Porquinho-da-Índia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Porquinho-da-índia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para cobaia de laboratório, veja Testes com animais.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPorquinho-da-índia
Dois porquinhos-da-Índia
Dois porquinhos-da-Índia
Estado de conservação
Não avaliada: Domesticado
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Rodentia
Infraordem: Caviomorpha
Superfamília: Cavioidea
Família: Caviidae
Género: Cavia
Espécie: C. porcellus
Nome binomial
Cavia porcellus
Linnaeus, 1758

O porquinho-da-Índia, preá, cuy, cobaia[1], sauiá-cobaia ou coelho-da-índia (Cavia porcellus) é um roedor sul-americano da família Caviidae.[2][3]

Os porquinhos-da-Índia são oriundos dos Andes, na América do Sul, e estudos baseados em bioquímica e hibridação sugerem que eles são descendentes domesticados de uma espécie de preá intimamente relacionada como C. tschudii. Eles foram originalmente domesticados para a alimentação dos incas e outros povos indígenas, os quais ainda mantém essa prática. Devido a essa domesticação, esses roedores não existem mais naturalmente na natureza[4][5].

Porém na sociedade ocidental, e até na recente geração de jovens nos países andinos, o porquinho-da-Índia tem gozado de grande popularidade como animal de estimação, desde a sua introdução pelos comerciantes europeus no século XVI. Sua natureza dócil, capacidade de resposta amigável ao manuseio, sua alimentação e a relativa facilidade de cuidá-los fizeram, e continuam a fazer, dos porquinhos-da-índia uma escolha popular para animais de estimação[6].

História do nome[editar | editar código-fonte]

Etimologia em outros idiomas[editar | editar código-fonte]

O nome que a espécie Cavia porcellus recebe em alguns idiomas europeus não leva em conta o original:

  • Cavia peruviana ou Porcellino d’India ('porquinho da índia') em italiano.
  • Porquinho da Índia ('porquinho da Índia') em português
  • Cuyo, cui, cobaya ('porquinho da índia') em espanhol
  • Cochon d'Inde ('porquinho da Índia') ou cobaye em francês
  • Guinea pig ('porquinho da Guiné ') em Inglês
  • Meerschweinchen ( 'porquinho do mar') em alemão
  • Морская свинка ou Morskaya svinka ( 'porquinho do mar') em russo
  • 豚鼠 ( túnshǔ , 'porco-rato') e, às vezes, 荷蘭 豬, (hélánzhū, 'porco-holandês) ou 天竺鼠, (tiānzhúshǔ, 'rato-indiano' ) em chinês.
  • モ ル モ ッ ト (morumotto) em japonês.
Desenho coletado por Felix Platter, para uso em Historiae animalium. O segundo volume continha desenhos de mamíferos - variando de cães, ovelhas e veados a panteras, tigres e camelos - e insetos, répteis e anfíbios. Os desenhos foram feitos por vários artistas, principalmente anônimos., p2 - (122)

Porquinho-da-índia[editar | editar código-fonte]

Apesar do seu nome comum, o porquinho-da-Índia não é suíno, tampouco indiano.[7] O nome deve-se ao fato de, originalmente, provirem das chamadas "Índias Ocidentais" (atual continente americano).

Cobaia[editar | editar código-fonte]

Originalmente o termo usado para designar esse roedor, através do latim científico com base na língua tupi antiga era cobaia, esse por extensão (e em sentido figurado), passou a designar o campo ou objeto de alguma pesquisa científica.[1][8][9]

Segundo o tupinólogo Eduardo Navarro, o nome "cobaia" se originou da leitura errônea feita por Lineu do livro Historia Naturalis Brasiliae, de Marcgrave. Neste livro, Marcgrave escreveu a palavra tupi antiga saûîásobaîa (literalmente, o roedor (saûîá) da banda de além (sobaîa), ou seja, que não é originário do Brasil), que designava o porquinho-da-índia, sob a grafia CAVIA COBAIA. A leitura correta de CAVIA COBAIA é "çauiá çobaia", mas Lineu leu "cavia cobaia". Tal erro de pronúncia de Lineu gerou o atual nome "cobaia".[10]

Guinea pig[editar | editar código-fonte]

Para a explicação do seu nome em língua inglesaguinea pig —, há duas hipóteses:

モルモット (morumotto)[editar | editar código-fonte]

O porquinho-da-Índia em japonês é derivado da palavra marmota, um outro roedor que habita as montanhas japonesas. Tal nome foi dado pelos holandenses, quando os trouxeram para Nagasaki em 1843. Uma outra palavra japonesa para o porquinho-da-Índia, usando kanji, é tenjiku-nezumi (天竺鼠, ou て ん じ く ね ず), que literalmente se traduz como rato-indiano[12].

História[editar | editar código-fonte]

Foram os nativos andinos que tiveram inicialmente contato com os porquinhos-da-Índia, domesticando-os para servirem de alimentação.

Descendente direto do C. tschudii, o porquinho-da-Índia foi domesticado pela primeira vez por volta dos 5000 a.C para a alimentação de tribos nativas dos Andes[13], alguns milhares de anos após a domesticação das lhamas[14]. Em escavações arqueológicas no Peru e Equador, foram desenterradas pequenas estátuas desses roedores, datando entre 500 a.C a 500 d.C[15]. O povo pré-colombiano Moche. por praticar o animismo, adoravam animais e frequentemente retratavam o porquinho-da-Índia em sua arte[16].

Em um período compreendido entre 1200 d.C até à Colonização espanhola da América iniciada em 1532, esses povos indígenas usaram a seleção artificial, a qual desenvolveu o grande número de variedades desse animal[17]. Atualmente, nos altiplanos andinos, muitas famílias os criam para deles se alimentarem[18]. Os europeus tomaram contato com este animal desde o século XVI, ao atingirem os domínios do Império Inca. Os incas denominavam-no Cuy, por causa dos gritos curtos que emite. Eram criados para o consumo, desempenhando um papel importante na alimentação desse povo.

