na estação de São Francisco Xavier, da Central, o que forçava os passageiros à baldeação, devido à diferença de bitolas. A história das idas e vindas para a construção da estação é bastante complicada, mas acabou por gerar uma discussão acerca de se a estação deveria ter sido construída comportando espaço para a linha Auxiliar da Central do Brasil e da Rio D'Ouro, as duas também de bitola métrica. Em 1934, a discussão acabou com a vitória da Leopoldina: a estação só serviria mesmo a ela, visto que o Governo, dono da Central e da Rio d'Ouro, não havia cumprido a promessa de também pagar sua parte na sua construção.

Entre 1909 e 1926, a Leopoldina utilizou uma estação provisória para o embarque em suas linhas, que haviam sido prolongadas por volta de 1910 até a Praia Formosa. A estação deixou de ser utilizada definitivamente para embarque de passageiros desde o início do século XXI com todos os passageiros sendo transferidos para a estação Dom Pedro II (atual Central do Brasil), da antiga Central. Desde então está fechada e abandonada, existindo hoje projetos para a sua transformação em museu ou centro comercial.

A Estação do Trem Bala Brasileiro[editar | editar código-fonte]

Quando cogitou-se a construção da linha TAV trem-bala Rio de Janeiro-São Paulo, estava definida a construção das plataformas de embarque e desembarque do TAV na Estação Leopoldina. O projeto TAV-Brasil foi cancelado.

Linha Terminais Estações Principais destinos Duração das viagens (min) Intervalo entre trens (min) Previsão
TAV
TAV Brasil
Rio de JaneiroSão PauloCampinas 3 São Paulo, Rio de Janeiro 2025

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Secretaria de Transportes se mudará para antiga Estação Leopoldina
  2. Secretaria estadual de Transportes do Rio é transferida para a estação da Leopoldina
  3. «Barão de Mauá». Estações Ferroviária do Estado do Rio de Janeiro. Consultado em 30 de janeiro de 2012 


LogoOV.png Este artigo precisa ser adaptado aos critérios do Ferrovipédia.
Você pode ajudar a Wikipédia editando-o.