Douglas DC-7

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Douglas DC-7
Picto infobox aircraft.png
Douglas DC-7 operado pela Delta Airlines
Descrição
Tipo / Missão Avião comercial
País de origem  Estados Unidos
Fabricante Douglas
Primeiro voo em 18 de maio de 1953 (62 anos)
Passageiros 100 passageiro(s)
Especificações
Dimensões
Comprimento 34,23 m (112 ft)
Envergadura 38,80 m (127 ft)
Altura 9,65 m (31,7 ft)
Propulsão
Motor(es) 4x Wright R3350-EA4 (3400 hp), 28 cilindros
Potência (por motor) 3 500 hp (2 610 kW)
Performance
Velocidade máxima 620 km/h (334 kn)
Velocidade de cruzeiro 550 km/h (297 kn)
Alcance (MTOW) 5 810 km (3 610 mi)

O Douglas DC-7 é um avião quadrimotor a pistão, fabricado na década de 1950 pela companhia estadunidense Douglas.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Trata-se do último grande avião quadrimotor a pistão fabricado pela Douglas, e também um dos primeiros a cruzar o Atlântico Norte sem escalas.

O modelo surgiu quando a American Airlines solicitou junto ao fabricante um avião com maior capacidade e autonomia que o DC-6.

Com 338 unidades fabricadas, o DC-7 foi um desbravador, pela sua capacidade de cruzar oceanos.

Fim do projeto[editar | editar código-fonte]

Cockpit do DC-7

A fabricante abandonou cedo o projeto, com o advento dos aviões a jato. Para tanto, apresentou o projeto do DC-8.

Uso no Brasil[editar | editar código-fonte]

Entre 1957 e 1965, o tipo foi operado pela Panair do Brasil, num total de 6 unidades.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde junho de 2013).
  • Adotou as mesmas asas do antecessor DC-6, que na verdade eram as mesmas do DC-4.
  • Existem algumas unidades em voo, principalmente cargueiros e para combate a incêndios.