Os porquinhos-da-Índia se tornaram bastante populares nas classes nobres e na realeza da Europa. Obraz z 1580; National Portrait Gallery)

Ao chegarem à Espanha, os porquinhos-da-índia tornaram-se moda, vindo a espalhar-se por toda a Europa como animais de estimação. Na Europa, esses pequenos roedores passaram a ter fama entre a classe nobre, chegando, inclusive, a ser um animal doméstico próprio da Rainha Elisabete I da Inglaterra[19].

Os porquinhos-da-Índia são animais bastante curiosos, podendo se encaixar no modo de vida de seus tutores facilmente.

Estes roedores passaram a ser utilizados em estudos experimentais de laboratório desde o século XIX. Porém, o número de porquinhos-da-índia vem caindo fortemente em estudos de laboratórios, uma vez que ratos e camundongos, seus substitutos, tiveram seus genomas estudados primeiramente. Em razão disso, na década de 60 cerca de 2,5 milhões de porquinhos-da-Índia eram usados anualmente em pesquisas nos EUA[20]. Em 1985, houve uma drástica redução para 599 mil[21]. Na década de 90 esse total diminuiu para cerca de 375 mil[22], e, em 2007, eram somente 2% do total de animais de laboratórios[20], totalizando 207.257 porquinhos-da-Índia[21].

Características[editar | editar código-fonte]

Três pequenos porquinhos-da-índia.

Embora alguns possam viver até 10 anos, os porquinhos-da-Índia geralmente vivem de quatro a seis anos. Fortemente territorialistas e sociáveis, podem reproduzir-se ao longo de todo o ano, gerando dois a seis filhotes por ninhada. Para o primeiro acasalamento, recomenda-se que o macho tenha de três a quatro meses e as fêmeas de três a sete meses (jamais depois de sete meses). O período de gestação é de 59 a 72 dias, sendo a média de 62 dias. O tamanho dos filhotes, ao nascer, é de 7,62 cm. A idade ideal para o desmame é de 3 semanas. São vivazes e dóceis, raramente mordendo, a menos que se sintam ameaçados ou perturbados.

Quando adultos, os machos medem cerca de 25 cm e pesam de 1200 a 1500 gramas, enquanto as fêmeas costumam ser menores e mais leves, tendo em média 20 cm e pesando de 900 a 1200 gramas.

Criação[editar | editar código-fonte]

Dois porquinho-da-Índia em um cercado recomendado.

Apesar de razoavelmente difundida, a criação de cobaias em cativeiro requer diversos cuidados, especialmente em relação ao forro do fundo da cercado, para evitar contaminação do animal por seus próprios dejetos. Também são necessários cuidados especiais em relação às fêmeas durante e logo após a gravidez.[23]

É extremamente não recomendado o uso de gaiolas, uma vez que as grades onde ficam os porquinhos-da-Índia são causadoras imediatas de pododermatites[24].

CORTE DE UNHA DO PORQUINHO-DA-ÍNDIA
O corte de unha do Porquinho-da-Índia deverá ser feito de modo correto, senão poderá acarretar problemas de saúde e dor no animal.

Como originalmente eram presas fáceis em seus habitats naturais, inicialmente o pequeno animal se esconderá em algum canto da nova casa, mas com paciência e manejo suave, o novo amiguinho se sentirá confiável e próximo ao tutor[25].

Na criação doméstica, o ideal é fazer um cercado de, pelo menos, 90 x 80 cm para um porquinho-da-índia. Como é, às vezes, recomendada a criação de pelo menos dois porquinhos no mesmo espaço, uma vez que é um animal de vivência comunitária, o espaço tem que ser um pouco maior, de 120 x 90 cm[26]. Cercadinhos à venda com medidas de 90 x 60 cm, ou 120 x 60, também são aceitáveis, porém observando a quantidade de objetos dentro do habitáculo do pequeno roedor[27].

É necessário que a dupla de porquinhos-da-índia sejam do mesmo sexo[28], atentando-se ao fato de que as fêmeas podem ser da mesma idade, e os machos com pelo menos seis meses de diferença. Se no mesmo local estiverem dois porquinhos machos da mesma idade, é possível que briguem, motivados pela disputa da liderança do local. Se no cercadinho já há um porquinho-da-índia morando, o novo companheiro terá que ficar em quarentena em um local próprio, para só depois daí morarem juntos[29].

Porquinho-da-Índia da raça Himalaio gordo
Quando bem alimentados, os porquinhos podem atingir até 1,5 Kg, como esse himalaio de nome Porkie, com 1,490 Kg e dois anos de idade.
Os porquinhos-da-índia da raça Coroado
Os porquinhos-da-índia da raça Coroado se diferenciam por ter os pelos em cima da cabeça em forma de uma coroa, como é o caso desse porquinho chamado Cookie, de 7 meses.

As unhas dos porquinho-da-Índia devem ser cortadas ou aparadas a cada duas semanas. Contudo, deverá tomar o devido cuidado para não cortar o tecido mole na parte interior da unha. Para melhor procedimento de aparagem, posicione uma fonte de luz, uma lanterna por exemplo, por de trás da unha do roedor, onde é possível observar onde deverá cortar mediante ilustração da foto ao lado. Se cortar esse tecido mole, além de provocar dor no pequeno animal, vai provocar grave hemorragia. Se isso ocorrer, dê ao porquinho-da-Índia um anti-hemorrágico. Se não quiser fazer isso em casa, a melhor solução é levar o porquinho ao veterinário.[30]

Esses pequenos roedores, independentemente da raça, são animais bastante limpos e não costumam se sujar em excesso ou cheirar mal. No entanto, é recomendável dar-lhes banho algumas vezes para manter a higiene perfeita. Uma vez a cada três ou quatro meses é suficiente.

