Lockheed Constellation

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lockheed Constellation
Avião
N494TW partindo do aeroporto de Avra Valley, Marana (Arizona), com destino a um museu na Coreia do Sul em 1998.
Descrição
Tipo / Missão Avião comercial
País de origem  Estados Unidos
Fabricante Lockheed
Período de produção 1943-1958
Quantidade produzida 856
Desenvolvido de Lockheed L-044 Excalibur
Desenvolvido em Lockheed XB-30 (não construído)
Primeiro voo em 9 de janeiro de 1943 (78 anos)
Introduzido em 1943 com a USAAF
1945 com a TWA
Aposentado em Anos 90, serviço de companhias aéreas
1978 serviço militar
Tripulação cinco tripulantes, tripulação de cabine variada
Passageiros 95/107
Carga útil 29 620 kg (65 300 lb)
Especificações (Modelo: L-1049G Super Constellation)
Dimensões
Comprimento 35,42 m (116 ft)
Envergadura 38,47 m (126 ft)
Altura 7,54 m (24,7 ft)
Área das asas 153,7  (1 650 ft²)
Alongamento 9.6
Peso(s)
Peso vazio 36,150 kg (79,7 lb)
Peso máx. de decolagem 62,370 kg (138 lb)
Performance
Velocidade máxima 607 km/h (327 kn)
Velocidade de cruzeiro 547 km/h (295 kn)
Autonomia 8.288 h(s)
Teto máximo 7,620 m (25,0 ft)
Razão de subida 8,23 m/s
Notas
Dados de: Great Aircraft of the World[nota 1] e Quest for Performance[1]

Lockheed Constellation, Connie ou apenas Constellation, é um avião quadrimotor a pistão, construído pela americana Lockheed entre 1943 e 1958, em Burbank. Foram construídos ao todo 856 aparelhos em 4 modelos, todos com o mesmo design característico cuja forma de golfinho possui tripla empenagem. Foi um avião muito usado no transporte de passageiros e como avião de transporte militar. Foi o avião presidencial de Dwight D. Eisenhower, presidente dos Estados Unidos.

Design e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Projeto[editar | editar código-fonte]

A Lockheed trabalhou desde 1937 no projeto do L-044 Excalibur, um avião quadrimotor pressurizado. Em 1939, a Trans World Airlines encomendou um aparelho com capacidade para 40 passageiros com alcance de 5.630 km.[nota 2] A TWA receberia então o L-049 Constellation, desenhado pelos engenheiros da Lockheed Kelly Johnson e Hall Hibbard.[nota 3]

Desenvolvimento do Constellation[editar | editar código-fonte]

O desenho da asa do Constellation era do P-38 Lightning, diferindo somente na escala.[2] A empenagem tripla, com menor altura, permitia à aeronave estacionar em qualquer hangar, mesmo com todos os acessórios hidráulicos e sistemas antigelo.[nota 2] O avião possuía velocidade máxima de 547 km/h (340 mph), velocidade de cruzeiro de 483 km/h (300 mph), e teto operacional de 24.000 pés (7.315 m).[3]

De acordo com Anthony Sampson, na revista Empires of the Sky, o intrincado desenho foi realizado pela Lockheed, mas o conceito, a forma, utilidades, aparência e ethos do Constellation foram produzidos por intercessão do piloto Howard Hughes durante o processo.[nota 4]

História Operacional[editar | editar código-fonte]

II Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Com o início da II Guerra Mundial, a aeronave da TWA foi convertida para o C-69 Constellation, um avião militar de transporte. Havia ainda o interesse em mais 202 aviões por parte da força aérea americana (USAAF). O primeiro aparelho, prefixo aeronáutico NX25600, fez voo teste em 9 de janeiro de 1943, de Burbank para Muroc Field.[nota 2]

A Lockheed propôs o modelo L-249 para ser um bombardeiro de longo alcance. Apesar de ter recebido a designação militar XB-30, o projeto não foi a diante. O plano do C-69B de longo alcance para transporte de tropas também foi cancelado. Um modelo C-69C, com 43 assentos para transporte VIP foi construído em 1945 na fábrica da Lockheed, em Burbank.

O C-69 foi mais utilizado para transporte rápido, de longo alcance, durante a guerra.[nota 5] 22 C-69s foram construídos antes do fim da guerra e nenhum deles entrou em serviço militar. A USAAF cancelou suas aquisições em 1945.

Lockheed Super Constellation L-1049A.svg C-69.jpg Lockheed Constellation 1943 NAN15Feb43.jpg Lockheed VC-121E Super Constellation.jpg
Três vistas do
Constellation L-1049A.
Lockheed C-69
Constellation
, protótipo
do avião militar, baseado
no design inicial do L-049.
O primeiro Lockheed Constellation, prefixo aeronáutico NX25600,
em 9 de janeiro
de 1943.
O Constellation da USAAF, primeira operadora.

O Uso no Pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Um Constellation L-749A da TWA em Heathrow, 1954, com um container sob a fuselagem.
Super Constellation no Charles Prince Airport, Rodésia (atual Zimbábue) em 1975.
Interior do cockpit.
Super Connie em Payerne, Suíça.
Super Constellation (C-121C) durante treinamento de pilotos em Epinal - Mirecourt, France.
Lockheed Super Constellation N73544 (2005).