É importante que o lugar do banho não tenha correntes de ar, uma vez que esses são animais muito sensíveis ao frio e podem adoecer facilmente por isso. Além disso, você precisa ter todos os materiais preparados e à mão para não negligenciar seu porquinho na banheira e evitar que aconteça qualquer acidente. [31]

Criação doméstica no Brasil[editar | editar código-fonte]

A criação doméstica no Brasil é semelhante a dos outros países, levando em conta as características de clima, oferta de alimentos e o tipo de habitação básica dos brasileiros. No nordeste brasileiro a criação é geralmente feita em quintais, devido aos espaço disponível nas residências. Nos centros urbanos principalmente do Sul-Sudeste, devido à particularidade das moradias, os porquinhos-da-índia são criados no interior de apartamentos ou de casas sem quintais com grama ou terra. Devido a isso, há grupos de ajuda para socorrer os novos tutores, orientando-os desde a construção do novo habitat do roedor, até a indicação de ração ou apetrechos usados nos animais.

Entre esses grupos, destacam-se a Sociedade Brasileira dos Porquinhos da Índia[32], Porquinhos-da-Índia Brasil, Amamos Porquinhos-da-Índia[33], Doações e Informações de Porquinho da Índia[34], com páginas hospedadas na rede social Facebook; em vídeo temos no Youtube os canais Quase-Mineira[35], Roedores e Coelhos TV[36], Kazoku Pig[37], e, em aplicativo por celular, temos o Diário das Porquinhas[38].

Sociedade Brasileira dos Porquinhos-da-Índia[editar | editar código-fonte]

Com a forte procura pelos porquinhos-da-índia como animal doméstico no Brasil, foi necessário o surgimento de grupos visando ao bem estar desse animal.

Um desses é a Sociedade Brasileira dos Porquinhos-da-Índia, um grupo do Facebook formado por pessoas que gostam desse pequeno roedor e dedicam seu tempo e estudo à essa espécie de animais incríveis.[39] Observando a falta de responsabilidade e informações seguras sobre eles, essa sociedade resolveu se unir e criar um conteúdo gratuito, de fácil acesso à todos, seguro e de qualidade para ajudar aos tutores de porquinhos à dar-lhes uma vida digna, feliz e saudável em todos os aspectos.

Em uma de suas premissas, a SBPDI[39] informa que tem como único objetivo promover a informação e a educação ambiental referente à guarda responsável dos porquinhos da índia, no intuito de orientar tutores sobre a melhor forma de manejo destes animais e transmitir conhecimento geral sobre a espécie.

Problemas de saúde[editar | editar código-fonte]

Pododermatite[editar | editar código-fonte]

Pododermatite em porquinho-da-Índia
Pododermatite em porquinho-da-Índia

As lesões de pododermatite são, em sua grande maioria, originadas por uma causa anterior e principal, mais frequentemente a traumas provocados pelos pisos inadequados dos alojamentos – jaulas de grades/gaiola (pisos em malha de arame), pisos abrasivos, duros (e/ou sujos)[24], aparas de madeira afiadas – e falta de higiene das mesmas. As camas ensopadas com urina também podem contribuir para o surgimento de pododermatite e, de igual modo, a lesões na cauda[40].

Esse tipo de problema ocorre mais comumente em porquinhos adultos, com sobrepeso, ou fêmeas prenhas, uma vez que o peso é, também, fator preponderante[40].

Um outro fator que ajuda no surgimento dessa condição é a insuficiência da Vitamina C na alimentação do roedor, situação essa que provoca uma debilidade na morfologia epitelial[40].

As lesões nas almofadas plantares que sustentam o peso do corpo começam como uma área de alopécia e eritema, com ou sem edema e hiperqueratose, progredindo para erosões e ulcerações e até tumefacções granulomatosas. As úlceras podem evoluir a forma de abcessos, pústulas, pápulas, nódulos e fístulas, resultando numa condição extremamente dolorosa ao animal[40].

Os animais afetados manifestam prurido intenso, claudicação ou relutância em caminhar ou comer e vocalizam frequentemente[40].

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Soft tecido
Tecidos próprios para animais de estimação ou o tecido soft, vendidos em petshops ou em lojas especializadas, são uma boa alternativa para o conforto e a proteção das patas dos porquinhos-da-Índia.

Inicialmente, é urgente identificar e solucionar o problema que originou essa condição. Trocando gaiolas por cercados, eliminando grades, ou cobrindo-as com uma tábua e, daí, forrá-las. A utilização de soft ou um piso suave (ex. um pano acolchoado) evita o aparecimento dessa doença[40].

Casos mais leves podem ser solucionados com a troca do piso, empregando camas mas suaves, pisos absorventes e, aplicando-lhes nas patas, terapia tópica. As lesões podem ser medicadas com CHX diluída ou uma solução de iodopovidona, aplicando também antissépticos tópicos como sulfadiazina de prata ou mupirocina, e depois pensos diários para evitar trauma adicional[40].

A ingestão de Vitamina C, entre 20mg e 200mg, é recomendada nessa fase de recuperação, depois mantendo a ingestão de 20mg para o resto de vida da roedor[40].

Os casos mais graves são mais difíceis de serem solucionados. Cirurgias com a introdução de grânulos de PMMA impregnados de antibióticos (evitando a penicilinas e macrólidos) podem ser utilizadas pelo médico veterinário. Contudo, infelizmente, como essas cirurgias algumas vezes não é garantia de sucesso na cura do porquinho-da-Índia, a excisão agressiva das lesões, seguida da aplicação de pensos e de controlo da ferida aberta, é exitosa na ocorrência de granulação e epitelização da ferida cirúrgica, juntamente com a antibioterapia sistêmica adequada[40].

Escorbuto[editar | editar código-fonte]

Assim como os humanos e os primatas, os porquinhos-da-Índia não conseguem sintetizar a Vitamina C (ácido ascórbico), acarretando alguns problemas de saúde como o escorbuto[41].

Porquinho-da-Índia da raça Sheltie de nome McClane, um macho de seis meses, ingerindo Vitamina C diretamente. A administração da Vitamina C tem que ser dada de forma direta, podendo utilizar uma colher ou uma seringa sem agulha, pingando na boca do roedor. Não é aconselhável colocar a vitamina na água devido à sua rápida degradação.

A vitamina C desempenha vários papéis no corpo. Talvez o mais conhecido seja a sua participação primária na síntese de colágeno, a qual interage na criação de todos os tipos de tecidos. Quando existe a falta do ácido ascórbico, várias alterações ocorrem. Por esta razão a alimentação do porquinho da índia é o fator fundamental para prevenir a doença[42].

Dentre os sintomas dessa patologia nesse roedor, incluem-se a perda de apetite, emagrecimento, hipersalivação, doenças respiratórias, sistema imunológico deficitário, demora na cicatrização de ferimentos, sangramento e inflamação das gengivas, fraqueza dental, perda dos dentes, alopecia e fraqueza[42].

Em decorrência dessas condições, o pequeno roedor pode vir a óbito em 3 ou 4 semanas[41].

A pododermatite é facilitada com a escassez dessa vitamina[41].  

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Inicialmente é importante corrigir a alimentação do animal, principalmente a oferta da Vitamina C[43]. Em um primeiro passo, é indicada a administração dessa vitamina em gotas, diretamente na boca do porquinho, para a rápida absorção do ácido ascórbico pelo organismo. Nessa fase de tratamento do escorbuto, é recomendada a ingestão de 50mg a 100mg/dia da Vitamina C[44]. Depois de algumas semanas e com o desaparecimento do escorbuto, a suplementação em gotas pode ser reduzida para 20mg/dia[45]. Essa suplementação posterior ao tratamento pode ser substituída com ração já enriquecida com essa vitamina ou a ingestão de folhas e legumes ricos em Vitamina C[44].  

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Um porquinho-da-índia comendo uma maçã.

Porquinhos-da-índia são animais totalmente herbívoros.[23]

Feno, Capim fresco, frutas e verduras são a base alimentar do porquinho-da-índia. Pode ser também oferecida ração própria para esses roedores, encontradas em Petshops especializados. O feno pode ser ofertado em abundância. É necessário verificar se o feno está fresco, sem pó e de qualidade[46].

Quando em vida selvagem, esse roedor se alimenta basicamente de feno, capim, ervas frescas e plantas de folha verde, princípios que se podem adotar na alimentação de porquinhos-da-índia domesticados. Os seguintes vegetais podem ser oferecidos diariamente:

  • Endívia
  • Rúcula
  • Abobrinha
  • Couve-flor
  • Pepino
  • Cânones
  • Catalonha
  • Berinjela
  • Espinafres
  • Pimentão amarelo
  • Pimentão verde
  • Couve de Bruxelas
  • Repolho verde
  • Aipo
  • Cenouras
  • Abóbora
  • Brócolis (folhas e talo)
  • Alcachofra
  • Acelga
  • Almeirão
O almeirão se encaixa facilmente ao paladar dos porquinhos-da-Índia
O almeirão se encaixa facilmente ao paladar dos porquinhos-da-Índia
Catalonha é rica em Vitamina C
Um dos alimentos preferidos desses roedores é a catalonha, a qual fornece 7,34 mg de Vitamina C em uma porção de 100 gramas.

Alface, que pode causar diarreia crônica, deve ser evitada[47]. Se o porquinho-da-índia está com sobrepeso, uma alternativa é oferecer-lhe berinjela, abobrinha e pepino. Pelo contrário, se está necessitando ganhar peso, podem ser oferecidas verduras como a catalonha e endívia ou abóbora. Para problemas nos rins ou trato urinário, é recomendado dar-lhe acelgas. Já a alcachofra é boa para o fígado[48].

Em relação às frutas, que deverão ser ofertadas em pequenas quantidades e cerca de 3 a 4 vezes por semana, sem pele e sem sementes, as seguintes são recomendadas:

  • Kiwi
  • Ananás
  • Cereja
  • Morangos
  • Melancia
  • Mamão
  • Damascos
  • Banana
  • Maçã
  • Manga
  • Mirtilos
  • Mexericas
  • Pêssego
  • Nêspera
  • Pera
  • Ameixa
  • Laranjas
  • Nectarina
  • Melão
  • Tomate
Maçã vermelha
Uma das frutas preferidas dos porquinhos é a maçã, a qual deve ser dada de duas a três vezes por semana.

Para prisão de ventre, o ideal é alimentar o porquinho-da-índia com kiwi e maçã, mas sem excesso. O melão e melancia são ótimas opções para hidratar o pequeno roedor. Um problema comum no porquinho é o excesso de gases, que pode ser evitado com o consumo de abacaxi, que melhora o seu sistema digestivo[49].

Vitamina C[editar | editar código-fonte]

Uma vez que o organismo do porquinho-da-Índia não possui a enzima gulonolactona-oxidase necessária no último estágio da biossíntese de vitamina C (ácido ascórbico) e, como consequência, não sintetiza essa vitamina, sua suplementação pode ser necessária [44][50][43] .

Uma dieta vegetal bem equilibrada (repolho, salsa, espinafre, vegetais folhosos, brócolis) pode garantir um nível adequado de ácido ascórbico em um animal saudável [44]. Além dos vegetais ricos nessa vitamina, esse roedor pode receber um pequeno pedaço de laranja, ou uma dose apropriada na forma de preparações veterinárias[51].

O animal deve receber um total de 10 mg de vitamina/quilograma de peso corporal/dia [44] [52]. A dose deve ser aumentada para 30 mg/kg/dia durante a gravidez e até 50-100 mg/kg/dia no tratamento escorbuto [44].