Depois da II Guerra Mundial, o Constellation tornou-se rapidamente muito popular nas linhas aéreas. O modelo em produção para USAAF para transporte de tropas acabou como aviões de transporte de passageiros, com a TWA recebendo o primeiro em 1 de outubro de 1945. O primeiro voo transatlântico partiu de Washington DC em 3 de dezembro de 1945, e chegou em Paris em 4 de dezembro.[nota 2]

A Trans World Airlines iniciou os serviços aéreos comerciais intercontinentais no pós-guerra, em 6 de fevereiro de 1946, com o voo regular entre Nova Iorque e Paris num Constellation. Em 17 de junho de 1947 a Pan American World Airways iniciou suas operações regulares ao redor do mundo com o seu L749 Clipper America. O famoso voo Pan Am 101 operou por 40 anos.

Como o primeiro avião de cabine pressurizada em uso, o Constellation ajudou as viagens aéreas a tornarem-se acessíveis e muito mais confortáveis. Dentre os operadores estavam TWA, Eastern Air Lines, Pan American World Airways, Air France, BOAC, KLM, Qantas, Lufthansa, Iberia Airlines, Panair do Brasil, TAP Portugal, Trans-Canada Airlines, Aer Lingus , Real Aerovias e VARIG.

Recordes[editar | editar código-fonte]

Elegante e poderoso (para a época), o Lockheed Constellation estabeleceu alguns recordes na aviação mundial.

  • 17 de abril de 1944 : voou entre Burbank e Washington DC em 6 horas e 57 minutos, desenvolvendo uma média de 532,2 km/h.[nota 3]
  • 29 de setembro de 1957 : um L1649A Starliner voou de Los Angeles para Londres em 18 horas e 32 minutos, velocidade média de 470,6 km/h.
  • 1 de outubro de 1957 : um L1649A voou de Londres para São Francisco em 23 horas e 19 minutos, velocidade média de 369,2 km/h. Este é o recorde até hoje em tempo de voo. O atual Boeing 777 conseguiu voar por 22 horas e 42 minutos.

Obsolescência[editar | editar código-fonte]

O advento dos aviões a jato, como de Havilland Comet, Boeing 707, Douglas DC-8 e Convair 880, o motor a pistão do Constellation tornou-se obsoleto. As primeiras rotas a abandonar o velho Connie foram as mais longas, intercontinentais. O avião continuou a voar em rotas domésticas nos Estados Unidos, e seu último voo comercial com passageiros pagantes foi em 11 de maio de 1967, de Filadélfia para Kansas City, pela TWA.[nota 6] Contudo, permaneceu em serviço como cargueiro, principalmente pela Eastern Airlines, entre Nova Iorque, Washington e Boston, até 1968.

Sobreviventes[editar | editar código-fonte]

Ao redor do mundo encontram-se ainda exemplares do Constellation, alguns em tão bom estado de conservação que ainda podem voar. Há um exemplar no Brasil, pintado nas cores da Panair do Brasil, no Museu TAM, ligado à TAM em São Carlos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento relacionado
Aeronave de comparável missão, configuração e era

Referências

  1. Loftin, L. K. Jr. Quest for Performance: The Evolution of Modern Aircraft. NASA SP-468. Arquivado 2006-06-13 no Wayback Machine.
  2. Johnson, Clarence L. "Kelly". Kelly: More Than My Share of it All. Washington, DC: Smithsonian Books, 1985. ISBN 0-87474-491-1.
  3. www.militaryfactory.com

Notas

  1. Cacutt, 1989, pp.314-322.
  2. a b c d Taylor 1993, pp. 606–607.
  3. a b Yenne 1987, pp. 44–46.
  4. Sampson 1985
  5. Pace 2003, p. 17.
  6. Germain 1998, p. 89.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Boyne, Walter J. Beyond the Horizons: The Lockheed Story. New York: St. Martin's Press, 1998. ISBN 0-31224-438-X.
  • Cacutt, Len, ed. “Lockheed Constellation.” Great Aircraft of the World. London: Marshall Cavendish, 1989. ISBN 1-85435-250-4.
  • Germain, Scott E. Lockheed Constellation and Super Constellation. North Branch, Minnesota: Specialty Press, 1998. ISBN 1-58007-000-0.
  • Marson, Peter J. The Lockheed Constellation Series. Tunbridge Wells, Kent, UK: Air-Britain (Historians), 1982. ISBN 0-85130-100-2.
  • Pace, Steve. X-Planes: Pushing the Envelope of Flight. Osceola, Wisconsin: Zenith Imprint, 2003. ISBN 978-0760315842.
  • Sampson, Anthony. Empires of the Sky: The Politics, Contest and Cartels of World Airlines. London: Hodder and Stoughton, 1985. ISBN 0-340-37668-6.
  • Smith, M.J. Jr. Passenger Airliners of the United States, 1926-1991. Missoula, Montana: Pictorial Histories Publishing Company, 1986. ISBN 0-933126-72-7.
  • Stringfellow, Curtis K. and Peter M. Bowers. Lockheed Constellation: A Pictorial History. St. Paul, Minnesota: Motorbooks, 1992. ISBN 0-87938-379-8.
  • Taylor, Michael J.H., ed. “Lockheed Constellation and Super Constellation.” Jane’s Encyclopedia of Aviation. New York: Crescent, 1993. ISBN 0-517-10316-8.
  • United States Air Force Museum Guidebook. Wright-Patterson AFB, Ohio: Air Force Museum Foundation, 1975.
  • Yenne, Bill, Lockheed. Greenwich, Connecticut: Bison Books, 1987. ISBN 0-51760-471-X.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Lockheed Constellation