Segundo outras fontes, a demanda constante é de 10 a 30 mg/kg por dia e até 50 mg/kg por dia em fêmeas doentes, jovens, grávidas e animais com deficiência. No entanto, você deve evitar o uso de doses muito altas dessa vitamina, pois elas podem inibir o crescimento do animal[51].

A suplementação de vitamina C na forma dissolvida em água administrada a animais não é recomendada, pois é rapidamente degradada nessa forma[51] [53].

Necessidades Nutricionais diárias[editar | editar código-fonte]

Necessidades nutricionais estimadas para o crescimento de porquinhos-da-índia.[54]

Nutriente Unidade Quantidade

por kg de dieta

Comentários Referência
Proteína (28,6 g N × 6,25) g 180,0 a Shelton, 1971; Lister e McCance, 1965; Typpo et al., 1990a, b
Ácidos graxos essenciais (n-6) g 1,33-4,0 10 g de óleo de milho / kg de dieta são satisfatórios Reid e outros, 1964
Fibra g 150,0 Feno ou capim fresco Heinicke e Elvehjem, 1955
Aminoácidos b
Arginina g 12,0 Yoon, 1977
Histidina g 3.6. Anderson e Typpo, 1977
Isoleucina g 6.0 Ayers et al., 1987
Leucina g 10,8 Mueller, 1978
Lisina g 8.4 Typpo et al., 1985
Metionina g 6.0 c Typpo et al., 1990b
Fenilalanina g 10,8 d Chueh, 1973
Treonina g 6.0 Horstkoetter, 1974
Triptofano g 1.8 Smith, 1979
Valina g 8.4 Typpo et al., 1990b
Nitrogênio dispensável g 16,9 e Typpo et al., 1990b
Minerais
Cálcio g 8.0 Os requisitos de cálcio, fósforo, magnésio e potássio parecem refletir interações entre eles Morris e O'Dell, 1961, 1963; O'Dell et al., 1956, 1960
Fósforo g 4.0
Magnésio g 1.0
Potássio g 5.0
Cloreto g 0,5 Da estimativa para ratos alimentados com dieta purificada
Sódio g 0,5
Cobre f mg 6.0 Everson et al., 1967, 1968
Ferro mg 50,0 Estimativa
Manganês mg 40,0 Everson et al., 1959
Zinco mg 20,0 Alberts et ai., 1977; Navia e Lopez, 1973
Iodo g µg 150,0 Com base na exigência de ratos
Molibdênio µg 150,0 Com base na exigência de ratos
Selênio µg 150,0 Com base nas dietas requeridas por ratos
Vitaminas
A (retinol) h ou (β-caroteno) mg

mg

6,6

28,0

Utilizou 40% de forma tão eficiente quanto a vitamina A pré-formada Gil et al., 1968.

Bentley e Morgan, 1945

D (colecalciferol) i mg 0,025 Adequado; sem dados quantitativos
E ( RRR -α-tocoferol) j mg 26,7 Adequado Hsieh e Navia, 1980
K (filoquinona) mg 5.0 Adequado; deficiência alimentar não foi produzida
Ácido ascórbico mg 200,0 Mannering, 1949
Biotina ( d- biotina) mg 0,2 Adequado; deficiência alimentar simples não foi produzida
Colina (bitartarato de colina) mg 1.800 Reid, 1955
Ácido fólico mg 3.0-6.0 Mannering, 1949; Reid, 1954a; Reid et ai., 1956; Woodruff et al., 1953
Niacina mg 10.0 Reid, 1961
Ácido pantotênico (Ca- d- pantotenato ) mg 20,0 Reid e Briggs, 1954
Piridoxina mg 2.0-3.0 Reid, 1964
Riboflavina mg 3.0 Estimado Slanetz, 1943
Tiamina (tiamina-HCl) mg 2.0 Liu et al., 1967; Reid e Bieri, 1967

OBSERVAÇÃO:

Os requisitos de nutrientes são expressos conforme a alimentação para dietas contendo 10% de umidade; 2,8–3,5 kcal EM / g (11,7–14,6 kJ EM / g) e devem ser ajustados para dietas com diferentes concentrações de umidade e energia. Salvo indicação em contrário, as concentrações de nutrientes listadas representam requisitos mínimos e não incluem uma margem de segurança. Concentrações mais altas de muitos nutrientes podem ser justificadas em dietas com ingredientes naturais.

(a) Veja o texto. O crescimento é equivalente a 300 g de caseína mais 3 g de L-arginina por kg ou 200 g de proteína de soja mais 10 g de DL-metionina por kg.

(b) As quantidades refletem um ajuste de 20% para eficiência de utilização e crescimento máximo. Veja o texto para discussão.

(c) A cistina pode substituir 40%.

(d) A tirosina pode substituir 50%.

(e) Mistura de L-alanina, L-asparagina · H2O, ácido L-aspártico, ácido L-glutâmico, glutamato de sódio, glicina, L-prolina e L-serina. Veja o texto e Typpo et al. (1990b).

Sons e ruídos[editar | editar código-fonte]

Os sons dos porquinhos-da-índias são bastantes característicos, inclusive originando um de seus diversos nomes, cuy[55].

A linguagem que esses pequenos mamíferos utilizam, tanto para a comunicação com humanos quanto para outros porquinhos, é a seguinte[56]:

  • Uik, Uik! = Pode estar pedindo atenção ou comida. É um som muito ouvido quando o tutor chega em casa ou quando abre a porta da geladeira ou a sacola com verduras.
  • UIK!!!! = O grito agudo que demonstra medo, desespero ou dor. Também uma forma de indicar a aproximação de um predador.
  • Purrr = Som semelhante ao ronronar dos gatos. Demonstra segurança, prazer e alegria. Também é um som feito pelo macho ao fazer a corte e  a rumba para a fêmea.
  • Drrr = Sinal de alerta quando há algo estranho ao ambiente ou sons desconhecidos ou desagradáveis.
  • Resmungo baixo = É uma conversa  entre porquinhos. Alguns porquinhos também emitem esse som como uma conversa como tutor.
  • Bater os dentes =  É um som de ameaça. Pode demonstrar irritação com alguma coisa ou defesa de território. Pode demonstrar que uma briga está prestes a começar.
  • Chorinho = Som de desconforto normalmente emitido pela fêmea não receptiva às tentativas de corte do macho ou até  para o tutor querendo demonstrar que não quer mais ficar no colo.[57]
O som de "uik, uik" do porquinho-da-índia solicitando comida.


Raças[editar | editar código-fonte]

Porquinhos-da-Índia das raças Skynny e Baldwin necessitam de cuidados extras, como a hidratação da pele e a proteção contra objetos que possam machucá-los.
Porquinho-da-Índia da raça Angorá
Os porquinhos-da-índia apresentam uma grande variedade de cores e padrões, a saber:
Porquinho-da-Índia da raça Abissínio
Porquinho-da-Índia da raça Abissínio
Porquinho-da-Índia da raça Himalaio
Os porquinhos-da-índia da raça Himalaio foram desenvolvidos na região do Himalaia, centro-sul da Ásia. A maior característica desses roedores é a pigmentação mais escura dos pelos no focinho, patas e na ponta das orelhas, em detrimento do corpo todo branco.

Na Cultura e Entretenimento[editar | editar código-fonte]

The Temptation in the Garden of Eden

Além de diversas obras com pinturas de porquinhos-da-Índia, como o quadro O Eden de Jan Brueghel feito por volta de 1600[60], ou o quadro Ultima Ceia de Marcos Zapata do Século XVII[61], e também a pintura de três crianças da era elisabetana, essa produzida em 1580, e exposta na Galeria Nacional de Londres, temos atualmente diversos desenhos e filmes onde esses roedores aparecem como protagonista, coadjuvante, ou como meros animais de estimação mesmo.

44 Gatos[editar | editar código-fonte]

No desenho italiano 44 Gatos[62], temos no 12º Episódio da 1ª Temporada a porquinha-da-Índia chamada Ginny, uma dançarina cuja especialidade é o girassol, ou seja, rodopiar em volta de si mesmo. Nesse episódio, há uma competição de dança, onde inicialmente ela não tem um bom êxito. No final, ela consegue vencer a competição, mas recusa o prêmio porque ela não era um gato. Ela aparece em outros episódios, onde tem uma proximidade com o gato Cosmo, por quem ela tem uma paixão recíproca.

Peppa Pig[editar | editar código-fonte]

No desenho Peppa Pig, no 18º episódio da 6ª Temporada, Peppa está muito animada em sua primeira viagem à fazenda de animais, onde ela espera ansiosamente abraçar e acariciá-los, incluindo porquinhos-da-Índia[63]. Nesse desenho, o porquinho-da-Índia é apresentado somente como um simples animal de estimação, sem estar na forma antropomórfica.

Força G[editar | editar código-fonte]

No filme Força G é demonstrado que, por mais de 100 anos, o governo norte-americano treinou e espalhou animais como espiões. Devido a essa tecnologia, uma equipe de pequenos animais é formada, liderada por um porquinho-da-Índia chamado Darwin, composta também por mais dois desses roedores, Blaster e Juarez, e uma toupeira de nome Speckles. No filme, eles precisam deter um ambicioso bilionário que planeja dominar o mundo através de eletrodomésticos[64].

Dr. Dolittle[editar | editar código-fonte]

No Filme Dr. Dolittle (1998)[65], estreado por Eddie Murphy, é apresentado um porquinho-da-Índia chamado Rodney, dublado originalmente pelo comediante Chris Rock, e na versão brasileira por Rodney Gomes[66]. No filme, Rodney é o segundo animal a falar com Dr. Dolittle e um dos que mais se destacam na trama. Ele pertence à filha do médico, Maya (Kyla Pratt)[67], a qual, como seu pai, desenvolve habilidades semelhantes quando ele era uma criança.

Super Fofos ou Os patarecos[editar | editar código-fonte]

Na série Super Fofos, ou Os patarecos em Portugal, são apresentados três pequenos animais cuja missão é socorrer outros animais ao derredor do mundo. Em companhia da patinha Ming-Ming e da tartaruga Tuck, a porquinho-da-Índia Linny[68] viaja aos locais onde os próprios animais pedem socorro, através de uma ligação telefônica. Linny, a porquinho-da-Índia, é a líder do grupo. Tendo cinco anos de idade, esse pequeno mamífero usa boné vermelho e uma capa azul. O seu trabalho é orientar seus colegas por informações geográficas e zoológicas[69]. A dublagem original é feito por Zofie Zamchik e no Brasil por Bianca Alencar.

Pets,A Vida Secreta dos Bichos ou Vidas Secretas de Nossos Bichos[editar | editar código-fonte]

Pets, A Vida Secreta dos Bichos, ou Vidas Secretas de Nossos Bichos em Portugal, é um filme onde vários animais de estimação saem pela cidade no propósito de encontrarem dois cães, Max e Duke, que foram resgatados por um coelho chamado Snowball, quando estavam sendo atacados por gatos[70]. Dentre esses animais, encontra-se o porquinho-da-Índia Norman, o qual é capturado também. Norman também aparece na sequência desse filme, em Pets, A Vida Secreta dos Bichos 2[71], ou A Vidas Secretas de Nossos Bichos 2, em Portugal. Originalmente, Norman é dublado por Chris Renaud e, na versão brasileira, por Sérgio Stern[72].

Poema Porquinho-da-índia[editar | editar código-fonte]

Manoel Bandeira, um dos maiores poetas da literatura brasileira e um dos maiores representantes da primeira fase do Modernismo[73], fez um poema de um porquinho-da-Índia quando ele o criava aos seis anos[74]. Nesse poema, ele retrata uma das característica desse roedor, que é se esconder em abrigos improvisados e inusitados.

Porquinho-da-índia

"Quando eu tinha seis anos

Ganhei um porquinho-da-índia.

Que dor de coração me dava

Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão!

Levava ele pra sala

Pra os lugares mais bonitos mais limpinhos

Ele não gostava:

Queria era estar debaixo do fogão.

Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas…

— O meu porquinho-da-índia foi minha primeira namorada.”
— Manuel Bandeira

Referências

  1. a b Por Sérgio Rodrigues (27 de janeiro de 2015). «Cobaia, mas pode chamar de porquinho-da-índia». Consultado em 26 de abril de 2017 
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 421.
  3. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 439, 443.
  4. Zuckerman, Solly, Baron, 1904-1993.; Smith, Grafton Elliot, 1871-1937.; Anatomical Society of Great Britain and Ireland.; Zoological Society of London. (1973). The Concepts of human evolution : the proceedings of a symposium organized jointly by the Anatomical Society of Great Britain and Ireland and the Zoological Society of London on 9 and 10 November, 1972. [London]: Published for the Zoological Society of London by Academic Press. OCLC 893339 
  5. Nowak, Ronald M. (1999). Walker's mammals of the world Sixth edition ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. OCLC 39045218 
  6. «Comportamento». Porquinhos da índia QM. Consultado em 2 de julho de 2020 
  7. «Porquinhos-da-Índia são ótimos animais de estimação». R7. Consultado em 29 de Agosto de 2016 
  8. Dicionário Aurélio, verbete cobaia
  9. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 439, 443.
  10. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 439, 443.
  11. «Guinea Pig». Hoboken, NJ, USA: John Wiley & Sons, Inc. Encyclopedic Dictionary of Genetics, Genomics and Proteomics 15 de julho de 2004. ISBN 0-471-68422-8 
  12. Hyung, Chung (1 de março de 2018). «Japanese classic literature reading Understanding Japanese culture through game, Understanding Japanese culture through fashion, food and home, Understanding Japanese culture through animals and plants». Journal of Japanese Studies. null (75): 315–319. ISSN 1225-6277. doi:10.15733/jast.2018..75.315. Consultado em 24 de julho de 2020 
  13. Morales, Edmundo, 1943- (1995). The guinea pig : healing, food, and ritual in the Andes. Tucson: University of Arizona Press. OCLC 31970310 
  14. Chazan, Michael. (2008). World prehistory and archaeology : pathways through time. Boston: Pearson Allyn and Bacon. OCLC 77830098 
  15. Morales, Edmundo, 1943- (1995). The guinea pig : healing, food, and ritual in the Andes. Tucson: University of Arizona Press. OCLC 31970310 
  16. Salazar-Burger, Lucy (1 de setembro de 1999). «The Spirit of Ancient Peru: Treasures from the Museo Arqueológico Rafael Larco Herrera. Edited by Kathleen Berrin. Thames & Hudson and Fine Arts Museums of San Francisco, New York, 1997. 216 pp., figures, j catalog, bibliography, index. $45.00 (cloth).». Latin American Antiquity. 10 (3): 328–329. ISSN 1045-6635. doi:10.2307/972046. Consultado em 24 de julho de 2020 
  17. Nowak, Ronald M. (1999). Walker's mammals of the world Sixth edition ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. OCLC 39045218 
  18. Morales, Edmundo, 1943- (1995). The guinea pig : healing, food, and ritual in the Andes. Tucson: University of Arizona Press. OCLC 31970310 
  19. Morales, Edmundo, 1943- (1995). The guinea pig : healing, food, and ritual in the Andes. Tucson: University of Arizona Press. OCLC 31970310 
  20. a b Gad, Shayne C., 1948- (2007). Animal models in toxicology 2nd ed ed. Boca Raton: CRC/Taylor & Francis. OCLC 62493286 
  21. a b K. Taylor, Douglas; K. Lee, Vanessa (2012). Guinea Pigs as Experimental Models (in:) The Laboratory Rabbit, Guinea Pig, Hamster, and Other Rodents. [S.l.]: Academic Press. pp. 705–744. ISBN 978-0-12-380920-9 
  22. Harkness, John E. (1995). The biology and medicine of rabbits and rodents 4th ed ed. Baltimore: Williams & Wilkins. OCLC 31754972 
  23. a b Karen Calado. «Porquinho da Índia: Como Cuidar». Consultado em 26 de abril de 2017 
  24. a b «Doenças comuns do porquinho da Índia». peritoanimal.com.br. Consultado em 30 de junho de 2020 
  25. Minas, Estado de; Minas, Estado de (8 de agosto de 2015). «Porquinho-da-Índia - Dócil e gosta de atenção». Estado de Minas. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  26. «Alojamento». Consultado em 24 de agosto de 2019 
  27. Pet, Canal do (14 de fevereiro de 2019). «Aprenda a fazer o melhor cercado para Porquinho da Índia - Dicas - iG». Canal do Pet. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  28. «Porquinho da Índia: como criar, fotos e raças». O Amigo Pet. 18 de junho de 2018. Consultado em 24 de agosto de 2019 
  29. ADAPTAÇÃO - Apresentando um novo porquinho-da-índia, consultado em 24 de agosto de 2019 
  30. «Porquinho da índia: Como cuidar? | Mundo Animal». Consultado em 14 de junho de 2020 
  31. «5 passos FÁCEIS para dar banho em porquinho-da-índia». peritoanimal.com.br. Consultado em 14 de junho de 2020 
  32. «Sociedade Brasileira dos Porquinhos da Índia». www.facebook.com. Consultado em 1 de julho de 2020 
  33. «Amamos porquinhos da india». www.facebook.com. Consultado em 1 de julho de 2020 
  34. «Doação e informações de Porquinho da Índia 🐹🐾». www.facebook.com. Consultado em 1 de julho de 2020 
  35. «YouTube». www.youtube.com. Consultado em 1 de julho de 2020 
  36. «YouTube». www.youtube.com. Consultado em 1 de julho de 2020 
  37. «YouTube». www.youtube.com. Consultado em 1 de julho de 2020 
  38. «Diário das Porquinhas – Apps no Google Play». play.google.com. Consultado em 1 de julho de 2020 
  39. a b «Sociedade Brasileira dos Porquinhos da Índia». www.facebook.com. Consultado em 7 de julho de 2020 
  40. a b c d e f g h i http://www.rdpc.uevora.pt/bitstream/10174/13991/1/Tese%20final%20corrigida%20tabulada2.pdf
  41. a b c Couto, Sebastião (20002). «Criação e manejo de cobaias» (PDF). Editora FioCruz. Consultado em 30 de junho de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  42. a b «Escorbuto em porquinho da índia: sintomas e tratamento». peritoanimal.com.br. Consultado em 30 de junho de 2020 
  43. a b Pet, Canal do (3 de março de 2019). «Escorbuto em Porquinho da índia - saiba tudo sobre a doençp - Saúde - iG». Canal do Pet. Consultado em 13 de agosto de 2019 
  44. a b c d e f Bament, Wendy (1 de outubro de 2012). «VN's guide to guinea pigs: handling, nutrition, nursing». Vet Times. Consultado em 28 de junho de 2020 
  45. Unknown (segunda-feira, 23 de março de 2015). «Pets Exóticos: Vitamina C». Pets Exóticos. Consultado em 30 de junho de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  46. «Lista completa de frutas e verduras BOAS para porquinho-da-índia». peritoanimal.com.br. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  47. Pet, Canal do (1 de novembro de 2017). «Conheça os alimentos proibidos para um porquinho-da-índia - Cuidados - iG». Canal do Pet. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  48. «Lista completa de frutas e verduras BOAS para porquinho-da-índia». peritoanimal.com.br. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  49. «Lista completa de frutas e verduras BOAS para porquinho-da-índia». peritoanimal.com.br. Consultado em 14 de agosto de 2019 
  50. Bament, Wendy (2 de março de 2015). «Critical care of the guinea pig: a veterinary nurse's guide part 1». The Veterinary Nurse. 6 (2): 110–117. ISSN 2044-0065. doi:10.12968/vetn.2015.6.2.110 
  51. a b c «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 3 de abril de 2018. Consultado em 28 de junho de 2020 
  52. Mitchell, Mark A.; Piasecki, Tomasz. (2010). Zwierzęta egzotyczne 1. wyd ed. Wrocław: Elsevier Urban & Partner. OCLC 787843603 
  53. Woolfe, Victoria (14 de abril de 2014). «Vitamin C supplementation in guinea pigs». Vet Times. Consultado em 28 de junho de 2020 
  54. Nutrition, National Research Council (US) Subcommittee on Laboratory Animal (1995). Nutrient Requirements of the Guinea Pig (em inglês). [S.l.]: National Academies Press (US) 
  55. «O porquinho-da-índia é parente do porco? – PetRede». Consultado em 16 de agosto de 2019 
  56. «Roedores e coelhos/porquino-da-india-comportamento». Roedores e Coelhos. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  57. «Roedores e coelhos/porquino-da-india-comportamento». Roedores e Coelhos. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  58. a b c d e f g h i j k l Guia Pet e cia (26 de abril de 2017). «Conheça raças e cores do Porquinho-da-Índia» 
  59. Ferreira, Stephanie (17 de dezembro de 2016). «QUAL A RAÇA DO SEU PORQUINHO-DA-ÍNDIA?». Quase Mineira. Consultado em 13 de julho de 2020 
  60. «Guinea Pigs Were Widespread as Elizabethan Pets». National Geographic News (em inglês). 9 de fevereiro de 2012. Consultado em 21 de julho de 2020 
  61. Edwards, Anna (21 de agosto de 2013). «Is this the first portrait of a guinea pig? Experts claim this painting is the earliest depiction of the once 'exotic' pet». Mail Online. Consultado em 21 de julho de 2020 
  62. 44 Gatti, consultado em 21 de julho de 2020 
  63. «Peppa Pig - S6 - Episode 18: Petting Farm». Radio Times (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2020 
  64. AdoroCinema, Força G, consultado em 21 de julho de 2020 
  65. AdoroCinema, Dr. Dolittle : Elenco, atores, equipe técnica, produção, consultado em 21 de julho de 2020 
  66. Ferreira, Gerson (domingo, 23 de junho de 2019). «Casa da Dublagem: Rodney Gomes». Casa da Dublagem. Consultado em 21 de julho de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)
  67. «Kyla Pratt». IMDb. Consultado em 21 de julho de 2020 
  68. «Conhecendo o grupo : Super Fofos | •Kpop• Amino». •Kpop• | aminoapps.com. Consultado em 22 de julho de 2020 
  69. «NOGGIN». www.noggin.com.br. Consultado em 22 de julho de 2020 
  70. AdoroCinema, Pets - A Vida Secreta dos Bichos, consultado em 22 de julho de 2020 
  71. AdoroCinema, Pets - A Vida Secreta dos Bichos 2, consultado em 22 de julho de 2020 
  72. AdoroCinema, Pets - A Vida Secreta dos Bichos 2 : Elenco, atores, equipe técnica, produção, consultado em 22 de julho de 2020 
  73. «Biografia de Manuel Bandeira». eBiografia. Consultado em 23 de julho de 2020 
  74. «ANALISE Porquinho-da-india». muiraquita. Consultado em 23 de julho de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Porquinho-da-Índia
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Porquinho-da-Índia